Avant Premiere - 3x08: Antologia Nosso Amor - WebTV - Compartilhar leitura está em nosso DNA

O que Procura?

HOT 3!

Avant Premiere - 3x08: Antologia Nosso Amor

Antologia Nosso Amor (1ª Temporada)
Compartilhe:




AVANT PREMIERE

SINOPSE


O amor nunca deve significar ter que viver com medo. Ele é livre, simplesmente acontece, por isso, viva intensamente e entregue-se ao sentimento mais puro e intenso, o amor. Na Antologia Nosso Amor, você vai acompanhar 8 histórias onde o romance é o tema central.

GABO: Boa noite, Mundo Virtual. A partir desta sexta, dia 20 de novembro, o romance vai entrar no ar aqui na WebTV com a estreia da Antologia Nosso Amor, que vai abordar o romance LGBTQ+. 





GABO: São 8 histórias que serão exibidas entre novembro e março. A Antologia vai substituir a 1ª Temporada da Lua Negra que chega ao fim no dia 4 de dezembro. Fique com a gente e venha conhecer o que vem por aí. Começa agora o Avant Premiere: Antologia Nosso Amor.



Conto:
Boné Vermelho
Autora: S. Guerra
Sinopse: 
Uma garota trans do ensino médio se vê em conflito ao se apaixonar pela aluna recém-chegada. 

GABO: S. Guerra, qual foi a inspiração para criar o conto “Boné Vermelho”?

S. GUERRA: Eu nunca fui muito ligada na questão das pessoas trans, mas isso mudou desde junho pra cá. Fiquei muito influenciada pelo The Last of Us Part II (vídeo-game, 2020) e toda a representatividade que a narrativa apresentou. Foi um jogo que me impactou muito e me inspirou bastante.

De lá pra cá, eu tenho tentado entender cada vez mais desse mundo, afinal, só porque eu não faço parte de algo, não significa que eu não possa ou não tenha a obrigação cívica e moral de defendê-lo. Navegando por esse meio, percebi que havia uma grande lacuna de representatividade desse meio tão marginalizado, e isso tem me irritado bastante recentemente, pois também de junho pra cá, me vi cada vez mais rodeada por esse gente. Isso fez com que essa causa se tornasse cada vez mais algo pessoal para mim. Meu pensamento foi: Eu tenho amigos trans. É minha obrigação ajudá-los e defendê-los da maneira que eu puder. E, bom, eu não sou política nem policial. Eu sou escritora, minhas armas são meus textos, e foi assim que decidi contribuir. Comecei a criar personagens cada vez mais representativos.

Pois eu seu muito bem que algo que todo o LGBT sente muita falta e de representatividade, a ponto de que choramos toda a vez que algum cartoon coloca um beijo homoafetivo em tela. É como se devolvessem a infância que nunca tivemos. Os meninos e meninas cis e heteros sempre tiveram seus príncipes salvando e beijando as princesas. E nós? Tínhamos o quê?

Enfim, nossa batalha por representação está longe de acabar, mas algumas siglas da nossa bandeira ainda estão muito mais atrás do que outras. Eu senti que era a minha obrigação ajudar.  

GABO:  O que o público pode esperar da história? 

S. GUERRA: Eu queria algo que gerasse empatia aos jovens brasileiros. Não é apenas de gays americanos padronizados que vive o mundo. Boiolas tupiniquins também existem e era isso que eu queria mostrar. Eu me baseei bastante no meu período do ensino médio na Região dos Lagos, no Rio de Janeiro. Inclusive, me inspirando muito no próprio bairro que eu cresci, que era , parafraseando o presidente, terrivelmente evangélico.

O público pode esperar a mais pura empatia. Coisas que qualquer jovem brasileiro passou na vida. Sou capaz de apostar um copão de açaí que não vai ter um único leitor que não vá se identificar com pelo menos um ponto da narrativa.

Afinal, quem nunca teve um “gay panic” perto do crush? 

GABO: É a primeira vez que você escreve sobre o gênero abordado no conto?

S. GUERRA: De forma alguma. Esse é um tipo de conto que eu escrevo com certa frequência. Inclusive, lembro-me de ter me tornado uma subcelebridade na minha escola (lá pra 2014) justamente por causa de um texto similar (claro que, na época, os personagens eram heteros, cis, recatados e do lar).

Mas esse foi o primeiro conto que publiquei com uma personagem trans, e isso me orgulha muito. Espero escrever e publicar muitos outros mais.

GABO: Qual foi o maior desafio ao escrever o conto?

S. GUERRA: Manter o ritmo. Eu geralmente sou uma escritora de terror e costumo trabalhar com narrativas bem tensas em complexas, algo que é completamente o contrário do gênero colegial. O colegial necessita de leveza e calma na narrativa, algo que eu geralmente não tenho. Me senti uma vitoriosa quando terminei o texto.

GABO: Quais são suas expectativas para a estreia do conto?

S. GUERRA: Como diria a presidente Dilma, vamos deixar a meta aberta e depois dobramos a meta.

Mas, falando sério agora, eu não sei o que esperar. Já sinto que bati todas as minhas expectativas quando o meu conto foi selecionado, mas ficaria bem feliz se soubesse que alguém, mesmo que fosse apenas uma pessoa, se emocionou com o meu conto. Gosto de provocar emoções nas pessoas. Adoro quando meus leitores (de outras plataformas) escrevem para mim dizendo que choraram enquanto liam. Não espero o mesmo resultado com esse texto, mas saber que emocionei alguém, realmente me orgulharia.

GABO: Se fosse para definir o conto em uma palavra, qual seria?

S. GUERRA: Cafuné.

GABO: Deixe uma mensagem para o público.

S. GUERRA: Am... Eu não sou muito boa em falar com pessoas. Eu sou um ser introvertido que vive dentro de uma caverna. Mas, vamos lá.

Eu, Shö Guerra, convido a todos os leitores de plantão para ler o meu conto, “Boné Vermelho”, e toda essa maravilhosa antologia. Aqui, você encontrará histórias de todos os gostos e jeitos, para que você se sinta representado ao mesmo tempo que derrete seu coração. Mas independentemente de você ir ler minha obra ou não, se você chegou até aqui, quero te dizer uma coisa. Não importa o que digam, você é importante. Você importa. Nós te amamos.

Tenha uma vida longa e prospera.



Conto: 
Começar Outra Vez
Autor: Beto Lima
SinopseEm um dia ruim, Bruno perdeu seu emprego de operador de telemarketing e viu seu parceiro Caio indo embora. Nessa situação, o rapaz se vê obrigado a recomeçar sua vida profissional e pessoal. Porém o que ele não esperava era que esse recomeço transformasse seu amigo Henrique, comissário de bordo com quem dividia um apartamento em Copacabana em seu novo amor, após uma linda declaração. 

GABO: Beto, qual foi a inspiração para criar o conto “Começar Outra Vez”?

 

BETO: Bem, eu acho que o tema “recomeço” é algo bem comum em nosso cotidiano. Quem nunca teve que recomeçar na vida? O fim de um casamento, a morte de um ente querido, um novo emprego, uma nova cidade, enfim, acredito que por se tratar de um tema contemporâneo, a maioria dos leitores irá se identificar com o texto. Esse conto na verdade era um projeto para o meu segundo romance que comecei a escrever em 2012. No entanto, acabei transformando o argumento em um texto mais curto, o que resultou nesse projeto, depois que eu perdi um capítulo inteiro após uma pane no meu computador.

 

GABO:  O que o público pode esperar da história?

 

BETO: Um texto de linguagem simples com uma história envolvente e sutil.

 

GABO: É a primeira vez que você escreve sobre o gênero abordado no conto?

 

BETO: Não, como disse, esse trabalho era originalmente um projeto para o meu segundo romance com a temática LGBTQIA+. Em 2009 eu concluí meu primeiro romance “Amor Igual” com essa temática, que publiquei em 2012. No ano que vem no pós pandemia pretendo relançar essa obra novamente.

 

GABO: Qual foi o maior desafio ao escrever o conto?

 

BETO: Então, sempre que eu me proponho a escrever um texto que pretendo publicar, busco alguma coisa que prenda a minha atenção do início ao fim, e acho que para qualquer autor, isso é fundamental, você criar um texto, um universo realista, no meu caso, capaz de prender a atenção do leitor a partir do momento em que este se propõe a ler o que você escreveu, e pra isso, o texto tem que me empolgar primeiro. Se eu não acreditar na história que eu estou me propondo a contar, meu leitor também não vai, então acho que o maior desafio pra mim é esse, acreditar na minha história.

 

GABO: Quais são suas expectativas para a estreia do conto?

 

BETO: Ah, as expectativas são as melhores possíveis! Eu espero que meu leitor goste desse conto tanto quanto eu, até porque como já disse, escrevo sobre o cotidiano, meus textos são ficções bem realistas, logo, pode ser que muitos se identifiquem com a história por isso.

 

GABO: Se fosse para definir o conto em uma palavra, qual seria?

 

BETO: Envolvente.

 

GABO: Deixe uma mensagem para o público.

 

BETO: Gostaria primeiro de agradecer a WebTV pela oportunidade de divulgação do meu trabalho, e convidar ao público leitor para apreciar essa bela história de amor que começou quando tudo parecia estar dando errado na vida do personagem principal, e aproveito também para convidar os leitores a fazer uma reflexão sobre o tema: “Recomeçar é preciso, sempre que for necessário!” Beijo grande e obrigado!

 


Conto:
A Tempestade
Autora: Fabíola Colares
Sinopse: História de amor entre duas mulheres, marcada por uma tragédia.


GABO:
 Fabíola, qual foi a inspiração para criar o conto “A Tempestade”?

 

FABÍOLA: Em um período de quatro anos, desenvolvendo pesquisas sobre comportamento sexual para uma universidade, entrevistei várias pessoas. Durante essas conversas, independente do gênero, foram surgindo as histórias. As pessoas me contavam suas aventuras. Compilei essas conversas, transformei essas personagens em mim e criei os contos. Não cito nomes, locais, cidades ou quaisquer coisas que possam identificar a personagem. A inspiração é essa: transformar a vida das personagens em minha.

 

GABO:  O que o público pode esperar da história? 

 

FABÍOLA: A Tempestade é um conto muito triste e é baseado, assim como outros contos meus, em fatos reais. Os leitores e leitoras podem esperar uma emoção verdadeira. 

 

GABO: É a primeira vez que você escreve sobre o gênero abordado no conto?

 

FABÍOLA:  Não. Tenho um livro com vários contos eróticos e A Tempestade faz parte dele. "Diário erótico - Suas histórias pelos meus contos", lançado em novembro de 2019, pela Editora Maré.

 

GABO: Qual foi o maior desafio ao escrever o conto?

 

FABÍOLA:  Manter a fidelidade à história contada para mim. Acho que foi o maior desafio que já enfrentei, pois a pessoa que me contou essa história, só concordou se eu a escrevesse exatamente como acontecido.

 

GABO: Quais são suas expectativas para a estreia do conto?

 

FABÍOLA:  Espero que as pessoas gostem da apresentação do conto. Embora seja uma história triste, é delicada e espero conseguir passar isso através do conto.

 

GABO: Se fosse para definir o conto em uma palavra, qual seria?

 

FABÍOLA:  Superação.

 

GABO: Deixe uma mensagem para o público.

 

FABÍOLA:  Olá, será uma grande honra para mim a audiência da apresentação do meu conto "A Tempestade", na WebTV, dia 18 de dezembro de 2020. Obrigada e até lá.



Conto:
Damas de Ferro

Autora: Karinny Gonçalves
Sinopse: Mariana é uma estudante muito focada e inteligente, buscando o melhor para o seu futuro. Entretanto, todas as suas conquistas lhe fizeram um tanto quanto arrogante, imaginando que ninguém poderia ultrapassa-la. Diante de um novo campeonato de xadrez da escola, ela se depara com uma sedutora desafiante chamada Rafaela. Será que Mariana permanecerá inabalável diante dessa misteriosa aluna ou será enfim sua queda?


GABO: Karinny, qual foi a inspiração para criar o conto "Damas de Ferro"?

KARINNY: Um encontro passado com uma outra alma enigmática. 

GABO:  O que o público pode esperar da história?

KARINNY: Muitas doses de sarcasmo, sedução e lábia. 

GABO: É a primeira vez que você escreve sobre o gênero abordado no conto?

KARINNY: Não, já tenho outros textos no mesmo tema, porém no gênero de poesia. 

GABO: Qual foi o maior desafio ao escrever o conto?

KARINNY: Conseguir pensar nos dois lados da moeda: como imaginar estratégias entre as duas personagens?

GABO: Quais são suas expectativas para a estreia do conto?

KARINNY: Espero que os leitores possam se envolver com a trama e se aproximarem dos sentimentos vividos pela personagem principal.

GABO: Se fosse para definir o conto em uma palavra, qual seria?

KARINNY: Sedução.

GABO: Deixe uma mensagem para o público.

KARINNY: Olá, queridos leitores! Espero que vocês possam se deleitar com essa trama do amor e da razão. Que fiquem curiosos pelo final da história e que vejam se conseguem imaginar quais serão as jogadas destas duas damas de ferro em um jogo, em que o xeque-mate pode ser tão inesperado! 




Conto:
Uma Joia Cupido num Tempo Difícil
Autor: Cardoso
Sinopse: 
Em meio a golpe militar, um jovem fotógrafo é apresentado a um transformista através da amiga. 

GABO: Cardoso, qual foi a inspiração para criar o conto “Uma Joia Cupido num Tempo Difícil”?

 

CARDOSO:  Depois de assistir uma entrevista da Miss Biá, que faleceu vítima do COVID em junho, surgiu a ideia e compreender um pouco o início, ao menos aqui no Brasil, do movimento drag queen, que na década de 80 eram denominadas como transformistas.

 

GABO:  O que o público pode esperar da história?

 

CARDOSO: Acredito que encontrará personagens que ainda estão se construindo, aprendendo a sair de uma bolha e olhar para o mundo mantendo os pés no chão. Outros personagens mais sagazes que se impõe e realizam os seus sonhos, mesmo nadando contra a maré (preconceito/ditadura).

 

GABO: É a primeira vez que você escreve sobre o gênero abordado no conto?

 

CARDOSO: Não. Já havia escrito outros contos LGBTQIA+, porém foi a primeira vez que incorporei um romance vivido em outra década.

 

GABO: Qual foi o maior desafio ao escrever o conto?

 

CARDOSO: Conhecer um pouco mais sobre a ditadura militar e o triste impacto na comunidade LGBTQIA+. Foi triste sim, porém culminou num fortalecimento da causa de maneira gradativa.

 

GABO: Quais são suas expectativas para a estreia do conto?

 

CARDOSO: Que o leitor, assim como eu, voltasse um pouco no tempo e conhecesse mais sobre uma parte da história recente do país, onde ainda hoje, apesar de tudo, há quem defenda o regime militar.


Que compreendam que discursos como  “AIDS é uma doença dos gays” é totalmente retrogrado e que TODOS precisam se proteger.


Gostaria que a leitura despertasse o interesse em saber mais sobre as pioneiras no Brasil que abriram caminho para nomes como Pabllo Vittar, GG, etc.

 

GABO: Se fosse para definir o conto em uma palavra, qual seria?

 

CARDOSO: Incondicional: no amor, na amizade,  na democracia, na verdade, na ideologia, no sonho.

 

GABO: Deixe uma mensagem para o público.

 

CARDOSO: Vejo uma ótima oportunidade para conhecerem histórias destes 8 nobres escritores brasileiros que trazem mensagens positivas para uma sociedade mais respeitosa e allegre!



Conto: 
A Chuva
Autora: Fabíola Colares

Sinopse: 
Depois da entrega ao calor do desejo e da paixão, as personagens, no silêncio da satisfação, refrescam seus corpos e suas lembranças ao sentirem a chuva.

 

GABO: Fabíola, qual foi a inspiração para criar o conto "A Chuva"?
 

FABÍOLA: A paixão de duas mulheres que se conheceram pela internet. Ambas eram casadas e nunca tinham ficado com mulheres. O romance entre elas foi avassalador.

GABO:  O que o público pode esperar da história?

FABÍOLA: Sensualidade, sentimento e delicadeza.

GABO: É a primeira vez que você escreve sobre o gênero abordado no conto?

FABÍOLA: Não. Tenho um livro de contos eróticos "Diário Erótico - Suas histórias pelos meus contos". 2a. Edição - Editora Maré - 2019

GABO: Qual foi o maior desafio ao escrever o conto?

FABÍOLA: Manter em sigilo as identidades das personagens.

GABO: Quais são suas expectativas para a estreia do conto?

FABÍOLA: Que alcance o maior número de leitores e espectadores.

GABO: Se fosse para definir o conto em uma palavra, qual seria?

FABÍOLA: Delicadeza

GABO: Deixe uma mensagem para o público.

FABÍOLA: Convido a todos para a estreia do conto A Chuva e espero que gostem.

 



Conto: 
Maria Rosa
Autora: 
Lauanda Meirielle dos Santos
Sinopse: 
Maria Rosa é a moça mais estudada e mais bonita da cidade de Goianésia / Goiás. Ela tem o sonho de ser médica. A família apoia o sonho enviando-lhe para a capital, Goiânia. Lá ela conhece a si mesmo e também uma outra moça que participa da guerrilha do Araguaia, Joana. 

GABO: Lauanda, Qual foi a inspiração para criar o conto “Maria Rosa”?

 

LAUANDA: Eu busquei inspiração nas minhas raízes. Sou da cidade de Goianésia- Goiás e gostaria que mais pessoas conhecessem um pouco mais da nossa realidade. 

 

GABO:  O que o público pode esperar da história?

 

LAUANDA: Uma perspectiva histórica do Brasil e assim como, um amor que resiste às dificuldades políticas do Regime Militar. 

 

GABO: É a primeira vez que você escreve sobre o gênero abordado no conto?

 

LAUANDA: Não. No entanto, é a primeira vez que eu divulgo um escrito sobre amor LGBTQ+

 

GABO: Qual foi o maior desafio ao escrever o conto?

 

LAUANDA: Usar a narrativa que traga o leitor a conhecer um pouco de Goiás, inclusive, nosso modo de expressar.

 

GABO: Quais são suas expectativas para a estreia do conto?

 

LAUANDA: Espero que este conto abra portas para outros escritores goianos. 

 

GABO: Se fosse para definir o conto em uma palavra, qual seria?

 

LAUANDA: Simplicidade.

 

GABO: Deixe uma mensagem para o público. 

 

LAUANDA: Estou muito grata a WebTv por esta oportunidade. Espero que o público possa acompanhar a série Antologia Nosso Amor. Meu conto será exibido no dia 26 de Fevereiro de 2021. Aqueles e Aquelas que queiram entrar em contato, podem me procurar no Instagram @lau.literatura. Estarei a disposição e muito obrigada.



Conto:
Noite sem vergonha
Autor: Jojo Campos
Sinopse: Após receber o resultado do vestibular de medicina, Luis se prepara para dar os primeiros passos em direção a uma vida mais autônoma e livre, na universidade. O destino reservou um novo desafio, ficar longe de Mari, Camila e Bella, suas melhores amigas do ensino médio. Mesmo com a distância, eles prometeram nunca perder o contato e aproveitar os momentos juntos, como se fossem os últimos dias de suas vidas. Apesar de tantas coisas novas, alguns problemas do passado continuam afetando sua autoestima: a insegurança, a virgindade e o medo de ser rejeitado. Porém, o ano não vai acabar sem, ao menos, deixar um pequeno marco para apimentar a noite de despedida.

 

GABO: Jojo, qual foi a inspiração para criar o conto “Noite sem Vergonha”?

 

JOJO: Eu não me lembro exatamente, mas sei que foram vários recortes, como uma tarde na piscina com algumas amigas, um sonho louco no meio da madrugada, algumas conversas e vários desejos compartilhados. Não sei juntar mais os pedacinhos e dizer o que exatamente me inspirou em cada parte.

 

GABO:  O que o público pode esperar da história?

 

JOJO: Um pouco de sonhos, desejos, talvez umas frustrações aqui e ali. Alguns podem ficar cheios de tesão.

 

GABO: É a primeira vez que você escreve sobre o gênero abordado no conto?

 

JOJO: Não, mas é a primeira vez que eu envio um texto assim para publicação. No máximo eu compartilhava com alguns amigos.

 

GABO: Qual foi o maior desafio ao escrever o conto?

 

JOJO: Descrever desejos que nunca foram realizados. Às vezes, o problema não é saber o que quer, mas como dizer. Eu tenho essa dificuldade, mas o papel e a caneta facilitam. Eles não me julgam tanto.

 

GABO: Quais são suas expectativas para a estreia do conto?

 

JOJO: Eu confesso que não sei responder a essa pergunta. A vida me ensinou a não criar expectativas.

 

GABO: Se fosse para definir o conto em uma palavra, qual seria?

 

JOJO: Momentos

 

GABO: Deixe uma mensagem para o público.

 

JOJO: Desconfie de quem alega nunca ter tido uma noite sem vergonha, pois é uma noite como outra qualquer, cheia de recortes marcantes, mesmo que sejam apenas fruto da imaginação. Os beijos podem ser apenas desejos e os toques se espalham no corpo feito as gotas de suor. Essas coisas acontecem na sua cama, apesar de os sonhos nem sempre registrarem tudo. Então, venha protagonizar a sua noite aqui, no meio de tantas palavras escritas. Deixe a vergonha do lado de fora do quarto e se entregue aos desejos.



GABO: Obrigado, autores pela participação no Avant Premiere: Antologia Nosso Amor. Galera, anota aí na agenda, a estreia do Nosso Amor será nesta sexta, meia-noite, aqui na WebTV. Boa noite e até a próxima.

 

https://1.bp.blogspot.com/-Dfu2UEb725M/W4CJq5apqsI/AAAAAAAACvQ/LQGMF383Rq4ftcLTXAoQgwGLYHpbSO_AQCLcBGAs/s1600/credito_avantpremiete.jpg

  apresentação
Gabo Olsen

convidados
Beto Lima
Cardoso
Fabíola Colares
Karinny Gonçalves
Jojo Campos
Lau dos Santos
S. Guerra

entretenimento
contatoredewtv@gmail.com


REALIZAÇÃO


Copyright 
© 2020 - WebTV
www.redewtv.com
Todos os direitos reservados
Proibida a cópia ou a reprodução


Compartilhe:

Avant Premiere

Edições do Avant Premiere

Entretenimento

Episódios da Antologia Nosso Amor

Especial

No Ar

Programa

Comentários:

0 comentários: