Relações Perigosas - Capítulo 08 - WebTV - Compartilhar leitura está em nosso DNA

O que Procura?

HOT 3!

Relações Perigosas - Capítulo 08

Novela de Felipe Porto
Compartilhe:
Troque a Fonte Aqui


     
     
     

VALE A PENA LER DE NOVO: RELAÇÕES PERIGOSAS
 
     
 
 
     
  NO CAPÍTULO ANTERIOR DE "RELAÇÕES PERIGOSAS":

Heloísa — Sinto sim. Ódio, desprezo, nojo... E agora, uma vontade louca de quebrar esse pedaço de ferro na sua cabeça.

Clara — (Lágrimas) Você tá falando como uma assassina. Você não é assim, Helô.

...

Heloísa
— Me dá esse anel?

Clara — Não.

Heloísa — (Grita) Dá logo!

Heloísa bate com o ferro nas grades do iate.

Clara — Você vai me matar mesmo. Eu não vou te dar nada.

Heloísa — Tá acabou a brincadeira. Já dei tempo suficiente pra você aproveitar esse restinho de vida... Corre que chegou a hora de começar o show.

Clara tenta correr para o interior do iate, mas Heloísa a puxa e joga a irmã no chão. Heloísa encara Clara caída no chão.

Heloísa — Você vai morrer aqui fora.

Clara — E você nunca vai ser feliz com o Marcelo, e essa sua farsa não vai durar muito tempo.

Heloísa — Isso é o que vamos ver. (Pausa) Foi um desprazer enorme ter convivido com você todos esses anos.

Clara se levanta rápido e ameaça correr, mas antes que ela consiga, Heloísa dá uma paulada na cabeça de Clara.


...
 

Heloísa — Pronto, serviço feito.

Heloísa olha para o céu e vê o tempo fechando.

Heloísa — Vamos parar de enrolar que eu quero me livrar de você antes da chuva chegar.

Heloísa vai pegar Clara, mas vê o anel no dedo dela.

Heloísa — O anel! Já ia esquecer dele!

Heloísa tira o anel de noivado do dedo de Clara e coloca em seu próprio dedo.

Heloísa — Agora sim. Adeus maninha.

Com dificuldade, Heloísa atira o corpo de Clara para fora do iate. O corpo de Clara afunda. Começa a chover.

Heloísa — (Sorrindo) Obrigada, São Pedro. Santa chuva!

Heloísa abre os braços e rodopia feliz.


...

Heloísa — A única pessoa que pode estragar os meus planos é a mãe. Só ela iria me reconhecer. (Pausa) Eu preciso dar um jeito de tirar ela do meu caminho.

Heloísa para e sorri sádica.

Heloísa — Como eu não pensei nisso antes.

Em Heloísa com um ar misterioso.

...

Heloísa — Tomara que tenha valido a pena fazer esse corte.

Heloísa respira fundo.

Heloísa — (Séria) É hora do show.

Heloísa se aproxima um pouco mais de Luísa, mas permanece escondida.

Heloísa — (Chama) Mãe.

...

Heloísa — (Finge preocupação) O que aconteceu com ela?

Bernardo — Tá aqui num quarto da enfermaria dizendo que viu o fantasma da Helô.

Heloísa — Que?! Como assim?

Bernardo — Foi o que ela disse. A mãe tá muito abalada.

Heloísa — E essa situação só tende a piorar, Bernardo... Você sabe o que vai acontecer com ela se não encontrarem a Heloísa viva?

Bernardo — Eu posso imaginar.

Heloísa — A gente não pode deixar que isso aconteça, Bernardo.

Bernardo — E o que a gente pode fazer?

Heloísa — Me dói muito falar isso, mas pelo próprio bem da nossa mãe, acho que agora a única alternativa é internar ela numa clínica de repouso.

Na reação de Bernardo.

 
     
 
     
     
     

CAPÍTULO 08
 
     
 

CENA 01. ENFERMARIA IATE CLUBE. RECEPÇÃO. Interior. Noite.

Continuação da última cena do capítulo anterior. Bernardo ainda surpreso diante de Heloísa.

Bernardo — Internar a mãe?! Clara, cê tá louca!

Heloísa — Louca vai ficar ela se a gente não fizer nada. Bê, pensa comigo... Você sabe como a saúde mental da mãe é frágil, você mesmo disse que ela falou que viu o fantasma de Helô. Deus me livre que ela tenha morrido, mas.../

Bernardo — (Corta) Você não tá querendo insinuar que a mãe viu o fantasma de Heloísa, tá?

Heloísa — Se o que ela viu foi alucinação ou fantasma, não vem ao caso. O que a gente precisa decidir o mais rápido possível é se ela vai ser internada ou não.

Marcelo entra do quarto e vai até Heloísa e Bernardo.

Marcelo — Clara, como você tá?

Heloísa — (Beija Marcelo) Ainda em choque.

Bernardo — Ela quer internar a mãe em uma clínica de repouso. Acha que vai ser melhor pra saúde psicológica dela. O que você acha, Marcelo?

Marcelo — Eu prefiro não achar nada. Essa é uma questão de família que eu não quero me meter.

Bernardo olha pensativo para Heloísa.

CENA 02. casa de giancarlo. quarto de bianca e rogério. Interior. Noite.

Continuação da cena 38 do capítulo anterior. Bianca irritada diante de Rogério.

Bianca — Cala a boca! Você nunca mais repete isso!

Rogério — Tá nervosa por que, Bianca? Ta com medo que eu fale alguma coisa pro seu pai?

Bianca — Você é um frouxo, não teria coragem.

Rogério — E você gosta de me humilhar, né?

Bianca — O que você chama de humilhação, eu chamo de sinceridade. (Tom) Pelo menos você não é ingrato, porque se não fosse por mim você não seria nada.

Rogério — Isso não é verdade.

Bianca — Você sabe que é. Se não fosse por mim você não estaria na direção do marketing da exportadora.

Rogério — Você gosta de jogar na minha cara isso.

Bianca — Eu dei esse empurrãozinho e você não pode negar.

Rogério — Do jeito que você fala até parece que eu me casei por interesse... Eu amava você.

Bianca — Amava?

Rogério — É, mas parece que você faz questão de construir um muro cada vez maior entre nós. (Pausa) Dá licença.

Rogério entra no banheiro do quarto. Bianca fica por ali.

CENA 03. enfermaria iate clube. recepção. Interior. Noite.

Heloísa e Marcelo trocam abraços e caricias. Ao fundo, Bernardo caminha pensativo pelo local.

Marcelo — (Sorri) Sei lá, Clara. Mas você tá diferente.

Heloísa fica por alguns segundos sem ação, até que por fim sorri e responde.

Heloísa — É óbvio, amor. Olha só por tudo que a gente passou.

Marcelo — Cê tem razão. Que burrice a minha.

Marcelo beija Heloísa. Bernardo se aproxima.

Bernardo — Tudo bem, eu acho que você tem razão. Internar a mãe é a melhor coisa que a gente pode fazer.

Heloísa — Isso, Bernardo. Essa é a melhor decisão que a gente pode tomar.

Bernardo — E agora o que a gente faz?

Heloísa — Pode deixar que eu resolvo tudo.

Marcelo — Tem certeza? Você acabou de sofrer um acidente, deve tá fragilizada ainda. Se você quiser eu/

Heloísa — (Corta) Não. Eu faço questão de fazer isso.

Marcelo — Então deixa pelo menos eu te acompanhar.

Heloísa concorda fazendo um gesto com a cabeça.

Bernardo — Eu vou voltar pro quarto. Me mantenham informado.

Bernardo entra no quarto da enfermaria.

CENA 04. enfermaria iate clube. quarto. Interior. Noite.

Leandro observa Luísa que parece estar dormindo. Bernardo entra.

Bernardo — Como é que ela tá?

Leandro — Acho que dormiu. (Tom) Velho, infelizmente eu agora vou ter que ir mesmo.

Bernardo — Tá de boa, valeu pela força.

Leandro — Qualquer coisa pode ligar. Abraço.

E Leandro sai. Tempo e Luísa abre os olhos.

Bernardo — Você não tava dormindo?

Luísa — E você acha que eu consigo, Bernardo? Cadê a Clara? Eu quero falar com ela.

Bernardo fica um tempo em silêncio, sem saber o que responder.

Bernardo — Relaxa, mãe. Daqui a pouco a gente vai sair daqui.

Em Bernardo penalizado.

CENA 05. rio de janeiro. são conrado. Exterior. Noite.

Takes de localização do bairro de São Conrado.

CENA 06. casa de gregório. sala. Interior. Noite.

Leandro entra da rua e encontra Gregório e Tarsila.

Leandro — Boa noite.

Tarsila — Encontraram a Heloísa?

Leandro — Ainda não e se encontrar duvido muito que seja viva.

Gregório — Cê acha mesmo? Ela pode ter se salvado e nadado até algum lugar.

Leandro — Pode ser, agora eu vou subir que eu to cansadão.

Leandro vai subindo as escadas. Gregório e Tarsila se olham.

Tarsila — Coitada da Luísa.

Gregório — Tá com pena por quê? Você mal conhece ela.

CENA 07. clínica de repouso. recepção. Interior. Noite.

Heloísa ao celular com Marcelo do lado.

Heloísa — (Cel) Bernardo. Pode vir que tá tudo certo, mas não esquece de não falar nada pra ela. Tem como anotar o endereço?

CENA 08. enfermaria iate clube. quarto. Interior. Noite.

Bernardo falado ao celular. Luísa deitada na cama.

Bernardo — (Cel) Pode falar, Clara. Eu decoro. (Pausa) Tá certo, daqui a pouco a gente tá aí. (Desliga).

Luísa — Que foi?

Bernardo — Era a Clara. (Tom) Vamos?

Luísa — (Se levantando) A gente vai pra casa?

Bernardo — Depois. Primeiro a gente vai ter que dar uma passadinha num lugar.

Bernardo dá o braço, ajudando Luísa a caminhar.

Luísa — Onde a gente vai, filho?

Bernardo — No caminho eu te falo.

CENA 09. clínica de repouso. recepção. Interior. Noite.

Marcelo abraça Heloísa.

Marcelo — O Bernardo tá vindo com a sua mãe pra cá?

Heloísa — Sim... To em dúvida se eu to fazendo a coisa certa...

Marcelo — Você tá fazendo o que tá ao seu alcance. Certo ou errado tudo isso é pra proteger a sua mãe, não é?

Heloísa — É sim, mas eu espero não me arrepender depois.

Marcelo — Fica tranquila, Clara. A sua mãe não vai ficar aqui pra sempre.

Os dois ficam abraçados.

CENA 10. casa de gregório. sala. Interior. Noite.

Continuação da cena 6. Gregório e Tarsila.

Tarsila — To com pena porque deve ser duro pra uma mãe não saber se um filho tá vivo ou morto.

Gregório — É... Isso é verdade.

Tarsila — Será que isso vai fazer com que o Marcelo cancele o casamento?

Gregório — Por quê? Até onde eu sei quem sumiu não foi a noiva dele.

Tarsila — Ah sei lá! Como é da família eu pensei que isso pudesse modificar os planos deles.

Gregório — Até que não seria má ideia. Melhor seria se aquele imbecil sumisse daqui.

Tarsila — Você sabe que isso não vai acontecer.

Gregório — (Baixo) Ele já sumiu uma vez, bem que poderia sumir de novo.

Tarsila — (Não escuta) O que você disse?

Gregório — Nada. Amanhã de manhã eu vou fazer uma visita pro nosso adorado sobrinho.

Em Gregório.

CENA 11. casa de repouso. recepção. Interior. Noite.

Heloísa abraçada em Marcelo. Tempo e ela se levanta.

Marcelo — Onde você vai, Clara?

Heloísa — Pegar um ar. Não to me sentindo bem.

Marcelo — Eu vou com você. Não vou deixar você sair sozinha.

Heloísa sorri e os dois saem para a rua.

CENA 12. casa de repouso. frente. Exterior. Noite.

Marcelo e Heloísa saem de dentro da casa de repouso.

Heloísa — Vamos um pouco mais pra lá.

Heloísa leva Marcelo para longe da entrada. Os dois vão fica bem longe da vista de qualquer pessoa que entrar. Tempo e um táxi para na porta. Descem Bernardo e Luísa.

Luísa — (Olha em volta) Que lugar é esse?

Bernardo — Vem, mãe.

Meio desconfiada, Luísa entra com Bernardo.

CENA 13. casa de repouso. recepção. Interior. Noite.

Bernardo e Luísa entra da rua.

Luísa — Bernardo o que a gente tá fazendo aqui?

Bernardo — Mãe... A Clara e eu achamos melhor você ficar aqui por um tempo.

Luísa — (Surpresa) Que?! Que lugar é esse?!

Bernardo — É uma clínica de repouso. Vai ser bom pra senhora descansar um pouco. A sua cabeça tá muito atordoada com tudo.

Luísa — Eu não preciso descansar, Bernardo. (Grita) Eu não quero ficar aqui! Chama a Clara! Vocês não podem fazer isso comigo!

Regina (50 anos, cabelos castanhos e cacheados) se aproxima dos dois e estende a mão para cumprimentar Bernardo.

Regina — Bernardo Vargas? (Cumprimenta) Prazer, Dra. Regina. Sua irmã conversou comigo e já está tudo preparado para receber a sua mãe.

Luísa — Eu não vou ficar aqui!

Bernardo — Mãe, vai ser melhor pra você.

Regina — Dona Luísa, a senhora vai ser muito bem tratada aqui. Eu lhe garanto que esse tempo aqui vai servir para a senhora se renovar.

Luísa — Eu vou embora daqui!

Luísa vai caminhando em direção à porta de saída.

Regina — Alguém segura ela.

Um enfermeiro segura Luísa que começa a se debater.

Luísa — Me solta! Bernardo manda eles me soltarem!

Bernardo — (Pra Regina) Precisa disso?

Regina — Infelizmente sim. Ela tá muito transtornada.

Regina se aproxima de Luísa com uma seringa, injeta nela e a faz desmaiar. O enfermeiro leva Luísa desacordada para a parte interna da clínica

Bernardo — O que foi isso que você colocou nela?

Regina — Fica tranquilo que é só um calmante. Eu vou ter que me retirar, mas qualquer coisa a sua irmã tem meus contatos. Com licença.

Regina vai para a mesma direção que foi o enfermeiro. Bernardo fica olhando penalizado. Tempo e Marcelo e Heloísa entram da rua.

Heloísa — Bernardo. Cadê a mãe?

Bernardo — Já levaram.

CENA 14. rio de janeiro. ambiente. Exterior. Dia.

Stock-shot da cidade ao amanhecer. A última tomada é do bairro das Laranjeiras, na frente do prédio de Otávio.

CENA 15. ap de otávio. sala. Interior. Dia.

Neide (50 anos, cabelos curtos e castanhos) a diarista, tira o pó dos móveis com um pano. Juliana desce as escadas com a mochila nas costas, vai até Neide e dá um beijo no rosto dela.

Juliana — Bom dia Neide.

Neide — Já vai, Ju? Não vai tomar seu café?

Juliana — To meio atrasada, hoje não vai rolar.

Neide — Acorda mais cedo da próxima vez.

Juliana — Prefiro a minha caminha.

Juliana manda um beijo para Neide e sai do apartamento. Neide vai para a cozinha e depois de um tempo volta com o aspirador de pó. Ela liga e o aparelho começa a fazer seu ruído característico. Giovanna entra da sala de jantar tampando os ouvidos.

Giovanna — Neide! Precisa desse escândalo todo pra varrer a casa?

Neide — (Não escuta) Que! Não to escutando, dona Giovanna!

Giovanna — (Faz sinal) Desliga isso!

Neide desliga o aspirador de pó.

Neide — A senhora quer alguma coisa?

Giovanna — Que você limpe a casa de forma silenciosa. Ninguém merece esse aspirador de pó escandaloso.

Neide — Ih não vai dar não, dona Giovanna. Ou eu não ligo o aspirador ou eu limpo a casa. Na vassoura e no paninho é que eu não vou limpar isso.

Giovanna  — Você é folgada, mesmo.

Neide — Depois eu venho com atestado médico por causa da minha dor nas costas e a senhora reclama. Eu não sou mais jovenzinha.

Giovanna — (Ri) Tá bom, Neide. Vai lavar um tanque de roupa, a louça suja, sei lá. Algo que não faça barulho.

Neide — Ok. A senhora que é a patroa.

Neide pega o aspirador de pó e vai para a cozinha. Otávio desce as escadas.

Giovanna — Bom dia, querido.

Giovanna dá um beijo em Otávio.

Otávio — Bom dia e até mais. Hoje o dia vai ser corrido.

Giovanna — Não vai nem tomar café comigo?

Otávio — Não vai dar. Eu preciso visitar o Marcelo, ver como é que tão as coisas depois daquele acidente com a Heloísa.

Giovanna — Dez minutos não vão lhe fazer falta, Otávio. Senta comigo.

Otávio — Eu já disse que não, Giovanna! Não insiste! Eu tenho coisa mais importante pra fazer do que ficar de conversinha fiada. Se quer tricotar pela manhã, liga pra uma das suas amigas. (Tom) À noite a gente conversa.

Otávio sai para a rua. Em Giovanna chateada.

CENA 16. ap de luísa. cozinha. Interior. Dia.

Bernardo em pé do lado da geladeira tomando um copo de água. Heloísa entra.

Heloísa — Tá fazendo jejum?

Bernardo — Tava aqui pensando se a gente fez a coisa certa ao internar a mãe.

Heloísa — Se foi o certo eu não sei, mas pode ter certeza que foi o melhor.

Heloísa dá um sorriso falso e sai. Bernardo fica pensativo.

CENA 17. colégio são sebastião. corredor. Interior. Dia.

Movimentação normal nos corredores da escola com os alunos circulando. Yasmin e Juliana conversam e caminham.

Juliana — Ele me procurou de novo.

Yasmin — (Não entende) Que?

Juliana — O carinha mais velho da praia, que a gente se pegou no Ibiza. Lembra?

Yasmin — Ah tá! Quê que tem? Vocês voltaram a se ver?

Juliana — Não, ele me chamou pra sair, mas eu to enrolando.

Yasmin — Juliana, para de fazer cu doce. Vocês querem se pegar, então que se peguem. Não vem bancar a santinha pra cima de mim.

Juliana — Não é disso que eu to falando, Yasmin. É que eu acho que ele tem namorada.

Yasmin — Que filho da/

Juliana — (Corta) E aí não sei o que eu faço: se dou uma chance pra ele ou se esqueço.

Yasmin — (Brinca) Vai soltar o: ou ela ou eu?

Juliana — Me poupe, Yasmin. Óbvio que não. Talvez eu aceite a próxima investida dele só pra ver no que vai dar. (Tom) Tem o que agora?

Yasmin — História, eu acho. A gente se fala no intervalo.

Yasmin entra na sala e Juliana segue caminhando.

CENA 18. ap de otávio. sala. Interior. Dia.

Ninguém na sala. A campainha toca e Neide vem da cozinha para atender. Ao abrir a porta ela vê Jardel.

Jardel — Bom dia, o Dr. Otávio está?

Neide — O senhor é amigo dele não é?

Jardel — Podemos dizer que sim. Posso entrar.

Neide — Claro, mas só que o Dr. Otávio não tá em casa.

Jardel já entrou. Giovanna desce as escadas com a bolsa na mão, pronta para sair.

Giovanna — Neide, não esquece de/ (Percebe Jardel) Você foi que saiu atrás do Marcelo junto com o Otávio, né?

Jardel — Isso mesmo.

Giovanna — Desculpa, mas como é o seu nome mesmo?

Jardel — Jardel. (Estende a mão) Prazer.

Giovanna — Prazer. Giovanna... Olha, o Otávio não tá em casa.

Enquanto isso, Neide já foi para a cozinha.

Jardel — Pena, achei que ia conseguir encontrar ele aqui. Mas tudo bem eu vou até o escritório dele.

Giovanna — Acho que lá você também não vai encontrar ele. Quando saiu, o Otávio disse que ia visitar o Marcelo.

Jardel — (Interessado) Ah é? E ele falou por quê?

Giovanna — Não sei direito, mas parece que tem a ver com o casamento do Marcelo e também tem aquela história da irmã da noiva dele que desapareceu no mar, você tá sabendo?

Jardel — Fiquei sabendo que uma pessoa tinha desaparecido ontem, mas não sabia quem era. Mas eu to vendo que a senhora tá de saída, não vou tomar o seu tempo.

Giovanna — Realmente, e eu ainda tenho que pegar um táxi pra chegar na loja.

Jardel — Onde fica?

Giovanna — Ipanema.

Jardel — Se a senhora quiser eu posso dar uma carona.

Giovanna — Eu aceito, mas para de me chamar de senhora. E no caminho eu te conto a história toda.

Giovanna abre a porta da saída.

Jardel — Você trabalha nessa loja?

Giovanna — Sou a gerente de uma joalheria, mas com a crise ninguém tá com dinheiro pra comprar joias.

Os dois saem juntos.

CENA 19. clínica de repouso. recepção. Interior. Dia.

Heloísa entra da rua e vai até a secretária.

Heloísa — Bom dia, meu nome é Clara Vargas e eu tenho hora agendada com a Doutora Regina.

Regina sai do seu consultório.

Regina — Eu tava mesmo esperando por você. Pode entrar.

Heloísa e Regina entram no consultório.

CENA 20. clínica de repouso. consultório. Interior. Dia.

Heloísa e Regina sentadas frente a frente.

Heloísa — Eu vim aqui pra entregar o que a gente tinha combinado.

Heloísa abre a bolsa, tira um maço de dinheiro de dentro e joga em cima da mesa.

Heloísa — Tá tudo aí. Se quiser pode contar.

Regina — Não precisa. Eu confio em quem faz negócio comigo.

Heloísa — Ótimo, porque eu também to confiado na doutora.

Regina — E quais são as orientações em relação à sua mãe?

Heloísa — Por enquanto eu quero que você controle quem for visitar ela e me avise quando alguém aparecer.

Regina — Algo mais?

Heloísa — Sim... Talvez seja bom você dar uns calmantes, assim quando alguém vier fazer uma visita, vai ter certeza de que ela não tem a mínima condição de sair daqui.

Regina — Tudo isso que a senhora tá pedindo vai ser feito.

Heloísa — Assim espero. Eu não quero que a minha mãe saia daqui tão cedo.

CENA 21. casa de ana carolina. sala. Interior. Dia.

Marcelo e Otávio. Conversa já iniciada.

Otávio — Adiar? Os papéis já estão todos encaminhados. O resto é burocracia.

Marcelo — Eu sei, Otávio. Mas depois disso que aconteceu com a Heloísa, eu não sei se a Clara vai querer se casar agora.

Otávio — E o que eu faço?

Marcelo — Espera. Eu vou ver se falo com a Clara à noite pra ver o que ela quer fazer.

A campainha toca. Aparecida vem da cozinha e abre a porta. Gregório entra.

Gregório — O Marcelo tá por aqui?

Aparecida aponta para Marcelo e Otávio.

Aparecida — Seu Marcelo tá ali. O senhor pode passar.

Gregório vê Otávio e se aproxima dos dois. Aparecida já foi para a cozinha.

Gregório — Acho que cheguei em má hora.

Marcelo — Imagina tio. Chegou nada.

Marcelo dá um abraço em Gregório. Otávio aperta a sua mão, num sinal de cordialidade.

Gregório — Eu fiquei sabendo o que aconteceu com a Heloísa. Como é que tão as coisas?

Marcelo — Na mesma. Ela continua desaparecida e pra piorar, a Luísa teve um surto e precisou ser internada numa clínica.

Gregório — A Clara que deve ter ficado abalada.

Otávio — O Marcelo tava pensando em adiar o casamento, mas acho que não vai ser preciso.

Gregório — (Falso) Que bom. Depois de tudo que aconteceu, o mínimo que ele merece é ser feliz.

Otávio encara Gregório, não acreditando em uma só palavra que ele diz.

Gregório — Eu só vim pra saber mais notícias. Preciso ir pra empresa.

Marcelo — E me espera, que em breve eu também vou passar a frequentar ela.

Gregório — Aguardo ansiosamente.

Otávio — Eu também já vou indo, Marcelo. A gente se mantém em contato.

Marcelo leva Gregório e Marcelo até a porta de saída.

CENA 22. casa de ana carolina. jardins. Exterior. Dia.

Gregório e Otávio caminham em direção aos seus carros no jardim frontal da casa.

Gregório — Você perdeu muito com a decisão do Marcelo de ficar por aqui.

Otávio — Pode ter certeza que não tanto quando você.

Otávio sorri irônico e entra no seu carro. Gregório faz o mesmo e entra no seu carro.

CENA 23. rio de janeiro. ambiente. Exterior. Dia.

Takes do Rio de Janeiro pela manhã.

CENA 24. colégio são sebastião. corredores. Interior. Dia.

O sinal toca e os alunos saem das salas. Karina vê Yasmin e corre até ela.

Karina — Que bom que eu te encontrei, Yasmin.

Yasmin — Que foi?

Karina — Eu disse pra minha mãe que ia pra sua casa.

Yasmin — Que? Como assim? A gente combinou alguma coisa?

Karina — Estamos combinando agora. Eu menti pra ela.

Yasmin — E precisava me meter nesse rolo?

Karina — Eu vou visitar o Marcelo, aquele meu primo desaparecido que apareceu, sabe?

Yasmin — Sei.

Karina — E não sei porque eles ficam me enrolando e eu nunca consigo conhecer ele. To morta de curiosidade pra saber como ele é. Se a mãe ligar, me dá cobertura.

Yasmin — (Ri) Tá bom, Karina. Vai lá visitar o seu parente novo. Eu te dou cobertura.

Karina — Sabia que eu podia contar com você.

CENA 25. casa de ana carolina. escritório. Interior. Dia.

Marcelo e Rudá conversando.

Rudá — Mas lembrar do que exatamente?

Marcelo — Qualquer coisa, Rudá. Você disse que os seus pais foram empregados dessa casa durante muitos anos e que trabalharam aqui na época que o meu pai sumiu comigo.

Rudá — Verdade, mas eu era muito pequeno. Não se se vou poder ajudar.

Marcelo — Faz um esforço. Qualquer nome, acontecimento que você se lembre vai ser muito importante.

Rudá — Ok. Vou fazer um esforço.

CENA 26. casa de giancarlo. sala. Interior. Dia.

O telefone toca, mas ninguém aparece pra atender. Tempo e Milena vem descendo as escadas.

Milena — Não tem ninguém pra atender esse telefone?

Milena atende o telefone.

Milena — (Tel) Alô. Oi Tarsila, tudo bem?

Yasmin entra da rua.

Milena — (Tel) A Karina?

Yasmin gesticula para Milena. Pedindo para ela confirmar.

Milena — (Tel) É... Elas não chegaram ainda, daqui a pouco devem tá por aí... Tá bom, eu digo sim. Beijos. (Desliga).

Milena olha para Yasmin intrigada.

Milena — Ô Yasmin, que história é essa de que a Karina ia vir pra cá? Cadê ela?

Yasmin — (Vai subindo as escadas) Longa história, maninha.

Milena — Pode parar. Pede pra eu acobertar a mentira de vocês e não me fala nada. Desce aqui e me conta.

Yasmin — Ela queria visitar o Marcelo, o primo dela que tava sumido.

Milena — Sei, e precisa fazer isso escondido?

Yasmin — Ah Milena! Você vai perguntar isso pra mim? Ela me pediu pra eu confirmar a história dela e é isso que eu to fazendo. Vai me dizer que você nunca fez isso?

Milena — Não é disso que eu to falando.

Yasmin — Então acabou a conversa. Vou deixar a mochila no quarto.

CENA 27. casa de ana carolina. sala. Interior. Dia.

Dolores abre a porta da rua para Karina.

Karina — O Marcelo tá?

Dolores — E você quem é?

Karina — A prima dele.

Dolores — Fica a vontade. Eu vou chamar ele.

Dolores entra no escritório. Samuel entra da cozinha e se surpreende ao ver Karina.

Samuel — Karina?

Karina — Samuel? O que você tá fazendo aqui?

Karina dá um abraço em Samuel, que fica sem jeito.

Samuel — Eu moro aqui. Quer dizer, meu irmão trabalha e mora aqui e eu moro junto.

Karina — Não sabia. A gente poderia ter vindo junto.

Samuel — É...

Marcelo sai do escritório e vai até os dois.

Marcelo — Queria falar comigo?

Samuel sai sem ser percebido.

Karina — Vim me apresentar.

Marcelo — Você disse pra Dolores que você é minha prima. Você é filha do tio Gregório?

Karina — Sim. Prazer, Karina.

Karina estende a mão. Marcelo dá um sorriso e abraça Karina.

Marcelo — Prazer em te conhecer, Karina. Você veio sozinha?

Karina — Sim.

Marcelo — Mas os seus pais sabem que você tá aqui, né?

Karina — (Mente) Claro!

Marcelo — Ótimo, então por que você não almoça aqui comigo?

Karina — Eu ia adorar.

CENA 28. casa de giancarlo. quarto de yasmin. Interior. Dia.

Yasmin por ali. Milena entra.

Milena — Eu não acho certo isso que vocês tão fazendo. Não vou acobertar a mentira de vocês.

Yasmin — Milena! Deixa de ser chata!

Milena — Não é questão de ser chata, amada! Se acontece alguma coisa com aquela garota/

Yasmin — (Corta) Não vai acontecer nada. Para de paranoia.

Milena — Eu vou ligar pro Leandro.

Yasmin — Milena! A Karina não vai mais confiar em mim!

Milena — Bobagem.

Milena pega o celular

Milena — (Cel) Amor. Tudo bem?

CENA 29. barão do alambique. sala de leandro. Interior. Dia.

Leandro falando ao celular.

Leandro — (Cel) O que essa peste fez dessa vez?... Vou ligar pra mãe e ela que se vire com a Karina. Quem pariu Daniel que o embale. (Corrige) Isso: Matheus. Enfim, vou passar esse pepino adiante. (Tom) Quando é que a gente vai se ver? To com saudade de você. (Ri) Tá bom, a gente se fala mais tarde. (Desliga).

Logo em seguida Leandro faz uma nova ligação pelo celular.

CENA 30. casa de giancarlo. sala. Interior. Dia.

Tarsila falando ao telefone.

Tarsila — (Tel) Como é que é, Leandro? O que sua irmã fez?... Sei...

Karina entra da rua com Marcelo.

Tarsila — (Tel) Ela chegou aqui. Depois a gente se fala. (Desliga) Onde você tava, Karina? E não adianta dizer que tava com a sua amiga que a Milena ligou pro seu irmão e desmentiu tudo.

Karina — (Reclama) Fofoqueira. Fui visitar o Marcelo.

Tarsila — E precisava de tudo isso, criatura?

Karina — Eu peço e vocês não vão comigo.

Marcelo — Tia/ Eu posso te chamar assim, né?

Tarsila — Claro, Marcelo.

Marcelo — Eu não sabia que ela não tinha avisado. Ela me disse que tinha avisado pra vocês.

Tarsila — Mas não avisou. (Pra Marcelo) Desculpa qualquer incomodo.

Marcelo — Imagina. (Pra Karina) Gostei de te conhecer. Pode voltar quando quiser.

Karina — Obrigada.

Marcelo — Agora eu tenho que ir. Só vim pra trazer ela.

Tarsila acompanha Marcelo até a saída.

Tarsila — (Sorri) Volte sempre, querido.

Assim que Marcelo sai, Tarsila encara Karina.

Tarsila — E você se prepare porque eu vou pensar num castigo pra você.

Karina revira os olhos.

CENA 31. carro de marcelo. ambiente. Interior. Dia.

Marcelo dirigindo o carro que está parado no semáforo e fazendo uma ligação ao celular.

Marcelo — (Cel) Clara, eu queria conversar com você. Será que a gente pode se ver à noite?

CENA 32. casa de ana carolina. jardins. Exterior. Dia.

O sol está quase se pondo. Rudá corta os arbustos do jardim. Marcelo chega de carro, estaciona e vai até Rudá.

Marcelo — Pensou no que eu te pedi?

Rudá — Fiquei pensando sim.

Marcelo — E aí?

Rudá — As coisas ainda tão meio confusas, mas assim que eu organizar as minhas lembranças eu falo com você.

Marcelo — Essas suas lembranças podem ser uma forma de começar a entender o passado dos meus pais.

Rudá — Por que você não pergunta pro seu tio?

Marcelo — Porque por mais que ele e o meu pai fossem irmãos, tem coisas que acontecem dentro de casa e só que tá nela sabe. Você, mesmo que criança, tava dentro.

Rudá concorda. Marcelo vê Samuel ao longe e chama ele.

Marcelo — (Chama) Samuel vem cá!

Samuel se aproxima de Marcelo e Rudá.

Marcelo — Da onde você conhece a Karina.

Samuel — A gente estuda no mesmo colégio.

Rudá — E ele é caidinho na dela.

Samuel — Não ferra!

Rudá — To mentindo? Só não tem coragem de chegar junto.

Marcelo — (Ri) Que é isso, Rudá. Você tá deixando o garoto constrangido.

Rudá — To dando um toque pra ele agir pra não acabar chupando o dedo. (Tom) Já tá escurecendo, vou recolher as coisas.

Rudá começa a juntar as ferramentas de jardinagem.

CENA 33. rio de janeiro. ambiente. Exterior. Noite.

Stock-shot do Rio de Janeiro ao anoitecer.

CENA 34. ap de luísa. sala. Interior. noite.

Bernardo falando com o Delegado.

Bernardo — Então vocês não tem nenhuma pista?

Delegado — Infelizmente não. (Se levanta) Desculpe vir a essa hora, mas eu não achava correto deixar vocês sem informações.

Bernardo — Eu agradeço pela consideração.

Bernardo leva o Delegado até a saída. Logo em seguida vai até um porta retratos em que estão Clara e Heloísa e fica observando a foto.

CENA 35. tijuca. ambiente. Exterior. Noite.

Takes do bairro da Tijuca.

CENA 36. garagem/depÓsito. ambiente. Interior. Dia.

Uma garagem escura e com a parede cheia de infiltrações. A única luz que tem é a da rua, que aparece quando Leandro abre manualmente o portão. Leandro vai até o carro popular que está ali dento, entra e dá a ré, deixando o carro na rua.

Corte descontínuo: O carro mais caro que Leandro estava usando nas cenas anteriores, agora está na garagem. Leandro fecha a garagem e entra no carro popular.

CENA 36. casa de ana carolina. escritório. Interior. Noite.

Marcelo e Rudá.

Marcelo — (Surpreso) Lembrou?!

Rudá — É... Mais ou menos... Eu não tenho certeza do que eu vou te falar, eu era pequeno...

Marcelo — Não importa, qualquer ajuda é valida.

Rudá — Eu lembro que quando eu era criança a dona Ana Carolina e o Dr Alcides me deixavam circular pela casa. Mas a minha mãe não deixava eu sair quando tinha visita. E eu me lembro de ela falando várias vezes pra mim: Não vai pra sala, menino. O Dr. Coimbra tá lá.

Marcelo — (Intrigado) Quem é Dr. Coimbra?

Rudá — Não sei. Deve ser algum amigo dos seus pais. Eu não me lembro mais de terem falado nele depois que o seu pai sumiu como você.

Marcelo — Você acha que tem alguma coisa a ver com o sumiço do meu pai.

Rudá — Não, foi só uma lembrança que eu tive. Eu era muito pequeno na época. O que eu to te dizendo pode ser que seja delírio meu.

Marcelo — Mesmo assim eu vou investigar. E se esse Dr. Coimbra existe mesmo, eu vou descobrir quem é.

Em Marcelo pensativo.

CENA 37. ap de luísa. sala. Interior. Noite.

Luzes apagadas. Heloísa entra do seu quarto e acende a luz. Ela toma um susto ao ver Bernardo sentado no sofá a encarando.

Heloísa — (Susto) Que droga, Bernardo! Quer me matar do coração?

Bernardo — Pra que essa reação desproporcional, Clarinha?

Heloísa — (Se acalma) Me assustei.

Bernardo — Desculpa.

Heloísa — Vou encontrar o Marcelo.

Bernardo — (Tom) To pensando em ligar pro pai e pedir pra ele vir, afinal a Helô tá desaparecida.

Heloísa — (Nervosa) Não! (Respira/Se acalma) Não precisa, pra que fazer isso? O pai estando aqui não ia ajudar nada nas buscas.

Bernardo se levanta.

Bernardo — Claro que não é bom ele vir. Você não ia conseguir internar ele, não é?

Heloísa não esboça reação.

Heloísa — (Saindo) Agora não é o momento pra ironias, Bernardo.

Heloísa vai abrir a porta da rua, mas Bernardo fecha com força e prensa Heloísa contra parede.

Heloísa — Você tá me machucando! Me solta!

Bernardo encara Heloísa.

Bernardo — Para de fazer teatrinho. Na hora da confusão eu não me dei conta, mas agora tudo se encaixa: você só quis internar a nossa mãe pra que ela não revelasse essa farsa.

Heloísa — (Nervosa) Eu não sei do que você tá falando.

Bernardo — (Grita) To falando que quem tá desaparecida é a Clara e que você tá querendo enganar todo mundo se passando por ela!! Confessa, Heloísa!!

Em Heloísa nervosa e acuada. Fade Out.

Música de encerramento: Alejate de mí – Camila.

 
     

 

     

autor
Felipe Porto

elenco
Marco Pigossi como Marcelo
Nathalia Dill como Heloísa e Clara
Isis Valverde como Milena
Nando Rodrigues como Leandro
Glória Pires como Bianca
Christiane Torloni como Ana Carolina
Herson Capri como Gregório
Leopoldo Pacheco como Otávio
Totia Meireles como Tarsila
Lucinha Lins como Luísa
Alejandro Claveaux como Rudá
Reginaldo Faria como Giancarlo
Gisele Fróes como Giovanna
Marat Descartes como Rogério
Júlia Dalavia como Yasmin
Brenda Sabryna como Juliana
Chay Suede como Bernardo
Marco Ricca como Wagner
Giovanna Rispoli como Karina
Vitor Hugo como Jardel
Henrique Filgueiras como Samuel
Roberto Birindelli como Seu Coisinha
Aline Dias como Daiane
Rafael Zulu como Jamal
Claudia Netto como Regina
Fafy Siqueira como Dolores
Dani Barros como Aparecida
Ilva Niño como Divinéia
Mariah da Penha como Cleusa
Thais Garayp como Amélia
Cris Nicolotti como Rosa
Angela Dip como Adelaide
Yaçanã Martins como Neide
Zé Victor Castiel como Nogueira
André Ramiro como Perceu
Eriberto Leão como Alcides
participação especial em flashback
Fernanda Machado como Ana Carolina
Aline Moraes como Bianca
Thiago Fragoso como Gregório
Daniel de Oliveira como Wagner
Giovanna Ewbank como Luísa
Armando Babaiof como Coimbra

trilha sonora
You give love a bad name – Bon Jovi (abertura)
Alejate de mí – Camila

produção
Bruno Olsen
Diogo de Castro
Rafael Oliveira


Esta é uma obra de ficção virtual sem fins lucrativos. Qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência.


REALIZAÇÃO


Copyright
© 2015 - WebTV
www.redewtv.com
Todos os direitos reservados
Proibida a cópia ou a reprodução
.aaa.
.aaa.
Compartilhe:

Capítulos de Relações Perigosas

Drama

Novela

Relações Perigosas

Comentários:

0 comentários: