Feriadão WebTV: Ajudante de Papai Noel - WebTV - Compartilhar leitura está em nosso DNA

O que Procura?

HOT 3!

Feriadão WebTV: Ajudante de Papai Noel

Conto de Arlindo Kamimura
Compartilhe:







Sinopse: O conto se passa em plena Avenida Paulista em São Paulo. A personagem principal é uma figura gnômica que interroga os transeuntes sobre o significado da vida.

Ajudante de Papai Noel
de Arlindo Kamimura

A sensação que Simplício sentia era de caminhar sob um galpão de zinco bombardeado impiedosamente pelo sol, apesar de estar em plena avenida Paulista, num dia sufocante de dezembro. Ansiava chegar rapidamente às vizinhanças do parque Trianon onde, imaginava, que pudesse trocar a substância que preenchia sua cavidade pulmonar por algo mais fresco, e se não fosse pedir muito ao Criador, por algo próximo ao saudoso oxigênio. A visão tremeluzente e distante dos raios solares através dos galhos frondosos do jatobá, mesclados com o fundo cinza azulado, impressionava-lhe as retinas como as balouçantes visões alucinógenas de uma miragem. Recolhia automaticamente os impressos de planos de saúde, entregues de forma praticamente irrecusável, que amassava sem ler, sentindo algum alívio pelo suor enxugado das palmas das mãos. Sentia uma comichão desconfortável, de localização imprecisa, efeito psicológico cuja origem certamente vinha do esquecimento do gerente de banco em reaplicar seu dinheiro. A azáfama de fim de ano era nítida, principalmente pelo barulho ensurdecedor dos veículos, fazendo de trilha sonora para frenéticos balancetes e contas bancárias implodidas. Sua condição de autômato foi imediatamente modificada ao chegar ao parque de onde emanava uma agradável e envolvente aragem. Neste instante, percebeu aquela figura saltitante, gesticulando com movimentos aparentemente impossíveis, tentando inútilmente distribuir seus folhetos, recusados sistematicamente pelos transeuntes. Num impulso altruísta desviou-se de sua trajetória para recolher o folheto que lhe foi entregue com um sorriso indefinível, interpretado inicialmente como um agradecimento. Continuando a caminhar, qual não foi a sua surpresa quando se dignou a ler a previsível e costumeira mensagem estampada em azul e vermelho. No topo da página, nenhuma identificação do produto ou serviço oferecido, apenas uma frase interrogativa, cuja compreensão demandou sua leitura por três vezes. A frase, impressa em perturbadores e incisivos caracteres, indagava: O que o faz prosseguir? Virou-se imediatamente, procurando desfazer-se logo do incômodo suspense provocado por aquele tipo de truque publicitário, onde a curiosidade do possível consumidor é inicialmente aguçada de forma bizarra. A figura continuava a fixá-lo sem mudar sua expressão, o que lhe deu a nítida impressão de que um vínculo havia se estabelecido entre ambos e desconfiou que tal relação se assemelhava àquela entre pescador e peixe fisgado. Aproximou-se de modo quase agressivo, querendo esclarecer o que achava ser um mal-entendido, quando percebeu que o sorriso era, na verdade, um convite amigável para um bate-papo. Já esquecido do recente estado de desconforto climático, graças aos jacarandás e cedros do parque, propôs-se a dedicar alguns minutos àquela intrigante figura que lhe dirigiu a palavra da seguinte maneira:

        — Boa tarde! Perdoa-me essa minha forma pouco ortodoxa de abordagem. Acontece que sou um estudioso do comportamento humano, o qual me intriga sobremaneira, e procuro capturar diretamente nas pessoas que raio de coisa habita na alma dos homens, além do que já foi dito, diga-se de passagem, de forma exaustiva, desde os textos pré-socráticos até os pós-modernos, passando por Sartre e Espinosa - disse de supetão.

Desarmado diante de tanta eloquência, Simplício conseguiu balbuciar:

O que você quer dizer exatamente com essa pergunta?

Conceitualmente, de forma exata, quem me dera saber explicar, mas deixemos essas elucubrações para outra ocasião. Simplificando, gostaria de saber quais são suas motivações para todo santo dia levantar-se, escolher um par de meias e participar desse aparente nonsense coletivo. Aquele senhor  bem-vestido, por exemplo, vive um inferno doméstico com uma mulher fútil e dispendiosa que não o ama,  e filhos com os quais não tem o menor canal de comunicação. Entretanto, neste ano, com apenas uma transação na Bolsa, absolutamente sem risco, conhecida como operação de travamento, faturou o equivalente a um apartamento no quadrilátero mais valorizado do hemisfério sul, de forma que isso lhe permite continuar vivendo sem maiores indagações existenciais. Aquele outro é HIV soropositivo e cada minuto de um dia vivido lhe parece uma dádiva de valor inestimável. Este de cabelos grisalhos escreve crônicas e livros, e acredita piamente que sua obra sobreviver-lhe-á. É espantoso como as pessoas se protegem, se auto-enganando! Aquele trombadinha tem um prazer quase orgástico ao constatar as expressões de suas vítimas após cada assalto. Isso lhe serve como alimento, que compensa qualquer incômodo, tanto de ordem policial, quanto filosófica. Este senhor de terno cinza comete operações financeiras tão desastrosas que o tamanho de sua dívida é garantia segura de sua imortalidade. Entretanto, um dos exemplos mais convincentes e pungentes dessa questão existencial que aflige essencialmente os homens, foi proporcionado, paradoxalmente, pelo reino animal. Uma pardoca provia de forma constante e frenética a alimentação de seus filhotes, ainda que, assim procedendo, sua própria alimentação e saúde tornava-se nitidamente comprometida. Esse fato em si já me chamou a atenção, uma vez que tal proceder tinha, de certa forma, respondido às minhas indagações. Eis que aparece um gato, que agora dormita tranquilamente naquele banco, e resolve que seu almoço está definido naquelas pululantes e esganiçadas criaturinhas. Não contava, certamente, com a heroica e inútil resistência da pardoca, que terminou se transformando no prato principal. Tal destino teria sido evitado se o pássaro simplesmente fugisse, renunciando aos filhotes. Se assim procedesse, desconfio que não teria, talvez, forças para enfrentar um novo dia.

À medida que ouvia seu interlocutor, Simplício ficava com a sensação de que deixara  de participar de acontecimentos cujo significado tinham alguma ligação com a sua infância. Sempre fora um fiel seguidor dos preceitos de sua religião, aceitando seus dogmas sem nenhuma contestação, principalmente agora que havia outras preocupações mais prementes a serem resolvidas tais como o aumento do aluguel e a prestação do carro. Tivera, certamente, suas dúvidas na longínqua infância, como todo mundo, como por exemplo, perguntas do tipo daquele clássico sofisma: Seria Deus tão poderoso a ponto de criar uma pedra tão pesada que Ele próprio não conseguisse levantar? Sentia agora um pouco de frio, que ele imputava ao volúvel clima de São Paulo, cujo humor esquizofrênico era repleto de altos e baixos. De qualquer forma, nunca se fizera, desde a idade adulta, perguntas de natureza existenciais, e sentia que um tipo de vírus lhe caíra na corrente sanguínea graças aquela saltitante figura.

Sabia que não poderia nunca mais encarar um novo dia da mesma maneira como nos últimos quarenta anos. Até aquela canção natalina, executada de forma comercial, soava de forma inusitada. Não tinha certeza se era grato àquela figura que lhe expulsara, subitamente à força, de seu tranquilo, seguro e previsível mundinho. Aliás, não tinha mais certeza de coisa alguma, a não ser que daria um longo e apertado abraço em seus filhos, quando chegasse em casa.


Conto escrito por
Arlindo Kamimura

CAL - Comissão de Autores Literários
Agnes Izumi Nagashima Francisco Caetano Gisela Lopes Peçanha Liah Pego Lígia Diniz Donega Mercia Viana Pedro Panhoca Rossidê Rodrigues Machado

Produção
Bruno Olsen
Cristina Ravela


Esta é uma obra de ficção virtual sem fins lucrativos. Qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência.


REALIZAÇÃO



Copyright 
© 2022 - WebTV
www.redewtv.com
Todos os direitos reservados
Proibida a cópia ou a reprodução




Compartilhe:

Cine Virtual

Contos Literários

Episódios do Cine Virtual

Comentários:

0 comentários: