Perfume - Capítulo 43 - WebTV - Compartilhar leitura está em nosso DNA

O que Procura?

HOT 3!

Perfume - Capítulo 43

Novela de Luiz Gustavo
Compartilhe:
Troque a Fonte Aqui


 

     
     
     

CAPÍTULO 43 - ROYAL FLUSH
 
     
   
  O restaurante localizado no centro do distrito de Porto Seguro, é conhecido por ser um grande ponto de referência de elegância. Tinha portas de mogno maciço com ornamentos de metal sólido, carpetes e cortinas caríssimas, os preços apresentados no cardápio garantem apenas a elite. Em cada mesa, excelentes especialidades gastronômicas. Este é um dos ambientes favoritos de Fagner Lima em todo o globo, seus olhos castanhos avista a área em contexto, ajusta o corpo na cadeira, levanta e estende a mão para Tony Federline, que o cumprimenta. 

- O que está fazendo aqui na cidade? 

Fagner o observa com uma feição de desprezo e volta a sua postura anterior. Tony permanece de pé, aguardando respostas. Encararam-se por alguns segundos, até ambos estarem sentados, frente a frente. Fagner é o líder da organização com a votação de todos os membros da diretoria, assumindo o lugar de Levi Monteiro, que mesmo estando vivo e se permanecer respirando por muito tempo, certamente nunca estará apito para reassumir o cargo de tamanha confiança, precisa de total equilíbrio físico e emocional.  

- Dois uísques com água, por favor. 

Fagner ordena para o garçom, que anota o pedido em um bloco de papel. Ele ascende o charuto cubano. 

- É uma merda essa lei antifumo em todo o Brasil, mas os proprietários deste lugar não ligariam, não é mesmo? Tantas melhorias a ser feitas como em transportes, escolas...
- Como se você se importasse.
- Sou uma pessoa boa, Federline. – Ele solta uma leve risada sarcástica. 
- Demônios não tem asas. 
- Não chegaria a um nível tão baixo. 

O gerente do estabelecimento se aproxima da mesa e pede com total educação, para que Fagner apague o tabaco, devido a lei 12.546 que existe desde 2011, mas só foi regulamentada em agosto de 2014. A multa, em caso de descumprimento, recai sobre o dono do estabelecimento comercial e varia entre R$ 2.000 e R$ 1,5 milhão, até a suspensão da licença de funcionamento. Não houve problemas para ambas as partes, nos minutos seguintes o dialogo retorna ao ponto inicial.

- Deve estar gostando de assumir a posição do Levi, diante aos negócios. 
- Ele melhorou?
- Eu estava no hospital pela manhã, mas senti pouco de fome. 
- Vamos almoçar então? 
- Não me sinto bem em sentar contigo na mesma mesa. 
- Essa sensação deve-se aos seus míseros milhões. 
- Estranho você falar de caráter Fagner. Nenhum de nós três, somos santos. 
- O que faz aqui comigo? 
- Fiz uma pergunta assim que entrei neste restaurante, qual já teve visitantes melhores. O que faz em Porto Seguro? 
- Simplesmente, gostei ou o Levi, se tornou proprietário?
- Sempre achei estranha a explosão naquela aeronave. O corpo do Levi ter desaparecido. Pessoas ruins fazem de tudo para manterem-se no topo. 
- Está me acusando? – Questiona Fagner em teor suave de voz. Mas queria mandar assassinar aquele desgraçado do Tony Federline, não era necessário por enquanto, pelo menos neste momento. 
- Apenas deixando o jogo as claras. 

Tony não estava mais aguentando manter-se no restaurante, considera-se péssimo de ficar adiante daquele homem, o único arrependimento dos empreendimentos é o de ser associado a Fagner Lima, um desgraçado desalmado. Sente um embrulho no estomago tão forte, certamente não é fome, tinha passado por causa daqueles minutos estressantes, o álcool ainda corre por suas veias. Ele colocou acelerou o automóvel, como se estivesse ligado no piloto automático, quase atropelando dois jovens em torno da passagem, se recompôs, desculpando-se com os pedestres. O sprinkler molha a terra do jardim, deixando o aroma agradável, uma sensação sem dificuldades. Retrocessos, sua vida é feita disto, como se um ponto o ligasse a uma história no passado, desde que chegou no munícipio, nunca encontrou uma pessoa para amar, apenas sexo casual. Havia assumido o lugar de Levi na família Monteiro, cuidando de todos os entes, criando um forte apego, Barbara, seu afilhado David e Amália, mas aquela Claudia é dona de uma escuridão nas esferas. 

Ele se alimenta assim que passa por alguns cômodos antes de chegar a cozinha, esquentando a comida no micro-ondas. Posteriormente pega um copo o enchendo de suco de beterraba com laranja, estava completamente satisfeito.

- A Barbara foi até a costa brincar um pouco com o David, Tony, está precisando refletir um pouco, são muitas coisas acontecendo ao mesmo tempo, enquanto o mundo gira ao redor dessas notícias, não precisamos ficar parado, em um lugar jogado no passado. – Disse Amália. 

Tony coloca um short de surfista e tira a camisa, ainda está em forma apesar dos meros exercícios físicos, o sol estava forte e queimava os seus pés na areia, aproximou-se da água salgada aonde continuou a caminhada, chegando as barracas de praia. Barbara está acomodada em uma cadeira feita de madeira e palha, em um estabelecimento com poucas pessoas, dando água de coco na mamadeira para o pequeno David, que permanece deitado no carrinho.

- Como soube que estava por aqui? – Ela indaga. 
- Uma leve intuição. 
- Você se parece muito com o Levi em algumas maneiras. 

Tony acomodou-se ao lado da dama, estavam a frente de uma mesa e perante a vista do belíssimo oceano atlântico. 

- Reflexionando muitas coisas, não é? 
- Um turbilhão de ideias, Tony. 
- Isso é novo para todos nós.
- És um excelente amigo, outra pessoa não ficaria nessa situação. 
- Não é apenas sobre o Levi, é sobre você e todos da família Monteiro, me trataram muito bem em momentos de solidão e essa é a melhor recompensa, a única. 
- Acredita mesmo que tudo acabou? Tudo é um baralho. 
- Mas tenho o royal flush. 
- Sabes de algo? 
- É apenas um palpite, mas não acredito na inocência dessa Claudia Alencar, por que não apareceu antes? Quando o Levi foi visitar aquela Neide, ela disse muito bem que essa filha estava morta e agora, aparece assim? Não é de se estranhar? Essas desculpas dessa mulher soam apenas como um monte de palavras de plásticos e se ela não for a Claudia? E se ela for a Pamela?
 
 
     

 

     

Inspirada na música Perfume de Britney Spears

autor:
Luiz Gustavo

personagens:
Levi Monteiro
Pamela Monteiro

Barbara Novak
Tomaz Brayton

Tony Federline
Amália Monteiro

Jonathan Sampaio
Miguel Xavier
Alice Jones

Olga Novak
Neide Alencar
Marcos Ribeiro

Evelyn
Hugo Rafael
Fagner Lima

Valentim

participações especiais:
Jake Fremont
Tyler
Claúdia Alencar

as crianças:
David Novak
Kevin Jones
Douglas

trilha sonora:
Summertime Sadness - Lana Del Rey (abertura)

colaboração:
Thiago Machado
Márcio Gabriel

agradecimentos:
Juliana Cordeiro
Victor Marçal
William Araújo
Rodrigo Ferreira

produção
Bruno Olsen
Cristin Ravela

Esta é uma obra de ficção virtual sem fins lucrativos. Qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência.


REALIZAÇÃO


Copyright
© 2019 - WebTV
www.redewtv.com
Todos os direitos reservados
Proibida a cópia ou a reprodução

.aaa.
.aaa.
Compartilhe:

Capítulos de Perfume

Drama

Literaria

Novela

Perfume

Romance

Comentários:

0 comentários: