New Stages - 2x11



2x11
 
 
 

CENA 01. CASA DE MARTA. SALA DE ESTAR. INT. DIA.

A imagem abre na sala de estar da casa da Marta. A campainha toca. Em alguns instantes, Marta sai da cozinha em direção a sala, limpando as mãos em um guardanapo.

MARTA – (se aproximando da porta) Já vai! (abrindo-a) Josh, meu filho, já chegou?

A câmera revela Josh.

JOSH – Sim, mãe, esta é uma ótima forma de você receber o seu filho universitário em casa. (finge cara de decepcionado)

MARTA – (ri) Eu estou brincando! (e o abraça) Feliz Dia de Ação de Graças. É muito bom vê-lo de volta a nossa casa.

JOSH – (interrompe o abraço) Eu também estou muito feliz por estar aqui, mãe. Feliz Dia de Ação de Graças!

MARTA – Bom, não vamos ficar conversando aqui na porta, né? (sorri) Entra, entra!

Josh sorri e entra na casa, tirando o seu paletó. Marta coloca a cabeça para fora da casa e certifica-se de que ninguém mais está ali.

JOSH – (percebendo que a mãe está olhando para fora) O que foi, dona Marta?

MARTA – (olha para o filho, surpresa) Nada, nada... Eu só estava checando o clima...

JOSH – Ou queria saber se o Austin veio comigo? (debochado) Fica tranquila, mãe, você não vai precisar aturá-lo perto do seu filho gay no dia de ação de graças.

MARTA – (fechando a porta) Relaxa, Josh... Eu tenho que confessar que fiquei bastante incomodada quando soube que você era... Enfim, você sabe. Mas é a sua vida, não é mesmo? Eu não posso interferir nela. Eu estou feliz por você estar feliz. (sorri) Mas por que ele não veio passar o feriado com a gente?

JOSH – Porque ele também tem pais, mãe. Mas ele te mandou um abraço... Se você quiser aceitá-lo, claro.

MARTA – Diga a ele que vou aceitar o abraço pessoalmente quando ele vir me conhecer. Que namorado ele está pensando que é?!

JOSH – Mãe, até parece que eu vou colocar o Austin nessa enrascada...

MARTA – E desde quando vir até a minha casa é estar numa enrascada? (ri) Josh, assim eu fico ofendida!

JOSH – Sério, eu não quero que ele se sinta constrangido...

MARTA – (fala seriamente) Eu ficaria muito contente em recepcioná-lo e conhecer o garoto que teve a sorte grande em conquistar o meu filho.

JOSH – (sorri) Obrigado, mãe. Isso representa muito para mim.

MARTA – Agora vamos para a cozinha. Eu estou preparando o jantar de ação de graças. Esse ano tive que fazer algumas alterações no cardápio, afinal, temos que atender as exigências da nova senhorita Parker.

JOSH – Meu Deus, ela e o papai vêm?

MARTA – Sim, infelizmente vamos ter que suportá-la colocando defeito em todos os objetos da casa. Na última vez que veio aqui, ela deu conta de reparar na mancha do tapete... E não se esqueça que aquela mancha só está lá por sua causa.

JOSH – Perdão, dona Marta... (ri) Mas eu não acredito que a noiva do papai vai ter a coragem de vir jantar aqui em casa depois que você colocou purgante na comida dela.

MARTA – (saindo em direção a cozinha) Gente cara de pau é assim...

JOSH – (indo atrás da mãe) Não se esqueça que você é a madrinha de casamento dela...

MARTA – Nem me lembre desse detalhe! Porque ser torturada pela presença dela no dia de ação de graças já não basta...

Josh ri.

CENA 02. CASA DE SUZIE. SALA DE ESTAR. INT. DIA.

A campainha toca. Suzie desce a escada, apressada.

ERIC – (em off, sua voz vem da cozinha) Meu amor, quer que eu abra a porta?

SUZIE – Não, dessa vez eu faço questão de atender. (seguindo até a porta) Deve ser o Ryan! (abrindo-a) Não disse?

A câmera revela Ryan.

RYAN – Pelo jeito a minha presença estava sendo aguardada ansiosamente...

SUZIE – (abraçando o filho) É claro que eu estava ansiosa. Parece que a gente não se fala há séculos... Não sei não, mas acho que aquela universidade está roubando você de mim.

RYAN – (tentando se soltar de Suzie) Mãe, eu sei que você estava com saudades de mim, mas não precisa quebrar todos os meus ossos...

SUZIE – (interrompe o abraço) Ótima forma de demonstrar que está feliz ao meu ver, Ryan...

RYAN – (entrando na casa) Eu estou muito feliz sim, mãe. Não via a hora de voltar pra casa, passar o feriado ao seu lado, dormir no meu próprio quarto, na minha própria cama... Pode acreditar, eu não poderia estar mais animado.

SUZIE – (fecha a porta) Sério? Não está encanado com a ideia de que você tem uma irmã?

RYAN – No começo, eu tenho que confessar que fiquei sim. Não dá pra acreditar que o meu pai foi capaz de te trair com outra mulher a poucos dias do seu casamento... Mas depois eu pensei comigo mesmo: “Por que me irritar? Cometer burradas é tão típico de Kurt Jordan”... E eu tenho uma irmã, mãe... Você sabe como eu sempre quis ter uma.

SUZIE – Sim, eu sei.

RYAN – É claro que eu não queria que uma irmã tivesse aparecido na minha vida dessa forma... Mas ela existe e isso é o que importa, não é mesmo? E eu tenho que dizer que estou orgulhoso pelo meu pai ter se comprometido a assumi-la.

SUZIE – Exato, Ryan. Eu nunca pensei que diria isso, mas acho que a vida do seu pai está começando a entrar nos trilhos... Além do tratamento intensificado, está tentando ser um bom pai para essa garota.

RYAN – Eu não vejo a hora de conhecê-la, mamãe.

SUZIE – Você vai conhecer hoje! Eu liguei para o seu pai ontem e pedi que eles viessem comemorar o feriado com a gente. Esse ano teremos comida farta e muitas pessoas na mesa.

RYAN – Ótimo. O Eric concordou com isso?

SUZIE – Sim, ele disse que eu tenho o coração nobre demais... Mas é ação de graças, não é mesmo? Dia de nos familiarizarmos...

RYAN – Aliás, de onde vem esse cheiro bom? Não vá me dizer que você está cozinhando...

SUZIE – Como se eu conseguisse lidar com as panelas... (ri) O Eric está preparando o jantar. Ele é um ótimo cozinheiro, meu filho.

RYAN – (entrelaça um braço nas costas da mãe) Então vamos para a cozinha... Quem sabe a gente consiga provar algo por lá.

SUZIE – (ri) Vamos!

Os dois seguem para a cozinha.

CENA 03.

(música: Bright Lights (Fly) - Alex Goot)

Tomada da cidade de Los Angeles com imagens dos principais pontos turísticos locais. Surge a legenda: 

CENA 04. LOS ANGELES. CASA DE KURT. SALA DE ESTAR. INT. DIA.

(Música cessa.)

Kurt está na sala terminando de ajeitar sua gravata. Ele demonstra estar um pouco atrasado.

KURT – Liz, minha filha, vamos logo ou acabaremos perdendo o vôo. Você não quer ficar sem o jantar de ação de graças, né?

ELIZABETH – (entra na sala, furiosa) Pai, as roupas que eu trouxe estão acabando... Eu não posso entrar em um avião vestindo qualquer coisa.

KURT – Eu já levei as suas roupas sujas para a lavanderia e vou buscar quando voltarmos de San Francisco. Vou pedir também para que a sua mãe te envie mais roupas.

ELIZABETH – Não sei... Eu não posso ficar aqui por muito tempo. Não quero deixar a minha mãe sozinha no Texas por muito tempo. Nós somos muito ligadas uma a outra. Ela deve estar sentindo a minha falta.

KURT – Que pena, minha filha, porque eu estava gostando muito de ter você aqui...

ELIZABETH – Eu também, pai... Mas eu estou ainda mais feliz por saber que você é ainda melhor do que eu pensava. Obrigado por ter me recebido tão bem na sua casa!

KURT – Você sempre será bem-vinda aqui, Liz... Agora vá se vestir, estamos realmente atrasados...

ELIZABETH – (saindo) Ok, prometo que não demoro...

A campainha toca. Kurt segue em direção a porta.

KURT – (abrindo-a, close em sua expressão surpresa) Kirs... O que você está fazendo aqui?

A câmera revela Kirsten, a mãe de Liz, que olha para Kurt, sorridente e segura duas malas em suas mãos.

KIRSTEN – Olá, Kurt... Desculpa ter vindo sem avisar, mas é que eu senti a necessidade de passar o feriado junto com a minha filha. Você sabe, feriados me deixam muito emotiva.

KURT – Kirsten, é uma grande surpresa! Entra, entra...

KIRSTEN – (entrando) Você está parecendo uma estrela de cinema com esse terno... Aliás, você continua muito bonito, se é que me permite o elogio.

KURT – Claro... Você também, Kirsten. Você continua uma mulher maravilhosa. (sorri) Quanto ao terno, eu e a Liz estávamos de saída. Mas agora que está aqui, acho que podemos mudar os nossos planos...

KIRSTEN – Não, eu não quero atrapalhar nada. Talvez eu possa até acompanhá-los. Se não for nenhum incômodo, claro...

ELIZABETH – (entra na sala usando um belo vestido) Mãe?! (surpresa) Eu não acredito que você está aqui...

KIRSTEN – Nem eu. Foi uma longa viagem de Texas até aqui.

KURT – Então, Kirsten, estamos indo para San Francisco. A minha ex-esposa nos convidou para o jantar de ação de graças.

KIRSTEN – Ah, claro... Acho que é melhor eu ficar por aqui mesmo.

ELIZABETH – E por que você ficaria, mamãe? Vamos com a gente. Aposto que a Suzie nem vai se importar em arranjar lugar para mais um na mesa.

KIRSTEN – Mas ela vai se importar em ver a amante do seu ex-marido pisando na casa onde ela mora... Eu não quero atrapalhar o jantar de ninguém, minha filha. Vão vocês, eu fico!

KURT – Não, agora eu que faço questão que você vá. Não posso permitir que a mãe da minha filha passe a ação de graças sozinha. A Liz te quer lá, Kirsten... E a Suzie é uma ótima pessoa, aposto que ela não ficará chateada.

KIRSTEN – Sendo assim... (sorri) Eu vou!

ELIZABETH – (sorri) Ótimo! Mas você não contou a verdadeira razão para estar aqui, mamãe... Não é possível que você viajou até aqui só por causa do feriado de ação de graças.

KIRSTEN – Não, esta não é a única razão. Como as coisas estão fluindo bem entre você e o seu pai, eu decidi que não há mais motivos para eu separá-los. Eu vendi a nossa casa no Texas e estou comprando uma aqui em Los Angeles... Eu vim para ficar, meu amor. (sorri para a filha)

ELIZABETH – (com os olhos marejados) Mãe, você está falando sério?

Kirsten acena positivamente com a cabeça. A garota corre até ela e a abraça fortemente. Close em Kurt, que sorri emocionado para Kirsten.

KURT – Muito obrigado por estar fazendo isso, Kirsten...

KIRSTEN – Eu que tenho que te agradecer pelo o bem que está fazendo a minha filha... É um gesto muito... Muito digno, Kurt.

Kurt e Kirsten (ainda abraçada à filha) trocam sorrisos, muito gratos um ao outro.

 
 
     




 

2x11 - AÇÃO DE GRAÇAS - PARTE 1
 
     

CENA 05.

(música: Cali, Cali, Cali - Alyssa Bernal)

Tomada da cidade de San Francisco com imagens dos principais pontos turísticos locais até chegar à fachada da casa de Marta, onde um carro é estacionado.

CENA 06. CASA DE MARTA. SALA DE ESTAR. INT. DIA.

(Música cessa.)

A campainha toca. Marta entra na sala.

MARTA – (gritando) Josh, vou atender a porta. A fera chegou!

Marta segue em direção a porta e a abre. A câmera revela Meghan, que segura um prato embalado em uma das mãos e uma garrafa de champanhe na outra.

MARTA – (sorri falsamente) Olá, Meghan. É um prazer estar te recebendo na minha casa nesse dia tão especial...

MEGHAN – É impressão minha ou eu ouvi você dizendo “a fera chegou”?

MARTA – (atrapalhada) O que? Eu disse isso? (começa a rir) Não, menina... Você se enganou! Eu disse “o frango assou”.

MEGHAN – (desconfiada) Ah, sim...

MARTA – Posso te dar um abraço de ação de graças?

MEGHAN – (acena o prato e a garrafa de champanhe) Minhas mãos estão ocupadas... Mas teremos tempo de sobra para nos cumprimentarmos, não é? (também sorri falsamente)

MARTA – Você está certa! Cadê o Alex?

MEGHAN – Ele está terminando de estacionar o carro...

ALEX – (surgindo) Não mais! Eu já estou aqui, minha querida noiva e minha querida ex-esposa. (se aproximando de Marta e a abraçando) Feliz Dia de Ação de Graças!

MARTA – (passando as mãos nas costas de Alex) Pra você também. É ótimo tê-lo aqui em casa. O Josh está ansioso para te ver!

ALEX – Eu estava com muitas saudades do meu garotão... Tudo certo na universidade, né?

MARTA – E há algo que poderia estar errado?

Close em Meghan, que assiste ao abraço interminável bastante enciumada. Ela derruba o prato que estava segurando propositalmente no chão, chamando a atenção de Marta e Alex, que param de se abraçar.

MARTA – (assustada) Mas o que é isso?

MEGHAN – Desculpa, eu perdi o equilíbrio do prato e, sem querer, acabei o derrubando no chão... Alex bem que poderia ter sido mais cavalheiro e me ajudado a trazer as coisas. (olha feio para o noivo)

ALEX – Desculpa, querida... Eu estava estacionando o carro.

MARTA – Tudo bem, pode deixar que eu limpo... Entrem, sintam-se em casa!

MEGHAN – Por favor, Marta... Sabemos que a sua casa é bastante aconchegante, mas não queira compará-la com a nossa.

MARTA – (aguentando o desaforo calada) A minha intenção não era essa...

ALEX – Martinha, se você quiser, eu posso te ajudar a limpar essa bagunça que a Meghan aprontou...

MEGHAN – Claro que não, meu amor. A Marta é dona de casa, já deve estar acostumada com os serviços domésticos. Sem falar que somos os convidados. Vamos entrando, quero encontrar o Josh e saber como ele está... (puxando o braço do noivo)

MARTA – (se ajoelhando no chão) Eu devo ter jogado pedra na cruz...

MEGHAN – (se vira para trás) O que você disse, Marta?

MARTA – Que eu devo ter me esquecido de checar o cuscuz. (sorri)

Meghan também sorri e volta a se virar, indo em direção a cozinha, acompanhada do noivo Alex. Close em Marta, furiosa.

CENA 07. CASA DE MARTA. QUARTO DE JOSH. INT. DIA.

Josh está sentado em frente do notebook digitando em um mensageiro instantâneo. Close na tela do computador que revela que ele está conversando com Austin. O garoto sorri sempre que o namorado o responde. Marta entra no quarto com um pano em mãos.

MARTA – (estranha) Josh, o que você está fazendo aqui? Você tem dezoito anos e já está mais do que na hora de saber que é feio deixar as visitas esperando.

JOSH – (sem tirar os olhos do computador) Como se você não estivesse fazendo o mesmo, né mamãe?

MARTA – Tudo bem, eu confesso... Eu preciso ficar longe dessa mulher durante o maior tempo possível ou ela vai acabar me deixando louca. E caso isso acontecer, eu não vou me responsabilizar pelos meus atos, Josh.

JOSH – (olha para a mãe) O que você está fazendo com esse pano nas mãos?

MARTA – Você acredita que a cretina jogou um prato de doces no chão acidentalmente e ainda me fez limpar?

JOSH – Mãe, como você sabe que foi propositalmente?

MARTA – Porque ela estava tirando sarro de mim, Josh... E o pior de tudo, parece que a vadia tem audição aguçada, porque ela é capaz de ouvir tudo o que eu digo em qualquer tom, a qualquer distância... Ela pode estar nos ouvindo agora, Josh!

JOSH – Mãe, você já está ficando paranoica por causa da noiva do papai... Vamos no acalmar, ok? Eu vou me despedir do Austin, a gente volta para a sala e eu dou um jeito dela tirar o foco de você e colocá-lo em mim, certo?

MARTA – O que seria de mim sem você, Josh? (pausa) Falando em Austin, não acha que já está na hora de contar para o seu pai sobre... sobre... sobre tudo o que está acontecendo ultimamente?

JOSH – Mãe, eu já te disse que ainda não acho que esta seja a hora certa. O papai está ocupado com os preparativos desse casamento absurdo. Eu não quero preocupá-lo ainda mais. A revelação pode esperar...

MARTA – Ótimo, você está usando o casamento do seu pai como uma desculpa para não sair do armário.

JOSH – Mãe, não use esse termo... Não fica legal para você.

MARTA – Eu só estou dizendo, Josh. Acho que está mais do que na hora de você se abrir para o seu pai. Ele te ama muito, meu filho, passa muito tempo longe de você e eu sinto que ele tem a necessidade de fazer parte da sua vida.

JOSH – Eu sei, mãe... É por isso que eu ainda não quis contar para o papai. A gente já passa muito tempo longe, eu não quero dar uma razão para ele se afastar definitivamente. Eu não o conheço como conheço você. Eu tenho medo que ele não me aceite...

MARTA – Eu entendo, é um medo natural... Mas lembre-se que eu também não quis aceitar essa ideia no início. (pausa) Josh, mais uma vez eu vou dizer, seu pai te ama e eu tenho certeza que ele vai te aceitar. Você precisa contar a ele que é gay...

A imagem corta rapidamente para o corredor da casa de Marta, onde Meghan está parada, ouvindo a conversa de Josh com a mãe. Close em sua reação surpresa ao ouvir que o filho do noivo é gay. Corte para o quarto.

MEGHAN – (entrando) Vocês estavam demorando pra aparecer, então vim me certificar de que estava tudo bem. (sorri) Posso saber o que tanto conversam?

Close em Marta, desconfiada sobre Meghan.

MARTA – Meu filho, eu vou levar a Meghan até a sala. Por favor, pensa no que eu te disse...

JOSH – Mãe, pode ter certeza que eu farei isso, mas não agora, ok? Respeite a minha decisão.

Marta sorri e acena positivamente com a cabeça. Então, puxa o braço de Meghan, levando-a para fora do quarto.

CENA 08. CASA DE MARTA. CORREDOR DOS QUARTOS. INT. DIA.

Marta ainda está puxando o braço de Meghan, que tenta se soltar.

MEGHAN – (relutando) Dá para você largar o meu braço? Está me machucando...

MARTA – (solta a mulher) Escuta, Meghan, eu preciso saber tudo o que você ouviu.

MEGHAN – Do que está falando?

MARTA – Não se faça de cínica. Você sabe muito bem do que eu estou falando... (pausa) A minha conversa com o Josh... (reforça) Me conte o que você ouviu.

MEGHAN – Marta, eu não tenho culpa se você resolve ter essas conversas particulares com o seu filho no momento em que está recebendo visitas em casa. É muito feio deixá-las esperando.

MARTA – Não queira me ensinar as boas maneiras, Meghan. Eu preciso que você me prometa que não vai abrir a boca para o Alex.

MEGHAN – E por que eu não contaria? O Alex é o meu futuro marido e eu não tenho nada a esconder dele. Coisa que seu filho está fazendo muito bem. (ri debochadamente) E fica quase impossível de acreditar que você está colaborando para essa palhaçada, Marta...

MARTA – Isso não é palhaçada. É a decisão do meu filho. É a vida dele. E nós vamos respeitar. O que você acabou de ouvir passou por um ouvido e saiu pelo o outro. Porque se você por essa maldita língua pra fora...

MEGHAN – Vai fazer o que?

MARTA – Eu não sei o que vou fazer, mas esse assunto só interessa a minha família. Você pode até estar se casando com o Alex, mas isso não te dá o direito de querer se intrometer na minha vida e na vida do Josh.

MEGHAN – Querida...

MARTA – (interrompe) Eu estou aguentando calada todas as suas provocações e todos os seus deboches desde que você chegou aqui, Meghan. Mas, se por acaso, você mexer com a minha família, eu juro que não respondo mais por mim. (grita) Deixa o Josh fora disso.

Marta sai, apressada. Close em Meghan, sem reação.

CENA 09. CASA DE MARTA. SALA DE ESTAR. INT. DIA.

Meghan e Alex estão sentados no sofá, calados. Eles se olham e sorriem um para o outro. Marta entra com uma bandeja de sucos nas mãos. Josh vem atrás dela.

ALEX – (notando a presença do filho) Muito bem! Parece que alguém decidiu sair da frente do computador e vir conversar com o seu pai.

JOSH – (sentando-se em uma poltrona) Desculpa, pai... Eu só estava matando as saudades do meu quarto, das minhas coisas. Você me entende, né?

ALEX – Claro que eu entendo, meu filho. Agora me conta, tudo está correndo bem na universidade? (brinca) Por acaso, já encontrou uma namorada pelos corredores do campus?

Close em Josh, surpreso com a pergunta. Em seguida, em Marta, que olha para Meghan, intimidando-a. Ela pega um dos copos de suco na bandeja e vai entregar para a mulher, mas propositalmente acaba o derrubando na roupa de Meghan.

MARTA – (fingindo desespero) Meu Deus! Olha o que eu fiz... Onde eu estava com a cabeça? Mil desculpas, Meghan, isso não era pra ter aconte...

MEGHAN – (se levantando) Tudo bem, Marta. Eu vou até a cozinha me limpar.

ALEX – Querida, você quer que eu te acompanhe?

MEGHAN – (saindo furiosa) NÃO!

Close em Alex, sem entender. Em seguida, em Josh, aliviado pela pergunta que o pai lhe fez ter sido esquecida em meio ao incidente do suco e, depois em Marta, que sorri discretamente, se sentindo satisfatoriamente vingada pelo o que Meghan lhe fez passar.

CENA 10. CASA DE SUZIE. SALA DE ESTAR. INT. DIA.

Suzie, Eric e Ryan estão sentados no sofá conversando sobre qualquer assunto. A campainha toca.

SUZIE – (interrompe a conversa) Parece que nossos convidados especiais chegaram... (olhando para o relógio de pulso) E eles foram bastante pontuais.

Suzie ameaça se levantar, mas Ryan faz isso primeiro.

RYAN – Pode deixar que eu atendo, mãe...

O garoto se dirige até a porta e a abre. A câmera revela Kurt, Elizabeth e Kirsten.

KURT – (aproximando-se de Ryan) Filho, que bom revê-lo...

RYAN – Eu também me sinto feliz por estar aqui, pai... E por ter trazido a minha irmã para eu conhecer. Se posso chamá-la assim.

KURT – Claro que você pode chamá-la de irmã. Afinal, ela É a sua irmã.

RYAN – Claro, vamos entrando. O namorado da mamãe preparou um jantar especial para todos nós.

Kurt entra e abraça o filho. Em seguida, segue até Suzie e Eric para cumprimentá-los. Elizabeth entra na casa.

RYAN – Você deve ser a minha...

ELIZABETH – (complementa) Irmã. Sim, eu sou a sua irmã. (o abraça inesperadamente) Eu estava muito ansiosa para te conhecer.

RYAN – (surpreso com o abraço) Eu também estava muito... Enfim, é um prazer conhecê-la, Elizabeth. (retribui o abraço)

ELIZABETH – Não, por favor... Me chame de Liz. (sorri) E eu te chamo de Ry, pode ser?

RYAN – (sorri) Claro. Você pode me chamar do que quiser... (ri) Somos irmãos.

Liz sorri e também segue para cumprimentar Suzie e Eric. Por fim, Kirsten entra na casa.

RYAN – Bom, você eu não conheço... A gente estava te esperando?

KIRSTEN – Na verdade, não. Foi o Kurt que insistiu em me trazer até aqui. Mas se eu estiver atrapalhando, eu posso ir embora. A última coisa que eu quero é causar problemas para a sua família.

SUZIE – Quem é ela, Kurt?

KURT – (embaraçado) Bom... Essa é a Kirsten, a mãe da Liz. Eu sei que deveria ter avisado que ela vinha, mas foi totalmente inesperado, Suzie. Ela viajou para Los Angeles, não sabia que vínhamos para San Francisco e a gente não queria deixá-la sozinha na cidade. Então decidimos trazê-la. Espero que não se importe...

SUZIE – (cabisbaixa) A Kirsten... (levanta a cabeça) Claro que não. É feriado de ação de graças. Vamos deixar tudo o que aconteceu no passado para trás e celebrar a data. (sorri) Seja bem-vinda a minha casa, Kirsten.

KIRSTEN – Obrigada, Suzie... Tenho que dizer que é ótimo tudo o que vocês estão fazendo pela minha filha depois de ter sido escondida por mim durante tanto tempo. Isso significa muito pra mim.

Close em todos, que sorriem.

CENA 11. CASA DA FAMÍLIA DAVIS. QUINTAL. EXT. DIA.

Austin está observando a piscina da casa. Ele olha para a sua imagem refletida na água. Repentinamente, é surpreendido por sua mãe, que se aproxima dele.

BARBARA – Meu filho, o que está fazendo sozinho aqui? Vamos para dentro. O jantar está quase pronto.

AUSTIN – Mãe, na verdade... Eu preciso falar com a senhora. (pausa) Sobre um assunto muito importante... Sobre a minha vida!

BARBARA – Claro, meu filho. Mas você não prefere que seja em outro lugar?

AUSTIN – O que eu tenho pra dizer não exige um lugar específico, mãe. Eu só preciso que a senhora ouça com atenção e tente ao menos me entender... E também se não entender, pouco me importa, porque eu estou feliz, como nunca estive antes, e nada vai estragar isso.

BARBARA – (abaixa a cabeça) Bom, acho que já sei onde você está querendo chegar...

AUSTIN – Sim, mãe, porque eu sei que você está desconfiada sobre mim e o Josh. Agora que já percebeu os primeiros sinais, não vejo mais razões para te esconder que sou gay.

BARBARA – (deixa uma lágrima rolar em seu rosto) Por quê?

AUSTIN – Porque esse sou eu, mãe. Eu sei que é duro pra você ouvir isso, mas eu não quero continuar te escondendo. Então, eu decidi contar para o papai e agora pra você.

BARBARA – Quer dizer que seu pai já sabia sobre tudo e não me contou?

AUSTIN – Sim, eu contei para ele há uma semana e pedi que não comentasse nada com você, porque eu mesmo queria fazer isso, mãe... Frente a frente... Cara a cara... Porque eu te amo, entende? E a última coisa que eu quero na vida é te machucar. (pausa) Não pense que estou te machucando sendo gay. Pelo contrário, eu estou sendo sincero. Preciso do seu apoio e preciso que você fique ao meu lado, ok? Porque eu não quero te perder no momento mais feliz da minha vida.

A mãe de Austin limpa a lágrima que rola sobre o seu rosto e abraça o filho fortemente.

BARBARA – Meu filho, eu seria uma mãe muito ingrata se te afastasse por causa da sua sexualidade. Você é um bom garoto e sempre foi motivo de orgulho pra mim. Menos naqueles momentos em que eu era chamada na diretoria da sua escola. (ri)

AUSTIN – Obrigado, mãe. Você não sabe como me deixa aliviado.

BARBARA – Mas e seu pai? Como reagiu a notícia? Aposto que ele não está digerindo essa história até hoje, porque seu pai é um homem muito conservador e, se eu me lembro bem, vivia te cobrando namoradas.

AUSTIN – Acredite ou não, mas meu pai está muito bem em relação a isso. Ele é realmente apaixonado pelo Josh... Eu já estou começando até a ficar com ciúmes... (ri) E falando em Josh, mãe, ele me contou sobre a conversa que vocês tiveram no hospital.

BARBARA – Meu filho, me desculpa... Eu estava nervosa aquele dia. Seu pai tinha acabado de sofrer um infarto. Eu estava fora de mim.

AUSTIN – Eu sei, mãe. E eu não deveria ter exposto o Josh num momento tão sensível como aquele. Mas entenda uma coisa, ele não me influenciou a ser gay. Eu já era antes de conhecê-lo. O Josh é um garoto maravilhoso e ele só me faz bem. Eu estou muito feliz ao lado dele.

A mãe de Austin acena a cabeça positivamente, também contente pelo filho.

BARBARA – É... Esse feriado de ação de graças foi bastante revelador.

AUSTIN – Eu tirei um grande peso das minhas costas. Agora vamos entrar, passar um bom tempo em família e escutar o meu pai soltando mil elogios sobre o meu namorado.

Austin e sua mãe se abraçam, rindo.

CENA 12. CASA DE SUZIE. QUINTAL. EXT. DIA.

Ryan e Elizabeth estão sentados no chão conversando e se conhecendo.

ELIZABETH - ...E depois de dezoito anos sem ouvir uma única informação sobre o meu pai, ela finalmente decidiu me contar sobre ele. (pausa) Eu não queria, Ryan, juro que não queria aparecer na frente dele e bagunçar a sua vida repentinamente. Mas foi mais forte do que eu... Eu só queria um pai. Porque essa figura sempre fez falta na minha vida.

RYAN – Eu fico muito feliz por você, Liz. A minha infância não foi muito diferente da sua vida. O meu pai cometeu muitos erros quando eu era criança e eles acabaram me afastando dele. Então, eu também não tive uma figura paterna presente na minha vida.

ELIZABETH – Eu sei... Ele me contou sobre isso sem muitos detalhes. O Kurt pode ter te machucado muito, Ryan, mas ele demonstrou estar muito arrependido por não ter acompanhado o seu crescimento. Ele fala sobre você com muito carinho e amor.

RYAN – Olha, até um tempo atrás eu não queria olhar para cara do meu pai. Mas depois do que ele fez com você... Ter te aceitado na vida dele e te assumido como filha... Eu devo confessar que ele mostrou ser uma pessoa muito humana e que merece o meu reconhecimento... E também tem toda a história da reabilitação.

ELIZABETH – Que reabilitação?

RYAN – Ok... Acho que ele não te falou sobre isso ainda. Então eu prefiro deixar que ele mesmo te conte. Mas eu estou feliz por você, Liz. É muito bom saber que o Kurt está tentando ser um bom pai, diferente de como foi no passado...

ELIZABETH – (sorri) Obrigada, Ry... Mas vamos mudar de assunto. Que tal falarmos sobre os seus romances universitários? (ri)

RYAN – (ri) O que? Não... Eu estou preferindo ficar longe deles.

ELIZABETH – Ué, por quê? Não vá me dizer que nenhuma garota conseguiu ainda conquistar o seu coração?

RYAN – Olha, Liz... Nós estamos nos conhecendo agora e eu quero muito que a gente seja mais que irmãos. Quero que sejamos amigos, pois sempre tive a necessidade de ter alguém com quem contar. Então eu me vejo no direito de ser sincero com você desde o princípio.

ELIZABETH – Eu quero exatamente isso, Ry. Quero que você seja sincero comigo e a gente possa confiar um no outro. Eu também sempre tive vontade de ter um irmão e, agora que você e o Kurt apareceram na minha vida, eu sinto que estou completa.

RYAN – Bom... Está bem sentada? Porque o que eu tenho pra te dizer é algo surpreendente. Digamos que... O seu irmão não gosta de garotas.

ELIZABETH – (ri) E se não gosta de garotas, vai gostar do que então?

RYAN – (questiona) De garotos?!

ELIZABETH – (ri) O que? Eu não acredito que você seja gay...

RYAN – Nem eu acredito. Mas eu já me conformei...

ELIZABETH – Ótimo, fico muito feliz que você tenha se aberto comigo. Eu não vou te julgar, pelo contrário, vou ficar ao seu lado. E também vou refazer a minha pergunta: não vá me dizer que nenhum garoto conquistou o seu coração?

(música: Broken Arrow - Pixie Lott)

RYAN – (olha no fundo dos olhos da irmã) Pior que sim, Liz, mas infelizmente eu acabei o perdendo por causa de um ciúme bobo e sem propósito. E, hoje, eu percebo que talvez ele nunca mais volte a ser meu.

ELIZABETH – (tira o sorriso do rosto) Ry... Você acabou de falar sobre ele com os olhos brilhando.

RYAN – (ri) É... Ele ainda mexe comigo. E acho que não vou conseguir tirá-lo da minha cabeça tão fácil.

ELIZABETH – E o que está esperando para correr até ele e pedir desculpas?

RYAN – (ri) Eu queria que as coisas fossem simples assim... Depois de todas as brigas que tivemos, ele tentou se reaproximar de mim e passar uma borracha em tudo o que tinha acontecido, mas o meu orgulho foi maior... Eu não aceitei as suas desculpas e permiti que ele se afastasse. Hoje ele está sendo feliz ao lado de um novo alguém.

ELIZABETH – Mas se ele já está com um novo garoto, então ele não te amava de verdade... Quer dizer, não da mesma forma como você o ama.

RYAN – Não, Liz, o Josh já me amou mais do que tudo nessa vida e eu acredito que ele ainda mantenha os seus sentimentos por mim, mas é que... Ele cansou de sofrer por minha causa. E eu dou razão para ele.

ELIZABETH – Eu sinto muito, Ry...

RYAN – O Josh estava certo... Ele nunca mentiu para mim e nem seria capaz disso... Se eu tivesse acreditado nele antes, nada de ruim teria acontecido entre a gente e eu não teria o perdido para outra pessoa.

ELIZABETH – (passando as mãos no cabelo de Ryan) Eu nunca tive um relacionamento com um cara, Ry, então não entendo muito sobre o assunto... Mas o que eu posso te garantir é que se o amor de vocês era sincero e real, então ele ainda não chegou ao fim. Esse garoto vai voltar pra você.

RYAN – Não sei não...

E, de repente, ouvimos uma voz de dentro da casa.

SUZIE – (em off) Meninos, venham jantar!

ELIZABETH – Bom, parece que estamos sendo convocados... (ameaça se levantar)

RYAN – (puxa o braço de Liz) Muito obrigado por ter me ouvido. Eu estava realmente precisando desabafar com alguém...

ELIZABETH – Você pode desabafar comigo quando quiser. Eu sou a sua irmã favorita. (ri) E a única! E eu vou estar torcendo para que as coisas voltem a dar certo entre vocês. E se não der, espero que você possa seguir em frente e conhecer alguém que te faça muito feliz.

RYAN – O Josh faria isso por mim...

Liz passa as mãos nas costas do irmão, sensibilizada.

CENA 13. CASA DE SUZIE. SALA DE JANTAR. INT. DIA.

(Música cessa.)

Suzie, Eric, Kurt, Kirsten, Ryan e Liz estão sentados a mesa fazendo a refeição de ação de graças. Eles conversam entre si.

KURT – (para Ryan) E então, meu filho, como estão os treinos de basquete na universidade?

ERIC – Olha, senhor Jordan, eu não quero parecer puxa saco, mas o seu filho tem muito talento para o esporte. Eu tenho a honra de dizer que um dia fui o treinador de Ryan Jordan...

RYAN – (tomando um gole de suco) Exagero seu, treinador, eu ainda não posso ser comparado a nenhum jogador profissional.

ERIC – Você pode não ser ainda um jogador profissional, mas está no caminho para se tornar um. Eu aposto todas as minhas fichas em você, Ryan. Você será um atleta promissor. (sorri)

KURT – Fico feliz que acredite no talento do meu filho, Eric. E não ligue para o que ele diz, o Ryan sempre foi muito modesto. (sorri) Mas agora me diz, filho, como estão as paqueras na universidade?

SUZIE – Não, por favor, esse assunto não...

KURT – (ri) O que foi, Suzie?

SUZIE – Você sabe como o Ryan é tímido em relação a esse assunto. Eu não quero que você o intimide no dia de ação de graças.

KURT – Não é isso, querida, eu só quero saber se o nosso filho garanhão está pegando muitas meninas na universidade... (gabando-se) Quero saber se puxou ao pai!

ELIZABETH – (ri) Meninas?!

Close em Ryan, assustado, que olha feio para Liz tentando evitar que ela diga qualquer besteira.

ELIZABETH – (sem perceber que Ryan olha para ela) Papai, eu pensei que você soubesse que o Ryan é gay...

Close em Kurt, surpreso com o que Liz acabara de falar. Todos que estão sentados a mesa param de comer e encaram Ryan, a espera de alguma explicação.

Sem reação, o garoto olha espantosamente para a família e engole seco.

A imagem escurece.

 

https://3.bp.blogspot.com/-O5DvYpVlNFg/WSe3iael5kI/AAAAAAAAAyo/hWw0xWWS2pEDt8UpAf8lSvZVv6R063TvQCLcB/s1600/New%2BStages%2BCr%25C3%25A9dito.jpg
AUTOR
André Esteves

ELENCO
Graham Phillips como Josh Parker
Sterling Knight como Ryan Jordan
Jean-Luc Bilodeau como Austin Davis
Rose McGowan como Marta Benton
Natasha Henstridge como Suzie Gregson
 
ATORES CONVIDADOS
Joshua Jackson como Alex Parker
Erika Christensen como Meghan Kimble
Skeet Ulrich como Eric Smith
Liev Schreiber como Kurt Jordan
Shailene Woodley como Elizabeth Lewis
 
PARTICIPAÇÕES ESPECIAIS
Sela Ward como Barbara Davis
Paige Turco como Kirsten Lewis
 
TRILHA SONORA
So Small - Carrie Underwood (Tema de Abertura)
Bright Lights (Fly) - Alex Goot
Cali, Cali, Cali - Alyssa Bernal
Broken Arrow - Pixie Lott

PRODUÇÃO
Bruno Olsen
Diogo de Castro


Esta é uma obra de ficção virtual sem fins lucrativos. Qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência.


REALIZAÇÃO


Copyright © 2017 - WebTV
www.redewtv.com
Todos os direitos reservados
Proibida a cópia ou a reprodução

.aaa.
.aaa.

Compartilhar:

 
Copyright © WebTV | Design by OddThemes