THE CIRCUS - 2x08



2x08
 
 
 

FLASHFORWARD 1. HOSPITAL DE ENDLESS TOWN. FRENTE. EXT. NOITE. 

Em frente do hospital da cidade, Adrian dá uma entrevista coletiva para uma multidão de jornalistas. O xerife está em pé sob um púlpito, e seu rosto é iluminado pelos excessivos flashs das câmeras fotográficas. O xerife toca no microfone para ver se está funcionando.

ADRIAN – (MICROFONE) Bom, é uma investigação em andamento. Fiquem certos que estamos averiguando minuciosamente todas as pistas, quanto menos for comentado melhor. Então, estarei aceitando perguntas, por favor.

Todos os jornalistas levantam a mão e falam ao mesmo tempo. Catherine surge no meio das pessoas e grita em direção a Adrian.

CATHERINE – (GRITA) Adrian!

ADRIAN – (AFASTA O MICROFONE) Catherine?

CATHERINE – Algum comentário sobre a semelhança desses crimes com o massacre anterior?

Adrian fica surpreso pela pergunta dela. Os jornalistas começam a comentar entre si, baqueados pela frase de Catherine.

ADRIAN – (IGNORA) Catherine, depois, ok?

CATHERINE – (PASMA) O que?

ADRIAN – (MICROFONE) Como eu ia dizendo, meus policiais estão trabalhando duro e queremos que a comunidade saiba que o ataque ocorrido hoje não tem relação ao crime de CeCe Reynolds e muito menos Beverly Scott. Foram crimes isolados. Estamos com o total controle da situação.

Imediatamente após a última fala de Adrian, se vê algo desabando do terraço do prédio em direção a multidão de jornalistas presentes na frente do hospital. Um corpo não identificado cai sob um furgão de TV e inicia-se uma gritaria geral. Adrian desce rapidamente do púlpito e Lloyd engatilha sua arma.

ADRIAN – Lloyd, vá lá pra cima! Rápido! Vá até o terraço!

Lloyd concorda e sai. Adrian, com a ajuda de outros policiais, faz uma barreira para afastar e controlar as pessoas, que estão bastante chocadas com o que aconteceu e correm do local.

ADRIAN – Todo mundo pra trás! Pra trás! Vamos manter a calma, se afastem!

Adrian sobe em uma escada presa ao furgão para ver o corpo. Catherine se aproxima do xerife, ao lado do veículo. Adrian vê de quem é o corpo e retira seu chapéu, bastante abalado com o que viu.

ADRIAN – Oh meu Deus... Ela está morta!

CATHERINE – (ENFRENTA) Está tudo realmente sob controle, xerife?

Adrian se vira para Catherine e ela o encara. Closes descontínuos entre os dois. A imagem escurece num baque.

 
 
     
 

2x08 - PREMONIÇÃO
 
     

CENA 1. CASA DOS RILEY. JARDIM. EXT. DIA. 

Legenda: Horas antes.

Uma grande festa está sendo organizada no jardim da casa. Com a ajuda de Ashley, Maureen enche balões coloridos, enquanto Hannah coloca toalhas em mesas de plástico, espalhadas na grama.

ASHLEY – Eu acho a comemoração do 1 ano de idade a data mais importante da pessoa, sabe? É a entrada oficial para o mundo social, é mais épico que os 15 anos.

MAUREEN – Concordo com você. Tomara que a festa fique linda, quero que o Christopher a guarde na memória pra sempre.

Hannah se aproxima das duas, cansada.

HANNAH – A última festa que rolou nessa casa teve assassinato, espero que dessa vez nada aconteça.

MAUREEN – Cruzes Hannah, vira essa boca pra lá.

Ashley ri e entrega dois balões cheios para Maureen, que os amarra. Billie Dean entra pelo jardim e, cautelosa, chega até as três garotas.

BILLIE DEAN – Com licença.

HANNAH – (ESTRANHA) Pois não?

BILLIE DEAN – Alguma de vocês é Maureen Prescott?

MAUREEN – (SE APRESENTA) Sou eu.

BILLIE DEAN – Muito prazer Maureen, eu sou Billie Dean Treadwell, estava a sua procura.

MAUREEN – Eu lhe conheço? Algum problema?

BILLIE DEAN – Preciso falar com você.

Billie Dean encara Maureen, esta surpresa.

CENA 2. CASA DOS RILEY. COZINHA. INT. DIA.

Maureen entra pela porta dos fundos seguida de Billie Dean. Billie Dean olha em volta do local.

MAUREEN – Olha, desculpa eu ter que te receber na cozinha, mas é que a gente está preparando uma festa, então estou muito ocupada, senhorita...

BILLIE DEAN – (POR CIMA) Billie Dean.

MAUREEN – (CONCORDA) Exatamente. Você queria falar comigo? Sobre o que?

BILLIE DEAN – Sim, queria. Eu não sei se você me conhece, estive ajudando a família do seu namorado na recuperação de Madison Armstrong. Eu sou uma médium.

MAUREEN – Ah, sim, acho que Lucas comentou. Mas peraí, você não vai querer ler a minha mão, não vai? Não tenho dinheiro para pagar.

BILLIE DEAN – Não, não, eu tenho um aviso pra você. De algo grave.

MAUREEN – (ESTRANHO) Não estou entendendo.

BILLIE DEAN – Você pode não acreditar, mas eu tenho visões Maureen. Visões do futuro, premonições de coisas que vão acontecer. E nessa noite eu vi. Eu vi o seu futuro.

MAUREEN – (COM MEDO) Você está me assustando!

BILLIE DEAN – Eu vi essa festa, Maureen. Eu vi choro, angústia e muito desespero. Algo de muito grave acontecerá hoje e você vai ter que impedir.

MAUREEN – (CRUZA OS BRAÇOS) Você só pode estar brincando comigo!

BILLIE DEAN – Cancele essa festa, Maureen. Ou você vai se arrepender. E muito.

MAUREEN – Olha aqui Billie Dean, eu admiro seu trabalho, mas esta festa não será cancelada. Nada vai dar errado, eu vou me certificar disso.

BILLIE DEAN – Bom, meu dever já foi feito, que era de vir até você. Você foi avisada. Sofra as conseqüências.

Billie Dean sorri e sai pela porta dos fundos. Maureen se arrepia e também sai do local, assustada.

CENA 3. CASA DOS RILEY. JARDIM. EXT. DIA.

Dewey carrega uma caixa com enfeites de palhaço até uma mesa no jardim e retira os objetos.

CATHERINE – Dewey.

Dewey se vira e vê Catherine.

DEWEY – Olá Catherine.

CATHERINE – Será que a gente pode conversar sobre ontem?

DEWEY – Desculpa Catherine, mas eu estou ajudando na organização da festa do Christopher, não posso falar agora.

CATHERINE – Você está me evitando?

DEWEY – (COM VEEMENCIA) Não quero falar agora!

Dewey sai dali, irritado. Close em Catherine.

CENA 4. DELEGACIA DE ENDLESS TOWN. SALA DE ADRIAN. INT. DIA.

Cena começa com Catherine já dando um tapa na cara de Adrian, na sala dele, furiosa. Adrian cambaleia e se segura em uma cadeira.

ADRIAN – (PASMO) Ficou maluca?

CATHERINE – Esse tapa na sua cara foi por ontem, seu cretino!

ADRIAN – (CONFUSO) Mas, por que?

CATHERINE – E você ainda pergunta? Você sabia que eu tinha um jantar com meu marido e me prendeu aqui só pra ficar comigo! E me agarrar à força!

ADRIAN – Nem vem Catherine, se eu te beijei foi por que você deu margem pra isso acontecer.

CATHERINE – Por sua culpa o Dewey mal olha pra minha cara. Agora imagina se ele descobre que eu beijei outro homem? Você quer estragar meu relacionamento, é isso?

ADRIAN – Desculpa Catherine. Eu tô gostando muito de você desde que você veio trabalhar aqui. Juro.

CATHERINE – Mas eu amo o Dewey, Adrian. Deu pra entender bem? Se você continuar agindo assim, eu vou ser obrigada a me demitir.

ADRIAN – Não! Não quero que você faça isso. Se as investigações estão andando, é por sua causa.

CATHERINE – Ok, eu fico, mas pense bem em seus atos. Controle suas emoções. Eu amo o Dewey, e distintivo nenhum mudará isso.

Catherine vai embora, batendo porta. Adrian se senta no sofá e põe as duas mãos na cabeça.

CENA 5. TRAILER DE CLIFF HOLIDAY. EXT. DIA.

Cliff salta de seu trailer e põe uma mochila nas costas. Ele olha pros dois lados e, cabreiro, se dirige até o matagal que dá para a floresta. Nesse instante, Ohana aparece na porta do veículo.

OHANA – Cliff?

Cliff se assusta e se vira, para a surpresa de Ohana.

OHANA – Onde você vai com essa mochila?

CLIFF – (SEM GRAÇA) Amor! Eu? Eu vou pescar com uns amigos lá pelas bandas da floresta.

OHANA – Que amigos Cliff? Você não tem amigos.

CLIFF – Ah, os meninos Ohana. Tim, Mickey, Jeremy... O pessoal do filme, sacou?

OHANA – Pois eu vou junto.

CLIFF – Não!

OHANA – (ARREGALA OS OLHOS) Não?

CLIFF – É pescaria, programa de homem Ohana, vamos falar de esportes, mulher, filmes de ação... Você iria detestar.

OHANA – Ok, entendi. Mas vem cá, se você vai pescar, onde está a vara?

CLIFF – (CONFUSO) Os meninos vão levar! Agora estou atrasado, já vou amor. Te amo!

E Cliff se embrenha na mata. Ohana olha desconfiada.

OHANA – Também te amo...

CENA 6. FLORESTA ESTADUAL DE ENDLESS TOWN. RIACHO. EXT. DIA.

Mãos femininas se molham nas águas cristalinas do riacho da floresta. A câmera nos revela que a mão é de Monica, que continua vestindo roupas da enfermeira. Ela está sentada na beira do riacho, sozinha. Ouve barulhos na mata e se levanta assustada. Mas quem sai dos arbustos é Cliff. Os dois sorriem.

MONICA – Que susto que você me deu Cliff!

CLIFF – (SE APROXIMA) Desculpa Monica, eu jurei que você não estava mais me esperando.

MONICA – Trouxe o que eu pedi?

CLIFF – (ENTREGA A MOCHILA) Trouxe. Comida, água e algumas roupas da Ohana. (PAUSA) Tem certeza que você quer fazer isso?

MONICA – (SEGURA A MOCHILA) Tenho sim Cliff. Eu vou descobrir quem é o novo palhaço assassino.

Close em Monica.

MAUREEN – (EM OFF) Fugiu?

CENA 7. CASA DOS RILEY. SALA DE ESTAR. INT. DIA.

Maureen salta do sofá e encara Dewey, de pé na frente dela.

MAUREEN – A mamãe fugiu do sanatório? É isso mesmo que você disse?

DEWEY – Infelizmente sim, acabaram de ligar. Parece que foi ontem a noite, durante o temporal.

MAUREEN – (PREOCUPADA) Meu Deus! E agora?

DEWEY – E agora que a polícia será obrigada a procurá-la. (PAUSA) A sua mãe assassinou uma enfermeira, Maureen, ela é um grande perigo da sociedade.

MAUREEN – (PÕE A MÃO NO PEITO) A festa do Christopher. (PENSA) Será que a médium estava certa? Será que a mamãe não aprontará nada?

DEWEY – (NÃO ENTENDE) Médium?

MAUREEN – Esquece, Dewey.

CENA 8. CASA DOS RILEY. JARDIM. EXT. DIA.

Sonoplastia de circo. O jardim da residência do Riley está lotado de gente. Mesas espalhadas pela grama reúnem diversos convidados, que conversam entre si. A decoração é toda de circo: balões coloridos nas árvores, palhaços de isopor como enfeites de mesa e, na mesa dos “parabéns”, uma toalha vermelha, muitos doces, salgados e um bolo enorme, com diversas figuras de circo. O painel no fundo é grande e imita uma  multicolor lona de circo. Maureen e Lucas passeiam entre os convidados com o aniversariante Christopher no colo, cumprimentando-os. Kirby chega na festa acompanhada de Ian, deslumbrantemente linda, e se dirige até Maureen, Lucas e Christopher, muito alegre.

KIRBY – Boa tarde!

LUCAS – Kirby, que bom que você veio e trouxe o Ian.

Lucas cumprimenta Ian. Kirby se aproxima de Christopher e pega nas bochechas da criança.

KIRBY – Parabéns Christopher! (PARA MAUREEN) Já depositei meu presente na chegada.

MAUREEN – (SECA) Obrigada, Kirby.

KIRBY – Vamos procurar alguma companhia Ian. Adorei a temática da festa. Circo! Daria medo se não fosse tão divertido, né?

Kirby pisca para Lucas e sai com Ian. Maureen faz cara feia. Corta para uma mesa onde estão sentadas Viola, Heather e Marilyn. Catherine passa na frente da mesa delas, com um vestido colado no corpo e uma trança moderna em seus cabelos loiros. Viola cutuca Heather.

VIOLA – Acho essa mulherzinha insuportável. Catherine...

HEATHER – Não fale assim dela Viola. A Catherine pode ter defeitos, mas é uma ótima pessoa.

MARILYN – Concordo com a Viola. Ela é metida ao extremo, se acha a bala que atingiu Kennedy. Não a suporto!

VIOLA – O horror que eu tenho dessa moça está no nível de horror que tenho da tal Maureen Prescott, que odeio tanto até hoje que não admito vê-la elogiada perante à mim.

Marilyn e Heather dão risada. Corta para Ashley caminhando entre os convidados até Tim e Mickey, de pé próximos a mesa de doces.

ASHLEY – Pessoal, cês viram o Jeremy?

MICKEY – Jeremy? Não o vejo a algum tempinho, ele não veio a festa.

ASHLEY – Estranho ele sumir dessa maneira.

TIM – Deve estar com alguma mulher, aposto. Aquele lá não dá nó em pingo d’água.

A câmera se afasta deles e mostra Kirby na mesa dos doces, provando algumas guloseimas. Maureen se aproxima dela.

MAUREEN – Nunca te disseram que é falta de educação comer os doces antes do parabéns?

KIRBY – Jura? E onde está escrito isso? Na porta de entrada? Não vi querida.

MAUREEN – Não está escrito em nenhum lugar, mas não normas de aniversários. Coisas criadas pela sociedade.

KIRBY – Como eu estou me lixando para a sociedade, posso me dar o desfrute de provar um docinho. (PÕE NA BOCA)

Maureen revira os olhos. Kirby faz cara de nojo e cospe o que comeu em um pedaço de papel.

KIRBY – Oh meu Deus! (ENGOLE A SECO) Que coisa mais horrível! Nunca comi doces tão desagradáveis em toda minha vida.

Maureen pega Kirby com força pelo braço e assusta a moça.

MAUREEN – Quem te chamou pra esse aniversário, hein Kirby? Posso saber? Por que eu não fui! Desagradável aqui é sua presença!

KIRBY – (SE SOLTA) Me larga!

MAUREEN – Eu não sei o que você está tramando, mas tenho certeza que não dará certo. Fica longe de mim e do meu filho.

KIRBY – Com todo prazer, Prescott!

Kirby sorri sarcasticamente e sai. Corta para a mesa onde estão Heather, Marilyn e Viola. Viola procura seu celular na bolsa e ao retirá-lo, vê 5 chamadas perdidas de Billie Dean. Close em Viola.

CENA 9. CASA DOS RILEY. SALA. INT. DIA.

Viola entra na sala com o telefone já no ouvido.

VIOLA – (TELEFONE) Alô?

A tela se divide em duas partes: numa, Viola na sala dos Riley, na outra, Billie Dean num local não identificado inicialmente.

VIOLA – Billie Dean?

BILLIE DEAN – Viola, graças a Deus que você me ligou. Estou tentando falar contigo a algum tempo.

VIOLA – Sim, o celular estava no silencioso, acabei de verificar. O que houve, Billie?

BILLIE DEAN – Esta noite eu tive uma visão premonitória, de algo horrível. Você está na festa do filho de Maureen Prescott?

VIOLA – Sim, estamos aqui! Eu, Tripp, Madison, Lucas...

BILLIE DEAN – Proteja sua família, Viola. Por que algo de muito ruim vai acontecer.

Close em Viola, assustada.

CENA 10. CASA DOS RILEY. JARDIM. EXT. DIA.

Madison e Ian sentados em dois balanços próximos ao local onde está sendo a festa de aniversário. Eles conversam.

MADISON – Sabe, você tem uma sorte enorme em ter meu irmão como pai. Ele é um cara maravilhoso.

IAN – É, eu sei. Estou gostando muito de conhecer ele.

MADISON – Eu amo meu pai. Nossa, nem sei como seria se eu não tivesse a presença dele.

IAN – É bem ruim. Ver os outros com seus pais, contando histórias deles, vivências, e não ter o que falar. Valorize muito seu pai!

MADISON – Quanto tempo você e sua mãe vão ficar na minha casa?

IAN – (RI) Quer que eu vá embora?

MADISON – Não!

IAN – Eu sei, tô brincando. Vai ser a minha mãe que vai decidir, ainda não entendi por que a gente veio pra cá.

MADISON – Você acha que a sua mãe ainda gosta do seu pai?

IAN – Acho que sim.

Madison concorda e eles ficam em silêncio por alguns instantes.

IAN – O que aconteceu com você noite passada? Eu ouvi barulho de janelas se quebrando. E muitos gritos.

MADISON – Não sei, a minha mãe disse que foi por causa da chuva, não entendi direito. As vezes acontecem coisas comigo que eu mesma não consigo entender. É como se não fosse eu sabe? Mas ao mesmo tempo sou eu.

IAN – (RI) Do que você tá falando?

MADISON – (ACHA GRAÇA) Sei lá, cara!

Corta para Dewey reunido com alguns homens desconhecidos em uma mesa, bebendo cerveja. Maureen chega atrás de Dewey e fala no ouvido dele.

MAUREEN – Dewey! Vem aqui um instante?

Dewey se levanta e se afasta da mesa com Maureen.

DEWEY – O que foi?

MAUREEN – Cadê a Hannah? Ela estava até agora ajudando na organização da festa e desapareceu! Só falta a minha irmã sumir.

DEWEY – Ela me disse que ia até a cara de um cara, parece que namorado dela. E que os dois viriam pra festa.

MAUREEN – A Hannah está namorando? Eu não sabia dessa novidade!

DEWEY – Muito menos eu. (OLHA PRO LADO) Ih, parece que ela chegou. (ESTRANHA) Peraí...

Maureen se vira curiosa e vê Hannah chegando na festa. Sonoplastia: Give It to me Right – Melanie Fiona. Em câmera lenta, Hannah e Henry entram no jardim da casa de mãos dadas, como namorados, e passam pelas mesas, sorridentes, atraindo os olhares de todo mundo.

MAUREEN – (APONTA) É o Henry!

A música baixa e o casal chega até Maureen e Dewey. Hannah está muito bem arrumada e Maureen olha as mãos dadas dos dois.

HANNAH – Demorei?

MAUREEN – Hannah... (ENCARA) Henry.

HENRY – Tudo bem, Maureen? Desculpa ter aparecido sem convite, mas não podia faltar ao aniversário do nosso filho.

MAUREEN – Imagina... (NERVOSA) Eu... Eu não sabia que vocês estavam namorando.

HANNAH – Pois é, veja se não é fantástico irmã: ontem a noite Henry viu que eu sou a pessoa perfeita pra ele e me pediu em namoro!

MAUREEN – (FALSA) É incrível!

HENRY – Você está linda, Maureen.

MAUREEN – (SEM GRAÇA) Valeu.

Lucas chega por trás de Maureen e abraça a namorada de surpresa. Dewey encara Hannah e se afasta. Hannah saca um olhar para o pai, de reprovação, e volta a sorrir para Lucas e Maureen.

LUCAS – Henry! Você por aqui? Não sabia que havia saído do hospital.

HENRY – Saí hoje cedo.

LUCAS – Os dois estão namorando mesmo?

HANNAH – Estamos sim querido. Não é o máximo?

Lucas olha para Maureen e sorri. Hannah dá um selinho em Henry. Catherine entra no jardim falando alto e vai até a mesa principal.

CATHERINE – (ALTO) Já que o pai da criança chegou, vamos cantar os parabéns?

MAUREEN – Ótima ideia Catherine!

Mais afastada, Kirby vê Hannah e Henry juntos e pensa.

KIRBY – Eu acho que esse romance pode ser um grande aliado aos meus planos. (SE APROXIMA) Catherine, vamos chamar as crianças?

CATHERINE – Claro! Todas as crianças da festa.

KIRBY – E os pais, certo? Os pais devem estar atrás do bolo segurando o aniversariante.

Maureen olha para as duas rápida e faz sinal negativo para Catherine com a cabeça. Catherine sorri.

CATHERINE – Ótima ideia Kirby!

Kirby sorri. Corta para Ashley sentada em uma mesa junto de Tim e Mickey. Ela vê a movimentação das crianças indo na frente do painel da mesa dos doces e aponta para Tim.

ASHLEY – Vão cantar os parabéns. (SE LEVANTA) Vamos lá Tim.

Quando Ashley vai sair, esbarra em Lynn e Angelina.

LYNN – (GRITA) Garota! É cega por acaso? Não viu que eu estava passando?

ASHLEY – Foi mal Lynn.

LYNN – Foi mal? Foi péssimo! Quase que eu caio e quebro a minha cara no chão.

ASHLEY – Não precisa se preocupar com isso, querida, pois do chão você não passa.

ANGELINA – Ignora essa daí Lynn, vamos.

Lynn concorda e sai com Angelina. Corta para a mesa dos doces. Maureen e Henry estão lado a lado, segurando Christopher na frente do bolo. Ao redor deles, as crianças da festa. Maureen não consegue esconder que está incomodada daquela situação. Catherine acende a vela e inicia o parabéns. Em câmera lenta, os convidados começam a cantar a música para Christopher. Quando a música termina, Maureen e Henry assopram a vela juntos e se olham.

CATHERINE – Vamos abrir os presentes?

Corta para um lugar da festa onde existem alguns pufes coloridos e um balaio lotado de presentes. Maureen segura Christopher no colo sentada ao lado de Lucas. Hannah e Henry sentados no pufe mais próximo. Catherine retira um presente da caixa e entrega a Maureen.

HANNAH – Esse é meu Maureen, comprei especialmente pro meu sobrinho Christopher. Abre logo!

MAUREEN – Vamos ver o que é Christopher?

Maureen rasga a embalagem e vê que o presente é um jogo de tabuleiro enorme.

MAUREEN – Hannah, esse jogo é para maiores de 10 anos.

HANNAH – (ESTRANHA) Jura? Devo estar ficando cega! Achei que era maior de 10 meses. Mas veja pelo lado bom, você pode jogar com o Lucas!

Maureen sorri sem graça e coloca o jogo ao lado do pufe. Catherine pega outro brinquedo e entrega para Maureen.

MAUREEN – (OLHA O PACOTE) Ué, escreveram meu nome no pacote do presente.

HANNAH – Mas que absurdo, o filho faz aniversário, mas quem ganha os presentes é ela!

MAUREEN – (SE LEVANTA) Eu vou abrir depois. Tenho que trocar o Christopher, volto em alguns instantes.

LUCAS – Quer que eu vá junto?

MAUREEN – Não, eu tenho o controle da situação.

Maureen agarra o presente e sai com Christopher. Corta para a mesa dos doces e salgados. Tripp serve um prato para si, quando Catherine chega ao lado dele.

CATHERINE – Então, Tripp. Estão bons os doces e salgados?

TRIPP – Não sei, ainda não provei. Mas pela cara, devem estar deliciosos.

CATHERINE – Sabe o que essa festa aqui me lembra? O meu casamento. Se não me engano você foi convidado, e estava aqui. Quando a menina CeCe foi encontrada morta.

TRIPP – Uma cena lastimável, diga-se de passagem.

CATHERINE – E não sei por que, mas acordei pensando em CeCe. Pensando em como ela era, pensando em seu jeito especial, nas histórias que ela contava.

TRIPP – Não sabia que você era tão próxima dela assim.

CATHERINE – Eu não sou, mas você é.

TRIPP – (SURPRESO) Como é que é?

CATHERINE – Você conhecia a CeCe, Tripp?

TRIPP – Lógico que não. Nunca havia visto aquela menina antes.

CATHERINE – Estranho, sua esposa disse que ela costumava freqüentar a sua casa e dar aulas de geografia para Madison.

TRIPP – Mas nós nunca nos cruzamos. Vem cá Catherine, o que você está querendo insinuar?

Catherine encara Tripp com um sorriso no rosto.

CENA 11. CASA DOS RILEY. SALA. INT. DIA.

Maureen deita Christopher no sofá da sala e retira a fralda do bebê, que ri para a mãe.

MAUREEN – Hum... Fez nojeirinhas, seu safado? Mas não tem problemas, a mamãe te troca rapidinho.

Maureen pega outra fralda, que estava em cima do sofá, e coloca em Christopher. Ela arruma a criança e o pega no colo. Quando se levanta, Angelina entra na sala.

ANGELINA – Maureen, o banheiro é por aqui?

MAUREEN – Não querida, os convidados estão sendo conduzidos ao banheiro que fica no jardim, ali na área externa, à direita.

ANGELINA – Eu atrapalhei alguma coisa?

MAUREEN – Não! Só estava trocando a fralda do Christopher. Mas agora está tudo pronto, vamos voltar pra festa.

Maureen vai sair, mas Angelina se coloca na frente dela.

ANGELINA – Antes, eu queria que você me escutasse. Tenho algo importante pra te falar.

MAUREEN – Sem problemas.

ANGELINA – Desculpas.

MAUREEN – (CONFUSA) Não entendi.

ANGELINA – Eu te pedi desculpas. Aquele dia na escola, quando a Lynn estava falando mal de você no banheiro. Eu ouvi tudo e fiquei calada. O que ela disse era errado. Você não é nada daquilo. Sabe, eu gosto de você. Admiro sua força.

MAUREEN – (PEGA NO BRAÇO DELA) Você não precisa se desculpar Angelina, eu te entendo e também gosto de você.

ANGELINA – (RESPIRA) Nossa, agora fiquei até mais aliviada!

Angelina olha para o lado e vê o presente endereçado à Maureen em cima da mesa.

ANGELINA – Que presente é esse?

MAUREEN – Eu já ia esquecendo.

Maureen coloca Christopher em cima do sofá e pega o presente. Ela retira o pacote e vê uma caixa de papelão. Maureen estranha e abre a caixa, curiosa para saber o que há lá dentro. Quando vê, se assusta e joga a caixa longe. Um colar de dentes podres cai no tapete. Angelina se aproxima de Maureen.

ANGELINA – (CHOCADA) O que é aquilo?

MAUREEN – (PASMA) É um colar! De dentes!

Imediatamente após a fala de Maureen, uma pessoa vestida de palhaço assassino salta do armário da sala em cima de Maureen, segurando uma faca, e a derruba no chão. Maureen segura as duas mãos dele com força e o impede de esfaqueá-la. Angelina grita desesperada e agarra um abajur com a mão. Quando vai atingir o assassino, é surpreendida por ele, que se vira e lhe dá um soco. Angelina bate a cabeça na quina de uma mesa e cai desmaiada. O assassino agarra Christopher de cima do sofá e alisa os cabelos do menino. Quando Maureen se levanta, machucada, vê que está sozinha com Angelina e que o palhaço e Christopher sumiram. Maureen dá um berro de horror e desaba em prantos. Catherine, Dewey, Lucas, Henry, Hannah e outros convidados entram correndo na sala. Lucas vê Maureen chorando e tenta levantá-la.

LUCAS – Maureen! Ouvimos os gritos lá de fora! O que aconteceu!

MAUREEN – (DESESPERADA) Ele... Foi ele Lucas!

Dewey se abaixa e ajuda Angelina, que começa a acordar, dolorida.

DEWEY – Ela está viva!

CATHERINE – Fala Maureen!

MAUREEN – (EM PRANTOS) O palhaço seqüestrou meu filho! Ele atacou à mim e Angelina e levou o Christopher!

Catherine retira seu walkie talkie da cintura e sai correndo pela porta da casa. Henry e Hannah a acompanham.

CENA 12. CASA DOS RILEY. FRENTE. EXT. DIA.

Catherine sai pela porta correndo, falando em seu aparelho de comunicação. Henry e Hannah saem em seguida.

CATHERINE – (NO APARELHO) Atenção, viaturas na Alameda Bellefort, houve um seqüestro. Com urgência!

HENRY – (NERVOSO) E agora Catherine?

CATHERINE – (OLHA EM VOLTA) Ele desapareceu!

Plano geral dos três no meio da rua, completamente perdidos.

CENA 13. HOSPITAL DE CARIDADE DE ENDLESS TOWN. FRENTE. EXT. NOITE.

Som de ambulância. Plano geral do hospital.

CENA 14. HOSPITAL DE CARIDADE DE ENDLESS TOWN. EMERGÊNCIA. INT. DIA.

Maureen sentada em uma poltrona, recebendo soro na veia, com os braços machucados. Ela chora muito, e é cercada por Catherine, Dewey, Lucas, Hannah e Henry.

CATHERINE – Ainda na obtivemos nenhuma pista do paradeiro do seqüestrador. Maureen, você tem certeza que era ele, o palhaço?

MAUREEN – (NERVOSA) Claro que eu tenho! Ele saltou do armário, me atacou, atacou a Angelina e sumiu com meu filho.

DEWEY – Como esse cara entrou e ninguém viu?

HENRY – Vai ver ele estava na lista de convidados.

HANNAH – Não vamos pensar nisso, Henry.

CATHERINE – Ele tem razão. Vamos investigar isso. Fique calma Maureen, eu te prometo que vou resgatar seu filho.

MAUREEN – (COMEÇA A CHORAR) Eu te imploro Catherine... Sem o Christopher eu não vou conseguiu viver. Não vou!

LUCAS – (ABRAÇA) Calma amor.

Angelina entra na emergência, com um curativo na testa e o rosto um pouco machucado.

ANGELINA – Maureen, como você está?

MAUREEN – Estou péssima Angelina! Ele levou meu filho.

ANGELINA – Eu tentei acertá-lo, Maureen, mas ele foi mais rápido que eu. Eu estava muito nervosa.

MAUREEN – Não foi sua culpa, querida. De nenhum de nós.

ANGELINA – Mas graças a Deus nós saímos sãs e salvas. Ele não conseguiu acabar com a gente.

MAUREEN – Tem razão.

LUCAS – Acho melhor deixarmos a Maureen descansar, não é gente? Vamos sair. Eu vou lá embaixo pegar algo pra ela comer. Por favor, vamos comigo.

CATHERINE – Boa ideia. Fica bem Maureen.

Os que estão ali concordam e vão saindo da sala. Lucas dá um beijo na testa de Maureen e também sai, fechando a porta.

BILLIE DEAN – (EM OFF) Eu vi essa festa, Maureen. Eu vi choro, angústia e muito desespero. Algo de muito grave acontecerá hoje e você vai ter que impedir.

Close em Maureen, surpresa.

CENA 15. HOSPITAL DE CARIDADE DE ENDLESS TOWN. CORREDOR. INT. NOITE.

Angelina anda por um corredor do hospital e espera o elevador.

CENA 16. HOSPITAL DE CARIDADE DE ENDLESS TOWN. ELEVADOR. INT. NOITE.

Angelina entra no elevador e aperta no botão do estacionamento. Seu celular toca e ela o retira da bolsa. Atende.

ANGELINA – (TELEFONE) Sim, mãe? (PAUSA) Não, não precisa se preocupar, eu estou bem, já fiz o curativo. Dentro de algumas horas volto pra casa. Vou pegar o carro aqui no estacionamento. (PAUSA) Também te amo, tchau.

O elevador para no andar indicado. Angelina guarda o telefone de volta na bolsa e sai.

CENA 17. HOSPITAL DE CARIDADE DE ENDLESS TOWN. ESTACIONAMENTO. INT. NOITE.

Plano geral do estacionamento. O local está cheio de carros e é mal iluminado. Angelina sai do elevador e caminha até seu carro, que está estacionado ao lado de uma pilastra. Quando vai abrir o veículo, o celular toca novamente. Angelina atende.

ANGELINA – (TELEFONE) Sim?

VOZ – (COM MODULADOR) Posso falar com Angelina de los Reyes, por favor?

ANGELINA – É ela mesma, quem está falando?

VOZ – (COM MODULADOR) Como está o rosto, Angelina?

Angelina fica surpresa com o que acaba de ouvir.

ANGELINA – Não entendi. Peraí, é você Lynn? Olha, eu sei que você adora esse tipo de piadinha, mas eu estou saindo agora do hospital, depois a gente se fala.

VOZ – (COM MODULADOR) Sabe Angelina, deve estar escuro ai não? Nesse estacionamento deserto.

Angelina se assusta e olha em volta.

VOZ – (COM MODULADOR) E sabe o que mais? Acho até bom que você esteja no hospital. Por que depois que eu te machucar, nem precisará ser levada pra muito longe.

Angelina desliga o celular e, desesperada, entra dentro do carro. Ela olha para todos os lados, com a respiração ofegante, procurando alguém, mas não encontra. Ela coloca a chave na ignição e gira, mas o carro não funciona.

ANGELINA – (NERVOSA) Merda!

O celular de Angelina toca e, assustada, ela o deixa cair. Quando se levanta, dá um berro ao ver o palhaço assassino em cima do capo do carro, mostrando um facão à ela pelo vidro. Angelina vê as luzes de outro carro saindo pela garagem e se vira, gritando.

ANGELINA – (BERRA) Socorro! Socorro! Me ajuda!

Quando se vira para o vidro, não vê mais o palhaço. Ela põe as duas mãos na cabeça, com lágrimas nos olhos.

ANGELINA – Vai embora, seu filho da puta, desgraçado!

Ela respira fundo, abre sua bolsa e retira de lá um canivete. Com coragem, Angelina abre a porta do carro e desce do veículo. Ela caminha até a frente, mas não vê ninguém. O alarme do carro soa sozinho, assustando Angelina, que deixa o canivete sair e sai correndo até o outro lado do estacionamento, onde há uma porta de incêndio. Angelina força a maçaneta da porta e acaba quebrando. Quando se vira, o palhaço assassino surge correndo em sua frente e enfia a faca na barriga dela. Angelina geme de dor e fica cara a cara com o assassino. O palhaço arranca a faca do corpo de Angelina, que desaba morta no chão.

CENA 18. HOSPITAL DE ENDLESS TOWN. FRENTE. EXT. NOITE.

Em frente do hospital da cidade, Adrian dá uma entrevista coletiva para uma multidão de jornalistas. O xerife está em pé sob um púlpito, e seu rosto é iluminado pelos excessivos flashs das câmeras fotográficas. O xerife toca no microfone para ver se está funcionando.

ADRIAN – (MICROFONE) Bom, é uma investigação em andamento. Fiquem certos que estamos averiguando minuciosamente todas as pistas, quanto menos for comentado melhor. Então, estarei aceitando perguntas, por favor.

Todos os jornalistas levantam a mão e falam ao mesmo tempo. Catherine surge no meio das pessoas e grita em direção a Adrian.

CATHERINE – (GRITA) Adrian!

ADRIAN – (AFASTA O MICROFONE) Catherine?

CATHERINE – Algum comentário sobre a semelhança desses crimes com o massacre anterior?

Adrian fica surpreso pela pergunta dela. Os jornalistas começam a comentar entre si, baqueados pela frase de Catherine.

ADRIAN – (IGNORA) Catherine, depois, ok?

CATHERINE – (PASMA) O que?

ADRIAN – (MICROFONE) Como eu ia dizendo, meus policiais estão trabalhando duro e queremos que a comunidade saiba que o ataque ocorrido hoje não tem relação ao crime de CeCe Reynolds e muito menos Beverly Scott. Foram crimes isolados. Estamos com o total controle da situação.

Imediatamente após a última fala de Adrian, se vê algo desabando do terraço do prédio em direção a multidão de jornalistas presentes na frente do hospital. Um corpo não identificado cai sob um furgão de TV e inicia-se uma gritaria geral. Adrian desce rapidamente do púlpito e Lloyd engatilha sua arma.

ADRIAN – Lloyd, vá lá pra cima! Rápido! Vá até o terraço!

Lloyd concorda e sai. Adrian, com a ajuda de outros policiais, faz uma barreira para afastar e controlar as pessoas, que estão bastante chocadas com o que aconteceu e correm do local.

ADRIAN – Todo mundo pra trás! Pra trás! Vamos manter a calma, se afastem!

Adrian sobe em uma escada presa ao furgão para ver o corpo. Catherine se aproxima do xerife, ao lado do veículo. Adrian vê de quem é o corpo e retira seu chapéu, bastante abalado com o que viu. A câmera então finalmente revela que o corpo é de Angelina, gravemente esfaqueada.

ADRIAN – Oh meu Deus... Ela está morta!

CATHERINE – (ENFRENTA) Está tudo realmente sob controle, xerife?

Adrian se vira para Catherine e ela o encara. Closes descontínuos entre os dois.

CENA 19. LOCAL MISTERIOSO. INT. NOITE.

A câmera abre numa foto de Maureen Prescott. No fundo, uma voz feminina canta uma canção de ninar. A câmera se afasta da foto de Maureen e mostra um plano geral da cabana. Christina está sentada em uma cadeira de balanço, com Christopher no colo, mimando o bebê.

CHRISTINA – (CANTA) Se essa rua, se essa rua fosse minha... Eu mandava, eu mandava ladrilhar... Com pedrinhas, com pedrinhas de brilhantes... Para o meu, para o meu amor passar...

Uma segunda pessoa entra pela porta atrás de Christina, mas a câmera mostra somente que ela está usando botinas pretas. Christina olha para trás e mostra Christopher para essa pessoa.

CHRISTINA – (SORRI) Adorei que você me trouxe ele. Ele é lindo, não é? E vai ser meu! Você me prometeu.

A figura misteriosa se aproxima do bebê e, com as mãos escondidas atrás de luvas de couro, alisa seu rosto. A imagem escurece.

 

SÉRIE DE:
Jota Pê 

ESTRELANDO:

CHRISTA B. ALLEN – Maureen Prescott

SARAH MICHELLE GELLAR – Catherine Riley

KEEGAN ALLEN – Henry Sheldon

ERIC WINTER – Lucas Armstrong

MICHELLE FORBES – Monica Prescott

RICHARD BURGI – Dewey Riley

ELIZABETH MCLAUGHLIN – Hannah Riley

LESLEY FERA – Viola Armstrong

DAVID JAMES ELLIOT – Tripp Armstrong

BAILEE MADISON – Madison Armstrong

ALEXIA FAST – Amanda Manson

BILLIE JOE ARMSTRONG – Cliff Holiday

JAMIE ANNE ALLMAN – Christina Martin 

ELENCO RECORRENTE: 

VANESSA RAY – Marilyn Becker

AIMEE TEEGARDEN – Ashley Becker

JACK DEPEW – Tim Allerton

SKYLER DAY – Lynn Wellington

BIANCA LAWSON – Tatum McCarthy

SHANE COFFEY – Jeremy Randall

ANDREA BOWEN – Allegra Drake

JOEL KINNAMAN – Adrian Rutherford

MEGHAN ORY – Ohana Rowland

NAYA RIVERA – Angelina de Los Reyes

RAMÓN FERNANDES – Mickey Hargensen

MACKINLEE WADDELL – Beverly Scott

MARISOL NICHOLS – Heather Murphy

ASHLEY JOHNSON – Kirby Carter

LIAM JAMES – Ian Carter 

ATRIZ CONVIDADA:
LILY RABE – Billie Dean Treadwell 

MÚSICAS DO EPISÓDIO:
INSTRUMENTAL CIRCO

PRODUÇÃO

Bruno Olsen
Diogo de Castro
Rafael Oliveira

   

 Esta é uma obra de ficção virtual sem fins lucrativos. Qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência.


REALIZAÇÃO

Copyright © 2016 - WebTV
www.redewebtv.webs.com
Todos os direitos reservados
Proibida a cópia ou a reprodução

.aaa.
.aaa.

Compartilhar:

 
Copyright © WebTV | Design by OddThemes