THE CIRCUS - 2x07



2x07
 
 
 

CENA 1. CASA DOS RILEY. COZINHA. INT. DIA. 

Câmera abre na tela de uma TV, onde um jornal local noticia a vinda de uma grande tempestade. Imagens dos céus da região tomados por nuvens escuras e trovoadas. Corta para Dewey na pia da cozinha, terminando de lavar o último prato. Ele seca as mãos com um pano de louça e Catherine entra.

CATHERINE – Você viu na televisão? Vai cair uma tempestade enorme na cidade, dizem que em Seattle vai ter casa destelhada. O pessoal tá todo correndo pra ir pra casa pra fugir da chuva.

DEWEY – (NEM OLHA PARA ELA) É?

Catherine sorri e se aproxima de Dewey.

CATHERINE – Meu amor, acho que precisamos conversar melhor, não precisamos?

DEWEY – Você acha Catherine? Mesmo?

CATHERINE – Olha, me desculpa! Eu sei que ando trabalhando demais naquela delegacia, mas me entende Dewey. Esse foi um emprego que eu sempre sonhei, desde menina. E com esses dois crimes que aconteceram, as coisas estão confusas.

DEWEY – Eu entendo Catherine. Só não gosto de ter ver pra cima e pra baixo com aquele xerife de meia tigela.

CATHERINE – Então que tal fazermos assim. Eu vou pra delegacia ver o que o Adrian quer comigo e você fica aqui fazendo um jantar romântico pra nós. Eu prometo que volto antes da tempestade cair.

DEWEY – (SORRI) Eu realmente gostei disso. 

CATHERINE – Combinado então? 

DEWEY – Combinadíssimo! 

CATHERINE – Agora deixa eu ir. Te amo, amor!

Catherine beija Dewey, pega a bolsa e sai pela porta dos fundos.

CENA 2. MANSÃO DOS ARMSTRONG. QUARTO DE HÓSPEDES. INT. DIA.

Kirby coloca sua mala e a de Ian em cima da cama. Viola, que está com ela, fecha a porta.

VIOLA – E esse é o seu mais novo quarto, Kirby.

KIRBY – Viola, tem certeza que quer que eu fique aqui?

VIOLA – Claro que eu tenho! Uma tempestade está para cair e aqui é mais seguro. Você fica mais perto do Lucas.

KIRBY – Quanto a ele, eu quero saber direitinho o porque de você ter me carregado pra cá depois de tanto tempo.

VIOLA – Você sabe o quanto eu gosto de você, não sabe Kirby? Te acho uma mulher decidida, forte e que serve pro meu filho.

KIRBY – Antes você não achava. Quando eu engravidei do Lucas e quis contar pra ele você mandou o Guy me tirar da cidade.

VIOLA – Insegurança, Kirby. Coisas de mãe. Agora existe outra vagabunda que eu preciso afastar do Lucas. Maureen Prescott.

KIRBY – E pra isso precisa da minha ajuda?

VIOLA – Você escuta bem o que eu estou dizendo pra não perder nenhum detalhe, Kirby. Você vai destruir o relacionamento da Maureen com o Lucas. Eu quero acabar com essa menina, aniquilá-la.

KIRBY – Você sabe que eu tenho um preço não sabe?

Viola sorri e retira uma maleta de dentro do guarda-roupas. Ela coloca em cima da cama e abre, mostrando muito dinheiro a Kirby, que sorri realizada.

KIRBY – É desse jeito que eu gosto.

VIOLA – É só a metade. Se fizer o seu serviço completo, você vai ganhar muito, mas muito mais.

Viola dá um tapinha no rosto de Kirby e se retira do quarto. Kirby se senta na cama e segura algumas notas de dinheiro, ambiciosa.

KIRBY – Vai ser mais fácil que tirar doce da boca de criança.

Close em Kirby.

CENA 3. MANSÃO DOS ARMSTRONG. CORREDOR. INT. DIA.

Maureen e Lucas parados perto do fim do corredor, numa ferrenha discussão. Ela bastante exaltada.

MAUREEN – Filho, Lucas? Filho? É isso? Você tem um filho e escondeu isso de mim o tempo todo?

LUCAS – Eu não sabia Maureen! Fiquei tão surpreso quando você! Quando a Kirby foi a embora a mais de 10 anos atrás eu era jovem, e ela também não me disse nada.

MAUREEN – De qualquer jeito você devia ter me dito sobre ela. Sabe o que é engraçado, Lucas? É que eu expus a minha vida pra você como um livro aberto, agora você mostra que ainda esconde segredos de mim.

LUCAS – Então é isso, você vai se separar de mim por algo que eu não tenho culpa? Sendo que eu não me separei de você por causa do seu namorado dorminhoco do hospital?

MAUREEN – Eu não vou me separar de você.

LUCAS – Então pra que esse escândalo? A Kirby está de volta e não há nada que possamos fazer, apenas conviver. Nada muda na nossa relação.

MAUREEN – Alguma coisa me diz que essa Kirby vai tentar melar nosso relacionamento.

LUCAS – Ela pode até tentar, mas não vai conseguir.

De repente, Kirby sai da porta de seu quarto e surpreende os dois.

KIRBY – Desculpa interromper a conversa, mas muito obrigado pela hospedagem Lucas.

LUCAS – (SURPRESO) Você vai ficar aqui?

KIRBY – Pelo menos hoje.

MAUREEN – Eu vou pra casa refletir sobre tudo que aconteceu hoje, Lucas. A gente se fala amanhã.

Maureen dá um selinho no namorado e sai. Lucas a observa ir embora, temeroso. Close no sorriso sarcástico de Kirby.

 
 
     
 

2x07 - O EXORCISTA
 
     

CENA 4. CASA DOS RILEY. COZINHA. INT. DIA. 

Dewey entrega um copo de café para Maureen, que está sentada em sua frente, na bancada, bastante abalada. 

MAUREEN – Se não me bastasse esse novo assassinato, me aparece uma mulher que diz ter um filho do Lucas e que ficará hospedada na casa dele. Eu acho que vou enlouquecer, Dewey. 

DEWEY – Como você está se sentindo com relação a esse filho?

MAUREEN – Tensa, né Dewey? Imagina se fosse com você? Tô insegura, claro, medo do Lucas ainda gostar da Kirby e, pelo sentimento de pai, me largar pra ficar com ela. Sei lá, paranóias que a gente pega quando acontece coisas assim.

DEWEY – Posso te dar um conselho?

MAUREEN – Por favor!

DEWEY – Você vai ter que ser forte e lidar com isso. Não seja fraca, por que no momento em que você for fraca a ex-namorada do Lucas vai bater em você e você vai cair. Encare essa situação da maneira mais normal possível. Mostre que agora você é a mulher dele.

MAUREEN – Não gostei dela. Achei muito antipática, tipinho de oportunista. Vai ser difícil agüentar desaforo calada.

DEWEY – E quanto ao Henry?

MAUREEN – (SUSPIRA) Ai Dewey, Henry é o menor dos problemas atualmente.

Dewey sorri e segura na mão dela. Maureen toma um gole de café.

CENA 5. HOSPITAL DE CARIDADE DE ENDLESS TOWN. QUARTO. INT. DIA.

Hannah fecha a janela do quarto de Henry. Henry está sentado, comendo uma sopa preparada ali mesmo no hospital.

HENRY – (FAZ CARA FEIA) Tinha me esquecido de como comida de hospital é ruim.

HANNAH – Não está gostando? Eu posso ir pegar comida pra você. O que você quer?

HENRY – (RI) Não Hannah, obrigado, não precisa.

HANNAH – Você precisa se alimentar Henry. Ficou muito tempo inconsciente, está fraco.

HENRY – Eu mal posso esperar pra ver meu filho novamente, Hannah. Ele é lindo, não é?

HANNAH – É lindo sim.

HENRY – Vem cá, a Maureen está mesmo namorando aquele cara? Quem é ele?

HANNAH – Está sim. Lucas Armstrong, um riquinho que dá aulas de arte.

HENRY – E onde ela conheceu ele?

HANNAH – Em Seattle. Depois do que aconteceu no ano passado, ela decidiu ter o bebê sozinha e partiu pra lá, onde conheceu ele. Lucas assumiu a paternidade do Christopher e os dois moravam juntos até virem pra cá. Minha irmã está apaixonada por ele.

HENRY – (CURIOSO) Ah é?

HANNAH – Sim. E o Lucas é louco por ela. Os dois se amam e são o casal perfeito.

Close em Henry, pensativo.

CENA 6. MANSÃO DOS ARMSTRONG. SALA DE JOGOS. INT. DIA.

Ian sentado em um sofá grande e confortável. Ele está com a TV ligada e muda de canal a todo instante com o controle. Lucas entra na sala e, temeroso, se aproxima do filho. Senta do lado dele.

LUCAS – O que você está vendo?

IAN – (NÃO OLHA PRO LADO) Não sei, são tantos canais que não sei o que escolher.

LUCAS – E como foi de viagem?

IAN – Bem.

Lucas concorda com a cabeça e Ian permanece em silêncio.

LUCAS – Ian, eu sei que deve estar tudo confuso na sua cabeça, afinal pra você o seu pai não existia, mas eu quero que saiba que eu estou muito feliz em saber da sua existência.

IAN – Mesmo?

LUCAS – Mesmo. Agora que você vai passar uma temporada comigo, vamos cobrar todo o tempo que perdemos juntos. Eu quero ser um pai pra você, cara.

IAN – (SORRI) Eu também fiquei feliz em saber que você era meu pai. Sempre tive vontade de ter um pai e me sentia muito mal quando meus amigos zoavam de mim por culpa disso. Eu me sentia sozinho, e acho que agora não preciso mais me sentir sozinho.

LUCAS – (EMOCIONADO) Oh garoto... Para com isso...

IAN – Posso te chamar de pai?

LUCAS – (CONCORDA) Pode. (COMPLETA) Filho.

IAN – (SORRI) Pai.

LUCAS – Posso te dar um abraço?

Ian concorda e eles se abraçam. Lucas deixa lágrimas caírem, muito feliz.

CENA 7. ENDLESS TOWN. CENAS PANORÂMICAS. EXT. NOITE.

Sonoplastia: Nocturne – Secret Garden. A noite vai chegando em Endless Town. Os raios iluminam os céus e meio as grandes nuvens escuras. Uma grande tempestade começa a cair, e as ruas da cidade estão vazias. O vento está forte e as árvores balançam bastante.

CENA 8. DELEGACIA DE ENDLESS TOWN. SALA DE ADRIAN. INT. DIA.

Catherine olhando a tempestade cair da janela da sala de Adrian. Adrian entra com dois copos de café e oferece um para Catherine.

CATHERINE – (ACEITA) Obrigada.

Os dois se sentam e Catherine bebe um pouco do café.

CATHERINE – Então xerife, descobriu alguma coisa sobre o cartão da prefeitura encontrado nas coisas da CeCe?

ADRIAN – Eu fiz melhor, querida. Eu descobri de quem é o cartão.

CATHERINE – Descobriu, e de quem é?

Adrian e Catherine se olham.

CENA 9. HOSPITAL DE CARIDADE DE ENDLESS TOWN. QUARTO. INT. NOITE.

Hannah sentada ao lado da cama de Henry, lendo um livro. Henry deitado, pensativo. Olha pro lado e vê Hannah.

HENRY – Você ainda vai ficar aí?

HANNAH – (RI) Henry! Vou, por quê? Quer me mandar embora?

HENRY – Não é isso, é que você está do meu lado desde que eu acordei, e eu acho que deve estar cansada.

HANNAH – Cansada? Nunca. Eu venho fazendo isso por 365 dias, Henry. Pra mim é uma honra ficar junto de você.

HENRY – Por quê? Por que ficar do meu lado?

HANNAH – Por que eu gosto muito de você, Henry e se precisar eu passo todas as noites e todos os dias até você se recuperar.

HENRY – Se quer ficar tudo bem. Valeu pela paciência Hannah.

HANNAH – Que isso. Agora dorme Henry, descansa. Mas acorda, viu? (SORRI) Acorda.

Henry fecha os olhos e se acomoda na cama. Hannah o observa com brilho nos olhos.

CENA 10. MANSÃO DOS ARMSTRONG. SALA DE ESTAR. INT. NOITE.

Lucas prepara um drink no bar da sala, no fundo do local quando Kirby chega para falar com ele.

LUCAS – Aceita um drink?

KIRBY – Não, eu não bebo desde que tive o Ian. Obrigada.

LUCAS – Pelo visto você mudou muito Kirby.

KIRBY – Você não sabe o quanto Lucas. Agora eu sou uma mãe de família, preciso dar exemplo ao nosso filho.

LUCAS – É bom saber que você está diferente.

KIRBY – Eu queria te agradecer pela conversa que teve com o Ian, Lucas. O coitadinho estava com muito medo de conhecer o pai e ser rejeitado. Ele era um garoto infeliz Lucas, e creio que com você por perto, ele possa se sentir finalmente feliz por completo.

LUCAS – Deu pra fazer rimas agora Kirby?

KIRBY – Oi?

LUCAS – Eu estou brincando, gostei do garoto também. Ele é um bom menino e você fez um bom trabalho com ele. Nos daremos bem.

KIRBY – (SE APROXIMA DELE) Posso te dar um abraço?

LUCAS – (NÃO ENTENDE) Pode, tem algum motivo?

KIRBY – Eu preciso muito fazer isso.

Lucas concorda e abraça Kirby. Kirby aproveita e começa a beijar o pescoço dele, seduzindo Lucas. Lucas afasta-a com força.

LUCAS – Não, Kirby, não faça isso.

KIRBY – Por que? (SE APROXIMA) Vai dizer que você não estava com saudades de mim? Hum?

Kirby pega a mão de Lucas e esfrega em seu corpo.

KIRBY – Do meu corpo. Você adorava o meu corpo Lucas. (ESFREGA NOS SEIOS) Essa era a sua parte favorita. (SUSSURRA) Eu ainda lembro de como você os chupava!

LUCAS – (GRITA) Para Kirby! Pelo amor de Deus!

KIRBY – (RESSENTIDA) Você nunca falou assim comigo.

LUCAS – Eu estou com a Maureen, Kirby, e sou apaixonado por ela. Eu aceitei conviver com você civilizadamente, mas não vou aceitar esse comportamento.

KIRBY – Desculpa Lucas, é que essa nossa reaproximação me trouxe lembranças boas do passado.

LUCAS – Como você mesma já disse, passado! Passou e não volta mais! Nunca mais faça isso.

Lucas encara Kirby e sobe as escadas. Kirby cruza os braços, irritada.

CENA 11. CASA DOS RILEY. COZINHA. INT. NOITE.

Dewey organiza a mesa da cozinha para seu jantar com Catherine. Ele arruma os pratos e os talheres e acende duas velas no centro da mesa. Delicadamente, coloca uma rosa dentro do copo da amada. Maureen entra na cozinha.

MAUREEN – Uau, que produção hein Dewey?

DEWEY – Você acha que a Catherine vai gostar?

MAUREEN – Pelo que eu conheço ela tenho certeza!

DEWEY – Você não vai ficar aqui né?

MAUREEN – (RI) Não, vou dormir, vim só ver se você estava bem. Boa noite, Dewey.

DEWEY – Boa noite...

Maureen sai. Dewey se senta em seu lugar na mesa e olha no relógio. Os trovões caem lá fora.

DEWEY – Ela está chegando...

CENA 12. MANSÃO DOS ARMSTRONG. QUARTO DE MADISON. INT. NOITE.

Madison deitada em sua cama, acordada, com a luz dos raios iluminando seu rosto. Allegra entra no quarto e se aproxima da cama da menina.

ALLEGRA – Ainda acordada Madison?

MADISON – É a tempestade Allegra. Eu não estou conseguindo dormir.

ALLEGRA – (ALISA O ROSTO DELA) Fica tranqüila Madison, logo vai passar, fecha os olhos e pensa em coisas boas.

MADISON – Mas eu não consigo pensar em coisas boas. Se eu fechar os meus olhos, só vou pensar em coisas ruins.

ALLEGRA – Quer que eu conte uma história pra você?

Madison leva um susto ao ver Amanda atrás de Allegra, com cara de má.

MADISON – (GRITA) Sai daqui!

ALLEGRA – Ô menina mal educada, se quer privacidade é só pedir, não precisa gritar.

MADISON – Não estava falando com você, e sim com ela.

Quando Allegra se vira, um dos brinquedos de Madison que estava em uma prateleira cai no chão. Allegra leva o maior susto e sai correndo do quarto.

CENA 13. MANSÃO DOS ARMSTRONG. SALA DE ESTAR. INT. NOITE.

Viola abre a porta principal e Billie Dean entra, fechando seu guarda-chuva, um pouco molhada.

VIOLA – Billie, querida, estávamos ansiosos.

As duas se beijam.

BILLIE DEAN – A cidade está um caos Viola, algumas ruas estão alagadas, por isso demorei pra chegar. Onde está a menina?

VIOLA – Lá em cima.

Tripp sai de seu escritório e cumprimenta Billie Dean.

TRIPP – Tudo bem senhorita Treadwell? Tudo pronto?

BILLIE DEAN – Tudo mais do que pronto, Tripp.

LUCAS – (SURGE DA ESCADA) Pronto pra que?

VIOLA – (SE VIRA) Nós vamos tirar esse espírito maligno que está no corpo da sua irmã Lucas.

Eles se olham, nervosos.

CENA 14. MANSÃO DOS ARMSTRONG. CORREDOR. INT. NOITE.

Viola, Billie Dean, Tripp e Lucas caminham em direção ao quarto de Madison. Eles chegam até uma porta.

VIOLA – É aqui.

Tripp se vira pra Lucas.

TRIPP – Não vá embora filho, precisamos de você nesse momento. Passe a noite aqui.

LUCAS – Vocês não podem submeter minha irmã a isso. Isso é um crime.

BILLIE DEAN – Não tem mais volta. (PARA VIOLA) Vamos?

VIOLA – Por favor.

E Billie entra no quarto de Madison. Viola e Tripp a seguem. Close em Lucas.

CENA 15. CASA DOS RILEY. COZINHA. INT. NOITE.

Dewey dormindo em cima da mesa. As velas já estão apagadas. Ele acorda assustado.

DEWEY – Catherine?

Mas não há ninguém ali sem ser ele.

DEWEY – Ela não veio...

Dewey vê a bela mesa arrumada e se levanta. Ele suspira e sai da cozinha.

CENA 16. MANSÃO DOS ARMSTRONG. QUARTO DE MADISON. INT. NOITE.

Madison deitada em sua cama, lendo um livro. Billie Dean, Viola e Tripp entram no quarto e assustam a menina.

MADISON – (SE SENTA) Mãe? Pai? O que está havendo?

VIOLA – É pro seu bem filha.

BILLIE DEAN – Amarrem a menina. (FECHA OS OLHOS) Eu posso sentir. Amanda está aqui.

Tripp e Viola se aproximam de Madison e agarram os braços da menina. Madison começa a se debater.

MADISON – (GRITA) Me soltem! Parem com isso!

VIOLA – (SEGURA) Fica quieta!

De repente, Madison tem a cor dos olhos mudadas e deixa a mãe assustada.

MADISON – (MUDA A VOZ) Você não vai conseguir se livrar de mim, vadia!

Tripp termina de amarrar Madison e eles se afastam, chocados. Madison se debate em cima da cama e Billie Dean se aproxima.

BILLIE DEAN – Está na hora.

Um raio cai lá fora e ilumina o rosto de Madison. Viola se abraça em Tripp, com medo. Billie Dean se aproxima de Madison se coloca sua mão em sua cabeça.

BILLIE DEAN – (FECHA OS OLHOS) Amanda... Fale comigo Amanda...

MADISON – (COM A VOZ DISTORCIDA) Se afasta de mim, sua vigarista! Ela é minha! E não há nada que você possa fazer para tirá-la de mim!

Billie Dean retira um crucifixo de sua bolsa e aponta para Madison. Billie começa a rezar.

BILLIE DEAN – Pai nosso que estais no céu, santificado seja o vosso nome...

MADISON – (DÁ RISADA) Você realmente acha que com isso vai me fazer ir embora, Billie Dean? Acha mesmo? O seu Deus não é poderoso contra mim! Ele não é nada perto do que eu posso ser!

Viola se aproxima de Billie.

VIOLA – O que está havendo?

BILLIE DEAN – Ela é mais forte que eu imaginava.

Madison, possuída por Amanda, começa a dar risadas malignas. Viola se aproxima da filha.

VIOLA – (GRITA) Sai de perto da minha filha, sua infeliz! Sai! Deixa a minha Madison em paz! (COMEÇA A CHORAR) A minha filha!

MADISON – (SE DEBATE) Você não merece a sua filha, Viola! Não merece! Você não merece nada! Você é ridícula, se acha importante, mas no fundo não é nada! Sua fracassada!

VIOLA – Cala a boca!

Viola se joga em cima de Madison e começa a esbofeteá-la com as duas mãos, em desespero.

VIOLA – Eu te odeio, te odeio!

TRIPP – (A SEGURA) Para Viola!

MADISON – (LOUCA) Corna! Você é corna! O seu marido te trai, Viola! Ele foi amante daquela menina, a CeCe! Era ele! Sua idiota! É difícil ouvir a verdade, não é Viola?

Viola fica chocada e não sabe o que fazer. Ela se vira para Tripp, que engole a seco.

CENA 17. DELEGACIA DE ENDLESS TOWN. SALA DE ADRIAN. INT. NOITE.

Catherine se levanta, abismada.

CATHERINE – Tripp Amrstrong?

ADRIAN – Ele mesmo. Provavelmente o amante da menina.

CATHERINE – (PASMA) Eu estou chocada.

ADRIAN – Ele se torna o nosso principal suspeito do crime. Devemos chamá-lo?

CATHERINE – Não, espera, é melhor conseguirmos mais provas antes que é bem capaz dele arrumar um jeito de se safar. (OLHA NO RELÓGIO) Agora eu preciso ir. Dewey deve ter desisto de mim.

Quando Catherine toca a mão na maçaneta, as luzes se apagam. Ela se vira assustada para Adrian.

CATHERINE – Queda de luz?

ADRIAN – Voce não pode ir embora agora Catherine, está chovendo demais, é perigoso.

CATHERINE – (NERVOSA) O meu marido está me esperando, cara!

ADRIAN – Ele pode esperar mais um pouco, senta aí. Calma!

Close em Catherine.

CENA 18. MANSÃO DOS ARMSTRONG. QUARTO DE MADISON. INT. NOITE.

Continuação da cena 16. Billie Dean fica na frente da cama de Madison e encara a menina. Madison faz caras e bocas com a língua para provocar Billie Dean.

BILLIE DEAN – Já chega. Vamos terminar com isso. Trouxeram o que eu pedi?

Ainda chocada, Viola dá para Billie uma corrente de ouro, que é de Madison. Billie acende um fósforo e ateia foto na corrente da menina.

MADISON – (GRITA) Não! Isso não!

BILLIE DEAN – Em nome de Jesus, Amanda, eu ordeno que você siga seu caminho e vá embora. (EM ALTO E BOM SOM) Continuum!

E Madison dá um berro ensurdecedor, que quebra todos os vidros do quarto e joga a médium Billie Dean contra a parede. Viola e Tripp se abaixam, assustados. Imediatamente, a menina desmaia. Lucas invade o quarto e acende as luzes. Vê as janelas quebradas e todos assustados. Viola ajuda Billie Dean a levantar.

VIOLA – Billie! Você está bem?

BILLIE DEAN – Estou Viola.

LUCAS – O que houve aqui?

BILLIE DEAN – (FECHA OS OLHOS) Amanda se foi. Nós conseguimos. Madison está livre.

Lucas olha para a irmã, inconsciente em cima da cama.

CENA 19. CASA DOS RILEY. SALA. INT. NOITE.

Maureen desce a escada em direção a sala e ouve choro de criança. Ela olha pros lados, estranhando.

MAUREEN – Christopher?

Maureen percebe que os choros estão vindo da cozinha e vai até lá.

CENA 20. CASA DOS RILEY. COZINHA. INT. NOITE.

Maureen entra na cozinha e vê uma mulher, de cabelos escuros, de costas, segurando uma criança no colo. Nervosa, Maureen se aproxima.

MAUREEN – O que você tá fazendo com meu filho?

A mulher se vira e Maureen se assusta ao ver que se trata de CeCe, que está segurando Christopher, este cheio de sangue, assassinado.

CECE – Olha o que eu fiz com seu bebê, Maureen.

E ouve-se um berro de horror.

CENA 21. CASA DOS RILEY. QUARTO DE HÓSPEDES. INT. NOITE.

Maureen dá um pulo na cama, gritando. Tudo não tinha passado de um sonho. Põe a mão no peito e vai até o berço de Christopher. O menino está dormindo feito um anjo. Ela chora e beija o menino.

MAUREEN – Foi só um sonho, filho... Só um sonho.

CENA 22. DELEGACIA DE ENDLESS TOWN. SALA DE ADRIAN. INT. NOITE.

Catherine sentada no chão do local, apoiada na parede. Adrian entra com uma garrafa de vinho e duas taças. Ele se senta ao lado de Catherine.

ADRIAN – Aceita vinho?

CATHERINE – Pra não ser grossa eu tomo uma tacinha, mas uma tacinha só viu Adrian? Não vai me deixar bêbada.

ADRIAN – Eu jamais faria isso.

Adrian entrega um copo para Catherine e os serve de vinho. Adrian ergue sua taça.

ADRIAN – Um brinde.

CATHERINE – Um brinde à que?

ADRIAN – A nossa investigação.

CATHERINE – (CONCORDA) Um brinde.

E os dois brindam. Feliz, Catherine bebe um pouco de seu vinho.

ADRIAN – Dá pra acreditar nisso que está acontecendo agora Catherine? Eu e você juntos, brindando?

CATHERINE – (RI) É maio maluco. A pouco tempo estávamos brigando quando você não me deixada gravar minhas matérias.

ADRIAN – Como jornalista você é um saco, acredite em mim. É melhor investigando crimes.

CATHERINE – Sabe que eu também acho? A investigação do crime da CeCe está me fazendo ter outro olhar da vida que eu não tinha sendo jornalista. Da tragédia. Da dor, sabe?

ADRIAN – Eu admiro muito você como pessoa. Tá sendo o máximo te conhecer melhor.

CATHERINE – (OLHA PRA FORA) A chuva está diminuindo. (SE LEVANTA) Vou pra casa.

ADRIAN – (SE LEVANTA) Espera.

CATHERINE – O que foi?

ADRIAN – (NERVOSO) Eu... Eu preciso fazer uma coisa.

CATHERINE – O que, homem?

ADRIAN – Isso.

E Adrian agarra Catherine, beijando-a intensamente. Catherine se entrega ao beijo de Adrian.

CENA 23. HOSPITAL DE CARIDADE DE ENDLESS TOWN. QUARTO. INT. NOITE.

Henry deitado em sua cama, de lado, deixando lágrimas escorrerem em seus olhos. Hannah escuta o choro de Henry.

HANNAH – Henry, está chorando?

HENRY – (SECA AS LÁGRIMAS) Não, não foi nada.

HANNAH – Como não foi nada? O que aconteceu? Me fala, eu sou sua amiga.

HENRY – Ah, você sabe Hannah.

HANNAH – Se você não me disse eu não tenho como saber.

HENRY – É a Maureen. Quando eu cai em coma eu cai apaixonado por ela, e fiquei muito surpreso em saber que nesse tempo todo ela me trocou por outro, não ficou do meu lado.

HANNAH – Ela fez muito pior Henry. Ela não te deixou ser pai do filho de vocês.

HENRY – Por isso eu tô magoado. Jamais esperava isso dela, e você me ajudou a abrir os olhos.

HANNAH – Minha irmã mudou muito, é uma pessoa diferente. Ela não merece o seu amor e sua compreensão Henry. Você precisa de alguém que esteja do seu lado, te apoiando, sendo sua companheira.

HENRY – E quem seria essa pessoa?

HANNAH – Essa pessoa seria eu.

Hannah encara Henry.

CENA 24. MANSÃO DOS ARMSTRONG. QUARTO DE VIOLA. INT. NOITE.

Viola de frente à sua janela, chorando muito, olhando para a chuva. Tripp entra no quarto e se aproxima da esposa, mas Viola se afasta.

TRIPP – Nós precisamos conversar.

VIOLA – (COM RAIVA) Eu não tenho nada pra conversar com você.

TRIPP – Viola, você não vai acreditar no que aquela maluca disse, não é? É mentira Viola! Eu nunca tive nada com aquela menina.

VIOLA – Você me traiu Tripp, eu não quero ouvir mais nenhuma palavra sua. Acabou. Espíritos não mentem.

TRIPP – Mas Viola/...

VIOLA – (ALTO) Acabou! Eu só não coloco você pra fora dessa casa por causa da nossa filha. Amanhã mesmo falarei com meu advogado. Eu quero a separação.

Viola encara Tripp e sai do quarto. Close em Tripp.

CENA 25. SANATÓRIO MUNICIPAL DE ENDLESS TOWN. QUARTO. INT. NOITE.

Monica deitada em sua cama, com uma expressão séria. Uma das enfermeiras da instituição entra com uma bandeja de remédios.

ENFERMEIRA – Hora dos seus remédios, Monica.

A enfermeira larga a bandeja no criado mudo ao lado da cama de Monica. Ela coloca a mão na cabeça de Monica é surpreendida por esta, que pula em cima da moça e a joga no chão. Monica sobe em cima da enfermeira e pressiona seu pescoço com as duas mãos, até o rosto da enfermeira ficar roxo. Monica retira as mãos e vê que a enfermeira está morta. Monica se levanta e tira de bolso um cartão.  

CLIFF – (EM OFF) Esse cartão, ele te dá acesso para sair daqui. Eu pequei quando entrei de uma das enfermeiras. Você vai poder ser livre, Monica. 

Close em Monica. 

CENA 26. SANATÓRIO MUNICIPAL DE ENDLESS TOWN. CORREDOR. INT. NOITE.

Sonoplastia: Bad Karma – Ida Maria. Em câmera lenta, Monica anda pelo corredor do hospício vestindo a roupa da enfermeira que matou na cena anterior. Tranqüila, ela passa por outras enfermeiras e cumprimenta, com naturalidade. Monica chega até uma grade, mostra seu cartão para um identificador com código de barras e a porta se abre.

CENA 27. SANATÓRIO MUNICIPAL DE ENDLESS TOWN. EXT. NOITE.

Sonoplastia continua. A chuva já está fina, e aos poucos vai desaparecendo. Monica sai pela porta do sanatório, tira o chapéu do traje da enfermeira e o joga no chão. Ela pisca para a câmera e some no meio das sombras.

CENA 28. ENDLESS TOWN. CENAS PANORÂMICAS. EXT. DIA.

Amanhece em Endless Town. Os garis limpam as ruas, que estão cheias de lixo por causa da tormenta. O tempo ainda está nublado. Plano geral dos pontos principais da cidade.

CENA 29. MANSÃO DOS ARMSTRONG. FRENTE. EXT. DIA.

Plano geral.

CENA 30. MANSÃO DOS ARMSTRONG. QUARTO DE MADISON. INT. DIA.

Viola entra no quarto da filha e se aproxima da cama da menina. Ela vê o estrago feito nas janelas. Madison acorda com a movimentação da mãe. Viola se senta na cama.

MADISON – (SONOLENTA) Mãe?

VIOLA – (SORRI) Minha filha.

MADISON – O que aconteceu comigo? E com meu quarto?

VIOLA – Nada, querida. Fica sossegada. Como você está se sentindo, hum?

MADISON – Muito bem, não sei, parece que perdi um peso das minhas costas.

VIOLA – (EMOCIONADA) Pode apostar que sim Madison. (PAUSA) Eu queria te dizer uma coisa que eu preciso muito te dizer, e que eu acho que nunca disse da maneira correta. Da maneira que uma mãe tem de fazer.

MADISON – O que mãe?

VIOLA – Que eu te amo Madison. Dessa minha maneira torta, maluca e inconseqüente, mas eu te amo. E faria de tudo pra te proteger. Lutaria contra qualquer coisa para salvar a sua vida. Eu te amo! (SORRI) Te amo!

MADISON – Eu também te amo muito mãe.

Radiante, Viola dá um abraço apertado em Madison. A câmera mostra o semblante de esperança de Viola, e depois mostra a face de Madison, que desmancha seu ar angelical e dá um sorriso maléfico. A Imagem escurece.

 

SÉRIE DE:
Jota Pê 

ESTRELANDO:
CHRISTA B. ALLEN – Maureen Prescott
SARAH MICHELLE GELLAR – Catherine Riley
KEEGAN ALLEN – Henry Sheldon
ERIC WINTER – Lucas Armstrong
MICHELLE FORBES – Monica Prescott
RICHARD BURGI – Dewey Riley
ELIZABETH MCLAUGHLIN – Hannah Riley
LESLEY FERA – Viola Armstrong
DAVID JAMES ELLIOT – Tripp Armstrong
BAILEE MADISON – Madison Armstrong
ALEXIA FAST – Amanda Manson
BILLIE JOE ARMSTRONG – Cliff Holiday
JAMIE ANNE ALLMAN – Christina Martin

ELENCO RECORRENTE:
VANESSA RAY – Marilyn Becker
AIMEE TEEGARDEN – Ashley Becker
JACK DEPEW – Tim Allerton
SKYLER DAY – Lynn Wellington
BIANCA LAWSON – Tatum McCarthy
SHANE COFFEY – Jeremy Randall
ANDREA BOWEN – Allegra Drake
JOEL KINNAMAN – Adrian Rutherford
MEGHAN ORY – Ohana Rowland
NAYA RIVERA – Angelina de Los Reyes
RAMÓN FERNANDES – Mickey Hargensen
MACKINLEE WADDELL – Beverly Scott
MARISOL NICHOLS – Heather Murphy
ASHLEY JOHNSON – Kirby Carter
LIAM JAMES – Ian Carter

ATRIZ CONVIDADA:
LILY RABE – Billie Dean Treadwell

MÚSICAS DO EPISÓDIO:

NOCTURNE – Secret Garden
BAD KARMA – Ida Maria

PRODUÇÃO

Bruno Olsen
Diogo de Castro
Rafael Oliveira

   

 Esta é uma obra de ficção virtual sem fins lucrativos. Qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência.


REALIZAÇÃO


Copyright © 2016 - WebTV
www.redewebtv.webs.com
Todos os direitos reservados
Proibida a cópia ou a reprodução

.aaa.
.aaa.

Compartilhar:

 
Copyright © WebTV | Design by OddThemes