Talismã - Capítulo 40



No capítulo anterior de Talismã:

Lívia senta-se no sofá, incrédula, ao telefone.

LÍVIA: - Não posso acreditar, Jorge!... (contém as lágrimas) Finalmente temos a confirmação de que a Marilu é a grande bandida! (T) Muito obrigada, Jorge! Muito obrigada mesmo! (T) Amanhã eu me encontro com você!...(T) Pode deixar, eu não vou falar nada com ele. Como nós combinamos. (T) Boa noite! E obrigada mais uma vez! (desliga)

Lívia caminha de um lado a outro na sala. Está emocionada.

LÍVIA: - Justiça será feita, Tarcísio... Beatriz, Lorena... Conseguimos!

Caminha, pensativa.

LÍVIA: - Eu não vou aguentar esperar. Vou ter que contar pro Rafael amanhã mesmo! A Marilu precisa pagar pelo o que fez e logo!


Lívia está confiante, decidida.

 

CAPÍTULO 40
 

CENA 01. EMPRESA AMARO. SALA PRESIDÊNCIA. INT. DIA.
 
Continuação do capítulo anterior. Lívia invade a sala de Rafael.
 
LÍVIA: - Desculpa, Rafael... Eu preciso falar com você. (firme) Agora.
 
Marilu encara Lívia. As duas se olham, firmes.
 
RAFAEL: - Então? O que você quer falar comigo, Lívia?
LÍVIA: - Acontece que...
 
Marilu a encara, um tanto apreensiva sobre o que Lívia tem a dizer. Lívia toma coragem.
 
LÍVIA: - Você precisa saber de algumas coisas, Rafael.
RAFAEL: - Que coisas?... Lívia, está tudo bem com você?
LÍVIA: - Você precisa saber que/
 
Nesse instante, Alfredo entra na sala.
 
ALFREDO: - Bom dia pessoas.
 
Lívia disfarça.
 
RAFAEL: - Alfredo! Bom ver você. Tenho mesmo alguns assuntos a tratar... Mas se você puder aguardar um pouco, a Lívia queria me falar algumas coisas.
LÍVIA: - Não, Rafael. Pode conversar com o Alfredo.
RAFAEL: - Mas você disse que era importante. Eu pensei que/
LÍVIA: - Eu me precipitei. Desculpa... Com licença.
 
Lívia encara Marilu novamente, que esconde um sorriso sarcástico. Lívia sai.
 
ALFREDO: - Eu atrapalhei alguma coisa?
RAFAEL: - Não, nada...
MARILU (pensa alto): - A Lívia é que anda atrapalhando a vida dos outros...
RAFAEL: - O que foi, Marilu?
MARILU: - Nada não... Vou deixar vocês conversando em paz. Qualquer coisa, estou na minha sala, Rafael.
RAFAEL: - Obrigado.
 
Marilu sai.
 
ALFREDO: - Antes da nossa conversa séria, eu quero te fazer um convite.
RAFAEL: - Convite?
ALFREDO: - É... Está chegando o meu aniversário e/
RAFAEL: - E pensa que eu não sei? (risos)
ALFREDO: - Inês está organizando um almoço. Faço muito gosto da sua presença.
RAFAEL: - Irei sim.
ALFREDO: - E se quiser, pode levar a Marilu. Ela será muito bem recebida.
RAFAEL: - Eu fico muito grato! A Marilu está sendo uma grande amiga.
ALFREDO: - Posso imaginar... (risos) Pois bem, convite feito/
RAFAEL: - E aceito!
ALFREDO: - Vamos ao trabalho?
RAFAEL: - Claro!
 
Os dois sentam-se à mesa para conversar.
 
CENA 02. AGÊNCIA ONIX. INT. DIA.
 
Marcos volta ao trabalho. Jonas e Plínio conversam com ele.
 
PLÍNIO: - Como você pode ver, cuidamos bem da agência.
MARCOS: - Disso eu não teria dúvidas, Plínio. Confio plenamente em vocês.
JONAS: - E então, Marcos, como você está?
MARCOS: - Um pouco melhor, mas ainda não totalmente. Mas dá pra ir levando a vida. Ficar trancado no quarto remoendo tudo o que aconteceu não tem como. É preciso ocupar a mente com outras coisas. E nada melhor do que fazer o meu trabalho, que eu gosto muito.
PLÍNIO: - Então, já que você gosta muito do seu trabalho...
 
Plínio pega em sua mesa três pastas grandes e coloca sobre a mesa de Marcos.
 
PLÍNIO: - Três contas... Bora colocar a cabeça pra funcionar, mano!
MARCOS: - Mas já? Não posso nem tomar um cafezinho antes? (risos)
JONAS: - Aqui o sistema é rígido!...
PLÍNIO: - Sem falar que, junto neste material aí, está a nova coleção da Amaro.
JONAS: - Precisamos trabalhar e urgentemente no vídeo para o lançamento da nova coleção.
MARCOS: - Bom, então se é assim... Vamos ao trabalho!
 
CENA 03. CLÍNICA DR. FAUSTO. INT. DIA.
 
Gisa, Fabrício e Almir conversam com Adriana, na sala dos médicos.
 
GISA: - Ai amiga, eu não parei de pensar em você desde aquele dia... Como você tá?
ADRIANA: - Tudo bem, Gisa. Agora um pouco melhor depois daquele baque.
FABRÍCIO: - E o Marcos, como ele tá encarando tudo isso?
ADRIANA: - O Marcos está tentando ser forte. Mas eu sei que ele está bem desapontado.
GISA: - Também pudera né? Com uma mãe daquelas!...
ALMIR: - Já estão tomando as providências necessárias?
ADRIANA: - Já sim. Minha mãe já contatou os advogados. A Onira vai responder judicialmente por tudo o que fez... Não vejo a hora desse pesadelo terminar logo!
FABRÍCIO: - Vai dar tudo certo, Adriana. Pode ter certeza. A gente vai estar aqui, torcendo por vocês.
GISA: - É bom ter você aqui com a gente, retomando a sua vida.
 
Adriana abraça Gisa. Fausto chega na sala.
 
ADRIANA: - Doutor Fausto.
FAUSTO: - Adriana, eu fiquei sabendo do ocorrido... Sinto muito. Quero que saiba que, no que você precisar, pode contar comigo.
ADRIANA: - Muito obrigada, doutor. Fico feliz em saber do seu apoio.
FAUSTO: - O que eu puder fazer, farei, pode ter certeza. Você é um exemplo para todos aqui dentro. Seja bem-vinda novamente.
ADRIANA: - Muito obrigada.
FAUSTO: - Almir, os relatórios que eu te pedi, na minha sala depois.
ALMIR: - Certo, doutor.
FAUSTO: - Bom dia para todos.
 
Fausto sai.
 
GISA: - Que moral com o chefe, hein!
ADRIANA: - Que isso... ele só foi gentil.
ALMIR: - Deixa eu ir porque senão já viu, né? Fausto come meu rim. (beija Adriana no rosto) Bom dia!
 
Almir sai.
 
FABRÍCIO: - Eu também vou indo. Nos falamos!
 
Fabrício sai.
 
ADRIANA: - E você, não vai trabalhar?
GISA: - Agora? Não... Deixa eu te contar das fofocas aqui! Tem cada bafo, colega!
ADRIANA: - Mas eu fiquei fora poucos dias e já tem mil e uma coisas acontecendo?
GISA: - Ih, meu amor, isso aqui tá melhor que revista de celebridade... Sabe quem a doutora Vânia tá pegando?
ADRIANA: - A Vânia, a fisioterapeuta?
GISA: - Essa aí... Tá pegando o Bruninho, novo nutricionista... Coisa mais querida!
ADRIANA: - Mas a Vânia não é casada?
GISA: - Ah então... Cavalo amarrado também pasta, colega.
 
As duas riem.
 
CENA 04. REDAÇÃO FLASH PAULISTA. INT. DIA.
 
Conrado apresenta Isabela na redação.
 
CONRADO: - Não que vocês não a conheçam, mas essa apresentação, ou melhor, reapresentação é necessária. A Isabela retorna para a Flash Paulista, de onde nunca deveria ter saído...
ISABELA: - Lembrando que eu não me arrependo do que fiz.
CONRADO: - Ah não?
ISABELA: - Não. Nem um pouco. (sorri)
 
Conrado se mostra um tanto sem jeito.
 
ISABELA: - Não vai continuar?
CONRADO: - Vou, claro... Então, como eu estava dizendo, a Isabela retorna para a Flash Paulista, e também ao seu posto de editora. Seja bem-vinda querida, quero dizer, Isabela.
 
Isabela é aplaudida.
 
ISABELA: - Gente, eu só tenho a agradecer pela recepção de vocês, colegas, amigos... Tenho certeza que a gente vai se dar bem como antes e fazer um belo trabalho. Conto com o apoio de todos, ok?
CONRADO: - Apresentações feitas, agora todo mundo de volta ao trabalho.
 
Os funcionários voltam ao serviço.
 
ANINHA: - Conrado, chega aqui, por favor?
 
Conrado se afasta para falar com a funcionária. Mayra aproxima-se de Isabela.
 
MAYRA: - Bom ter você aqui, Isabela.
ISABELA: - Eu é que digo isso, Mayra. Fiquei sabendo que você tem se saído muito bem por aqui, com reportagens interessantes, criativas. Gosto disso.
MAYRA: - É, estou procurando transformar as minhas desilusões amorosas em algo produtivo no meu trabalho. Sabe como é...
ISABELA: - Oh, sei claro... Bem, soube que você e o Breno/ Bem, eu nem sei/
MAYRA: - Não precisa dizer nada não, Isabela. Eu estou superando.
 
Conrado se aproxima. Mayra se afasta, volta para sua mesa.
 
CONRADO: - Vamos então elaborar a pauta da próxima edição?
ISABELA: - Vamos, claro. Na sua ou na minha sala?
CONRADO (cochicha): - Na minha... Assim ficamos mais À vontade. A sua sala é muito aberta, aqueles vidros exibindo tudo. (coloca a mão na cintura dela)
ISABELA: - Está decido. (tira a mão de Conrado da cintura) Vamos para a minha sala. Aqui é trabalho e não o seu apartamento, querido, quero dizer, Conrado. (ri)
 
CENA 05. EMPRESA AMARO. SALA LÍVIA. INT. DIA.
 
Lívia conversa com Jorge.
 
JORGE: - Você não podia ter feito isso, Lívia! Quase colocou tudo a perder!
LÍVIA: - Eu sei!... Eu quase não me segurei... Saber toda a verdade daquela cobra!
JORGE: - Você precisa manter a calma, tentar não dar bandeira. A Marilu não pode desconfiar de nada.
LÍVIA: - Mas quando eu entrei na sala do Rafael, escutei os dois tendo uma conversa.
JORGE: - Que conversa?
LÍVIA; - Eles vão se casar.
JORGE: - Meu Deus...
LÍVIA; - E o Rafael planeja anunciar o noivado na festa de lançamento da nova coleção da Amaro. Pra todo mundo saber da novidade!
JORGE: - Eles sabem que você escutou? E você comentou alguma coisa a respeito?
LÍVIA: - Acho que não ouviram nada não. E eu também não disse nada. Fiquei em estado de choque eu acho quando ouvi. Rafael se jogando nas garras do leão.
JORGE: - Ótimo.
LÍVIA; - Ótimo?!
JORGE: - Nós vamos pegar a Marilu na festa da empresa.
LÍVIA: - Você tem certeza?
JORGE: - Só assim pra todo mundo saber quem ela é de verdade. E resolveremos de uma vez por todas esse caso Tarcísio.
LÍVIA: - E certamente, até lá o Rafael não vai sofrer nada... Ela não vai arriscar a vida dele sem antes estar casada com ele. Marilu é capaz de qualquer coisa.
JORGE: - Então está decidido. Só vamos nos organizar pra saber como será a queda dessa bandida.
 
Jorge e Lívia se olham, confiantes.
 
CENA 06. MANSÃO TARCÍSIO. SALA DE ESTAR. INT. DIA.
 
Inês visita a mansão. Elizabeth a recepciona. As duas conversam, sentadas no sofá.
 
INÊS: - Como você está amiga?
ELIZABETH: - Tentando ficar de pé... Está sendo tão difícil, Inês...
INÊS: - Oh, minha amiga. Não fique assim...
 
Agda desce as escadas.
 
AGDA: - Inês! Como vai?
INÊS: - Tudo bem, Agda e você?
AGDA: - Muito bem, obrigada.
ELIZABETH: - Mamãe, não me diga que vai sair? a Inês veio nos visitar...
INÊS: - Visita surpresa, desculpe em não avisar...
AGDA: - Está desculpada, querida. Mas eu já marquei hora no salão! Não posso deixar passar. E eu sei que vocês duas tem muito o que conversar...
INÊS: - E temos mesmo!
AGDA: - Não deixe de conversar com ela, Beth... Diga o motivo do seu choro compulsivo por causa do Jorge.
ELIZABETH: - Mamãe!
AGDA: - A Inês é sua amiga. Se abra com ela. Talvez ela consiga colocar um pouco de juízo na sua cabeça. Eu já estou sem tempo e com pouca paciência pra isso. Com licença, meninas.
 
Agda sai. Elizabeth fica totalmente sem graça.
 
INÊS: - Não se preocupe, eu conheço o jeito da sua mãe.
ELIZABETH (irônica): - Sempre tão autêntica...
INÊS: - Isso foi verdade mesmo?
ELIZABETH: - Sobre o Jorge?
INÊS: - É.
ELIZABETH: - Foi... Que sensação horrível, Inês!... Eu não quero sentir isso nunca mais!
INÊS: - Me conta, o que aconteceu?
ELIZABETH: - Eu me declarei pra ele, Inês. Disse tudo o que eu tinha guardado aqui no peito... e tudo isso pra quê? (levanta-se, caminha) Para ouvir ele dizer que está apaixonado pela Rosa!
INÊS: - A Rosa!
ELIZABETH: - A Rosa! Novamente a Rosa na minha vida!... E mais uma vez, ela se sai melhor do que eu.
INÊS: - Beth, o amor não é uma disputa.
ELIZABETH: - Sendo disputa ou não. Sendo simplesmente questão de escolha, ou sei lá. O que se resume dessa história, Inês, é que eu fui rejeitada. (emociona-se) É uma sensação tão ruim... Amar e não ser amada. Desejar e não ser desejada. Querer viver e não ter esse sopro que nos dá a vida!
INÊS (levanta-se): - Beth... (segura a mão dela) Você é uma mulher linda! Tem um coração enorme, é uma mulher que enfrentou todos os obstáculos sempre de cabeça erguida. Não pode cair agora, amiga. Precisa ser firme!
ELIZABETH: - Eu estou ficando cansada de ser firme, Inês... Eu às vezes acho que vou desabar!
INÊS: - Não! Você não pode!... (segura Elizabeth firme) Olha quanta vida ainda tem pela frente! Você não vai cair agora! Eu não vou deixar!
 
As duas se abraçam fortemente. Inês consola Elizabeth, que chora em seu ombro.
 
CENA 07. PENSÃO BEM QUERER. INT. DIA.
 
Alaíde e Oscar conversam sobre o jantar.
 
ALAÍDE: - Mas que lugar bonito aquele do jantar, hein!
OSCAR: - Eu me senti tão chique! (risos)
ALAÍDE: - E o namorado da Carla? Que rapaz encantador!
OSCAR: - Respeitador, educado... Será que ela encontrou ele fazendo/
ALAÍDE: - Não importa, Oscar. O importante é que ela largou dessa vida de garota de programa, está feliz e em busca de uma nova fase pra vida dela.
OSCAR: - Ela merece mesmo.
ALAÍDE: - Saiu hoje bem cedo! Foi procurar emprego.
 
CENA 08. CENTRO SP. EXT. DIA.
 
No meio da movimentação do centro da cidade, Carla procura emprego em diversos locais. Sequência de imagens de Carla deixando currículo em lojas de roupas, de departamentos.
 
CENA 09. RESTAURANTE EUROPA-BRASIL. INT. DIA.
 
Cidália e Tenório estão reunidos com os advogados, em uma mesa mais afastada no restaurante. Roberto faz anotações em outra mesa, quando Adriana se aproxima.
 
ADRIANA: - Olá, Roberto.
ROBERTO: - Adriana!
ADRIANA: - Faz tempo que eles estão aí? Só consegui sair da clínica a pouco tempo.
ROBERTO: - Eles chegaram há alguns minutos. E o Marcos, falou com ele?
ADRIANA: - Liguei pra ele quando estava vindo pra cá. Ele disse que não vem...
ROBERTO: - Deve ser um pouco difícil pra ele discutir sobre uma ação judicial contra a própria mãe. por mais consciência que ele tenha de que ela fez uma coisa errada, é a mãe né...
ADRIANA: - Eu nem sei como lidar com isso, Roberto. É complicado pra nós dois.
ROBERTO: - Eu sei, minha querida. É delicado mesmo. A Onira é minha irmã, mas eu também não aceito que ela faça as coisas erradas e não seja punida... Bem, acredito que estão esperando por você...
ADRIANA: - Bem, vou até lá então. Obrigada.
 
Adriana segue até a mesa onde seus pais estão reunidos. Cumprimenta a todos e participa da reunião. Kléber e Tatiana chega, no restaurante.
 
KLÉBER: - Como vai seu Roberto?
TATIANA: - Oi chefe!
ROBERTO: - Oi Kléber. Tatiana... Um pouco atrasada...
TATIANA: - Demorei um pouco no salão. Mas olha só, ficou lindo o meu cabelo! Tudo para bem atender os clientes! (risos)
ROBERTO: - Sei... (ri)
KLÉBER: - E o que tem lá?
ROBERTO: - A Adriana e os pais estão conversando com os advogados sobre o caso da Onira.
TATIANA: - Isso vai pra justiça então?
ROBERTO: - Vai mesmo... Kléber, eu sei que você veio ensaiar, mas se não for incômodo, pode voltar mais tarde? Pra não atrapalhar a reunião...
KLÉBER: - Claro. Mais tarde eu apareço aqui.
TATIANA: - Bom, eu vou me organizar então. Beijos rapazes!
 
MUSIC ON: Samurai – Djavan.
Tatiana vai para outra parte do restaurante, reservada aos funcionários. Kléber vai embora. Roberto continua as anotações. Ao fundo, CAM mostra o grupo reunido, discutindo sobre o caso.
 
CENA 10. TRANSIÇÃO DO TEMPO. ANOITECER
 
Imagens de São Paulo ao anoitecer. Mostra os prédios da cidade iluminados.
 
CENA 11. CASA INÊS. ESCRITÓRIO. INT. NOITE.
 
MUSIC FADE OUT.
Alfredo e Inês conversam.
 
INÊS: - Fiquei com da Beth. Mas não queria demonstrar isso pra ela. Dei força pra seguir em frente.
ALFREDO: - E fez muito bem. Se os amigos estão tristes, a gente também fica de certa forma.
INÊS: - Ainda mais quando são amigos tão próximos, como é o caso da Beth e eu.
 
Nice bate à porta.
 
NICE: - Com licença, dona Inês.
INÊS: - Pode entrar, Nice.
NICE (entrando): - Eu trouxe a lista dos ingredientes para o almoço do seu Alfredo.
INÊS: - Ótimo, Nice! Pode deixar aqui.
NICE (deixa a lista na mesa): - Já avisei o Moisés que iremos ao mercado amanhã cedo, pra pegar tudo fresquinho.
ALFREDO: - Hoje eu nem vi o Moisés. Meu dia foi corrido.
NICE: - Ele também saiu cedo, seu Alfredo. Foi dar uma olhada na reforma da nossa casa nova.
INÊS: - Casa nova, Nice? Nem me disse nada!
NICE: - Na verdade não é nova. É antiga, de uma tia minha que deixou pra mim. Estamos reformando pra mudança.
ALFREDO: - Que ótimo! Parabéns pra vocês!
NICE: - Muito obrigada. Eu estou tão feliz!
INÊS: - E nós também estamos feliz por você. E não querendo ser inconveniente, eu quero ir no chá de casa nova! (risos)
NICE: - Claro! O primeiro convite será seu!... Com licença.
 
Nice sai.
 
ALFREDO: - Bom que a Nice e o Moisés estão tocando a vida.
NICE: - E felizes! E falando em felicidade, como você está se sentindo para a festa de amanhã?
ALFREDO: - Embora eu ache que não era preciso, eu estou feliz.
INÊS: - É sempre preciso comemorar um novo ano em nossa vida, meu amor... (abraça Alfredo) Eu, de certa forma, vou comemorar com você também. Mais um ano da sua presença na minha vida.
 
Os dois se beijam, carinhosos.
 
CENA 12. APTO ONIRA. QUARTO. INT. NOITE.
 
Onira sozinha no quarto. A luz do abajur acesa. O resto do ambiente está escuro. Ela está com expressão séria.
 
ONIRA: - Eu só fiz o que era certo. Só defendi o meu filho, só isso!... E aquela mulherzinha vem querer falar em justiça! (pausa) Eu é que estou sendo injustiçada por querer o melhor para o meu filho! Eu sei que ela não é o melhor pra ele. Eu vejo isso nos olhos dela, no jeito de agir, falar... No tom de pele. (pausa) Ela pode ser a melhor médica daquela clínica, a melhor do Estado de São Paulo, do Brasil, América, mundo! Mas ela nunca será boa suficiente para fazer o meu filho feliz. Não há felicidade desse jeito. Não deve haver essa união, para o bem de todos, inclusive para o bem deles!
 
 
 
CENA 13. CASA LÍVIA. INT. NOITE.
 
Lívia, Marcos, Adriana, Cidália, Tenório e Roberto conversam, enquanto jantam, na sala de jantar.
 
LÍVIA: - Honra tê-lo em minha casa pela primeira vez, Roberto.
ROBERTO: - Eu é que fico feliz em saber que você cresceu, Lívia. Merece.
 
Lívia sorri, graciosa.
 
MARCOS: - Mas não se preocupe, Lívia. Logo, eu e a Adriana estaremos num novo canto pra gente.
LÍVIA: - O que é isso, Marcos?! Está achando que eu quero vocês fora daqui? Nem pensar!
ADRIANA: - Nós somos mesmo muito gratos pela sua ajuda Lívia. Mas você tem a sua vida, precisa do seu espaço, assim como a gente.
LÍVIA: - Ei, ei, ei! Eu falei que vocês podem ficar aqui em casa o tempo que precisarem. Não precisa sair correndo não, gente! E outra, eu estou adorando ter mais gente aqui em casa. É enorme isso aqui e eu antes me sentia tão sozinha.
CIDÁLIA: - Por que não chama o Jonas para ficar aqui com você?
LÍVIA: - Eu prefiro um passo de cada vez... (ri)
TENÓRIO: - Eu também acho melhor assim, Lívia.
CIDÁLIA: - Lá vem o defensor dos costumes do início do século XX.
 
Todos riem.
 
TENÓRIO: - Não é nada disso... Eu só acho que tudo tem seu tempo. Eles ainda estão namorando. Quando for a hora de casar, mora junto.
ADRIANA: - Isso é uma indireta pra mim? Porque eu e o Marcos moramos juntos antes de casar... (risos)
MARCOS: - Por causa de outras circunstâncias... Se não fosse minha mãe/
ROBERTO: - Não pense nisso agora, Marcos.
MARCOS: - Impossível tio... Amanhã a gente vai ficar frente a frente com o juiz.
CIDÁLIA: - Eu acredito que deve estar sendo difícil pra você Marcos...
MARCOS: - Está sim. Mas eu não quero desistir. Ela vai ter que pagar.
 
Adriana segura a mão de Marcos, carinhosa.
 
ADRIANA: - Tudo vai se resolver querido. E a gente vai voltar a ser feliz na nossa casa, assim como a gente era antes. (encara Tenório, com graça) E agora casados e morando juntos. (ri)
CIDÁLIA: - Essa coisa de primeiro casa, depois mora junto, hoje não tá com nada. Tem gente que só mora junto e nem sente falta do casamento.
TENÓRIO: - Essas modernidades...
ROBERTO: - Até porque, na grande maioria dos casos, morar junto já é um casamento de certa forma. As pessoas encaram o casamento hoje como um simples papel, uma oficialização formal.
ADRIANA: - Eu ainda acredito nos preceitos sagrados do casamento. Do amor, da união... Não vejo como um simples papel. É uma nova fase da vida de duas pessoas, muito mais que um papel...
CIDÁLIA: - Você pensa em casar, Lívia?
LÍVIA: - Eu penso sim... Não sei quando. Acredito que vai chegar a minha hora. Mas não tenho pressa não.
MARCOS: - Não tem pressa? Jonas agradece!
 
Todos riem.
 
LÍVIA: - Como assim?! Ele tá querendo fugir é?! (risos)
MARCOS: - Não sei de nada!
 
Eles continuam o jantar, animados.
 
CENA 14. APTO MARILU. INT. NOITE.
 
Marilu e Alexandre na sala, em silêncio. Ela na mesa, pintando as unhas. Alexandre deitado sofá, assistindo TV. Clima ainda um pouco pesado.
 
ALEXANDRE: - Não vai falar nada?
MARILU: - Falar o quê?
ALEXANDRE: - Sei lá... Tá quieta aí desde que chegou da empresa. Não trocou uma palavra comigo.
MARILU (irônica): - Eu não ficaria muito à vontade em conversar com o homem que puxou meu cabelo, me deu uns tapas na cara e ainda tentou me estuprar. Que legal!
ALEXANDRE: - Foi mal. Eu perdi a cabeça. Mas também pudera. Você tentando me matar, foi de perder a cabeça.
MARILU: - Perdendo a cabeça estou eu. A dois passos do paraíso, me vejo aqui com você e com a idiota da vadia loira no meu encalço no serviço. Ai, passa logo tudo isso, pelo amor de Deus!
ALEXANDRE (senta): - O que tem a Lívia?
MARILU: - Ela está de olho no Rafael de novo! Eu sei que está. Ela quer tudo o que é meu! Vaca!
ALEXANDRE: - Calma... Daqui a pouco você vai ser tão poderosa quanto ela.
MARILU (levanta-se, vai até Alexandre): - Eu já sou mais poderosa que ela, está ouvindo?!
ALEXANDRE: - Eu sei que é... E vai ser ainda mais... (agarra Marilu pela cintura, a puxa para si) Minha poderosa (beija Marilu)
 
Os dois ficam aos amassos no sofá, quando a campainha toca. Eles se assustam.
 
ALEXANDRE: - Será que é o Rafael?
MARILU: - Eu não sei! Sai daqui, agora!
ALEXANDRE: - Pra onde eu vou?!
MARILU: - Eu não sei, droga! Sai daqui! Vai pra varanda, vai!
 
Alexandre vai para a varanda, se esconde. Marilu recompõe-se. Abre a porta. CAM foca Henri.
 
MARILU (surpresa): - Henri?!
HENRI: - Oi, Marilu.
MARILU: - O que você está fazendo aqui?!
HENRI: - Desculpa vir sem avisar... Na verdade, eu nem sabia se você continuava aqui ou não... Agora trabalhando na Amaro, poderia ter mudado de vida, sei lá.
MARILU: - Por enquanto estou aqui sim. Mas não por muito tempo... Entra.
 
Henri entra. Marilu fecha a porta.
 
HENRI: - Continua caprichosa.
MARILU: - Quer uma água, suco, café?
HENRI: - Nada não... Eu quero mesmo é conversar com você.
MARILU: - Senta.
 
Henri e Marilu sentam-se no sofá.
 
MARILU: - Falar sobre?
HENRI: - Eu vou vender a Age Aquárious.
MARILU: - É mesmo?! Mas/
HENRI: - Eu estou com outro projeto em mente e acredito que vai ser um sucesso. E logo que eu idealizei essa ideia, pensei em você.
MARILU: - Eu fico feliz...
HENRI: - É uma forma da gente se reaproximar... Você se afastou, Marilu!... Pensei que éramos amigos.
MARILU: - E somos, Henri.
HENRI: - Desde aquela vez, depois da morte do empresário aquele, que você se afastou. Estava estranha, hostil.
MARILU: - Eu fiquei muito nervosa, aflita com tudo o que aconteceu. Eu precisava ficar sozinha.
HENRI: - Agora você trabalha na empresa dele.
MARILU: - Ele foi generoso comigo. Não tenho do que reclamar.
HENRI: - Eu quero que você seja minha sócia na nova boate que eu vou abrir. Um empreendimento voltado ao público GLS. Finalmente algo que eu realmente me identifico, Marilu!
MARILU: - Sócia?!
HENRI: - É! Vamos crescer juntos, amiga, continuar a nossa convivência de antes!... Eu sinto falta, sabia?
MARILU: - Henri!... Eu fico até emocionada com tudo isso...
 
Marilu abraça Henri. Enquanto a expressão dele é de felicidade, a de Marilu é de enfado.
 
MARILU: - Eu não vou te dar uma resposta agora porque eu preciso pensar muito antes de aceitar mais esse compromisso... Mas eu tenho uma forma pra te agradecer...
 
Marilu vai até a bolsa e retira dois envelopes e entrega para ele.
 
HENRI: - O que é isso?
MARILU: - São dois convites para a festa de lançamento da nova coleção europeia da Amaro. Pode ir e levar mais algum acompanhante.
HENRI: - Eu?! Numa festa da Amaro! Gente, to bege!
MARILU: - Não! quero você multicor! (ri)
 
Eles se abraçam mais uma vez.
 
HENRI: - Muito obrigado. E eu vou aguardar a sua resposta.
MARILU: - Pode deixar que eu vou pensar com carinho.
 
Marilu leva Henri até a porta. Eles se despedem. Henri vai embora. Marilu fecha a porta, Alexandre volta para a sala.
 
ALEXANDRE: - Esse cara escorrega no quiabo, não?
MARILU: - Deixa de ser palhaço, Alexandre.
ALEXANDRE: - E o que o Bambi queria?
MARILU: - Me convidar pra ser sócia na nova espelunca que ele vai abrir.
ALEXANDRE: - Ele tem grana é?
MARILU: - Ele é dono de uma das boates mais badaladas de São Paulo.
ALEXANDRE: - Nossa!
MARILU: - Trabalhei com ele um bom tempo.
ALEXANDRE: - Na administração?
MARILU: - Não, dançando no palco, atraindo homens.
ALEXANDRE: - Eu deveria ter suspeitado disso...
MARILU: - Ele acompanhou a minha história com o Tarcísio. Mas depois daquela tragédia, a gente acabou se afastando. Agora ele quer voltar a conviver comigo, me chamando pra ser sócia na nova boate dele. Voltada para o público gay!
 
Alexandre ri.
 
MARILU: - Olha a minha cara pra ficar aturando biba!... Já aturei o Henri por muito tempo, me enchendo o saco. Não quero isso de novo. Ainda mais agora que eu estou prestes a entrar para o clã dos Magalhães Ferreira!
 
 
 
 
CENA 15. TRANSIÇÃO DO TEMPO. AMANHECER
 
MUSIC ON: The lady is a tramp - Tony Bennett e Lady Gaga
Imagens de São Paulo ao amanhecer. Mostra pontos turísticos da cidade, como o Parque de Ibirapuera,  Museu do Ipiranga, o Jockey Club.
 
CENA 16. CASA INÊS. JARDIM. EXT. DIA.
 
MUSIC FADE OUT.
O jardim decorado, mesas espalhadas pelo local.
 
Almoço de aniversário de Alfredo. Algumas pessoas convidadas. Numa das mesas, Breno e Carla, Charlote e Demétrio, Agda, Elizabeth, Rafael e Marilu.
 
DEMÉTRIO: - Eu e Charlote já estamos com os trajes prontos para a festa da Amaro, Rafael.
RAFAEL: - Ótimo saber disso, Demétrio. Vocês não poderiam faltar à essa festa de forma alguma.
ELIZABETH: - Acreditam que eu ainda nem vi o meu vestido?! Estou com uma dúvida cruel!
AGDA: - Não me diga, Beth? (ri) Todo evento é o mesmo drama... Com que roupa ela vai.
 
Todos riem.
 
CHARLOTE: - Mas você tem cada roupa linda, Beth. Duvido que não encontre alguma.
ELIZABETH: - Pensei até em trazer da Europa.
 
Vitória e Fabrício chegam neste momento.
 
VITÓRIA: - Pra quê trazer da Europa, mamãe, se aqui no Brasil temos ótimos estilistas?
CHARLOTE: - Vitória, bom te ver!
VITÓRIA: - Como vai pessoal?!
AGDA: - Ótimos estilistas no Brasil?
VITÓRIA: - Temos sim, vovó. O meu vestido será brasileiro. (senta-se à mesa, ao lado de Fabrício) Presente do meu amor! (o beija)
RAFAEL: - Orgulhoso da namorada, Fabrício?
FABRÍCIO: - Como não poderia estar? E quero que ela esteja lindíssima. Merece.
CARLA (cochicha com Breno): - Todo mundo falando de roupa e eu sem nada!
BRENO: - Não se preocupa. A gente compra um vestido bem lindo pra você.
 
Inês e Alfredo se aproximam do grupo.
 
ALFREDO: - E então, se divertindo?
AGDA: - Está tudo ótimo, Alfredo!
MARILU: - Inês, a decoração está linda.
INÊS: - Obrigada. Mas agradeçam à Nice. Ela que deu a ideia.
ELIZABETH: - A Nice?! Gente, eu nem sabia que a Nice tinha esse bom gosto todo!
AGDA: - Também estou surpresa!
INÊS: - Ela que pensou nas cores, nas flores, tudo.
VITÓRIA: - Ai, que saudade dela! Onde ela está?
INÊS: - Eu a vi lá dentro...
VITÓRIA (levanta-se): - Eu vou lá falar com ela!
 
Vitória sai.
 
AGDA: - E a clínica, Fabrício? Muito trabalho?
FABRÍCIO: - Não muito, mas o ritmo é intenso... Estou liberado agora, mas no início da noite eu já volto pra lá.
RAFAEL: - Ou seja, hoje é sem bebida...
FABRÍCIO: - Só na água! (ri)
DEMÉTRIO: - Mais uma primavera, Alfredo!
ALFREDO: - É, ficando mais velho...
BRENO: - Mais velho não. Experiente!
DEMÉTRIO: - Dizem que nós homens somos como vinhos, quanto mais velho, melhor...
AGDA: - Será? O que tem sido vendido daquele remedinho azul por aí(risos)
ELIZABETH: - Mamãe!
CARLA: - Mas li que tem muito garotão tomando também.
RAFAEL: - Fala isso por conhecimento próprio, Carla? (ri)
BRENO: - Ei, eu não preciso não! Né amor?
CARLA (abraça Breno): - Claro que não! (ri)
INÊS: - E eu não trocaria o meu amor aqui por dois garotões de vinte e poucos não...
DEMÉTRIO: - Tá com moral hein!
CHARLOTE: - Eu também não trocaria... Embora tenham uns garotinhos que dá vontade de levar pra casa!
DEMÉTRIO: - Ei, que história é essa aí?
 
Todos riem.
 
BRENO: - E então Rafa, ansioso para a festa da Amaro?
RAFAEL: - Uma pilha!... Mas está tudo certo, bem organizado. Acredito que vai ser um grande evento, (segura a mão de Marilu) Pra ficar marcado.
MARILU: - Vai mesmo... Estamos trabalhando muito para que dê tudo certo.
ELIZABETH (cochicha para Agda): - Não posso ver essa mulherzinha do lado do Rafael...
AGDA: - Calma, Beth... Deixa que logo logo o Rafael se cansa dela e manda pastar...
CARLA: - A Lívia disse que é pra ser uma festa grandiosa.
MARILU: - Será mesmo. Embora ela pouco tenha participado das reuniões de organização, ela tem razão em afirmar que será uma festa grandiosa... Infelizmente nem todo mundo tem uma postura profissional séria.
CARLA: - Todo mundo tem suas pequenas falhas... Alguns no lado profissional, outros no pessoal... (encara Marilu) Há quem tenha no caráter.
 
Marilu fita Carla.
 
CARLA (continua): - Mas fazer o quê, acontece. A gente tem que saber lidar... Ser humano é tão cheio de nuances.
MARILU: - A gente tem que cuidar pra não se surpreender.
CARLA: - Tem mesmo. Mas tem algumas coisas que já nem me surpreendem mais. Ou pessoas.
 
As duas se encaram.
 
CARLA: (para Breno): - Vou ao banheiro. (sai)
 
Vitória chega com Nice e Moisés.
 
VITÓRIA: - Olha quem eu achei lá dentro!
ELIZABETH: - Nice! Moisés!
NICE: - Dona Beth, dona Agda... Como vai, dona Charlote?
CHARLOTE: - Bem, Nice... Bem.
ELIZABETH: - Que bom rever vocês!
MOISÉS: - Também estamos felizes em ver vocês. Bom saber que estão todos bem.
AGDA: - E como não haveríamos de estar, não é? A vida continua...
ELIZABETH: - Amei a sua decoração, Nice! Está linda!
VITÓRIA: - Eu também disse a mesma coisa!
NICE: - Aprendi com a senhora, dona Beth.
ELIZABETH: - Assim eu até me emociono!
 
As duas se abraçam.
 
ELIZABETH: - Desculpa por tudo o que aconteceu, naquele dia... Eu realmente/
NICE: - Dona Beth, o que passou, passou. Está tudo bem agora.
MOISÉS: - A gente sabe da situação em que a senhora estava, em todos estávamos. O culpado já está pagando pelo o que fez. Então agora está tudo bem.
ELIZABETH: - Eu fico muito feliz que vocês pensam dessa forma. Obrigada pela compreensão.
INÊS: - Eu proponho um brinde à esse reencontro feliz!
 
Todos pegam as taças e de pé, brindam, sorridentes, alegres.
 
CENA 17. TRIBUNAL DE JUSTIÇA. INT / EXT. DIA.
 
Na sala, diante do juiz, estão Marcos, Adriana, Cidália, Tenório e Onira, acompanhada do seu advogado. Os advogados de Cidália também estão presentes. Onira encara Marcos com certa ternura. Marcos se mantém impassível. Adriana está um pouco nervsa, Cidália segura a mão dela.
 
ADRIANA: - Não sei se consigo ficar mais tempo aqui na sala com essa mulher.
CIDÁLIA: - Vá lá fora então. O Roberto está aguardando lá também.
 
Adriana pede licença e sai da sala. Do lado de fora, Roberto está sentado num banco, aguardando. Adriana senta-se ao seu lado, lhe fazendo companhia.
 
Na sala, o juiz dá o veredito.
 
JUIZ: - E dentro de todas as provas e evidências apuradas, declaro a senhora Onira Alencastro Machado culpada. A ré deverá cumprir dois anos e oito meses pelo crime de injúria racial, com o agravante de seis meses por danos materiais. A ré deverá cumprir pena em regime de reclusão.
 
Cidália e Tenório vibram. Marcos esboça um sorriso. Troca olhares com Onira, que continua a olhar para ele de forma tenra.
 
ONIRA: - Tudo o que eu fiz foi pela sua felicidade, meu filho.
MARCOS: - Não, mãe. Foi pela sua. Infelizmente, não acabou da melhor maneira possível pra você. Pena...
 
Os policiais levam Onira da sala. Cidália abraça Marcos, confortando-o.
Do lado de fora, Onira sai levada pelos policiais. Roberto e Adriana se levantam, surpresos. Onira encara Adriana.
 
ONIRA: - Você nunca vai fazer o meu filho feliz. Nunca!
 
Roberto abraça Adriana. Onira é levada. Cidália, Tenório, Marcos e os advogados saem da sala. Enquanto Tenório agradece aos advogados, Marcos e Adriana se abraçam fortemente.
 
ADRIANA: - Como você está?
MARCOS: - Melhor. Melhor agora.
 
Marcos e Adriana se beijam.
 
CIDÁLIA: - Um pouco mais de três anos de reclusão.
ROBERTO: - Vai servir pra ela aprender... Espero que isso a ajude a ser uma pessoa melhor.
CIDÁLIA: - Agora eu e o Tenório podemos voltar pra casa em paz. Sei que minha filha está segura agora.
 
Os dois se juntam à Marcos e Adriana. Tenório também se aproxima. Eles permanecem próximos, unidos, demonstrando apoio ao casal.
MUSIC ON: Joia Rara – Walmir Borges
 
CENA 18. PASSAGEM DO TEMPO. IMAGENS GERAIS
 
Sequência de imagens que mostram o dia a dia da cidade de São Paulo, alternando entre dia e noite.
MUSIC FADE OUT.
LEGENDA: DIAS DEPOIS...
 
CENA 19. ESPAÇO ANHEMBI. INT. NOITE.
 
Lançamento da nova coleção da Amaro. Muitas pessoas no local, música ambiente é agradável. A alta sociedade paulistana presente no evento, além de personalidades de diversos ramos.
 
Conrado e Mayra trabalham no estande da Flash Paulista, que faz a cobertura do evento. Isabela se aproxima com Vitória.
 
CONRADO: - Vitória! Está linda!
VITÓRIA: - Obrigada!
ISABELA: - Nossa primeira entrevista desta noite. Tinha que ser com você.
VITÓRIA: - Eu fico muito honrada! E nervosa... Nunca dei entrevista antes!
CONRADO: - É tranquilo... É só falar do seu sucesso e dessa nova empreitada da Amaro.
VITÓRIA: - Acho que eu consigo sim.
CONRADO: - Mayra!
 
Mayra se aproxima. Vitória e Mayra se encaram.
 
CONRADO: - Por favor, faça a entrevista da Vitória pra gente.
MAYRA: - Eu?!
VITÓRIA: - Pensei que ou você ou a Isabela iriam me entrevistar...
CONRADO: - Eu não poderei agora, porque chegaram uns empresários mineiros e eu preciso pegar umas informações com eles.
ISABELA: - E eu estou fazendo a matéria com as modelos. Mas a Mayra dá conta do recado.
 
Conrado e Isabela saem. Mayra e Vitória ficam frente a frente, se encarando.
 
VITÓRIA: - E então? Não vai começar a entrevista?
MAYRA: - Vou sim... Só não esperava entrevistar justo você.
VITÓRIA: - E acha que eu estou feliz? Na minha noite, ficar cara a cara com você...
MAYRA: - Eu só estou fazendo o meu trabalho.
VITÓRIA: - Eu sei. Desculpa. É que eu estou nervosa.
MAYRA: - Sei como é. Também fiquei um pouco nervosa na minha estreia na revista. Até você ver o seu trabalho finalmente pronto, bate um nervosismo daqueles...
VITÓRIA: - É que é tanto empenho, tanta dedicação, que você não consegue pensar em outra coisa senão nisso. Tem que cuidar pra não deixar de viver! (risos)
MAYRA: - Mas quando se faz o que gosta é bem isso mesmo, não é? Mas você já tem experiência de outras coleções da Amaro.
VITÓRIA: - Só aqui para o Brasil. Para o exterior é a primeira vez.
 
As duas seguem conversando e, sem perceberem, estão se dando bem. A entrevista vai fluindo naturalmente. Enquanto isso, do outro lado do salão, Rafael é fotografado em frente ao banner da coleção, projetado pela agência Ônix. Rafael chama Marcos para tirar foto ao lado dele. Marcos vai. Adriana, Tatiana e Plínio observam.
 
PLÍNIO: - Ficou bom mesmo hein!
ADRIANA: - Está ótimo, Plínio. Estou louca para ver o vídeo.
PLÍNIO: - O vídeo ficou show de bola. Você vai ser. A agência vai arrebentar.
TATIANA: - Estou tão orgulhosa de você, meu amor! (beija Plínio)
 
Marilu aproxima-se do espaço onde Rafael está sendo fotografado. Ela o observa. Ele percebe e os dois trocam olhares. Marilu sorri, sedutora e sai, caminhando por entre os muitos convidados que lotam o local. Marilu está vestida deslumbrante, um vestido longo, cor de pérola. Ela pega um champanhe, bebe, observando a festa, quando é surpreendida por Henri.
 
HENRI: - Bela festa, Marilu!
MARILU: - Henri! Que bom que você veio!
HENRI: - Você acha que eu ia perder?
MARILU: - Suspeitei que não... (risos) Veio sozinho? Lembro de ter te dado dois convites.
HENRI: - Não vim sozinho não, eu/
SARAH (aproxima-se): - Ele veio comigo.
 
Sarah surge, num vestido curto, vermelho fogo, e com um belo colar. As duas ficam a se encarar.
 
MARILU: - Melhor seria ter vindo sozinho, Henri. Tem pessoas que não sabem se portar em eventos como esse. Aliás, nem sei se posso chamar de pessoas.
SARAH: - Começou o showzinho... Vem cá, Marilu, olha bem pra minha cara... Você acha que eu não te conheço? Eu hein! Sei bem da onde tu veio e pra onde tu vai, minha querida. Então baixa a tua bola...
MARILU: - Eu vou dar uma circulada por aí. Não posso ficar dando ouvidos a convidados impertinentes. E Henri, da próxima vez, melhora a sua companhia, por favor. Não fica bem pra você.
 
Marilu se afasta.
 
SARAH: - Já vai tarde, boneca do mal...
HENRI: - Sarah, por favor!... Modere as suas palavras!...
SARAH: - Não to nem aí pra essa mulher. Se achando a poderosa...
 
Sarah se vira para pegar o champanhe do garçom que está passando, quando esbarra em Fausto.
 
FAUSTO: - Desculpa, senhorita.
SARAH: - Imagina, eu é que peço desculpas, fui virando assim, do nada, sem prestar atenção...
 
Os dois trocam olhares. Fausto pega uma taça de champanhe e entrega para Sarah.
 
SARAH: - Muito obrigada!
FAUSTO: - Se quiser, podemos beber juntos na minha mesa...
SARAH: - Eu adoraria! (vira-se para Henri, pisca o olho)
 
Fausto oferece o braço. Sarah dá o braço a ele e os dois seguem.
Numa das mesas, Elizabeth, Agda, Inês e Alfredo.
 
INÊS: - Fazia muito tempo que eu não via uma festa tão bonita como essa.
AGDA: - A alta sociedade em peso...
ELIZABETH: - Você viu a Regina Soares, mamãe?
AGDA: - Vi... Sempre clássica. Pérolas nunca saem de moda.
ALFREDO: - Ela continua casada?
INÊS: - Alfredo! Se interessando pela vida íntima das pessoas!
ALFREDO: - Apenas uma pergunta, querida... O marido dela era dono de uma metalúrgica, que do nada, decretou falência. Ninguém sabe até hoje o real motivo da empresa fechar.
ELIZABETH: - E depois disso, eles se separaram, mas ela não deixou de ter o bom padrão de vida.
AGDA: - Você e o Alfredo estão se saindo ótimos fofoqueiros, Beth.
 
Todos riem. Enquanto isso, Marcos concede entrevista para Flash Paulista.
 
CONRADO: - Essa parceria da agência Ônix com a Amaro não é tão nova assim, é?
MARCOS: - Não. Já vem de alguns anos. Esse é o terceiro trabalho da agência com a Amaro. Mas desse porte todo que vocês estão vendo aqui e que verão ainda durante a apresentação das joias, é o primeiro. Eu, como presidente e dono da Ônix, fico muito feliz de fazer parte desse projeto tão bacana que a Amaro está fazendo. Com certeza, vai fazer sucesso na Europa.
 
Marcos troca olhares com Adriana, que sorri, orgulhosa do marido.
 
INÊS: - Não vi Charlote e Demétrio por aqui ainda.
ELIZABETH: - Também não. A mesa deles é essa aqui, ao lado da nossa.
ALFREDO: - Eles ainda não chegaram, mas tem alguém chamando atenção da imprensa na entrada.
AGDA: - Quem será?
ELIZABETH (séria): - A Lívia.
 
Cercada por fotógrafos, jornalistas, Lívia vai entrando no salão, acompanhada por Jonas. Ele, de smoking. Ela, num vestido azul escuro, realçando ainda mais seus traços louros. Marilu, de longe, olha invejosa. Rafael se aproxima.
 
RAFAEL: - Quem está chegando? O governador?
MARILU: - Não meu amor... É a Lívia.
 
Rafael se surpreende, mostrando também interesse. Marilu tenta esconder sua insatisfação. Enquanto isso, Isabela recebe Lívia.
 
ISABELA: - Lívia, uma palavra para o nosso canal na internet.
LÍVIA: - Claro!
ISABELA: - Qual é a expectativa para essa noite tão importante?
 
As duas trocam olhares.
 
LÍVIA: - A expectativa é a melhor possível. Eu estou muito feliz por estar aqui. Esperei tanto por essa noite. Acredito que todos nós esperamos. Espero que seja sim, uma noite memorável para todos nós.
ISABELA: - Muito obrigada, Lívia e seja bem-vinda!
LÍVIA: - Obrigada!
 
Lívia e Jonas caminham em direção a mesa.
 
JONAS: - Nossa, quanta gente! Quanto luxo!
LÍVIA: - Confesso que eu também estou surpresa, Jonas. Eu nunca tinha visto nada assim na minha vida.
 
No caminho, Rafael os recebe.
 
RAFAEL: - Sejam bem-vindos. Jonas.
JONAS (seco): - Boa noite.
RAFAEL: - Lívia... (pega a mão dela, beija) Está linda.
LÍVIA; - Muito obrigada, Rafael. Você também, está muito bonito. (soltando-se, delicada)
 
Jonas segura a mão de Lívia, ao mesmo tempo em que Marilu aproxima-se deles.
 
MARILU: - Como vai, Lívia?
LÍVIA: - Bem, Marilu. E você?
MARILU: - Ótima. Nunca estive tão bem. (segura a mão de Rafael)
 
Lívia observa, desvia o olhar.
 
JONAS: - Vamos?
LÍVIA; - Vamos sim.
RAFAEL: - Aproveitem a festa.
 
Lívia e Jonas se afastam.
 
MARILU: - Ela sempre se jogando pra você.
RAFAEL: - De onde você tirou isso? A Lívia não fez nada.
MARILU: - Eu sou mulher, Rafael, sei bem quando a outra está jogando com todas as armas. Ela está seduzindo você. Justo na minha noite, na nossa noite especial.
RAFAEL: - Não se preocupa. Nada vai atrapalhar a nossa noite. Nada.
 
Rafael caminha, cumprimenta outras pessoas. Marilu fica pensativa.
 
CENA 20. ESPAÇO ANHEMBI. EXT. NOITE./ ÁREA DE SERVIÇO. INT. NOITE.
 
Do lado de fora do Espaço Anhembi, onde ainda há uma movimentação, Jorge, Pereira e Hugo aguardam.
 
HUGO: - Quando a gente entra?
JORGE: - A Lívia vai dar o sinal...
PEREIRA: - A festa tá boa. Só gente da grana.
JORGE: - Os milionários de São Paulo e do Brasil estão todos aí dentro, meu caro.
 
Enquanto eles conversam, um motoqueiro passa por eles e entra pelo estacionamento de serviço. Ele estaciona a moto. Está vestindo uma roupa preta. Ele tira o capacete. CAM revela Alexandre. Ele tira o casaco e verifica se a arma está bem escondida. E veste outra peça branca, como se fosse garçom. O casaco preto, ele coloca dentro de uma caixa. Ele se aproxima da entrada de serviço, carregando a caixa, fechada. Um segurança está na porta.
 
SEGURANÇA: - Ei! Você está atrasado!
ALEXANDRE: - E esse trânsito é terrível meu caro!... Eu sei que estou atrasado. Agora, me deixa passar, estou com umas compras aqui pra cozinha, coisa de urgência.
SEGURANÇA: - E o que tem aí? Não parece nada pesado.
ALEXANDRE: - E não é... Apenas temperos para os canapés. Quer ver?
SEGURANÇA: - Não, não precisa. Pode entrar.
 
Alexandre respira aliviado e passa pelo segurança. Ao chegar na cozinha, nem é percebido. A movimentação no espaço é grande. Ele vai direto para o lavado. Ao sair, está vestido com a roupa de festa e parte para o salão, com andar elegante, sem ninguém desconfiar.
 
CENA 21. ESPAÇO ANHEMBI. INT. NOITE.
 
Rosa chega na festa com Louise e Kléber.
 
LOUISE: - Deus é Pai! Ele ouviu as minhas preces!
KLÉBER: - Que preces?
LOUISE: - De estar num evento da alta sociedade, meu amor! Há um bom tempo que eu não sabia o que era isso! Celebridades, modelos, gente bonita, rica, glamour! Esse é o meu habitat! E pode ir se acostumando, viu? Logo logo será o seu também.
KLÉBER: - Que isso, não chego a tanto...
LOUISE: - Claro que sim, meu bem!
ROSA: - Kléber, é só confiar...
 
Rosa demonstra confiança. Kléber sorri, agradecido.
 
LOUISE: - Ih, olha lá o Zezinho! Que sorte a nossa! (pega Kléber pela mão) Vem Kléber!
 
Louise leva Kléber até o produtor musical. Enquanto isso, Rosa, observando a festa, enxerga Lívia e Jonas na mesa. Lívia também a vê. Elas trocam olhares. Lívia levanta-se da mesa, caminha por entre as pessoas. Rosa vai atrás dela.
 
Enquanto isso, Charlote, Demétrio, Breno e Carla chegam ao local e seguem para a mesa reservada a eles.
 
ELIZABETH: - Pensei que não viriam! (risos)
CHARLOTE: - E eu lá vou perder essa festa?! Nem morta!
DEMÉTRIO: - Charlote viria nem se fosse a pé!
CARLA: - Boa noite a todos.
INÊS: - Boa noite, Carla. Bom te ver novamente!
CARLA: - Muito obrigada! Digo o mesmo a vocês!
CHARLOTE: - Hoje é noite de dupla comemoração. Carla foi admitida numa das lojas da Amaro.
AGDA: - Mas que bela surpresa!... Sinta-se honrada, querida, de estar próximas dos seus patrões. Não é pra qualquer um.
CARLA: - Eu já estou acostumada com isso, dona Agda. Garanto que vou tirar de letra, pode apostar.
 
Em outro ponto da festa, Louise apresenta Kléber para Zezinho.
 
LOUISE: - Esse é o Kléber, Zezinho, o saxfononista que eu te falei. Ele é bárbaro!
ZEZINHO: - É mesmo?
KLÉBER: - Ela que está dizendo. Mas, modéstia a parte, eu não faço feio não.
ZEZINHO: - Eu posso imaginar. E se a Louise está dizendo isso, é porque realmente você é dos bons.
LOUISE: - Eu nunca te dou dica fria né, Zezinho?
ZEZINHO: - Tirando aquela banda de rock caipira...
KLÉBER: - Roque caipira?! Como isso?
ZEZINHO: - Pois é, algo totalmente indefinido.
LOUISE: - Foi uma fase de pouca motivação criativa na minha vida. Mas isso é passado, Zezinho! Agora você está diante da futura estrela da música!...
ZEZINHO: - Vamos conversar sim... Você tem pinta de estrela, Kléber.
KLÉBER: - Tenho?
LOUISE: - Tem, meu amor! E vai arrasar nos palcos, nos shows, em tudo!
 
Lívia bebe champanhe, de longe, observando Marilu e Rafael conversando bem próximos, sentados à mesa. Marilu se levanta, sai. Rafael fica a observá-la, atraído. Nesse instante, Rosa se aproxima de Lívia.
 
ROSA: - Seja lá qual for a atitude que você vai tomar, saiba que ela trará consequências talvez nem tão satisfatórias.
LÍVIA: - Por que está me dizendo isso?
ROSA: - Porque eu sinto que alguma coisa vai acontecer hoje. Pode ser boa pra você agora. Mas o futuro, é incerto.
 
O colar de Lívia brilha.
 
LÍVIA: - Você não sabe o que está dizendo... Já nem sei se posso confiar nos seus conselhos.
ROSA: - Por favor, Lívia. Pense bem.
LÍVIA: - Com licença, Rosa.
 
Lívia se afasta. Rosa fica pensativa. Lívia caminha por entre as pessoas, quando esbarra em Alexandre.
 
Ele se surpreende e ela também.
 
LÍVIA: - Alexandre?! O que você está fazendo aqui!
ALEXANDRE: - Droga!
LÍVIA: - Eu vou chamar a segurança!
 
Nesse instante, Alexandre se afasta, sumindo por entre as pessoas. Lívia o procura, mas não encontra mais. Alexandre, andando apressado, é visto por Marilu, que o intercepta.
 
MARILU: - O que você está fazendo aqui, Alexandre?! Como deixaram você entrar?! Não tem convite?!
ALEXANDRE: - Entrei pela porta dos fundos, como um empregado e agora estou aqui, como grãfino. Viu como eu sei me portar?
MARILU: - Vai embora daqui agora, antes que a Lívia te veja!
ALEXANDRE: - Tarde demais porque ela já me viu.
MARILU: - Droga!
ALEXANDRE: - Mas fica fria, porque eu já vou me esconder e ela não vai me achar mais. Agora é bom você também circular, antes que desconfiem da gente...
 
Marilu e Alexandre se separam. Enquanto isso, Lívia volta para a sua mesa.
 
JONAS: - O que foi? Está com uma cara...
LÍVIA: - O Alexandre. Está aqui na festa.
JONAS: - O quê?! Tem certeza?
LÍVIA: - Sim! Eu fiquei frente a frente com ele! Vou avisar o Jorge.
 
CENA 22. ESPAÇO ANHEMBI. EXT. NOITE.
 
Jorge recebe uma mensagem no celular.
 
JORGE: - A Lívia tá dizendo que o Alexandre está aí na festa.
PEREIRA: - Quem é esse cara?
JORGE: - Ex-marido da Lívia, pai do filho dela e um mau caráter de primeira. E pra ajudar, ele é cúmplice da Marilu.
HUGO: - Cúmplice?
JORGE: - Sim. Já o vi algumas vezes entrando no prédio dela. Com certeza estão juntos. Dois golpistas.
PEREIRA: - Vamos entrar então?
JORGE: - Agora. Peguem suas coisas.
 
CENA 23. ESPAÇO ANHEMBI. INT. NOITE.
 
Rafael e Vitória estão no palco montado para o evento. Do palco, estende-se uma passarela onde será realizado o desfile das jóias.
 
RAFAEL: - E agora vamos ver vídeo promocional, elaborado pela agência Ônix, aqui representada pelo seu presidente, Marcos Alencastro, por favor.
 
Marcos sobe ao palco sob aplausos. Fica ao lado de Vitória.
 
RAFAEL: - Vamos a vídeo.
 
As luzes se apagam (em partes). Num telão, é exibido o vídeo de apresentação da nova coleção da Amaro. Enquanto isso, Jorge, Hugo e Pereira entram no local. Alexandre consegue se esconder, por entre pilares e arranjos da decoração. Todos prestam atenção ao vídeo, muito bem elaborado pela agência.
 
Ao término do vídeo, nova salva de palmas. Rafael cumprimenta Marcos. Vitória toma o microfone.
 
VITÓRIA: - Eu gostaria de agradecer a presença de todos vocês. É uma ocasião muito especial para a empresa, e para mim, principalmente. Eu quero agradecer a Deus, à minha família pelo apoio, aos funcionários da Amaro por acreditarem no projeto... E também, ao grande amor da minha vida, Fabrício.
 
Fabrício acena para Vitória, manda beijos.
 
VITÓRIA: - Te amo!
 
Mais palmas.
 
VITÓRIA: - E que comece o desfile!
 
Um jogo de luzes começa sobre a passarela. O som alto toma conta do ambiente. Algumas modelos e também artistas famosas desfilam as peças da Amaro. Os fotógrafos registram todos os momentos. As socialites comentam as peças, muitos elogios à criação de Vitória, que está no palco, maravilhada.
 
Mayra se aproxima de Fabrício.
 
MAYRA: - Bela declaração de amor em público...
FABRÍCIO: - Até eu fiquei surpreso.
MAYRA: - Espero que alguém algum dia faça isso por mim.
FABRÍCIO: - Eu também torço para isso. Você merece. (sorri)
MAYRA: - Queria ter a sorte do meu pai para esses encontros...
 
Mayra observa Fausto e Sarah, conversando ao pé do ouvido, elogiando as peças e trocando gracejos. Henri se aproxima de Marilu, que não tira os olhos de Lívia.
 
HENRI: - Está tudo tão lindo!
MARILU (seca): - É, está...
HENRI: - Eu achei um colar tão lindo que/
MARILU: - Henri, por favor, pode me deixar sozinha um pouco?
HENRI: - Aconteceu alguma coisa?
MARILU: - Aconteceu que eu estou arrependida de ter te dado os convites. Eu não quero que você fique me bajulando o tempo todo, pegajoso, chato, sem graça! Chega! Eu não vou ser sua sócia na boate, não quero ter minha imagem vinculada à sua. Estou numa nova vida, nossa história acabou.
 
Henri fica totalmente sem reação.
 
HENRI: - Mas/
MARILU: - Me deixa em paz, bixa idiota!... Sai!
 
Henri se afasta, totalmente chateado.
 
MARILU: - A noite é minha hoje. Todos vão se curvar aos meus pés. A nova integrante do clã Ferreira Magalhães.
 
O desfile termina. Muitos aplausos. Vitória é ovacionada e se emociona. Isabela e Conrado registram todos os detalhes. Rafael abraça a irmã e após, posam para fotos. Enquanto isso, Jorge troca olhares com Lívia.
 
JONAS: - Jorge já está aqui?
LÍVIA: - Está. Espero que ele encontre o Alexandre o mais rápido possível.
JONAS: - Rafael vai falar agora.
 
Vitória desce do palco. Rafael toma o microfone.
 
RAFAEL: - Aproveitando essa noite de comemoração, de festa, união... Eu quero um minuto da atenção de vocês.
 
Certo silêncio no salão. Rafael discursa.
 
RAFAEL: - Eu vou ser breve, embora a emoção seja muito grande... Primeiramente, eu gostaria de chamar aqui no palco, a senhorita Maria Luísa Barroso, a nossa querida, Marilu.
 
Caminhando por entre as pessoas, indo em direção ao palco, Marilu chama atenção pelo seu porte sensual.
 
AGDA: - O que o seu filho está pensando em fazer?
ELIZABETH: - Sei lá. Não sabia que teríamos homenagens. E mesmo assim, essa mulher não é digna de nada.
 
Rafael continua, agora com Marilu ao seu lado.
 
RAFAEL: - Eu chamei a Marilu aqui ao palco, por um motivo muito especial. Não apenas para mim, mas para ela também. E eu queria que fosse surpresa e não vi outra oportunidade senão aqui, na frente de todos vocês, dos meus amigos, família e parceiros.
 
Todos olham atentos.
 
RAFAEL: - Eu gostaria de dizer a vocês que, a partir de hoje, oficialmente, eu e Marilu estamos noivos.
 
Surpresa no salão. Elizabeth e Agda ficam totalmente chocadas.
 
RAFAEL: - Nós dois vamos nos casar.
 
Aplausos tomam conta do local. Rafael segura a mão de Marilu e a beija. A imprensa registra tudo. Os dois posam para fotos. Marilu com olhar triunfante, encontra Lívia. Abre um sorriso vencedor. Lívia a encara, séria.
 
CENA 24. CADEIA. CELA. INT. NOITE.
 
Onira passa a noite na cadeia. Está sozinha na cela, sentada na cama, com olhar fixo na parede. Expressão desolada, entristecida... Uma carcereira passa pelo corredor e Onira se aproxima da grade.
 
ONIRA: - Você acha justo?
CARCEREIRA: - Justo o quê?
ONIRA: - Uma mãe ser presa por querer o bem do filho?... Acha justo?
CARCEREIRA: - Justo não é... Mas/
ONIRA: - Eu estou sendo injustiçada por querer o melhor para o meu filho. Não era eu quem deveria estar aqui nesta cela e sim aquela ordinária!
CARCEREIRA: - Ei, se acalma... Deita aí na cama, dorme. Agora não é hora de conversa fiada...
 
A carcereira se afasta. Onira volta para a cama.
 
ONIRA: - Adriana... Ordinária...
 
CENA 25. ESPAÇO ANHEMBI. INT. NOITE.
 
Rafael e Marilu posam para fotos.
 
CONRADO: - Depois dessa surpresa para todos, deduzo que já tenham a data do casamento.
RAFAEL: - Será o mais breve possível.
CONRADO: - E a noiva, como está se sentindo?
MARILU: - Estou muito feliz. Não há palavras pra descrever essa emoção... O Rafael é um homem incrível e eu quero fazer dele a pessoa mais feliz desse mundo!
 
Os dois se beijam e o registro é feito por diversas câmeras.
 
ELIZABETH: - O Rafael está louco?!
AGDA: - Primeiro a Lívia, agora essa mulherzinha?! Ele quer jogar o nosso dinheiro no lixo, é isso?!
INÊS: - Você sabia disso, Alfredo?
ALFREDO: - Estou tão surpreso quanto vocês!
 
Vitória e Fabrício se aproximam de Lívia.
 
VITÓRIA: - Você viu isso?
FABRÍCIO: - O Rafael vai se casar com ela...
LÍVIA: - Não vai não. Porque eu não vou deixar.
 
Lívia caminha por entre os convidados e sobe ao palco, ao lado de Marilu e Rafael.
 
MARILU: - Veio me dar os parabéns, querida?
LÍVIA: - Sempre esperta, Marilu. Acertando direitinho... Eu já estou até com o seu presente em mãos...
 
Marilu fica sem entender. Lívia pega o microfone.
 
LÍVIA: - Eu só peço a atenção de todos aqui. É muito importante.
 
CHARLOTE: - O que será desta vez?
CARLA: - A Lívia tá com cara de que não tá pra brincadeira não...
BRENO: - É mesmo? Teremos barraco então?
DEMÉTRIO: - Eu quero ouvir, prestem atenção!
 
MARILU: - O que você vai fazer?
LÍVIA: - Aguarde e verá... (faz sinal para Pereira)
 
Pereira, na cabine de vídeo e áudio, exibe imagens de Marilu, tiradas das câmeras de segurança dos prédios próximos ao local onde Tarcísio morreu.
 
RAFAEL: - Lívia, o que é isso?! Que imagens são essas?
MARILU: - Rafael, essa mulher está estragando a festa!
RAFAEL: - Lívia!
LÍVIA: - Desculpa, Rafael, mas você e todos aqui precisam saber da verdade.
RAFAEL: - Que verdade.
LÍVIA: - Essas imagens aqui no telão, são imagens das câmeras de segurança próximas ao local onde o Tarcísio foi atacado.
 
ELIZABETH: - Mas como isso? De onde essas imagens?
 
LÍVIA: - Olha bem, Rafael, quem estava por lá...
RAFAEL: - É você ali, Marilu?
MARILU: - Claro que não! Isso é uma montagem! Essa mulher quer acabar com a nossa felicidade! Não há nada de legal nisso aí, tudo isso foi forjado!
JORGE (aproxima-se do palco): - Essas imagens são parte das provas que a polícia tem contra você, Marilu.
 
Marilu começa a se mostrar apreensiva.
 
JORGE: - Aqui comigo eu tenho resultado de perícias, que comprovam o seu envolvimento, Marilu, na morte da jornalista Beatriz Garcia de Carvalho, por envenenamento... O mesmo veneno utilizado na morte da Beatriz, foi utilizado na morte deste rapaz aqui.
 
Imagens de Romão aparecem na tela.
 
JORGE: - Esse homem, Rafael, é o Romão, assaltante contratado pela Marilu e pelo Paulo, para atacar o Tarcísio.
 
Todos no salão se mostram chocados. Elizabeth sente-se mal, se senta, é acudida por Inês. Vitória se abraça em Fabrício.
 
RAFAEL: - Isso não pode ser verdade...
MARILU: - E não é verdade, meu amor!
LÍVIA: - É verdade, sim!...
MARILU: - Cala a boca, sua ordinária! Quer acabar com a minha, é isso?!
LÍVIA; - Eu quero é justiça, Marilu.
JORGE: - Esse homem (aponta para imagem de Romão, ainda na tela) foi morto por envenenamento. O assassino? Paulo Cardoso de Freitas, tido como amigo do empresário Tarcísio Ferreira... E o veneno utilizado? O mesmo na morte de Beatriz... Gravações telefônicas provam que Marilu esteve presente no apartamento da jornalista antes desta falecer, já no hospital... Muito estranho para alguém que tinha uma amizade muito grande, terminar ao lado do ex-noivo da amiga.
MARILU: - Eu não sou obrigada a ficar aqui sofrendo essa humilhação pública!
 
Marilu vai saindo, mas Isabela sobe ao palco e a impede de sair, segurando Marilu fortemente pelo braço. Conrado fica atônito.
 
ISABELA: - Você não vai a lugar nenhum, sua cobra!
MARILU: - Mas o que é isso? Me solta!
CONRADO: - Isabela! Larga essa mulher!
ISABELA: - Essa mulher é uma bandida, merece ser presa!
 
Na tela, mostra imagem de Marilu e Romão, juntos. Rafael encara Marilu, que solta-se de Isabela.
 
RAFAEL: - Como você explica isso, Marilu?
MARILU: - É uma armação, Rafael! Você não está vendo?
RAFAEL: - Não minta para mim!
JORGE: - Não é preciso dizer mais nada, não é? Ou melhor, ainda há.
 
Pereira coloca as imagens do acidente que vitimou Lorena.
 
MAYRA: - É o carro da minha mãe!
JORGE: - E o carro que empurra o outro veículo na pista é seu, Marilu. E esse acidente vitimou Lorena Vasconcellos, a diretora da empresa, que possua uma relação muito próxima com a Marilu... Lembra do carro, Marilu? O carro que você levou para a oficina e nunca mais foi buscar...
 
Fausto assiste tudo incrédulo. Enquanto isso, Hugo sobe ao palco levando as algemas.
 
JORGE: - Não há desculpas, Marilu. Em nome da lei, eu declaro aqui a prisão de Marilu Barroso pelos assassinatos de Tarcísio Ferreira, Beatriz Garcia de Carvalho e Lorena Vasconcellos.
 
Marilu está complemente aflita, sem saber para onde ir.
 
LÍVIA; - Acabou, Marilu. Você perdeu!
RAFAEL: - Eu quero essa mulher na cadeia!
 
Todos no salão estão chocados, muitos comentários, barulho, alvoroço. Alexandre vai para trás do palco e tira da cintura um revólver. Ele dá tiros para o alto, causando uma grande agitação, correria. Alguns se abaixam ao chão. Marilu o vê e corre para perto dele.
 
ALEXANDRE: - Vem comigo!
 
Marilu e Alexandre fogem por trás do palco. Pereira tenta mirar neles, mas como há muitas pessoas correndo, não arrisca atirar.  Jonas sobe ao palco para ajudar Lívia.
 
JONAS: - Você está bem?!
LÍVIA: - Estou sim, Jonas... E aquela bandida?!
RAFAEL: - Ela não pode escapar!
HUGO: - Os tiros vieram dali de trás!
JONAS: - Só pode ter sido o Alexandre. Fez isso pra facilitar a fuga.
JORGE: - Eu vou atrás dela!
 
 
CENA 26. ESPAÇO ANHEMBI. INT/ EXT. NOITE.
 
Alexandre e Marilu passam correndo pela cozinha, saem no estacionamento.
 
ALEXANDRE: - Se não é eu pra te salvar!
MARILU: - Cala a boca e vamos embora!
 
Os dois embarcam na moto e saem. Pouco depois Pereira e Hugo chegam no estacionamento.
 
HUGO: - Saíram.
PEREIRA: - Vamos atrás deles.
 
Os dois correm para o carro.
 
CENA 27. ESPAÇO ANHEMBI. INT. NOITE.
 
Clima tenso no salão, as pessoas estão apreensivas. Rafael um tanto transtornado. Lívia tenta acalmá-lo.
 
LÍVIA: - Rafa...
RAFAEL: - Como eu pude me iludir desse jeito, Lívia? Como?!
LÍVIA: - Aquela mulher é capaz de tudo...
RAFAEL: - Eu ia me casar com a assassina do meu pai. Graças a você, eu consegui me livrar dela.
LÍVIA: - Desculpa ter sido dessa forma. Estraguei a festa da empresa. Mas, todo mundo precisava saber quem era Marilu de verdade.
RAFAEL: - Eu sei... Mas agora é encerrar a festa e deixar com o que a assessoria da empresa resolva tudo...
JONAS: - O importante agora é capturar a Marilu e o Alexandre.
JORGE: - Meus homens já foram atrás deles.
 
Rosa se aproxima de Lívia.
 
ROSA: - Você foi muito corajosa. Mas saiba que não acabou aqui.
LÍVIA: - Como assim?
ROSA: - As consequências, Lívia.
LÍVIA: - As consequências estão aí, Rosa! O Rafael, todo mundo descobriu a verdade, a Marilu vai ser presa! E se Deus quiser, e ele há de querer, vão levar o Alexandre junto... Estamos todos bem. São essas consequências!
ROSA: - Eu não teria tanta certeza... Mas/
LÍVIA: - Mas eu agora só te peço uma coisa... Pare de ficar com essas suas superstições, visões. Chega... Não quero que você me engane novamente.
ROSA: - Eu nunca te enganei, Lívia. Eu fiz muito por você.
LÍVIA: - E eu agradeço por tudo o que você me fez. Mas eu não quero ficar vivendo as suas ilusões.
ROSA: - Ilusões?
LÍVIA: - Sim, ilusões. Tudo acabou bem. A sua previsão não deu certo.
ROSA: - Eu só quero ajudar, te avisar para que tome cuidado. Estou sendo sua amiga.
LÍVIA: - Já tive provas não muito boas da sua amizade, Rosa.
ROSA: - Quando você vai entender que o que eu fiz foi pelo o seu bem, Lívia? Quando?
LÍVIA: - Não sei... Você não consegue ver nas suas previsões?
 
Lívia se afasta. Rosa tenta esconder a chateação.
Em outro ponto da festa, muitos comentários.
 
AGDA: - Tudo isso justo nesta noite?
ELIZABETH: - Eu ainda não acredito... Parece um pesadelo...
ALFREDO: - Na verdade, estamos acordando deste pesadelo, Beth. A morte do Tarcísio foi finalmente desvendada.
CARLA: - E comprovada que a Lívia é inocente nessa história toda... Eu vou lá falar com ela.
 
Carla se afasta.
 
CHARLOTE: - Mas agora a festa perdeu todo brilho que tinha antes...
BRENO: - É, acabou.
DEMÉTRIO: - Não vi a Isabela e o Conrado.
 
No palco, Conrado está abraçado fortemente em Isabela.
 
ISABELA: - Conrado, está me sufocando!
CONRADO: - Estou protegendo você, oras!
ISABELA: - Já chega, não precisa mais!... Eu estou bem...
 
Aos poucos, ele a solta.
 
CONRADO: - Por que você não me disse que estava envolvida nisso? É perigoso, sabia?! Esses bandidos podem voltar, fazer algum mal à você e/
 
Isabela beija Conrado, de repente. Ele se acalma.
 
ISABELA: - Está tudo bem, meu amor... Não se preocupa.
CONRADO: - Tá bem... Vamos embora agora? Deixa que os outros funcionários da revista terminam a cobertura.
ISABELA: - Está bem. Vou lá me despedir do papai e da mamãe então.
 
Conrado acompanha Isabela. Enquanto isso, Fausto conversa com Mayra e Sarah.
 
MAYRA: - Você viu, papai? A Marilu matou a mamãe! (irritada) Mas por que isso?!
FAUSTO: - Calma, Mayra!
MAYRA: - Calma?! Você me pede calma?! Essa mulher entrou na nossa casa, posou de melhor amiga da mamãe e depois faz isso?! Sem motivos?!
FAUSTO: - Você precisa saber de uma coisa, Mayra. Eu e a Marilu tivemos um caso.
 
Mayra se choca.
 
FAUSTO: - Nós fomos amantes. Aquele carro que ela usou, foi presente meu.
SARAH: - Fausto...
FAUSTO: - A sua mãe nunca soube... Ou talvez tenha descoberto justamente nessa tragédia.
MAYRA: - Eu não posso acreditar nisso, doutor Fausto. Você, um traidor!
FAUSTO: - Minha filha, eu/
MAYRA: - A minha referência de família se esvaiu, escorreu como um punhado de areia entre os dedos!...
FAUSTO: - Ela me seduziu, eu fiquei sem saída.
SARAH: - Aquela víbora é capaz de qualquer coisa pra se dar bem. Ela usa e abusa das pessoas pra ter o que quer.
MAYRA: - Nada justifica isso. Nada ameniza a sua atitude, pai. Eu estou muito decepcionada. Com você, com toda essa história...
 
Mayra sai, apressada. Fausto pensa em ir atrás, mas Sarah o detém.
 
FAUSTO: - Eu preciso falar com ela!
SARAH: - Mas ela precisa ficar sozinha, colocar as ideias no lugar. É muita coisa pra ela entender... Depois, de cabeça fria, vocês conversam.
 
Num outro ponto, Carla conversa com Lívia e Jonas.
 
CARLA: - Finalmente essa mulher foi desmascarada!
LÍVIA: - Agora tudo está em paz.
JONAS: - Em partes, Lívia. Ela precisa ser presa e pagar pelo o que fez.
LÍVIA: - Tenho certeza que a equipe do Jorge vai conseguir fazer isso. Só o fato de conseguir mostrar a verdadeira face dessa cobra pra todos e livrar o Rafael das armações dela, eu já me sinto de alma lavada.
JONAS: - Sempre o Rafael...
LÍVIA: - Ele não poderia sofrer nas mãos dela, Jonas. Ela é capaz de coisas terríveis.
JONAS: - É, eu sei... (se afasta)
LÍVIA: - Jonas!
 
Jonas caminha, vai ao encontro de Plínio, Tatiana, Marcos e Adriana, que conversam numa rodinha.
 
LÍVIA: - Eu não entendo o Jonas!... Ele estava tão confiante em tudo e agora...
CARLA: - Lívia, está na cara dele, só você não vê.
LÍVIA: - Não vejo mesmo.
CARLA: - Ele sente ciúmes do Rafael, oras!
LÍVIA: - Mas entre eu e o Rafa não tem mais nada, Carla. Apenas amizade, carinho e respeito, só isso.
CARLA (enfatiza): - Muito carinho!
LÍVIA: - Isso é você que está dizendo.
CARLA: - Isso é o que eu já percebi, sempre que vocês se olharam aqui na festa. Lá da minha mesa, eu já via tudo... Será mesmo que não tem mais nada entre vocês dois?
LÍVIA: - Claro que não tem!
CARLA: - Então você precisa provar para o Jonas isso. E procure provar pra você também, mesmo que esteja convicta disso. Se você quer mesmo ficar junto com ele, vai ser fundamental pra felicidade de vocês essa certeza do amor.
 
Lívia fica pensativa. Enquanto isso, Rafael conversa com Elizabeth e Agda.
 
AGDA: - Mas você só poderia estar mesmo louco, Rafael. Casar com aquela desqualificada!
ELIZABETH: - Bandida, assassina!
RAFAEL: - Eu não sabia que ela era esse monstro, gente! Eu estava encantado por ela!
AGDA: - Você e sua mãe sempre com dedo podre...
RAFAEL: - Vovó, por favor.
AGDA: - É verdade! Vocês parece que não pensam nas consequências das atitudes! Agora estamos aqui, numa festa que acabou de forma totalmente deplorável, com direito a tiros, revelações de assassinatos... (irônica) Ótima imagem que a Amaro passou no lançamento de sua nova coleção.
RAFAEL: - A assessoria da empresa está tratando de tudo, vovó. Vai ficar tudo bem. Vamos tentar abafar ao máximo o ocorrido aqui dentro, para que a imprensa não repercuta ainda mais.
AGDA: - Diga isso aos convidados também.
ELIZABETH: - Gente, eu quero ir pra casa. Essa noite foi demais pra mim.
AGDA: - Vamos mesmo, minha filha.
RAFAEL: - Eu vou pedir para o motorista levar vocês.
 
Enquanto Rafael sai com Elizabeth e Agda, Jorge conversa com Rosa.
 
ROSA: - E então, eles já encontraram os dois?
JORGE: - Ainda não... (fala ao rádio) Pereira, segue para o apartamento dela. Com certeza eles foram pra lá. Eu vou chamar reforços.
PEREIRA (OFF): - Certo, estamos indo.
JORGE: - Essa bandida não pode escapar!
 
CENA 28. APTO MARILU. INT.NOITE.
 
Marilu e Alexandre se apressam em pegar suas coisas para fugir. ela guarda roupas e pequenos objetos numa mala.
 
ALEXANDRE: - Anda logo! Daqui a pouco eles chegam aqui!
MARILU: - Calma! só falta o dinheiro...
 
Marilu vai até o guarda-roupas, retira uma caixa de sapato e de dentro da caixa, uma caixinha menor com cadeado. Ela pega a chave, escondia dentro de um pote de creme para cabelo, abre a caixinha. Retira alguns pequenos maços de dinheiro.
 
ALEXANDRE: - Se eu soubesse dessa chave no pote...
MARILU: - Isso é só para os inteligentes. (guarda o dinheiro) Acho que dá pra gente se manter por uns dias.
ALEXANDRE: - Vamos agora!
 
CENA 29. PRÉDIO APTO MARULU. EXT. NOITE.
 
Marilu e Alexandre saem correndo do prédio, sobem na moto que estava na calçada e arrancam. Pouco tempo depois, o carro de Pereira e Hugo chega ao local.
 
PEREIRA: - Vamos subir!
 
Eles e Hugo sobem. Outras viaturas da polícia vão chegando ao prédio.
 
 
CENA 30. ESPAÇO ANHEMBI. INT. NOITE.
 
Mayra está sentada em uma mesa, distante, sozinha. Vitória se aproxima dela.
 
VITÓRIA: - Eu sinto muito. Por tudo.
MAYRA: - Eu também sinto. É triste ver a sua família desestruturada. E você sendo uma peça fora do contexto. Por um lado é bom, prova que eu sou normal, mas, por outro... É tudo tão confuso.
VITÓRIA (senta-se ao lado dela): - Eu posso imaginar como deve estar sendo difícil pra você... pra mim também foi. Eu perdi meu pai, meu grande herói, sempre foi tudo pra mim. Você perdeu a mãe. Tudo por causa da mesma pessoa.
MAYRA: - Pelo visto temos mais uma pessoa em comum além do Fabrício.
VITÓRIA: - Isso foi uma piada? Por que se foi, ela é de extremo mau gosto.
MAYRA: - Desculpa, mas eu não poderia deixar de dizer isso...
 
As duas ficam em silêncio. De repente, se olham e começam a rir.
 
MAYRA: - Por que você sempre ficou de implicância comigo, hein? O que foi que eu te fiz?
VITÓRIA: - Eu só impliquei com você porque você sempre implicou comigo.
MAYRA: - Lembra daquela boneca que falava e andava sozinha, que você tinha? Era linda...
VITÓRIA: - Lembro sim. Meu pai trouxe dos Estados Unidos pra mim.
MAYRA; - Desculpa por ter jogado ela na piscina.
VITORIA: - Eu não deveria ter te provocado...
MAYRA: - Riu das minhas maria-chiquinhas... Eu falei que não era pra rir.
VITÓRIA: - Mas eram mesmo engraçadas!
MAYRA: - É, eram sim...
VITÓRIA: - Meus brinquedos, minhas roupas até chegar ao meu namorado.
MAYRA: - Parece estranho a gente aqui, sentada lado a lado, falando sobre isso sem nem sequer querer esganar uma à outra.
VITÓRIA; - Fale por você, porque a minha mão está coçando!
MAYRA: - Isso foi uma piada?
 
As duas riem novamente. Fabrício se aproxima.
 
FABRÍCIO: - Vitória, vamos? Amanhã eu preciso estar cedo na clínica.
MAYRA: - Você deu sorte, Vitória. Seu namorado é um homem de princípios, honra os compromissos...
VITÓRIA: - Eu sei. Por isso que eu o escolhi. ( levanta-se, beija Fabrício) Vamos sim, meu amor. (vira-se para Mayra) Fica bem, tá?
MAYRA: - Pode deixar. Obrigada.
VITÓRIA: - E eu quero ver a minha entrevista hein! me avisa quando sair!
MAYRA: - Tá certo!
 
Vitória se abraça em Fabrício e sai.
 
FABRÍCIO: - Vocês duas, conversando numa boa? Foi isso que eu vi?
VITÓRIA: - Foi sim...
FABRÍCIO: - E que milagre foi esse?
VITÓRIA: - Milagre nenhum... No fundo, nós somos um pouco parecidas...
 
Os dois seguem caminhando pelo salão, indo para a saída, ao mesmo tempo em que Demétrio, Charlote, Carla e Breno.
 
CHARLOTE: - Uma pena a festa terminar assim...
BRENO: - Pelo menos, já sabemos quem matou o Tarcísio.
DEMÉTRIO; - Agora é prender a fugitiva.
CARLA: - E o cúmplice dela. Ela não saiu daqui sozinha...
CHARLOTE: - Eu nem consegui falar com a Agda e com a Beth.
DEMÉTRIO: - Amanhã você liga pra elas. Agora vamos pra casa. Isso tudo me deixou exausto.
 
Do outro lado do salão, Rafael conversa com Marcos e Adriana.
 
RAFAEL: - Eu não fazia ideia da enrascada em que eu estava entrando.
MARCOS: - Destino pregou uma peça daquelas em você hein!
ADRIANA: - Ainda bem que a Lívia e aqueles policiais conseguiram desmascarar aquela mulher.
RAFAEL: - A Lívia sempre me surpreendo...
 
Rafael olha ao longe. Lívia vai embora, acompanhada de Jonas, Plínio e Tatiana.
 
MARCOS: - E agora, como fica tudo isso?
RAFAEL: - Vamos atrás dela nos quatro cantos do mundo se for preciso. É uma questão de honra para mim, colocar essa bandida, assassina na cadeia. Custe o que custar.
 
Rafael se mostra determinado. Um grupo de jornalistas se aproximam de Rafael.
 
JORNALISTA 01: - Rafael, uma palavra sobre o que aconteceu hoje!
JORNALISTA 02: - Aquela mulher era funcionária na empresa?
RAFAEL: - Calma pessoal... Eu não vou responder as perguntas, mas o que vocês quiserem saber, a assessoria vai emitir um comunicado oficial. Com licença...
 
Rafael, vai saindo, acompanhado de Marcos e Adriana. CAM abre plano do salão. Poucas pessoas no local, onde funcionários já fazem a limpeza.
 
CENA 31. PASSAGEM DO TEMPO. IMAGENS GERAIS
 
MUSIC ON: BODY AND SOUL - Tony Bennett e Amy Winehouse
Sequência de imagens que mostram o dia a dia da cidade de São Paulo. Mostra o Mercado Municipal, a Estação da Luz, pessoas saindo e chegando ao metrô; Edifício Copan. Os prédios da cidade, em vista aérea.
 
LEGENDA: DIAS DEPOIS...
 
CENA 32. MANSÃO TARCÍSIO. SALA DE ESTAR. INT. DIA.
 
Rafael, Agda, Elizabeth, Vitória, Lívia, Jonas e Jorge. Lívia e Jonas, lado a lado.
 
ELIZABETH: - Eu quero ser breve. Eu conversei com o Rafael por um bom tempo, desde aquele episódio na festa da empresa.
AGDA: - Episódio lastimável...
ELIZABETH: - Lastimável por um lado, por ter manchado um pouco a imagem da empresa e uma festa tão linda. Mas bom por outro, pois agora sabemos quem realmente fez com que o Tarcísio fosse embora para sempre.
VITÓRIA: - Nenhuma notícia sobre as investigações, Jorge?
JORGE: - Ainda estamos na busca pelos fugitivos. A polícia está totalmente mobilizada.
ELIZABETH: - Eu chamei você aqui, Lívia, porque eu precisava tomar uma atitude depois de tudo aquilo que foi descoberto por você e mostrado para todos nós...
 
Elizabeth se aproxima de Lívia e estende a mão em cumprimento. As duas ficam a se olhar.
 
ELIZABETH: - Eu quero te pedir desculpas. Por várias coisas. Mas principalmente por ter creditado à você, o fim di meu casamento feliz, da vida que eu amava tanto, ao lado do Tarcísio... Eu sei que vocês dois se envolveram bem depois da gente já ter se separado. Eu custei a ver isso. Custei a ver o ser humano bom que você é.
LÍVIA: - Elizabeth, eu/
ELIZABETH: - Eu não quero aqui fazer um tratado de amizade. Nunca seremos amigas. E eu tenho os meus motivos mais do que claros para isso... Tarcísio sempre será o meu marido.
LÍVIA: - Claro, eu entendo...
ELIZABETH: - Mas eu não poderia deixar de me desculpar com você. A sua atitude foi de uma coragem e grandeza imensuráveis.
LÍVIA; - É uma atitude muito nobre a sua, Elizabeth. Eu aceito sim as suas desculpas. E mesmo que você tenha essa convicção, eu espero sim, um dia, poder ser sua amiga.
 
Lívia estende a mão, cumprimentando Elizabeth, abrindo um sorriso gracioso. Rafael se aproxima.
 
RAFAEL: - Eu também quero, se possível, me desculpar com você, Lívia. Por tudo o que eu te fiz passar, pela tristeza que te fez sofrer, pelas acusações/
LÍVIA: - Rafael, não precisa... Eu posso entender perfeitamente tudo o que aconteceu. Era tudo influência da Marilu.
RAFAEL: - Eu sei, mas eu errei.
LÍVIA: - Todos nós erramos... Mas agora é seguir em frente. Eu quero que todos aqui saibam que eu nunca cobicei o dinheiro de vocês. Nunca. Meu sonho, meu projeto de vida, nunca foi esse... Mas chegou em minhas mãos. E eu estou tentando fazer o possível para valorizar isso tudo. Não apenas o bem material, mas o espiritual, o meu bem-estar e das pessoas que me cercam...
VITÓRIA: - Eu acredito nisso, Lívia.
LÍVIA: - Bom saber, Vitória. Eu só quero a felicidade. E que ela venha para mim, eu estando rica ou não. Não vai fazer diferença.
AGDA: - É um discurso muito bonito, Lívia. Com o tempo, veremos se na prática vai funcionar.
LÍVIA:- Pode ter certeza que irá, Agda. Pode ter certeza.
 
Jonas se aproxima.
 
JONAS: - Vamos Lívia?
LÍVIA: - Vamos sim... Obrigada pela atitude, Elizabeth, por nos receber em sua casa. Saiba que será bem-vinda na minha também. Aliás, todos vocês.
ELIZABETH: - Muito obrigada.
 
Lívia e Jonas saem.
 
JORGE: - Eu também vou indo...
RAFAEL: - Qualquer notícia, Jorge, por favor.
JORGE: - Pode deixar, Rafael, eu os manterei informados.
 
Jorge vai embora.
 
VITÓRIA: - A Lívia é sempre tão verdadeira.
AGDA: - Uma bondade que quase beira o cinismo...
ELIZABETH: - Pois eu acho que ela foi muito verdadeira, mamãe.
AGDA: - Você acredita em todos que falam suave, Beth.
RAFAEL: - Mas a Lívia é diferente... Ela tem sim uma pureza no coração, nas palavras. É uma pessoa encantadora. Merece mesmo ser feliz.
 
CENA 33. RESTAURANTE EUROPA-BRASIL. INT. DIA.
 
Marcos chega a restaurante. Tatiana o recepciona.
 
TATIANA: - Cm vai, Marcos? Tudo bem?
MARCOS: - Tudo bem, Tatiana. Meu tio está?
TATIANA: - Tá sim. (vira-se) Ali atrás!
 
Roberto está em uma mesa, fazendo anotações.
 
MARCOS: - Vou lá falar com ele. Obrigado!
TATIANA: - De nada! Abraço pra Adriana!
 
Marcos sorri e segue até Roberto.
 
MARCOS: - Que tantas coisas que o senhor escreve aí!
ROBERTO: - Marcos! Administrar um restaurante desse porte não é pra qualquer um!
 
Os dois se abraçam e sentam-se à mesa.
 
ROBERTO: - E então, como você está? Não te vejo há uns dias...
MARCOS: - Estou bem tio, trabalhando bastante. Mas só passei aqui pra te dar uma notícia. Boa notícia, por sinal.
ROBERTO: - É mesmo? E qual?
MARCOS: - Já consegui um apartamento para eu e a Adriana morar.
ROBERTO: - Marcos, que coisa boa!
MARCOS: - Acabei de assinar os papéis da compra... Apartamento amplo, três quartos, sala grande, vaga de garagem... E perto da agência.
ROBERTO: - Que beleza, meu sobrinho. Fico muito feliz por você e pela Adriana.
MARCOS: - Ela ainda nem sabe. Vou falar pra ela hoje, no almoço.
ROBERTO: - Aliás, poderiam almoçar aqui.
MARCOS: - Por conta da casa?
ROBERTO: - Mas acabou de comprar um apartamento e não tem dinheiro para pagar a conta num restaurante? (risos)
MARCOS: - Pois é, fiquei sem! (risos)
 
CENA 34. CLÍNICA DR. FAUSTO. INT. DIA.
 
Adriana analisa alguns exames com Fausto, na sala dele.
 
FAUSTO: - Mas faça esses procedimentos mesmo. Você está certa.
ADRIANA: - Tudo bem. Obrigada pela ajuda, doutor.
FAUSTO: - Imagina. No que precisar, pode vir... Aliás, como está o andamento da casa nova?
ADRIANA: - Ainda estamos procurando... A Lívia está sendo uma ótima amiga, cedendo a casa para gente, mas já não estou me sentindo muito confortável... Chega uma hora que a gente quer ter o nosso cantinho.
FAUSTO: - Sei como é... Mas logo logo chega a hora.
ADRIANA: - Eu tenho fé nisso! Com licença, doutor.
 
Adriana vai saindo, enquanto Almir vai entrando na sala. Os dois se cumprimentam.
 
ALMIR: - Doutor Fausto!
FAUSTO: - Diga Almir!
ALMIR: - Trouxe aqui alguns documentos para o senhor assinar. E alguns relatórios...
 
Nesse instante, Sarah bate à porta. Fausto fica surpreso em vê-la. Almir também. Sarah, com seu visual extravagante, vai entrando na sala.
 
SARAH: - Demorei, mas cheguei na sala do diretor!
FAUSTO: - Dono e presidente.
SARAH: - Ai que luxo!
 
Sarah dá um selinho carinhoso em Fausto. Almir não tira os olhos dela, enquanto Fausto termina de assinar os papéis.
 
FAUSTO: - Estão aqui. Pode ir.
 
Almir não escuta, “hipnotizado” pelo jeito de Sarah.
 
FAUSTO: - Almir, pode levar os papéis.
ALMIR: - Ah, claro doutor... Com licença.
 
Almir sai.
 
FAUSTO: - A que devo a honra da sua visita?
SARAH: - Nada... Tava passando por aqui e aí resolvi entrar.
FAUSTO: - Não precisa mentir.
SARAH: - Tá bom. Eu estava morrendo de vontade de ver você. Desde aquele dia na festa, depois da nossa esticadinha, você não me viu mais!
FAUSTO: - Eu sou um homem ocupado, Sarah.
SARAH: - Eu sei, meu queridão! Agora, deixa de conversa (senta-se na mesa, trança as pernas na cintura de Fausto) e vamos falar, ou melhor, fazer algo mais interessante...
 
Os dois se beijam, calorosamente.
 
CENA 35. APTO HENRI. INT. DIA.
 
Henri está analisando as plantas do projeto da sua nova boate.
 
HENRI: - Estão lindas!... Vai ficar tão bonito!
 
A campainha toca. Henri vai até a porta para atender. Ao abrir a porta, ele é empurrado por Marilu e Alexandre, que invadem o apto.
 
HENRI: - Mas o que está acontecendo aqui?!
ALEXANDRE (aponta a arma): - Não faz nada não, bichinha! (fecha a porta)
MARILU (irônica): - Henri, meu querido.
HENRI: - Marilu! O que você está fazendo?! Você deveria estar presa!
 
Marilu dá um tapa no rosto de Henri.
 
MARILU: - Nunca mais diga uma coisa dessas! Verme!
 
Marilu encara Henri, que está totalmente aflito.
 
MARILU: - Eu vim aqui porque você vai nos ajudar.
HENRI: - Ajudar?!
ALEXANDRE: - Isso mesmo... E eu não estou afim de ter um não como resposta.
 
Alexandre aponta a arma para Henri, que está completamente aflito. Marilu o encara, expressão séria.
 
CENA 36. PENSÃO BEM QUERER. EXT. DIA.
 
Almoço de família na pensão. Alaíde, Oscar, Jonas, Lívia, Pedro, Tatiana, Plínio, Carla, Breno e Kléber, reunidos numa grande mesa, na pequena área externa, nos fundos da pensão. Muita conversa, risadas, clima animado. Louise chega ao local, ao mesmo tempo em que Alaíde traz o assado.
 
ALAÍDE: - Chegou na hora boa, Louise!
LOUISE: - Sou craque nisso, dona Alaíde!... Oi pessoal! (senta-se ao lado de Kléber)
KLÉBER: - E então, como foi lá na reunião com o Zezinho?
LOUISE: - Meu amor! Prepare-se para o roteiro de casas de shows onde você vai começar a tocar... Sem falar que, o próximo show do Caetano Veloso, esse que as pessoas estão se estapeando pra conseguir ingresso e até as celebridades estão brigando pela área VIP, quem abre o show é você, meu querido! Você!
 
Kléber fica surpreso, feliz. Todos vibram.
 
TATIANA: - Que ótimo! Vou ter um amigo famoso!
LÍVIA: - Você merece, Kléber!
OSCAR: - Isso merece também um brinde!
 
Todos ficam de pé, e brindam o sucesso de Kléber.
 
JONAS: - Eu também queria aproveitar e fazer um anúncio.
 
Ficam atentos.
 
JONAS: - No meio de toda essa felicidade, eu não poderia deixar de expressar a minha. E dizer que, ela, a minha felicidade, só vai estar completa quando eu estiver com ela do meu lado, para sempre.
LÍVIA: - Como assim, Jonas? Não entendi... (risos)
JONAS: - A minha felicidade, é você, Lívia. E eu só vou ser feliz plenamente, com você do meu lado, a cada dia, cada hora, o tempo todo... Sentindo seu perfume, tocando a sua pele, vivendo o encantamento deste teu olhar sedutor.
CARLA: - Gente, mas isso é uma declaração de cinema!
BRENO: - Invejei! (risos)
PLÍNIO: - Esse meu amigo é um poeta!
LÍVIA: - Jonas... Eu nem sei o que dizer.
JONAS: - Diga sim.
 
MUSIC ON: Amado – Vanessa da Matta
    
Jonas se ajoelha. Tira do bolso uma caixinha pequena, que ao abrir, revela um par de alianças douradas. Todos ficam maravilhados. No mesmo instante, Rafael chega de surpresa na pensão, acompanhado de Vitória. Lívia o vê.
 
JONAS: - Lívia, aceita se casar comigo?
 
Jonas fica a olhar Lívia, ansioso pela resposta dela, que, por sua vez, se mostra surpresa com a chegada de Rafael, que não tira os olhos dela.
 
Encerra com Pra Rua me Levar – Ana Carolina.


autor
Édy Dutra

elenco
Christine Fernandes como Lívia
Taís Araújo como Marilu
Zé Carlos Machado como Tarcísio
Fábio Assunção como Rafael
Bruno Ferrari como Jonas
Marcos Caruso como Paulo
Renata Domingues como Carla
Júlio Rocha como Breno
Bianca Castanho como Beatriz
Júlia Feldens como Vitória
André Bankoff como Fabrício
Danton Mello como Marcos
Lavínia Vlasak como Isabela
Caco Ciocler como Conrado
Janaína Lince como Sarah
César Mello como Alfredo
Aída Leiner como Inês
Luíza Curvo como Tatiana
Jonathan Haagensen como Plínio
Marco Ricca como Fausto
Sílvia Pfeifer como Lorena
Thaís Vaz como Mayra
Gisele Policarpo como Gisa
Guilherme Leme como Almir
Mônica Martelli como Louise
Sérgio Menezes como Kléber
Cyria Coentro como Nice
Ernesto Piccolo como Moisés
Natália Guimarães como Rita

Atrizes convidadas
Sônia Braga como Elizabeth
Regina Duarte como Rosa
Valquíria Ribeiro como Adriana
Ângela Leal como Agda
Mila Moreira como Charlote
Denise Del Vecchio como Onira
Beatriz Segall como Wanda
Arlete Salles como Alaíde

Atores convidados
Gracindo Júnior como Demétrio
Rodrigo Santoro como Henri
Juan Alba como Alexandre
Nill Marcondes como Eduardo
Roberto Bonfim como Roberto
Floriano Peixoto como Jorge

Participações especiais
Dudu Azevedo como Romão
Elisa Lucinda como Cidália
Antonio Pitanga como Tenório
Vanessa Lóes como Clair
Alexandre Slaviero como Hugo
Lui Mendes como Pereira
Mônica Martelli como Louise
Dudu Azevedo como Romão

Trilha Sonora
Pra Rua Me Levar – Ana Carolina (abertura)
The lady is a tramp - Tony Bennett e Lady Gaga
Samurai – Djavan
Joia Rara – Walmir Borges
Body and Soul -Tony Bennett e Amy Winehouse
Amado – Vanessa da Matta

Produção

Bruno Olsen
Cristina Ravela
Diogo de Castro


Esta é uma obra de ficção virtual sem fins lucrativos. Qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência.


REALIZAÇÃO


Copyright
© 2019 - WebTV
www.redewtv.com
Todos os direitos reservados
Proibida a cópia ou a reprodução
.aaa.
.aaa.

Compartilhar:

Postar um comentário

 
Copyright © WebTV | Design by OddThemes