Perfume - Capítulo 30 - WebTV - Compartilhar leitura está em nosso DNA

O que Procura?

HOT 3!

Perfume - Capítulo 30

Novela de Luiz Gustavo
Compartilhe:
Troque a Fonte Aqui


 

     
     
     

CAPÍTULO 30 - 1113
 
     
   
 

De uma hora para outra, milhares de problemas começam a surgir, os sonhos de Levi estavam certo, se tivesse ido buscá-la naquela manhã, certamente não estaria chorando agora. A namorada continua desaparecida, precisa de ao menos uma pequena informação para encontrá-la, mesmo que seja embaixo da terra.  Permanece sentado na poltrona do escritório, isso deve acabar, mas por onde começar? Ele se levanta lentamente e caminha para o bar ao lado da sala de estar, próximo da escadaria, pega dois cubos de gelo do balde de inox e coloca no pequeno copo de vidro e o recheia, com uma vodca russa, engolindo a seco. O aparelho celular vibra no bolso, trata-se de um número restrito, a primeira esperança.  Levi atende rapidamente e percebe um timbre grosso masculino, que não se identifica.

- Está sentindo falta da namoradinha? 

Levi escuta Barbara, gritando desesperada no fundo da ligação, pedindo socorro, literalmente angustiada. 

- Por favor, não faça nada contra ela. 
- Sem jogos. 
- Certo. 
- Anote o endereço, que eu vou te passar. – Levi corre regressando para o cômodo anterior, pegando uma caneta e escreve tudo no caderno, o local que deve estar, desacompanhado, ás três horas da tarde. 

A conexão é finalizada. 

Se antes eram apenas suposições, agora tem certeza. Miguel Xavier é o mandante de todas essas brutalidades, quem mais pode ser? 

- A sua vida vale mais do que a minha, Barbara. 

Tony aparece pouco desapontado, certamente tinha ouvido todo o diálogo de Levi no telefone. Não pode abandonar o amigo, não neste momento, mesmo com um dos braços na tipoia, ainda é forte o suficiente para lutar. 

- Ele me pediu para ir sozinho.
- Ótimo. Usamos veículos diferentes. 
- Não. – Levi exclama. 
- Não tem nada que você pode fazer e nem falar, estamos juntos nessa. 

Levi respira profundamente e observa Tony Federline o encarando, de forma audaciosa e sem nenhum tipo de pavor. O homem anda em direção da garagem e entra no veículo, liga o motor iniciando o percurso, o local é pouco distante do distrito, cerca de cinquenta minutos. Outro carro o segue, por detrás, discretamente, trata-se de Tony. 

Levi estaciona na zona próximo de uma floresta e olha para o relógio no pulso, é quase uma hora da tarde, está um pouco adiantado para o “encontro”.

 

Tony para o automóvel escondido detrás de algumas árvores e segue a rota em rápidas pernadas, ajusta os binóculos e tenta impedir que o coração, bata de forma tão violenta. Finalmente aparece um caminhão da Mercedes, modelo 1113.

- E agora, Levi? 

Tony se encontra perto o suficiente, para ouvir fragmentos da conversa, está claro que o homem alto que se parece uma gigantesca rocha adiante de Levi, é um dos sequestradores da escritora Barbara Novak. O rapaz pensa em usar o telefone para chamar a polícia, mas ao parecer das armas começa a correr e se vira, quando um som o paralisa. O primeiro disparo. À sua esquerda, uma onda negra se move pela floresta, ele se joga no chão tentando afundar ainda mais, mesmo que aquela posição machucasse o seu braço. Talvez o extinto, o fez fitar pelos binóculos, corpos literalmente se abrindo, inundando sangue e caindo mortos no chão, sem emitir som algum. Enquanto continua a observar, Levi consegue tirar uma submetralhadora do cara gigante e um aparelho celular, de uma força e agilidade que surge do nada, fazendo o restante se esconder dentro do veículo. 

Levi se oculta na retaguarda do caminhão, não por medo, apenas para ler as mensagens no aparelho, escapando por poucos centímetros das rajadas de balas. O compromisso é salvar Barbara, mas tem outras abstrações na cabeça que possui 75% chance de ser concluída com sucesso. Os capangas não param de atirar, pelo jeito o serviço é único: matar o líder do negócio ilegal. O homem consegue controlar a submetralhadora, configurando em direção dos embusteiros, dois caem no pavimento com os corpos perfurados. 

Em passos apressados, Levi puxa o rapaz de aproximadamente 25 anos do banco de motorista e o joga longe, assumindo o domínio da Mercedes 1113. Agora, tem informações o suficiente para encontrar a namorada. Aciona o motor, outros disparos estilhaçam o para-brisa. Da testa, o sangue sai de um minúsculo machucado, isso é apenas um alívio. Ele coloca o pé no acelerador e o veículo salta para frente, segurando a MP5 para fora da janela, descarrega o pente em direção do Ford Raptor, seu antigo carro, dando o fim em alguns capangas de Xavier. 

Tiros acertam o veículo por todos os lados. Parece estar em um labirinto, Levi regressa à posição inicial na estrada de paralelepípedo, vira o volante, dando um cavalo de pau, completando o ângulo de 180 graus e o lança para frente alcançando a velocidade de 100 quilômetros por hora. Ao olhar para trás, divisa dois idiotas armados e diversos corpos jogados no chão. 

Quando tem certeza que se encontra sem a presença daqueles miseráveis, abandona o caminhão e segue caminhando, entrando na Lamborghini do amigo, que corre sob a estrada, parando depois de 10 quilômetros de distância do último local. Tony nota uma mancha vermelha no ombro de Levi e um pequeno ferimento no rosto, mas nada de tão grave. 

- Cara, que loucura! Você podia ter sido assassinado, sabe disso? 
- Sim, mas não quero que seja tão fácil. 
- E enquanto a Barbara? 
- Dentro de um jatinho particular, no heliporto do resort. 
- Como sabe que ela está lá? 
- Eu li umas mensagens no celular de um dos caras, simples assim. 

Tony olha curioso para o corpo do amigo. 

- Está bem? 
- Nunca me senti tão vivo em toda minha existência. 

Os dois sorriem, sentindo-se meio aliviados. 

- Vamos para casa, Tony. – Levi faz uma rápida pausa. – Por favor, fique com a minha mãe, dessa vez, continuo sozinho. 

Tony segue a rota para a morada, próximo à praia do Mucugê. Levi salta do carro, sem se dar o trabalho de comer alguma coisa, somente troca de roupa. Apesar de ter tudo na ponta das mãos como um tabuleiro, não pode chamar a polícia, quem irá acreditar? Trata-se de um dos homens mais poderosos da cidade e que mantém todos os lucros operacionais. O homem desce as escadas, usando uma camisa de manga cumprida com capuz e calça jeans, fita um rapaz próximo da porta de entrada o encarando. 

- O que você deseja, Jonathan? 
- Em primeiro lugar te agradecer novamente por tudo.
- Tudo bem. 
- Em segundo, como lealdade, quero ir contigo encontrar a Barbara. Não tente recusar. 
- Eu posso voltar morto. 
- É o risco, mas ao menos, seremos defuntos vingados.
 
     

 

     

Inspirada na música Perfume de Britney Spears

autor:
Luiz Gustavo

personagens:
Levi Monteiro
Pamela Monteiro

Barbara Novak
Tomaz Brayton

Tony Federline
Amália Monteiro

Jonathan Sampaio
Miguel Xavier
Alice Jones

Olga Novak
Neide Alencar
Marcos Ribeiro

Evelyn
Hugo Rafael
Fagner Lima

Valentim

participações especiais:
Jake Fremont
Tyler
Claúdia Alencar

as crianças:
David Novak
Kevin Jones
Douglas

trilha sonora:
Summertime Sadness - Lana Del Rey (abertura)

colaboração:
Thiago Machado
Márcio Gabriel

agradecimentos:
Juliana Cordeiro
Victor Marçal
William Araújo
Rodrigo Ferreira

produção
Bruno Olsen
Cristin Ravela

Esta é uma obra de ficção virtual sem fins lucrativos. Qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência.


REALIZAÇÃO


Copyright
© 2019 - WebTV
www.redewtv.com
Todos os direitos reservados
Proibida a cópia ou a reprodução

.aaa.
.aaa.
Compartilhe:

Capítulos de Perfume

Drama

Literaria

Novela

Perfume

Romance

Comentários:

0 comentários: