Estações da Vida - Capítulo 17



     
 

NO CAPÍTULO ANTERIOR DE "ESTAÇÕES DA VIDA":

PATO: Você contratou a MINHA NAMORADA para trabalhar na sua empresa e NINGUÉM me contou NADA.

AMANDA: Eu precisava tanto do emprego.

PATO: E vocês pensavam em esconder essa história por quanto tempo?

AMANDA: O erro foi meu. Quando seu pai me contratou eu pedi pra ele não falar nada. Me desculpa.

...

PATO: Não da Amanda. Por dois dias seguidos você pisa na bola comigo.

AMANDA: O que você quer dizer com isso?

PATO: Estou terminando com você.

AMANDA (chora): Por favor, Pato, me perdoa.

Amanda se ajoelha.

...

Nanda sai e vai até um puff. Ela abre a carta.

NANDA (lendo): Oi, Nanda, sou eu de novo. Aproveito para falar que eu não sou o admirador secreto que envia as cartas românticas, mas quero dizer pra você ter cuidado com ele. Ele não quer o seu bem. Ass: Amigo Secreto.

NANDA: Será que isso é verdade?

Diego se aproxima.

...

NANDA (entrega a carta): Veja isso.

Diego lê a carta.

DIEGO (aflito): Quem mandou isso?

NANDA: Sinceramente eu não sei e não é a primeira carta que eu recebo com sinal de alerta.

DIEGO: E você geralmente recebe com que frequência essas cartas?

NANDA: Sempre no colégio. Colocam na minha mochila. Hoje foi uma exceção e eu recebi aqui no Seven Night.

DIEGO: Que história sinistra.

...

DIEGO: Quer saber, eu vou te ajudar a descobrir quem está por trás dessas mensagens.

...

NANDA: Diego, o que te mostrei sobre a carta fica entre a gente, ok?

...

Nanda digita um número e coloca o celular no ouvido.

NANDA: Paulinha, você não acreditar no que acabou de acontecer, amiga. (T) Recebi outra mensagem. (T)

Pato surge na frente de Nanda.

NANDA (no celular): Eu fiquei/

PATO: Nanda, eu preciso de ajuda.

NANDA: Pato? (T) Ah, Paulinha, desculpa, o Pato apareceu aqui e precisa falar comigo. Eu te retorno em seguida, ok? (T) Beijos.

Nanda encerra a ligação.

NANDA (preocupada): Tá tudo bem? Você está sério.

...

KÁTIA: Me acalmar, Leonardo? Eu chego aqui e encontro você abraçado com essa aí e você quer que eu fique calma? Me poupe. (T) Você não viu minha ligação?

LEONARDO: Vi! Vi sim. Só não te atendi porque eu estava resolvendo uma coisa importante. 

KÁTIA (olhar de deboche):  Ah é? E eu posso saber o que seria?

LEONARDO (desconfortável): É que... (sorriso amarelo) eu tive um problema com o fornecedor e precisei ir pessoalmente resolver.

...

MUSIC ON: (NAKED - JAMES ARTHUR)

Pato e Nanda deitados na grama.

NANDA: Você é louco.

PATO: Esse é o melhor momento que eu tenho lá em casa. Eu gosto de deitar na grama com a Lua e olhar as estrelas e me desligar do mundo. Esquecer todos os problemas.

NANDA: O céu está bonito.

PATO: Sim, está maravilhoso. Tem algo que eu não te contei.

NANDA: O que?

PATO: Quando eu encontrei meu pai no apartamento, eu falei algo que tava preso há anos. Eu contei tudo o que eu senti quando eu perdi minha mãe. Sabe, eu sofri tanto Nanda.

NANDA: Eu imagino, Pato. Eu lembro o quanto você era apegado com a sua mãe.

PATO: Meu pai levou aquela mulher lá pra casa, grávida.

Eles se levantam.

NANDA: Não fique assim.

PATO: Obrigado por ter me ajudado hoje.

NANDA: Imagina. Amigos são para todos os momentos. (T) Felizes e tristes.

PATO: Você é incrível.

Nanda sorri. Pato acaricia o rosto de Nanda. Eles ficam próximos. Pato beija Nanda.

 
     
     
     
     

CAPÍTULO 17
 
     
 
 
 

CENA 01. CASA DE NANDA. JARDIM. EXT. NOITE.

 

MUSIC ON: (NAKED - JAMES ARTHUR)

 

Continuação do capítulo anterior. Pato interrompe o beijo. Nanda sorri.

 

PATO: Nanda, me desculpe. Eu não deveria ter feito isso. Foi o impulso. Foi mal.

 

Nanda observa Pato.

 

PATO: Nós somos amigos, eu não poderia, me desculpa Nanda.

 

NANDA (triste): Tá tudo bem. Relaxa. Como você disse, foi o impulso.

 

PATO: Vamos entrar?

 

NANDA (sem graça): Sim.

 

CORTA PARA

 

CENA 02. CASA DE NANDA. QUARTO. INT. NOITE.

 

Pato entra.

 

NANDA: Se faltar alguma coisa você me avisa, ok?

 

Pato abraça Nanda.

 

PATO: Mais uma vez, obrigado.

 

Nanda sorri.

 

NANDA: Eu to aqui pro que você precisar. Pode contar comigo.

 

Pato dá um beijo no rosto de Nanda. Ela sai e ele apaga a luz.

 

MUSIC OFF.

 

CENA 03. COSMÉTICOS LAMBERTINI. DIREÇÃO. INT. NOITE.

 

Leonardo sentado. Amanda em sua frente.

 

LEONARDO: Ele não atende minhas ligações.

 

AMANDA: Nem as minhas.

 

LEONARDO: E agora está desligado.

 

AMANDA: Ele deve dar notícias em breve, e outra, por incrível que pareça ele não matou aula hoje.

 

LEONARDO: Boa Amanda. Amanhã eu vou pessoalmente no colégio. A Juliana disse que ele foi pro colégio, mas matou a última aula. Além disso, eu recebi o comunicado do acampamento, será oportuno que ele participe.

 

AMANDA: Sim, ele precisa esfriar a cabeça.

 

Leonardo se levanta e vai até Amanda. O casal se beija. O celular de Leonardo toca.

 

LEONARDO: Olha a Kátia me chamando.

 

AMANDA (debocha): Você colocou uma música personalizada.

 

LEONARDO: Sinal de alerta.

 

Leonardo aperta um botão e o celular para de tocar.

 

AMANDA: Entendo.

 

LEONARDO: E você e o Pato, como vão ficar?

 

AMANDA: Eu to confusa com tudo o que está acontecendo. Não consigo pensar nisso agora.

 

LEONARDO: Melhor, vamos deixar isso pra depois. Vamos embora?

 

AMANDA: Sim.

 

LEONARDO: Antes me dê o último beijo.

 

Eles se beijam.

 

CENA 04. CASA DE RICARDO. SALA DE ESTAR. INT. NOITE.

 

Ricardo e Andréia, lado a lado na mesa de jantar. Ela, desconfortável. Ele olha em seu relógio de pulso.

 

RICARDO: Vou lá dentro saber o porquê da demora.

 

Andréia faz que sim. Ricardo sai. Ela tecla no celular para Lua e Larissa, ambas em suas respectivas casas. CÂMERA intercala as três.

 

ANDRÉIA: Ai amigas eu tô nervosa.

 

LUA: Se acalma, vai dar tudo certo.

 

LARISSA: Respira fundo que passa.

 

ANDRÉIA: Você diz isso Larissa porque você não está aqui no meu lugar.

 

LARISSA: Se eu estivesse aí com certeza não estaria nervosa.

 

LUA: Não comecem a brigar, por favor.

 

LARISSA: Desculpa, Andréia.

 

ANDRÉIA: Eu que peço desculpas, Larissa. Chega tô tremendo aqui.

 

LUA: Amiga, uma dica: seja a mais educada possível. Se eles falarem alguma coisa que você não gostou, não retruca.

 

LARISSA: E eu vi no filme uma vez que não se deve colocar os cotovelos em cima da mesa.

 

LUA: É. E quando for beber na taça não levanta o dedo mindinho.

 

LARISSA: Pera, Lua. Eu tinha visto uma vez que tinha que levantar.

 

LUA: Eu vi isso em um filme também.

 

LARISSA: Mas acho que é fake news.

 

ANDRÉIA: Levanta ou não levanta o dedo mindinho?

 

LUA: Gente, é melhor ser tudo ao natural. Amiga, seja você mesma.

 

ANDRÉIA: Eles estão vindo.

 

LUA: Tá bom, beijos.

 

LARISSA: Qualquer coisa manda mensagem.

 

Andréia disfarça e olha para Ricardo e seus pais que estão chegando. Esboça um sorriso.

 

ANDRÉIA: Olá.

 

Amélia (55 anos, alta, loira, cabelo curto, corpo esbelto) olha Andréia de cima a baixo com cara de poucos amigos.

 

RICARDO: Mãe, pai. Essa é minha namorada, Andréia.

 

Geraldo (58 anos, alto, grisalho e calvo, um pouco parrudo) vai à frente conduzindo a esposa até o assento. Todos se sentam.

 

GERALDO (leve sorriso): Olá, Andréia.

 

Andréia retribui com um sorriso amarelo.

 

ANDRÉIA: Olá, senhor.

 

GERALDO: Andréia, não precisa de formalidades, pode me chamar de Geraldo.

 

ANDRÉIA (sorri): Tudo bem, Geraldo.

 

RICARDO: Vamos sentar? Estou morrendo de fome.

 

GERALDO: A Nelsa já está trazendo o jantar. Então... como se conheceram?

 

Ricardo e Andréia sorriem meio sem graça.

 

ANDRÉIA: Pois é, né...

 

RICARDO: É... é uma longa história.

 

AMÉLIA (semblante fechado): Deve ter sido na Rocinha.

 

ANDRÉIA: Rocinha?

 

AMÉLIA: É a favela de onde você veio, né? Ou foi do Alemão.

 

ANDRÉIA (constrangida): Não dona... desculpa, você não me disse seu nome/

 

AMÉLIA: Amélia. E não me chame de dona.

 

ANDRÉIA (nervosa): Desculpa dona/ não, Amélia. Eu não vim de nenhuma comunidade.

 

AMÉLIA: É mesmo? Não parece.

 

RICARDO (fuzilando-a com o olhar): Mãe...

 

AMÉLIA: Cadê a Nelsa com o jantar? (grita) Nelsa!

 

NELSA (O.S): Já vou, madame.

 

AMÉLIA: Não se faz empregada como antigamente.

 

Nelsa e outras ajudantes chegam com o jantar e põe na mesa.

 

NELSA: Prontinho, madame.

 

AMÉLIA: Espero que não tenha exagerado no tempero dessa vez.

 

NELSA: Tá na medida, pode confiar.

 

Elas saem e deixam a família a sós.

 

ANDRÉIA: Nossa... nunca tinha comido lagosta antes.

 

GERALDO: Você vai gostar, é uma delícia.

 

ANDRÉIA: Como é que se come isso? É com a colher?

 

AMÉLIA: Hum, ela deve estar acostumada a comer carne com farofa, feijoada e pão com ovo.

 

ANDRÉIA (confirma com a cabeça): Sim, nem me fale, me dá até mais fome. (ri)

 

Amélia suspira e revira os olhos.

 

RICARDO (a Andréia): Deixa que eu ponho seu prato.

 

GERALDO: E aí, Andréia. O que você viu no meu filho pra querer namorá-lo? Ele é bem galanteador, não é? Puxou o pai aqui. (ri)

 

ANDRÉIA: Isso também, mas seu filho é muito educado e atencioso. Romântico também.

 

RICARDO: Tá me deixando sem graça. (sorri)

 

Em Amélia dando uma garfada e olhando séria para Andréia. 

 

CENA 05. CASA DE NANDA. SALA. INT. NOITE.

 

Nanda em pé e os pais sentados.

 

NANDA: Posso contar com vocês?

 

CELO: Sim, ele pode ficar aqui, só essa noite.

 

NANDA: Pai? O clima na casa dele está péssimo.

 

ESTELA: A Nanda tem razão Celo.

 

NANDA (fazendo cena): Ele precisa de ajuda, por favor pai, não me impeça de ajudar meu amigo.

 

CELO: Com essa carinha que você faz eu não consigo recusar. Tudo bem, vamos ajudar o Pato.

 

ESTELA (grita): Viva.

 

NANDA: Mãe, não grite, ele tá dormindo.

 

ESTELA (fala baixo): Desculpa filha.

 

Nanda dá um beijo no rosto de Celo.

 

NANDA: Obrigada, pai. Agora eu também vou deitar. Amanhã será um longo dia.

 

CELO: Boa noite, Nanda.

 

ESTELA: Ei, eu não ganho beijo não?

 

CELO: Larga de ser ciumenta mulher.

 

Nanda beija Estela no rosto.

 

NANDA: Satisfeita?

 

ESTELA: Agora sim. Boa noite filha.

 

Nanda sai.

 

CORTA PARA

 

CENA 06. CASA DE NANDA. QUARTO. INT. NOITE.

 

MUSIC ON: (NAKED - JAMES ARTHUR)

 

Nanda acende a luz e fecha os olhos.

 

FLASHBACK - CAPÍTULO 16, CENA 19,

 

NANDA (limpando o rosto dele): Não fique assim.

 

PATO: Obrigado por ter me ajudado hoje.

 

NANDA: Imagina. Amigos são para todos os momentos. (T) Felizes e tristes.

 

PATO: Você é incrível.

 

Nanda sorri. Pato acaricia o rosto de Nanda. Eles ficam próximos. Pato beija Nanda.

 

FIM DO FLASHBACK

 

Nanda pula na cama.

 

NANDA: Eu não acredito. O Pato me beijou.

 

Ela deita, ergue os pés e o movimenta feliz.

 

NANDA: Ele me beijou. Ah, foi tão lindo.

 

Nanda abraça a almofada.

 

NANDA (séria): E aquele lance de que somos amigos? Preciso falar com a Paulinha.

 

Nanda mexe no celular. Paulinha aparece na tela usando roupa de ginástica.

 

PAULINHA: Resolveu aparecer, é?

 

NANDA: Amiga você tá em pé? Senta.

 

PAULINHA: Eu não posso parar, estou fazendo ginastica.

 

NANDA: No quarto?

 

PAULINHA: Claro, depois eu vou tomar um banho e dormir feito uma princesa.

 

NANDA: Você precisa sentar. O que eu tenho pra contar se você estiver em pé você vai cair pra trás.

 

PAULINHA: É da carta?

 

NANDA: Esqueça a carta. Acabou de acontecer uma coisa e eu preciso te contar.

 

PAULINHA: Ai menina até parei o exercício. Você me deixou curiosa. Conta logo, o que aconteceu?

 

NANDA (sorri): Eu e o Pato nos beijamos.

 

PAULINHA (coloca a mão na boca/grita): Ahhhhh, eu não acredito. Como foi, me conta todos os detalhes na ponta da linha.

 

NANDA: O Pato apareceu no Seven Night...

 

Elas continuam conversando. A música aumenta.

 

CENA 07. MANSÃO LAMBERTINI. QUARTO. INT. NOITE.

 

Lua deitada na cama.

 

LUA: Eu nunca me apaixonei, então eu não sei se o que estou sentindo pelo Iago é amor.

 

Enquanto Lua fala, intercalar as cenas:

 

1. Pato dormindo.

2. Nanda olhando para o teto e sorrindo.

3. Paulinha tomando banho.

 

LUA: Eu gosto de conversar com ele, às vezes eu me pego pensando nele, só que ao mesmo tempo ele é estranho. Apesar de ser adolescente ele parece sempre estar ocupado.

 

4. Caio dormindo com o celular em seu peitoral. CAM foca no visor que mostra a mensagem: “Ei, Caio, tá aí ou dormiu? rsrs”

5. Diego deitado. CAM foca na porta do quarto entreaberta, onde Naná o observa.

 

LUA: Neste final de semana se der certo finalmente vamos nos conhecer e as respostas que eu tanto procuro, talvez eu possa encontrar.

 

6. A cam mostra o senhor de meia-idade de costas diante da tela do computador. Ele observa o perfil de várias adolescentes, dentre elas, Lua.

7. A câmera mostra a transição da noite para o dia com takes pela cidade.

 

MUSIC OFF.

 

CENA 08. COLÉGIO FRAN VICENTINI. PÁTIO. INT. DIA.

 

Alunos andam pelo corredor. Grego lê algo no caderno. Caio se aproxima.

 

CAIO (rindo): Depois quando te chamam de nerd, não adianta achar ruim.

 

GREGO: Cara eu to nervoso.

 

CAIO: Porque?

 

GREGO: Esqueceu que hoje é a entrega e apresentação do trabalho de literatura?

 

CAIO: Caraca, é mesmo. Eu acho que geral esqueceu.

 

GREGO: Você conhece o Arnaldo. Ele não vai querer saber de desculpas.

 

CAIO (preocupado): Que tenso, mano. Eu não estudei pra apresentação.

 

GREGO: Relaxa. Eu trouxe uma cópia, caso você esqueça algum ponto.

 

Grego entrega o papel a Caio.

 

MUSIC ON: (FLASHLIGHT - JESSIE J)

 

CAIO: Pow obrigado. Essa cópia vai me ajudar.

 

GREGO (rindo): Caio, eu não tenho muitas amizades aqui no colégio (T). A galera sempre me olhou torto, mas você foi diferente, eu não sei explicar... só sei falar que a sua amizade fez com que eu me sentisse bem aqui no colégio.

 

Caio fica sem reação por um instante.

 

CAIO: Você se preocupa com o próximo. Pessoas iguais a você é tão raro hoje em dia. (T) Gosto de pessoas assim.

 

Grego quase sorri, mas disfarça e olha no relógio.

 

GREGO: Caramba, falta pouco pro início da aula. Preciso revisar minha parte.

 

Caio senta ao lado dele.

 

CAIO: E eu a minha.

 

Os dois concentrados na leitura.

 

MUSIC OFF.

 

CAM procura por Diego que está andando de um lado para o outro mexendo no celular. Ele vê Pato e Nanda chegando juntos e se aproxima.

 

DIEGO: Ei, Pato.

 

Pato vê Diego.

 

PATO: E ae.

 

Eles fazem o cumprimento deles.

 

DIEGO: Ontem o tapado do Ismael falou pra diretora que você matou aula.

 

Paulinha chega e acena para Nanda.

 

NANDA: Eu encontro vocês depois.

 

PATO: Ok.

 

Nanda sai.

 

DIEGO: Pato, agora que estamos a sós eu preciso ter uma conversa séria contigo.

 

PATO: Aconteceu alguma coisa?

 

DIEGO: Você contou pra alguém da nossa aposta?

 

PATO: Claro que não.

 

DIEGO: Tem certeza?

 

PATO (sério): Não estou entendo onde tu quer chegar com esse papo. 

 

DIEGO: Ontem eu estava no Seven Night e a Nanda recebeu um alerta falando pra ela tomar cuidado com o admirador secreto.

 

PATO (surpreso): É sério isso?

 

DIEGO: Sim, eu li a carta. Essa história está sinistra.

 

PATO: Cara, é impossível que alguém tenha descoberto a nossa aposta.

 

DIEGO: Você não comentou nada com a Amanda?

 

PATO: Claro que não, brother. A ideia é que essa parada fique entre a gente. A Amanda nem suspeita de nada. E outra, eu terminei com ela.

 

DIEGO (indignado): Como assim?

 

PATO: Eu liguei pra você ontem, só que você não atendeu, nem retornou. Estava aonde?

 

DIEGO (nervoso): Por aí...

 

PATO: Está de segredo agora? Não posso saber?

 

DIEGO: Tava com uma gata.

 

PATO (bate no ombro do Diego): Esse é o Diegão que eu conheço. E aí, rolou?

 

DIEGO: Claro. Três vezes para ser mais claro.

 

PATO: E com a Nanda, quando vai ser? Não se esqueça que essa semana é o ultimato.

 

DIEGO: Não me esqueci desse detalhe. Mas tu não terminou com a Amanda? Como ficará essa parada?

 

PATO: Eu gosto da Amanda, só que ultimamente ela só tem pisado na bola comigo.

 

DIEGO: Cara, eu confesso que desde que você começou a se envolver com ela, tu ficou diferente. Sinto falta daquele Pato zoeira, sabe?

 

PATO: Agora que eu terminei com ela, o velho Pato está de volta.

 

DIEGO: E a nossa aposta? Até agora tu não provou que levou a Amanda pra cama.

 

PATO: Se é pela nossa aposta eu volto com ela, arrumo a prova e depois parto para curtição como nos velhos tempos tempos.

 

DIEGO: Fechou. Esse é o Pato que eu conheço.

 

CORTA PARA

 

CENA 09. COLÉGIO FRAN VICENTINI. BANHEIRO. INT. DIA.

 

Paulinha passa batom na boca. Nanda ao seu lado penteando os cabelos.

 

PAULINHA: Quer dizer que ele disse na carta que não é o admirador secreto?

 

NANDA: Sim, amiga. Isso que me deixou grilada, o recado era um alerta sobre as cartas que eu venho recebendo.

 

PAULINHA: Será que não é a mesma pessoa querendo te confundir?

 

NANDA: Espero que não, porque se for, eu não sei nem do que eu sou capaz de fazer.

 

PAULINHA: Nanda, pensando bem, se a carta é um alerta, é claro que ele sabe quem é o seu admirador secreto.

 

NANDA: Verdade amiga, não podemos descartar essa possibilidade. Ele poderia facilitar e escrever a carta a mão e não pelo computador.

 

PAULINHA: Espera, o Seven Night tem câmeras instaladas. Certo?

 

Nanda balança a cabeça confirmando.

 

PAULINHA: Então podemos acessá-las e descobrir quem está tentando te alertar.

 

NANDA (animada): Como eu não pensei nisso antes?

 

PAULINHA: Isso se chama trabalho em equipe.

 

As duas se abraçam.

 

NANDA: Hoje depois do almoço vamos desvendar quem está por trás desses alertas.

 

Em Nanda.

 

PAULINHA: E o casal love do colégio Fran Vicentini, como está?

 

NANDA: Amiga, fala baixo, ninguém pode saber disso.

 

PAULINHA: E o clima entre você e o Pato?

 

NANDA: Até agora eu não acredito no que aconteceu, só que eu não posso criar expectativas sendo que ele se desculpou pelo beijo.

 

PAULINHA: Parece que eu estou vendo a minha história com o Diego.

 

NANDA: Você conseguiu esquecê-lo?

 

PAULINHA: Pior que não. Quando eu penso nele, eu tento me distrair. Não é fácil, porém não é impossível. 

 

CENA 10. COLÉGIO FRAN VICENTINI. CORREDOR. INT. DIA.

 

MUSIC ON: (CÉU AZUL - ANA GABRIELA)

 

Alfredo com fone no ouvido mexe no celular. Milena carrega alguns livros, anda apressada, não vê Alfredo e esbarra nele.

 

ALFREDO: Ei, tá tudo bem?

 

Eles se encaram.

 

ALFREDO: Milena?

 

MILENA (sem graça): Ah, meus livros. Me ajuda aqui.

 

Alfredo recolhe os livros e entrega a Milena.

 

MILENA: Obrigada.

 

ALFREDO: Por nada.

 

Eles ficam em silêncio.

 

ALFREDO: É... É... você não respondeu minha pergunta.

 

MILENA: Ah, desculpe, eu estou tão distraída, qual foi a pergunta mesmo?

 

ALFREDO: Se está tudo bem com você?

 

MILENA: Não, eu não dormi nada essa noite, Alfredo.

 

ALFREDO: Você precisa procurar ajuda.

 

MILENA: É horrível ter insônia.

 

ALFREDO: E você tão jovem, precisa se cuidar.

 

MILENA (sorri): Obrigada pela preocupação. (T) Pode deixar que eu vou me cuidar.

 

ALFREDO: Olha que eu vou pegar no seu pé.

 

Milena sorri.

 

MILENA: Preciso ir, vou aplicar uma prova no segundo ano.

 

ALFREDO: Boa aula.

 

Milena sai. Alfredo a observa e sorri.

 

MUSIC OFF

 

CENA 11. COLÉGIO FRAN VICENTINI. SALA DO 1° ANO. INT. DIA.

 

Arnaldo sentado. Os alunos o encaram.

 

ARNALDO: E então, cadê os trabalhos?

 

PATO: Arnaldo, pode entregar na próxima aula?

 

ARNALDO: Mas é claro...

DIEGO: Ae, você é o melhor professor que existe nesse colégio.

 

ARNALDO: É claro que não... O prazo final é agora, quem não entregar terá zero.

 

NANDA: Poxa professor, dá uma segunda chance.

 

PAULINHA: Sim, por favor.

 

ARNALDO: Os prazos servem para serem cumpridos. Vocês tiveram tempo suficiente para fazer. Vou perguntar pela última vez, alguma dupla vai entregar o trabalho e apresentar?

 

Grego levanta a mão.

 

GREGO: Professor?

 

ARNALDO: Pois não, Grego?

 

GREGO: Eu e o Caio podemos apresentar?

 

Diego o olha de rabo de olho.

 

DIEGO: É sempre o nerdizinho que faz o trabalho. Sempre certinho, (voz debochada) o queridinho do professor.

 

Alguns riem.

 

ARNALDO: Muito engraçado, Diego. Vejo que você já tem uma ótima vocação para ser palhaço do circo. Não devia está debochando de quem tem responsabilidade e compromisso com suas obrigações, coisa que você não tem e provavelmente nunca terá. Caio e Grego, podem vir apresentar o trabalho.

 

Diego mudo com a resposta que recebeu. Caio e Grego, desconfortáveis, caminham até à frente do quadro e apresentam o trabalho. Professor, sério, dando zero aos restantes.

 

CENA 12. COLÉGIO FRAN VICENTINI. SALA DO 9° ANO. INT. DIA.

 

Sala barulhenta. Professora Vacine dormindo debruçada na mesa. Lua, Larissa e Andréia conversam.

 

LUA: Então amiga, você não contou como foi lá com os pais do Ricardo.

 

LARISSA: É mesmo, Andréia. Conta logo. Gostou ou não? Os pais dele são legais?

 

ANDRÉIA: É... mais ou menos. O pai é legal, já  a mãe...

 

LUA: Não gostou de você, imagino.

 

ANDRÉIA: Não mesmo. Não fiquei nem uma hora lá. A mãe queria que eu fosse logo embora porque acha que eu moro em área de risco.

 

Lua e Larissa pasmas.

 

LUA: Querida, área de risco é todo o Rio de Janeiro. Ela pensa que é quem?

 

Do outro lado da sala, DJ arranca uma folha de caderno e amassa.

 

DJ: Ei, Beto.

 

Beto o olha.

 

DJ: Será que eu acerto daqui?

 

BETO: Ué? Tenta.

 

DJ arremessa a bola de papel em Vanice, que desperta assustada.

 

VANICE: Quem foi o engraçadinho que fez isso?

 

Os alunos ficam em silêncio. Em Vanice encarando a turma.

 

CENA 13. COLÉGIO FRAN VICENTINI. QUADRA POLIESPORTIVA. INT. DIA.

 

Os alunos do 1° ano jogam basquete. Emílio coordena o jogo. As meninas assistem na arquibancada.

 

PAULINHA: Até que o novato joga bem.

 

NANDA: Aff, eu peguei ranço por esse moleque. Ele estragou nossa festa e ainda fica provocando nossos amigos.

 

PAULINHA: Eu gosto quando ele enfrenta o Diego.

 

NANDA: Ah, essa parte eu também curto.

 

As duas dão risadas.

 

Cam procura por Pato. Ele pega a bola e a acerta no peitoral de Ismael.

 

ISMAEL: Ei, cara, você ficou louco?

 

PATO: Foi mal.

 

Emílio apita.

 

EMÍLIO: Está tudo bem aqui?

 

PATO: Sim.

 

EMILIO: Certeza?

 

ISMAEL: Sim, pode continuar o jogo, o colega aí só errou.

 

Emílio faz o sinal para retornarem ao jogo.

 

Cam procura por Paulinha e Nanda.

 

PAULINHA: O que foi aquilo?

 

NANDA: Algo me diz que esse jogo não vai acabar bem.

 

Cam volta para o jogo. Diego acerta a bola nas costas de Ismael. Ele se vira.

 

ISMAEL (sério): Vocês estão de marcação comigo?

 

DIEGO: Sim, algum problema?

 

ISMAEL (bate no peito): Então porque vocês não resolvem como homens?

 

Diego avança em Ismael e acerta um soco nele. Ismael revida. Pato empurra Ismael. Emílio se aproxima e separa a briga.

 

EMÍLIO: Os três para a direção agora.

 

CORTA PARA

 

CENA 14. COLÉGIO FRAN VICENTINI. DIREÇÃO. INT. DIA.

 

Juliana diante de Pato, Diego e Ismael.

 

JULIANA: Eu posso saber qual foi o motivo dessa briga na aula de Educação Física?

 

ISMAEL: Diretora, desde que eu cheguei no colégio o Pato e o Diego me perseguem.

 

PATO: Fala pra diretora porque nós te perseguimos.

 

ISMAEL: É isso que eu quero saber. O que eu fiz?

 

DIEGO (grita): VAI SE FAZER DE VÍTIMA?

 

ISMAEL: Não sei do que você está falando.

 

PATO: A festa na minha casa não te lembra nada?

 

ISMAEL: Sim, lembro do incômodo que o barulho da festa causou na vizinhança.

 

DIEGO: E o que você fez?

 

ISMAEL: O que qualquer outro vizinho deveria ter feito. Fui até o local, pedi para encerrarem o som, porque eu não conseguia dormir e encontrei adolescentes irresponsáveis bebendo e fazendo coisas impróprias. Eu fiz o que era certo, liguei para a polícia.

 

PATO (bate palmas): Olha só, finalmente resolveu confessar?

 

ISMAEL: O que eu fiz foi errado diretora?

 

Diego puxa Ismael pelo uniforme.

 

DIEGO: Eu vou quebrar a sua cara.

 

JULIANA (preocupada): Diego, solte o Ismael.

 

Os dois caem no chão.

 

JULIANA (grita): RAMIROOOOO.

 

Ramiro entra, limpa a maçaneta.

 

JULIANA: Anda homem, você não está vendo a briga?

 

Ramiro separa os dois.

 

JULIANA: Isso foi o cúmulo.

 

RAMIRO: O que a senhora fará?

 

JULIANA: Essa atitude é digna de suspensão. Ramiro, chame os pais deles AGORA.

 

PATO: O que meu pai vai fazer aqui? Ele já sabe que eu fui parar na delegacia.

 

JULIANA: Eles terão o conhecimento do porque os filhos estão ganhando suspensão.

 

DIEGO: Suspensão? E o acampamento?

 

JULIANA: Vocês acham que merecem ir?

 

PATO: Diretora, você vai nos proibir de ir ao acampamento, por causa desse otário do Ismael?

 

JULIANA: Patrício Lambertini, tenha modos.

 

ISMAEL: Posso sair?

 

JULIANA: Não. Enquanto os pais de vocês não chegarem, vocês ficarão aqui na direção.

 

Cam foca nos rapazes que estão insatisfeitos com a decisão. Em Juliana.

 

CORTA PARA

 

Juliana diante de Leonardo.

 

LEONARDO: Juliana, eu preciso que você reveja a decisão e permita que o Pato participe do acampamento.

 

JULIANA: Diante do que você me falou sobre o clima entre vocês, eu não vejo outra alternativa a não ser reduzir a suspensão. (T) Peço que não diga que ele vai ao acampamento ainda, serve até como alerta para ele se comportar e ficar na dúvida se vai ou não.

 

LEONARDO: Concordo, pode prosseguir dessa maneira. Posso pedir mais uma coisa?

 

JULIANA: Se estiver ao meu alcance.

 

LEONARDO: Permita que uma amiga do Pato participe do acampamento.

 

JULIANA: Infelizmente essa decisão eu não vou poder autorizar.

 

LEONARDO: Juliana, eu preciso da sua ajuda nessa autorização.

 

JULIANA: Leonardo, essa solicitação eu não vou conseguir atender. Não está nas normas do tradicional acampamento do ensino médio a participação de outros alunos que não estão na turma deles.

 

LEONARDO: Eu preciso que você reveja esse pedido e me dê um feedback. Pense com calma, essa decisão pode ajudar a me reaproximar do meu filho.

 

JULIANA: Vou pensar.

 

LEONARDO: Ótimo. Quando você dá uma resposta?

 

JULIANA: Eu te comunico antes da sexta.

 

Em Juliana.

 

CENA 15. COLÉGIO FRAN VICENTINI. PÁTIO. INT. DIA.

 

Amanda e Pato sentados no banco.

 

AMANDA: Fiquei preocupada, você não me atendeu. Onde você passou a noite?

 

PATO: Amanda, porque você não me contou que estava trabalhando na empresa do meu pai?

 

AMANDA (triste): Eu precisava tanto do emprego. Eu pedi pro seu pai não contar nada. Eu não fiz nada de errado, Pato.

 

Amanda chora.

 

AMANDA: Eu gosto tanto de você. Eu não queria que isso fosse o motivo do fim do nosso namoro.

 

PATO: Você sabe que eu odeio mentiras.

 

AMANDA: Se eu pudesse voltar no tempo, eu faria tudo diferente.

 

Pato encara Amanda.

 

AMANDA: Pato, fala alguma coisa.

 

PATO: Eu fiquei com muita raiva, não vou negar.

 

AMANDA: Eu senti tanto a sua falta ontem e o que está me deixando mais apreensiva é que você terminou comigo. Eu te amo tanto.

 

PATO: Ama mesmo?

 

AMANDA: Sim, meu amor.

 

PATO: Não se esqueça que eu odeio mentiras.

 

AMANDA: Não vou esquecer. Isso quer dizer que estamos voltando?

 

PATO: Sim.

 

Pato abraça Amanda. Ele vê Diego de longe e sorri. Diego comemora. O casal se beija.

 

CENA 16. SEVEN NIGHT. ESCRITÓRIO. INT. DIA.

 

No local há armários, mesas, computador. Nanda senta, abre a mochila e encontra uma carta.

 

NANDA: Paulinha, veja isso.

 

PAULINHA: Outra carta.

 

Paulinha pega a carta da mão de Nanda e abre.

 

NANDA: Apressadinha, você em.

 

PAULINHA (risada): É curiosidades mesmo.

 

Paulinha lê a carta e Nanda a observa.

 

PAULINHA: Own, que fofo, amiga.

 

NANDA: O que ele falou?

 

PAULINHA (lendo): “Querida Nanda, escrevi o teu nome em todas as paredes do meu coração, em letras bem grandes. Assim, se alguém conseguir entrar, vai saber que ele já tem dono. Você não tem ideia do quanto eu pensei em você hoje. Eu gostaria de me encontrar com você. Se você quiser conhecer seu admirador secreto, amanhã vá ao colégio de cabelo amarrado, assim eu vou saber a sua resposta. Tenha um ótimo dia, Nanda.”

 

NANDA: Paulinha, ele escreve tão bem.

 

PAULINHA: Até eu fiquei apaixonada.

 

NANDA: Eu to nervosa.

 

PAULINHA: Oxe menina, porque?

 

NANDA: Ele quer uma resposta amanhã.

 

PAULINHA: Você vai de cabelo amarrado né?

 

NANDA: Tenho outra escolha?

 

PAULINHA: Isso aí, amiga. Mantenha o foco.

 

NANDA: Falando em foco, o computador ligou. Chegou a hora de descobrir quem está fazendo os alertas sobre o admirador secreto.

 

Em Nanda.

 

Encerra com a música: SOMETHING JUST LIKE THIS - THE CHAINSMOKERS & COLDPLAY

 
     

 

     

autores
GABO OLSEN
KAX SILVA

colaboração
IGOR FEIJÃO

elenco
NICOLAS PRATTES como PATO
ALICE WEGMANN como NANDA
JOSÉ VICTOR PIRES como DIEGO
LETÍCIA NAVAS como PAULINHA
JOÃO VITHOR OLIVEIRA como CAIO
LARISSA MANOELA como LUA
ERIBERTO LEÃO como LEONARDO
TALITA CASTRO como KÁTIA
JUAN ALBA como HEITOR
CAROLINA FERRAZ como SELMA
ÂNGELA LEAL como NANÁ
JANDIR FERRARI como MARCELO
ÂNGELA DIP como ESTELA
DALTON VIGH como RUBENS
LUCIANA VENDRAMINI como MIRTES
FILIPE BRAGANÇA como GREGO
LUCAS COTRIM como DJ
RAISSA CHADDAD como LARISSA
NICHOLAS TORRES como RICARDO
HESLAINE VIEIRA como ANDRÉIA
GABRIEL SANTANA como ISMAEL
CARLA FIORONI como JULIANA
MARCELLO AIROLDI como ARNALDO
VERA ZIMMERMANN como LÚCIA
SANDRA PÊRA como VANICE
WAGNER SANTISTEBAN como ALFREDO
MARISOL RIBEIRO como MILENA
JIDDÚ PINHEIRO como RAMIRO
FERNANDO PAVÃO como EMÍLIO
MARIANNA ARMELLINI como LULU
HALL MENDES como BETO


trilha sonora
NEVER LET ME GO - ALOK, BRUNO MARTINI, ZEEBA (abertura)
NAKED - JAMES ARTHUR
FLASHLIGHT - JESSIE J
CÉU AZUL - ANA GABRIELA


produção

BRUNO OLSEN
CRISTINA RAVELA


Esta é uma obra de ficção virtual sem fins lucrativos. Qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência.


REALIZAÇÃO


Copyright
© 2018 - WebTV
www.redewtv.com
Todos os direitos reservados
Proibida a cópia ou a reprodução
.aaa.
.aaa.

Compartilhar:

Postar um comentário

 
Copyright © WebTV | Design by OddThemes