New Stages - 3x07



3x07 - ÚLTIMO EPISÓDIO
 
 
 
 
 

VOZ DE JOSH – Anteriormente em New Stages...

-------- 
 
PROFESSORA – ...O que vocês devem descobrir é que também somos um personagem. A diferença é que este não é ficcional. É real. E todos os dias, nós tentamos construir a nossa própria história e conduzi-la da melhor forma possível, explorando cada conflito, em busca de um final feliz. E cada um de vocês é protagonista da sua própria história. Vocês já pensaram em como vão planejá-la e desenvolvê-la?
 
Close em Chelsea. Ela sorri esperançosa, sugerindo que tem alguma ideia em mente.

--------  
 
SUZIE
– ...Eu só aceitei dar aulas na San Francisco High School porque você me disse que o professor de História tinha deixado sua vaga à disposição e precisavam de alguém para preenchê-la às pressas.
 
ERIC – Sim, e o cargo continua disponível até o momento. A escola está selecionando novos nomes para assumir a carga horária das aulas de História. Quem sabe o seu nome pode estar entre eles. (olha no fundo dos olhos de Suzie) Pense bem no que eu estou dizendo...
 
SUZIE – Ok, você me convenceu. Eu juro que eu vou pensar...

--------  
 
MARTA
– Eu estou tão surpresa quanto vocês, garanto. O meu restaurante sempre foi muito bem higienizado. Não consigo entender de onde essas baratas surgiram.
 
INSPETOR 2 – Se você não consegue entender, senhora Benton, a gente menos ainda. (preenchendo um papel em sua prancha) O seu restaurante passará por uma inspeção feita pela nossa equipe. Enquanto isso, ele será interditado pela Vigilância Sanitária.

--------  
 
MARTA
– Ótimo, você tirou o meu restaurante de mim, mas tem uma coisa que você nunca vai me tirar...
 
MEGHAN – (fica frente a frente com Marta) Ah, é?
 
MARTA – Sim. A minha família. Essa você nunca vai conseguir destruir ou separar. (sorri desafiadoramente) Lembra quando você me disse que eu não ia conseguir tirar o Alex de você? Bom, não foi isso que eu vi nas últimas horas. (provoca) Você irá embora para Nova York e o Alex morará embaixo do mesmo teto que eu. Quem acabou vencendo este jogo mesmo?

--------

JOSH – ...Quero dizer, eu quero sim a sua amizade. Quero ter ela pelo resto da minha vida. Mas eu também quero que estejamos juntos de corpo e alma. (olha no fundo dos olhos do garoto) Eu ainda te amo...
 
RYAN – Josh, eu acho que nem preciso dizer que, durante todo esse tempo, você nunca saiu da minha cabeça. Eu cometi muitos deslizes nos últimos tempos e eu me culpo até hoje por, um dia, ter te afastado de mim. (sorri) Eu também te amo.

--------

CENA 01. UNIVERSIDADE DA CALIFÓRNIA. CAMPUS. ALOJAMENTO. DORMITÓRIO DE JOSH E MATT. INT. DIA.

A imagem abre no dormitório de Josh. O garoto está se olhando em frente ao espelho. Ele coloca o casaco e passa as mãos sobre o cabelo a fim de ajeitá-lo. Alguém bate a porta.

JOSH – (ainda se olhando para o espelho) Quem é?

VOZ MASCULINA – Entrega para o senhor Josh Parker.

JOSH – (diz para si mesmo) Para mim? (aumenta o tom de voz) Um momento.

Josh caminha em direção a porta e a abre. Ele se depara com um entregador que traz uma cesta de café da manhã em mãos.

ENTREGADOR – (olhando para o papel) Por acaso você é Josh Parker?

JOSH – Sim, eu mesmo.

ENTREGADOR – Isso é para você.

Sem entender, Josh pega a cesta de café da manhã. O entregador aproxima dele uma prancheta com uma caneta sobre ela. Josh, rapidamente, assina o papel.

ENTREGADOR – (guardando a prancheta) Tenha um bom dia.

JOSH – Obrigado.

Josh entra no dormitório com a cesta em mãos e fecha a porta. Ele caminha até a cama e coloca o presente sobre ela. O garoto percebe que há um cartão colado na alça da cesta e decide lê-lo.

JOSH – (abre o envelope e retira o papel de dentro dele) Ryan. (o garoto sorri e começa em voz alta) Estou mandando essa cesta de café da manhã para que você possa começar o nosso primeiro dia juntos com bastante energia e disposição. E, claro, pensando em mim. Com amor, Ryan.

Josh sorri, apaixonado, e volta a guardar o papel dentro do envelope. Ele se senta sobre a cama e fica observando a cesta, encantado. A imagem corta rapidamente para:

 
 
     
 
 
     





3x07 - O COMEÇO DO FIM (SERIES FINALE)
 
     

CENA 02. CASA DE MARTA. COZINHA. INT. DIA. 

Marta está colocando o café da manhã sobre a mesa. Alex entra no local vestindo um terno.

ALEX – Posso saber por que acordou tão cedo?

MARTA – (ao notar a presença do ex-marido) Bom dia, Alex. (respondendo a pergunta dele) Desde que o restaurante foi interditado pela vigilância sanitária, eu não consigo mais pregar os olhos. Tiraram uma parte de mim.

ALEX – Marta, você precisa aproveitar esse tempo sem o restaurante para descansar.

MARTA – Alex, como eu posso descansar sabendo que a Meghan armou para que o meu local de trabalho fosse fechado?

ALEX – Marta, eu tenho que reconhecer que a Meghan jogou sujo com você. Muito sujo. Mas isso não é definitivo. Em breve, você terá o seu restaurante em mãos novamente e poderá dar continuidade ao seu trabalho. Acredite!

MARTA – Eu estou em dúvidas quanto a isso. Encontraram baratas circulando pela cozinha, Alex. A impressão que tiveram é de que o meu restaurante não tinha boas condições de saúde e higiene.

ALEX – Marta, se você quiser, nós podemos entrar com um processo contra a Meghan. Quero dizer, vai ser complicado provar que foi ela que implantou as baratas no restaurante, mas não é impossível. Nós podemos ir atrás daquele cara com quem você conversou antes dele entrar na cozinha.

MARTA – Não, Alex, eu não quero mais prosseguir com esse incidente. A Meghan já foi embora e eu me sinto aliviada por isso. Eu não quero voltar a envolvê-la em nossas vidas. (pausa) O que me resta agora é esperar a decisão da vigilância sanitária.

ALEX – (se aproxima de Marta) Não, Marta, eu não quero e nem posso continuar esperando e te vendo nessa aflição. Aquele restaurante significa muito para você. E você significa muito para mim. Está vendo esse terno que estou vestindo? Hoje mesmo volto para Nova York para pedir transferência do meu emprego para San Francisco. Quero refazer a minha vida aqui. Próximo a você e próximo ao Josh.

MARTA – Alex, eu fico muito feliz por você ter escolhido ficar perto do seu filho.

ALEX – Sim, e eu vou aproveitar a viagem para ir atrás da Meghan. Você não quer voltar a envolvê-la em nossas vidas, eu entendi, mas eu não posso deixar que ela tire de você algo que te faz feliz e realizada profissionalmente. A Meghan vai vir para San Francisco e vai assumir para a vigilância sanitária que as baratas implantadas no Benton’s foram uma grande armação.

MARTA – Alex, não precisa se preocupar com isso.

ALEX – Marta, durante todo esse tempo, eu vi todo o esforço e toda a dedicação que você depositou naquele lugar. A vigilância sanitária interditou o restaurante por achar que ele estava em condições precárias de higiene e podem tirá-lo definitivamente de você. Como eu disse, você vai tê-lo de volta. E eu vou fazer isso por você. Eu não quero que o sonho pelo qual você tanto lutou para almejar acabe por causa de uma atitude da Meghan.

MARTA – (deixa uma lágrima rolar sobre o seu rosto) Obrigada, Alex.

ALEX – Eu te conheço desde quando fazíamos o segundo grau. Nós crescemos juntos, amadurecemos juntos e aprendemos muito juntos. E ao longo de todos esses anos, você sempre foi a mulher que eu mais admirei em toda a minha vida. Eu fui muito burro em ter te perdido quando éramos casados. E fui muito burro quando propus outra mulher em casamento, quando a que eu amava de verdade estava me esperando aqui em San Francisco.

MARTA – (limpa a lágrima que rolava sobre o seu rosto) Alex, o que você está dizendo?

ALEX – O ponto aonde eu quero chegar é que eu estou voltando para San Francisco definitivamente não só pelo Josh, mas por você. Quando eu chegar de Nova York e limpar toda a sujeira que a Meghan aprontou, eu quero morar nesta casa, dormir na mesma cama que você e quero que a gente se case de novo.

MARTA – Alex, você está me pedindo...

Antes que Marta conclua o que iria dizer, Alex se ajoelha sobre o chão e tira de dentro do bolso do paletó uma caixinha de anel, oferecendo-a a Marta.

ALEX – Você quer se casar comigo?

Close em Marta, emocionada.

MARTA – Claro que eu quero.

Alex sorri e abre a caixinha de anel, tirando a aliança que estava dentro dela. Então, segura a mão de Marta e encaixa a aliança em seu dedo médio. Em seguida, se levanta e se aproxima de Marta, encostando seu corpo ao dela e lhe dando um longo e apaixonado beijo.

ALEX – (interrompe o beijo) Escuta o que eu vou te dizer, Marta. Nós vamos recuperar o Benton’s. Vamos recuperar a nossa família. E vamos ser muito felizes novamente. Este é só o começo de nossas vidas. A família Parker.

Marta sorri e volta a beijá-lo, apaixonadamente. A imagem corta rapidamente para:

CENA 03. SAN FRANCISCO HIGH SCHOOL. SALA DO TREINADORE ERIC. INT. DIA.

Eric está concentrado em frente ao seu notebook. De repente, a porta se abre e Suzie entra na sala, carregando alguns livros em mãos.

ERIC – (tira os olhos do computador) Suzie, o que está fazendo aqui? Veio me deixar algum recado?

SUZIE – Sim, eu vim te dar um recado. (sorri) Eu vim dizer obrigada.

ERIC – (se levanta da cadeira) Você está me agradecendo pelo o quê?

Eric dá a volta em torno da mesa e se aproxima de Suzie.

SUZIE – Eu estou te agradecendo por ter entrado na minha vida e me ensinado o verdadeiro significado de uma relação entre um homem e uma mulher. Digo, o que eu estou vivenciando agora, eu nunca pude vivenciar antes.

ERIC – Suzie, quando eu me dispus a me envolver com você, eu deixei bem claro que o meu objetivo era te fazer feliz. Era fazer você esquecer todo o seu passado lamentável ao lado do Kurt.

SUZIE – E você conseguiu. Eu posso dizer que hoje eu sou uma mulher muito feliz e muito realizada. Durante todo esse tempo que estamos juntos, você sempre esteve ao meu lado, sempre me apoiou e, acima de tudo, você sempre me respeitou, Eric. É por isso que eu vim agradecer. E, claro, obrigada por ter me estimulado a isso.

ERIC – Ao que?

SUZIE – A voltar me sentir viva e ativa. Eu estava realmente decidida a deixar a San Francisco High School e você me convenceu a não fazer isso. Você me convenceu a levantar a cabeça e a voltar para cá. Eu segui o seu conselho e, bem, aqui estou. (sorri) Eu estou de volta a San Francisco High School como professora titular de História.

ERIC – Meu amor, eu fico muito feliz por você...

SUZIE – Eric, se você quiser, eu estou mais do que preparada para construir uma família ao seu lado.

ERIC – Isso é o que eu mais quero em toda a minha vida.

Suzie e Eric sorriem um para o outro e, por fim, se beijam. A imagem corta rapidamente para:

CENA 04. UNIVERSIDADE DA CALIFÓRNIA. CAMPUS. SALA DE AULA. INT. DIA.

A sineta da Universidade da Califórnia começa a tocar, anunciando o fim de mais uma aula. A professora fecha o seu livro e se despede dos alunos.

PROFESSORA – Bom, continuamos a falar a respeito deste assunto na próxima aula. (sorri) Até semana que vem.

Os alunos guardam seu material na mochila e saem, apressados, restando apenas Chelsea na sala de aula. Ela se levanta da sua carteira e caminha até a professora, com alguns papeis em mãos.

CHELSEA – Olá, professora. A senhora está muito ocupada?

PROFESSORA – (coloca sua bolsa no ombro e olha para Chelsea) Não, querida, o meu horário de aulas já acabou por hoje. Você tem alguma dúvida e quer que eu esclareça?

CHELSEA – Não, na verdade, eu quero falar com você sobre um projeto que estou desenvolvendo. Um projeto que não tem nada a ver com as aulas de Drama, mas que eu inicializei a partir de uma delas.

PROFESSORA – Querida, isso me interessa muito.

CHELSEA – Bom, você se lembra da aula em que falamos sobre a estrutura de um roteiro? Você disse que os personagens eram peças essenciais numa narrativa, pois eles que davam vida à história. E nos aconselhou a ser protagonistas de nossas próprias vidas e conduzi-las em direção a um final feliz.

PROFESSORA – Claro que me lembro. Pelo jeito, você prestou muita atenção no que eu disse.

CHELSEA – Sim, tudo o que foi dito naquela aula me marcou muito, porque por um momento eu pude reavaliar a minha própria vida e descobrir que eu era a autora dela. No mesmo dia, eu resolvi começar a escrever sobre tudo o que me aconteceu nos últimos anos. Colocar tudo no papel. E encontrar uma explicação para tudo o que tinha me ocorrido.

PROFESSORA – E no que isso resultou?

CHELSEA – (entrega os papeis que segurava para a professora) Nestes rascunhos. Eu não sei definir o que eu escrevi aí. Não é uma peça de teatro, não é um roteiro de filme ou de novela. É a minha própria vida. Contada em linhas. Onde eu sou a personagem principal e eu desabafo comigo mesma todos os problemas e desafios pelos quais passei e venci.

PROFESSORA – Chelsea... (folheando os papeis) Isso é maravilhoso! Você levou a minha aula em sentido literal. Você pegou a sua vida e a transformou em uma história. Em uma grande história. Você está a conduzindo conforme uma narrativa. Eu não sei se você percebeu, mas está escrevendo um livro.

CHELSEA – (olha surpresa para a professora) Um livro?

PROFESSORA – Sim, um livro. Será que eu posso levar esses papeis comigo?

CHELSEA – Sim, claro.

PROFESSORA – Ótimo, eu estou realmente curiosa quanto a isso. Eu prometo que lerei e te darei a minha opinião o mais breve possível. O que eu posso adiantar, Chelsea, é que você está no caminho certo e deve continuar investindo nesta ideia.

CHELSEA – Mas por quê? Quero dizer, o meu sonho sempre foi entrar para a universidade e me dedicar inteiramente a um curso profissional de Drama, ganhar experiência no ramo da atuação e ser uma grande atriz. Nos meus tempos de escola, eu até era conhecida como “A Rainha do Drama”. Por que agora eu tive essa ideia maluca de não mais ser atriz, mas autora?

PROFESSORA – Chelsea, porque assim como um bom livro, a vida é imprevisível. Nunca sabemos o que realmente nos espera e precisamos folhear cada página para descobrir ao que estamos designados. (sorri) Chelsea, eu sei que é cedo pra dizer isso, mas eu quero te apoiar neste projeto. Você passou por muitos problemas e precisa compartilhá-los com outros jovens.

CHELSEA – Você acha que eu devo?

PROFESSORA – Eu tenho certeza. Os jovens precisam disso. Precisam entrar em contato com os dilemas adolescentes.

CHELSEA – Muito obrigada por me encorajar a isso. Eu estou muito animada com a ideia.

PROFESSORA – Então vamos levá-la em frente. Chelsea... (balança os papeis) Isso é só o começo do seu futuro promissor.

Close em Chelsea, que sorri. A imagem corta rapidamente para:

CENA 05. VIGILÂNCIA SANITÁRIA. FACHADA. EXT. DIA.

Um carro preto estaciona em frente a sede da vigilância sanitária local de San Francisco. De dentro dele, descem Alex e Meghan.

MEGHAN – (gritando) Eu não acredito que você me fez vir para San Francisco por causa dessa palhaçada.

ALEX – Palhaçada que você mesma aprontou. E como foi a autora disso, é o seu dever limpar a bagunça.

MEGHAN – Como você pode ter tanta certeza de que fui eu que mandei implantar aquelas baratas no restaurante mequetrefe da Marta?

ALEX – Porque eu conheço a Marta mais do que ninguém e sei que ela sempre zelou pelas boas condições daquele lugar. Ela jamais deixaria que uma única barata circulasse por lá. E, convenhamos, Meghan, depois que o restaurante foi interditado, você fez questão de estar lá para cantar vitória em cima da Marta.

MEGHAN – Tudo bem. Eu confesso, eu fui a responsável pela implantação das baratas, mas saiba que eu não me arrependo um único momento de ter feito isso. Aquela foi a oportunidade perfeita para derrubar a Marta e eu não pude desperdiçá-la.

ALEX – E agora você vai entrar lá dentro e contar tudo o que está me dizendo para os inspetores da vigilância sanitária. Chega de prejudicar os outros, Meghan. Eu não tenho mais paciência para o seu egoísmo.

MEGHAN – Eu farei isso, Alex, mas porque você está me pedindo. (se aproxima dele) Você sabe que eu faço tudo por você.

ALEX – Meghan, eu já disse para você não se aproximar de mim. Ainda mais depois de tudo o que aprontou contra a mulher que eu amo.

MEGHAN – (começa a rir) Você está se referindo a Marta? Alex, eu não acredito que você foi capaz de me trocar por ela.

ALEX – Eu não acredito que eu fui capaz de trocar ela por você. (encara Meghan com fúria) Você é simplesmente a criatura mais nojenta e desprezível com quem eu vivi. Agora entra lá, dê um ponto final nisso e suma definitivamente de nossas vidas.

Close nos olhos marejados de Meghan.

MEGHAN – E você acha mesmo que eu vou dar essa história por acabado tão fácil assim?

ALEX – Sim, você vai. Você não disse que faz tudo o que eu pedir? Pois bem, esse é o meu último pedido. (diz com firmeza) Fica longe da minha família!

Meghan deixa uma lágrima rolar sobre o seu rosto, mas a limpa rapidamente e entra na sede da vigilância sanitária bastante apressada. Alex tira o celular do bolso e disca o número desejado.

ALEX – (leva o aparelho até o ouvido) Meu amor? Prepare-se para voltar ao trabalho. Dentro de alguns minutos, toda essa sujeira estará limpa e o Benton’s voltará a ser seu. (tempo) Quanto a Meghan, fique tranquila, ela jamais voltará a nos infernizar.

Close em Alex, orgulhoso.

CENA 06.

(música: Good Girl - Carrie Underwood)

Tomada da cidade de San Francisco com imagens dos principais pontos turísticos locais. Surge a seguinte legenda:

 

 

CENA 07. ESTÚDIO DE TELEVISÃO. PALCO. INT. NOITE. 

(A música tocada na cena anterior continua a ser executada nesta.)

Josh, Ryan, Keith e Matt entram, muito bem vestidos, no estúdio televisivo e caminham em direção aos bancos da platéia. Close em Keith, eufórica.

KEITH – Quem diria que, um dia, eu pisaria num estúdio de televisão de verdade?

MATT – Quem diria que, um dia, a Chelsea seria a convidada especial de um programa de entrevistas?

KEITH – (tirando o Iphone do bolso) Mal vejo a hora de postar fotos exclusivas para todos os seguidores do fã-clube oficial da Chelsea no Twitter.

JOSH – (se sentando em um dos bancos) Eu estou muito feliz pela Chelsea. Ela passou por muitos problemas nos últimos anos e, muitas vezes, pensou que não iria ser forte o suficiente para passar por cima deles.

RYAN – (sentando-se ao lado de Josh) Sim, ela conseguiu. E veja aonde chegou. Em um estúdio de TV de verdade, em um programa de entrevistas de verdade, falando sobre o livro que ela mesma escreveu sobre a sua vida.

KEITH – (sentando-se ao lado de Matt) Livro que, devo realçar, está em primeiro lugar entre os mais vendidos na lista do New York Times. (bate palmas eufórica) Que orgulho de ser a melhor amiga da Chelsea. Eu sempre soube que ela seria uma vencedora.

(Música cessa.)

De repente, outras pessoas começam a entrar no estúdio e a se acomodarem nos bancos da plateia.

KEITH – (gritando para as pessoas) Podem chegar, pessoal. Estão animados para a primeira entrevista oficial da Chelsea sobre o seu primeiro livro em lançamento? (sorri) Eu sei que estão. Se no final do programa, quiserem autógrafos ou contratarem a autora para outras aparições na mídia, venham até mim, porque eu sou a assessora de imprensa dela e a responsável por sua agenda de compromissos.

MATT – (sussurra no ouvido de Keith) Quer fazer o favor de se comportar? Aposto que não quer ser expulsa do estúdio antes mesmo do programa começar.

KEITH – Matt, você sabe com quem está falando? Eu sou a assessora de imprensa da Chelsea. Este programa não receberia a ilustre presença dela hoje se não fosse por mim. Eles não podem me expulsar.

MATT – Ok, não está mais aqui quem falou.

KEITH – É claro que eu queria que a Chelsea estivesse num programa de entrevistas com maior buzz... (realça) É a palavra que todo assessor de imprensa descolado usa... (sorri) E de renome, como no da Oprah Winfrey, por exemplo, mas nos contentamos com este por hoje...

De repente, as luzes do estúdio se acendem.

PRODUTOR – (apenas a voz) Entramos no ar ao vivo em cinco segundos.

KEITH – (eufórica) Vai começar! Vai começar! Fiquem em silêncio! Vai começar!

Close em Josh, Ryan e Matt, quem riem. A vinheta do programa começa a ser exibida e a apresentadora, usando um belíssimo vestido preto, entra no palco sorridente.

APRESENTADORA – Boa noite, senhoras e senhores. Eu sou Juliette Garner e este é o Cara a Cara. No programa de hoje, eu tenho a honra de receber uma garota que, com apenas 19 anos, está entre os nomes mais comentados pela mídia e pelo público nos últimos meses. Ela acaba de lançar o seu primeiro livro, intitulado “A Boa Garota”, que já está entre os mais vendidos, onde relata sobre algumas dificuldades pelas quais ela enfrentou com a cabeça erguida. (estende os braços) Com vocês, Chelsea Harris.

Chelsea, muito elegante e aparentemente tímida, entra no palco acompanhada dos aplausos da plateia. Ela se aproxima da apresentadora e a abraça. Então, se vira para a plateia e acena para ela, em especial, Josh, Ryan, Keith e Matt.

JULIETTE – (apontando uma poltrona para Chelsea) Sente-se, querida, o programa é todo seu.

CHELSEA – Obrigada. (sentando-se na poltrona) Eu estou um pouco embaraçada, mas é um grande prazer estar aqui.

JULIETTE – (sentando-se à bancada) O prazer é meu em recebê-la. (bebe um pouco de café elegantemente) Chelsea, de onde surgiu a ideia de escrever um livro sobre as suas próprias experiências como uma adolescente comum?

CHELSEA – Na verdade, a minha maior inspiração para escrever este livro surgiu a partir de uma aula de Drama que eu cursava na Universidade da Califórnia. (sorri) Sim, o meu desejo sempre foi ser atriz e, de repente, me peguei fazendo algo que eu jamais tinha pensado em fazer. Foi uma experiência nova e que está me gerando resultados muito positivos.

JULIETTE – Sim, eu pude ler alguns trechos do livro e estou amando a forma como você conduziu os acontecimentos de forma crua, autêntica e tão natural. (sorri) Chelsea, quando você começou a idealizar este projeto, você imaginava o sucesso que ele seria hoje?

CHELSEA – Eu preciso ser sincera. Quando eu comecei a desenvolver “A Boa Garota”, eu estava muito confiante em relação a ele, eu sabia que estava no caminho certo, mas não imaginava que ele ganharia toda a repercussão que está tendo. É claro que o livro não seria um sucesso se eu não tivesse o apoio da minha professora de Drama e dos meus amigos, Josh, Keith, Ryan e Matt, que estão na plateia.

Close nos garotos. Ao perceber que a câmera está os mostrando, Keith acena com a mão euforicamente, querendo se destacar mais do que os outros. A câmera volta em Chelsea.

JULIETTE – Chelsea, neste livro, você relata sobre assuntos sérios como distúrbios psicológicos e até mesmo estupro. Você acha que passar por essas duas situações te ensinou a amadurecer?

CHELSEA – Não tenho a menor dúvida. Se eu não tivesse passado por isso, eu não estaria aqui hoje. É claro que eu não me orgulho de ter sido estuprada e de um dia ter sido internada em um centro psiquiátrico, mas essas duas coisas me fizeram perceber que a vida nos coloca em situações em que somos obrigados a nos tornar mais fortes.

JULIETTE – Você tem algo para falar às meninas que estão nos assistindo e passaram pela mesma situação que você?

CHELSEA – Dia a dia, mais garotas são vítimas de estupro não só na América, mas em todo o mundo. E, quando a nossa inocência é tirada, nos sentimos fracas e desprotegidas, sem coragem para denunciar ou procurar ajuda. No meu caso, a pessoa que fez esta crueldade comigo está à solta até hoje e pode estar fazendo mais vítimas, infelizmente. Mas, você, garota, que passou por isso e conhece o agressor, não deixe que ele saia impune diante dessa situação. Denuncie e defenda a sua dignidade feminina. E, claro, procure ajuda. Se eu tivesse ouvido um profissional naquela época, talvez eu não tivesse invadido o refeitório da minha universidade e feito os meus amigos de reféns, com uma arma na mão... Talvez eu não tivesse ido parar num reformatório. Então, não deixe que o mesmo que aconteceu comigo volte a se repetir com você, converse com alguém e ouça o que ele tem a dizer, pois o estupro nos torna covardes e, quando ele ocorre, precisamos de alguém para, principalmente, nos ouvir e não permitir que a gente saia do nosso controle. Não permita que alguém manche a sua imagem feminina e nem se permita abaixar a cabeça, porque este é mais um problema que podemos enfrentar e, um dia dizer, “eu passei por isso, mas eu sobrevivi”. Bom, eu estou aqui, eu passei por isso e eu sobrevivi.

Emocionada, a plateia começa a aplaudir Chelsea fortemente. Close na garota, orgulhosa. Em seguida, em seus amigos, felizes pelo sucesso de Chelsea. A imagem corta rapidamente para:

CENA 08. CASA DA FAMÍLIA HARRIS. SALA DE ESTAR. INT. NOITE.

Os senhores Harris estão assistindo a entrevista da filha na televisão, sentados em sofás diferentes. Eles conversam.

CHRISTINA – A nossa filha fez questão de não se lembrar da gente durante a entrevista...

MICHAEL – Talvez seja por nossa causa, Christina.

CHRISTINA – Como assim “por nossa causa”? Michael, nós demos tudo para esta menina. Demos dinheiro, demos uma boa vida, demos uma boa universidade...

MICHAEL – Mas não demos o principal: o amor. Nós falhamos muito na educação da nossa filha, Christina. Nos preocupamos demais em ensinar a ela o valor da materialidade e nos esquecemos de mostrar o que significa uma família. Ela aprendeu isso com os seus amigos.

CHRISTINA – Mas veja só. Ela virou uma garota honesta e bem sucedida. Cumprimos com o nosso papel, certo?

MICHAEL – Christina, temos que reconhecer que nunca fomos bons pais. A Chelsea se tornou o que é hoje, porque ela sempre foi uma garota independente e que teve o apoio dos seus amigos. Se ela tivesse se prendido a educação que dávamos a ela, talvez hoje a Chelsea fosse uma adolescente fútil e individualista.

CHRISTINA – (deixa uma lágrima rolar sobre o seu rosto) Eu sei que nunca fui uma boa mãe para a Chelsea, mas isso não quer dizer que eu não a ame...

MICHAEL – Eu não estou dizendo que você não a ama, Christina. Eu também sou muito grato pela filha que eu tenho. Mas, infelizmente, nós nunca fomos capazes de mostrar este amor a Chelsea. Essa talvez tenha sido a razão para ela ter se esquecido de citar os nossos nomes.

CHRISTINA – Você acha que um dia a Chelsea irá nos perdoar por não termos sido a família que ela sempre precisou?

MICHAEL – Não sei. Mas, no momento, devemos ficar felizes e orgulhosos por ela ter se tornado esta garota inteligente e aclamada por todo o país. Isso já é um começo.

Close em Christina, que assente com a cabeça e volta a admirar a filha na televisão. A imagem corta rapidamente para:

CENA 09. ESTÚDIO DE TELEVISÃO. INT. NOITE.

A entrevista com Chelsea foi finalizada e o programa já está fora do ar. A garota caminha até Josh, Ryan, Keith e Matt, entusiasmada.

CHELSEA – (sorridente) E então, o que acharam da minha performance?

KEITH – Eu achei que a Juliette poderia ter vestido algo melhor para a ocasião. Ela não estava entrevistando qualquer garota. E, sim, a maior autora jovem deste país atualmente. E também percebi que a iluminação em você estava muito fraca, eu...

CHELSEA – (interrompe) Sobre a minha performance, Keith.

MATT – Não ligue para ela, Chelsea. A Keith está levando muito a sério essa história de ser sua assessora de imprensa.

KEITH – (olha feio para Matt) Desculpa se eu me preocupo com a imagem da minha cliente.

JOSH – (rindo) Chelsea, você estava ótima. Você foi sincera, simpática e se comportou muito bem em frente às câmeras. Se alguém tinha dúvidas se deveria comprar o seu livro, agora não tem mais.

RYAN – Faço as palavras do Josh as minhas.

CHELSEA – (sorri) Muito obrigada, meninos. Eu fiquei muito satisfeita com a entrevista. Eu nunca planejei estar em um palco de televisão, concedendo uma entrevista sobre um livro que eu jamais imaginei que iria escrever, mas é uma experiência nova que está me deixando muito realizada. É ótimo pisar em um estúdio e divulgar para o telespectador a mensagem que eu quis transmitir com o livro.

KEITH – (sorri) Você merece!

CHELSEA – Mas eu não pude deixar de perceber a ausência do Chad. Eu deixei um convite para o programa no dormitório dele. Vocês sabem por que ele não veio?

JOSH – (tira o sorriso do rosto) Chelsea, eu pensei que você soubesse...

CHELSEA – (surpresa) Soubesse o quê? Que ele não viria? Não, ele não me avisou nada. Não confirmou se viria, nem disse que faltaria.

RYAN – Chelsea, o Chad está voltando hoje para Fountain Valley. (olha para o relógio de pulso) O avião dele deve sair em quinze minutos.

CHELSEA – Como assim vocês só me avisam disso agora?

KEITH – Nós ficamos sabendo que ele iria embora antes de deixarmos a universidade e vir para cá. Não iríamos interromper a entrevista só para te avisar sobre a ida do Chad.

CHELSEA – (aparentemente chateada) Mas como ele resolve ir embora de uma hora para outra sem ao menos se despedir de mim?

JOSH – Talvez você devesse descobrir isso por conta própria, Chelsea.

CHELSEA – O que você está dizendo, Josh?

JOSH – O Ryan disse que o avião dele para Fountain Valley sai em quinze minutos. O aeroporto de San Francisco não fica a muito tempo daqui. Você pode tentar ir atrás dele e...

CHELSEA – (interrompe) E pedir pra ele ficar em San Francisco? Josh, qual é, eu não pedi nem para que ele fosse embora.

RYAN – E pela sua cara, não está gostando nem um pouco da ideia de ele ir.

KEITH – É impressão minha ou estamos lidando com uma garota ainda apaixonada pelo Chad aqui?

MATT – Chelsea, eu sei que o Chad te machucou muito quando se envolveu com você e não te contou que era um garoto comprometido. Eu até tentei te afastar dele. Mas durante todo esse tempo, o garoto provou que estava muito arrependido. (pausa) Eu não julgo ele. Eu também cometi muitos erros e vocês foram capazes de me perdoar.

KEITH – Realmente, Chelsea. O Chad ainda gosta muito de você e aposto que está indo embora, porque pensa que você não quer mais nada com ele. Ele está indo embora porque quer te esquecer.

CHELSEA – (confusa) Mas eu não quero que ele me esqueça...

JOSH – Então vai atrás do seu amor enquanto ainda é tempo, Chelsea. Você tem treze minutos a partir de agora.

CHELSEA – Certo. Mesmo que ele queira ir embora, ainda assim preciso vê-lo pela última vez. (sorri) Avisem a produção que um compromisso de última hora me apareceu e tive que sair correndo. Obrigada, gente!

Chelsea corre apressada pelo estúdio em direção a porta de saída.

KEITH – O amor é tão lindo... (sorri)

JOSH – Espero que ela consiga chegar a tempo.

RYAN – Alguém correndo para um aeroporto e tentando impedir que a pessoa que ama vá embora me parece cena de filme.

KEITH – (sorri) Ou de último episódio de série.

JOSH – (levantando-se) Bom, depois me contem o que aconteceu com eles. Agora, eu e o Ryan precisamos ir. Nós temos algo para fazer antes de voltarmos ao dormitório.

MATT – Certo. Nos encontramos amanhã no casamento da sua mãe?

JOSH – Sim, conto com a presença de todos vocês. (sorri)

KEITH – Estaremos lá. Obrigada por vir prestigiar a grande noite da Chelsea, Josh e Ryan.

RYAN – O prazer foi nosso. (saindo) Até amanhã.

JOSH – (indo atrás de Ryan) Até.

Keith e Matt acenam com a mão para os garotos e se abraçam, felizes.

CENA 10. CEMITÉRIO MUNICIPAL. EXT. NOITE.

(música: You're The Reason - Victoria Justice) 

A imagem abre no vasto campo verdejante do cemitério municipal de San Francisco. O local está escuro e é iluminado apenas pela lua. Ao fundo, ouvimos o canto de algumas corujas. Josh está ajoelhado em frente à lápide de Austin. A pouca distância dele, está Ryan, de pé, assistindo ao namorado. 

JOSH – (sorrindo) Olá, Austin. Achou que eu me esqueceria fácil de você? (pausa) Vim te dizer que amanhã finalmente é o casamento dos meus pais. O segundo casamento. E espero que este seja eterno. Ou melhor, eu tenho certeza de que será, porque eles se amam. É uma pena você não poder estar presente lá em carne e osso, mas sei que fará questão de estar entre nós de alguma forma...

Close em Josh, que se vira para Ryan e sorri para ele. Feito isso, volta a olhar para a lápide de Austin.

JOSH – Eu e o Ryan estamos indo muito bem. Ele me faz feliz, eu o faço feliz e nós nos completamos. Eu e ele passamos por alguns conflitos há algum tempo, mas fomos capazes de superá-los juntos e fazer reviver o que existia entre a gente desde o dia em que nos conhecemos. Austin, acredite, você nunca foi uma pedra entre eu e o Ryan. Eu e ele brigamos, porque nós dois erramos. Você não teve culpa nisso. E você deve saber mais do que ninguém que os momentos que passei ao seu lado foram únicos e inesquecíveis.

Josh deixa uma lágrima rolar sobre o seu rosto, mas logo a limpa.

JOSH – Você faz muita falta aqui, Austin. Os meus dias ficaram mais vazios sem a sua presença, sem os seus sorrisos e sem o seu carisma, seu espírito de amizade e proteção. Espero que você esteja olhando pela gente agora e sempre. E se eu fiz algo que te machucou, me perdoe, esta nunca foi a minha intenção. Lembra o que você disse para a enfermeira quando foi embora? Bom, eu me lembro e nunca vou me esquecer...

Josh passa a mão na foto de Austin estampada na lápide e então se levanta.

JOSH – Onde quer que você esteja, eu sempre vou estar conectado a você. (sorri) Obrigado por ter feito parte da minha vida. Durou pouco, mas foi muito significativo.

Josh vira as costas para a lápide e se aproxima de Ryan. Então, dá a mão para o garoto e os dois saem juntos do cemitério. A câmera volta na lápide de Austin, destacando a sua foto e o seu nome. A imagem escurece.

CENA 11. AEROPORTO MUNICIPAL. INT. NOITE.

(Música cessa.)

Close aéreo no aeroporto municipal de San Francisco. Muitas pessoas circulam pelo local, carregando suas malas, em direção ao balcão de venda de passagens ou central de desembarque. Algumas famílias se despedem; namorados se abraçam e trocam algumas lágrimas; e outros simplesmente estão sozinhos aguardando seu vôo, como é o caso de Chad. Ele está sentado em uma cadeira e olha para o relógio, impaciente. Close na entrada do aeroporto. Chelsea entra apressada e começa a andar entre as pessoas, tentando buscar o rosto de Chad. A garota se aproxima das cadeiras e vê Chad sentado de costas. Chelsea sorri e respira aliviada por ter chegado a tempo.

(música: Two Is Better Than One - Boys Like Girls ft Taylor Swift)

CHELSEA – (aproximando-se) Chad! 

CHAD – (reconhece a voz da garota) Chelsea?

Chad se levanta e caminha até Chelsea, carregando sua mala de rodas.

CHAD – (surpreso) O que você está fazendo aqui?

CHELSEA – Eu é que tenho que fazer esta pergunta. (bate em Chad) O que você está fazendo aqui?

CHAD – Chelsea... Eu estou indo embora...

CHELSEA – Eu sei que você está indo embora. Ao contrário, eu não estaria aqui. O que eu não entendo é porque você decide ir para Fountain Valley de repente e tenta pegar um vôo sem se despedir.

CHAD – Chelsea, você anda muito ocupada com o lançamento do seu livro, indo a coletivas de imprensa, programas de televisão, tardes de autógrafo. Eu não queria incomodar a sua vida de famosa.

CHELSEA – Chad, eu posso estar em alta no momento, mas isso não quer dizer que eu esqueci dos meus amigos. Este livro não mudou quem eu sou.

CHAD – Ótimo, e você continua a mesma garota que me recrimina por ter escondido de você que eu tinha uma namorada.

CHELSEA – Chad, é por isso que eu vim aqui. Eu não posso deixar você ir embora sem antes dizer que, do fundo do meu coração, eu te perdôo. Antigamente, eu te afastava de mim, porque eu sabia que você estaria ao meu redor mesmo assim. Digo, no mesmo local. Mas agora, com você indo embora, eu percebi que eu seria boba se te afastasse da minha vida.

CHAD – Mas nós agora somos amigos...

CHELSEA – Mas eu não quero ser sua amiga. Você sabe sobre os meus sentimentos por você. (olha no fundo dos olhos de Chad) Se você quiser pegar este vôo, eu vou entender, afinal, fui eu que pedi para que você me esquecesse. Mas se você desistir da ideia de ir embora, então voltamos para o alojamento juntos. Juntos de verdade.

Então, uma voz feminina invade o aeroporto.

VOZ FEMININA – Vôo com destino a Fountain Valley está pronto para decolagem.

CHELSEA – É você que decide.

CHAD – Bom, acho que eu já me decidi...

CHELSEA – E então?

CHAD – Acho que isso responde a sua pergunta.

E sem pensar duas vezes, Chad surpreende Chelsea com um beijo apaixonado. Chelsea o corresponde. A voz feminina volta a informar que o vôo para Fountain Valley está pronto para decolar.

CHAD – (interrompendo o beijo) Deus, eu odeio essa voz!

Chelsea ri e volta a beijá-lo. A câmera se afasta, mostrando os dois garotos abraçados em meio à multidão que circula apressadamente pelo aeroporto.

CENA 12. UNIVERSIDADE DA CALIFÓRNIA. CAMPUS. ALOJAMENTO. DORMITÓRIO DE JOSH E MATT. INT. NOITE.

(Música cessa.)

Josh abre a porta do dormitório e entra de mãos dadas com Ryan.

RYAN – (ri) Foi uma noite exaustiva. É difícil ser amigo de celebridade.

JOSH – (sorri) O que você acha do amigo de celebridade relaxar um pouquinho?

Josh fecha a porta e olha para Ryan com um olhar sugestivo. Ryan se aproxima dele e entrelaça seus braços na cintura do namorado.

RYAN – Por acaso, você está insinuando algo?

JOSH – Bom, nós estamos sozinhos aqui. E você disse estar cansado. Eu posso fazer algo por você... (sorri maliciosamente)

RYAN – Ok, essa ideia não me desagrada...

(música: I Won't Give Up - Jason Mraz)

Josh ri e aproxima seus lábios aos de Ryan. Os garotos se beijam calorosamente. Após alguns instantes, Ryan interrompe o beijo e começa a encostar seus lábios em outras regiões do rosto de Josh, até se aproximar de sua orelha. Ryan dá mordiscadas leves no ouvido do garoto. Josh fecha os olhos, excitado. Então, puxa a camiseta de Ryan para cima, deixando o garoto com o peito à mostra. Ryan faz o mesmo. Josh aproxima sua boca do peitoral de Ryan e começa a lamber seus mamilos. Close em Ryan, que abre a boca, apreciando o momento de prazer. Josh levanta a cabeça e sorri para o namorado. Em seguida, Ryan começa a empurrar Josh levemente em direção a cama, derrubando-o nela. Ryan fica de pé em frente a Josh. Josh, por sua vez, com a cabeça a altura da virilha do garoto, desabotoa a calça de Ryan e puxa o zíper lentamente, olhando para o namorado. Então, desce sua calça e começa a massagear a região íntima de Ryan. A câmera sobe, mostrando Ryan, que solta alguns gemidos ofegantes de pura excitação. Josh puxa a cueca do garoto e inicia o sexo oral. Não vemos o ato, mas subentendemos pelos gestos de Ryan, que pressiona a cabeça do namorado em direção ao seu corpo. Corte descontínuo. Agora vemos Josh e Ryan completamente pelados na cama, cobertos apenas por um lençol. Josh está por baixo e Ryan por cima. Seus corpos estão colados um ao outro e eles realizam a penetração com muito prazer e afeto. Seus corpos suam. Eles estão de boca aberta e olhos fechados. Assim, Ryan chega ao ápice do prazer e inicia a ejaculação. Eles gemem juntos, enquanto Josh arranha as costas de Ryan com as unhas. Ryan, cansado, cai sobre o namorado e começa a beijar seu pescoço.

RYAN – (com a respiração ofegante) Eu te amo.

JOSH – (excitado com os beijos de Ryan) Eu também te amo.

A câmera se afasta, enquanto os dois garotos continuam deitados na cama, cobertos pelo lençol, aproveitando de corpo e alma o final de seu momento íntimo. A imagem escurece.

CENA 13.

(música: I Won't Give Up - Jason Mraz) 

Tomada da cidade de San Francisco com imagens dos principais pontos turísticos locais. Amanhece.

CENA 14. CAMPO VERDEJANTE. EXT. DIA.

(A música tocada na cena anterior continua a ser executada nesta.)

A imagem abre em um local belíssimo, coberto de grama verde e com muitas montanhas ao fundo. No centro, está instalada uma espécie de coreto, onde será realizada a cerimônia de casamento de Marta e Alex. Um tapete vermelho está estendido no chão e, em suas laterais, estão dispostas cadeiras. Ao lado das cadeiras, vemos pilares cobertos de arranjos de flores brancas. A câmera explora o local, mostrando os poucos convidados: Keith, num vestido branco, ao lado de Matt, num terno preto, eles se olham apaixonados e se beijam; Chelsea, num vestido rosa, ao lado de Chad, num terno preto, eles se olham e Chelsea aperta a bochecha de Chad com uma das mãos, que retribui com um aperto em seu nariz; Suzie, num vestido amarelo, que olha para Eric, num terno preto, e faz questão de exibir sua aliança. No coreto, está Alex, vestindo um terno preto e bastante apreensivo. Ao lado dele, uma realizadora de cerimônias. A marcha nupcial começa a tocar. Marta, usando um belíssimo vestido azul claro e carregando um buquê de rosas brancas em uma das mãos, entra no tapete vermelho acompanhada do filho. Josh sorri para os convidados e olha para a mãe, que também olha para ele, emocionada. Vemos Ryan correndo pelo campo, com uma câmera nas mãos, tentando encontrar o melhor ângulo para tirar fotos. Os dois garotos vestem ternos brancos, ao contrário dos demais. Josh segura a mão da mãe até chegar a entrada do coreto, onde entrega Marta a Alex.

JOSH – (diz para o pai) Espero que você tome conta dela muito bem...

ALEX – Não tenha dúvidas disso, meu filho. Eu vou fazer da sua mãe a mulher mais feliz deste mundo.

MARTA – (olha para Josh) Eu te amo, meu filho.

JOSH – (olha para a mãe) Eu te amo, mamãe. (olha para Alex) E eu amo você também, cara. Mas se eu souber que você não está tratando a minha mãe como uma rainha, teremos contas para acertar. (ri)

ALEX – Fique tranquilo.

JOSH – Eu espero que vocês sejam muito felizes.

A família Parker troca sorrisos. Marta dá a mão para Alex e os dois entram no coreto. Close nos convidados, emocionados e apaixonados. Josh caminha até Ryan. Eles dão as mãos e assistem a cerimônia juntos. A câmera se afasta, enquanto o casamento é inicializado.

Corte descontínuo.

(Música cessa.)

O casamento já foi concluído. Os convidados estão cumprimentando os noivos. Suzie e Eric caminham até Ryan, que está ao lado de Josh.

SUZIE – Bom dia, pombinhos...

JOSH – Olá, dona Suzie. Gostou da cerimônia?

SUZIE – Muito. Não poderia ter sido mais encantadora. Seus pais formam um lindo casal.

JOSH – Obrigado.

RYAN – Agora está na hora de você ser levada para o altar, né mãe?

SUZIE – (olha para Eric) Bom, isso não depende de mim...

ERIC – (rindo) Fique tranquilo, Ryan. Muito em breve, você terá outro casamento para frequentar.

RYAN – Assim espero, treinador. Vocês têm a minha total bênção.

SUZIE – (entrega um envelope para Ryan) Seu pai lhe mandou hoje de manhã. Ele faz questão que você leia...

RYAN – Mãe, não sei se eu devo...

SUZIE – (empurra o envelope para Ryan) Meu filho, significaria muito para ele se você lesse a carta. Eu sei que vocês dois não possuem um bom relacionamento, mas ele ainda continua sendo o seu pai...

Ryan segura a carta, receoso.

SUZIE – Eu e Eric vamos aproveitar a festa...

Suzie e Eric saem.

JOSH – Você quer ir para um lugar longe daqui?

RYAN – (sorri) Desde que seja com você...

Josh e Ryan saem juntos. Close em Marta e Alex, que tiram fotos com Chelsea, Chad, Keith, Matt, Suzie e Eric.

Corte descontínuo.

Josh e Ryan estão sentados em uma pedra. Ryan encara o envelope, ainda com muito receio.

JOSH – (olha para o namorado) Você não vai abrir?

RYAN – É como se tivesse uma bomba aqui dentro.

JOSH – Se você quiser, eu posso lê-la para você...

RYAN – Eu agradeceria.

Ryan entrega o envelope para Josh. O garoto o abre cuidadosamente e tira de dentro dele um papel escrito em manuscrito com muita cautela.

JOSH – (lê em voz alta) “Querido Ryan... Eu sei que nunca fui o modelo de pai perfeito para você. Eu sei que pisei na bola muitas vezes. E sei também que as feridas que abri em você, talvez eu nunca seja capaz de fechá-las. Estou te mandando esta carta hoje para dizer que sou muito grato pelo filho que tenho e que não tenho a mínima vergonha do que você realmente é. Eu te aceito, do fundo do meu coração. Não te obrigo a aceitar o meu passado, mas quero que você aceite o meu presente. Não vou forçar um bom relacionamento entre nós, só desejo que possamos trocar um aperto de mão sincero sempre que nos vermos. Estou vivendo em Los Angeles com Kirsten e sua meia-irmã. Elas são a minha nova família e estou zelando por ela. Quero provar a mim mesmo que ainda posso ser feliz. Obrigado por ter aberto os meus olhos para isso. Com carinho, do seu errante pai”.

Josh termina a leitura e olha para Ryan, sensibilizado. Ryan deixa uma lágrima rolar sobre o seu rosto, mas logo a limpa para preservar o seu orgulho.

RYAN – Eu pareço um bobo...

JOSH – Claro que não, até eu estou emocionado com a carta. Tudo o que foi dito aqui parece ter sido muito sincero, Ryan...

RYAN – Eu sei. Não vou continuar julgando o meu pai pelos erros que ele cometeu no passado. Guardar rancor não me levaria a nada. Eu fico muito feliz que ele esteja seguindo em frente com a sua vida, longe do álcool e próximo de uma família.

JOSH – E ele deixa bem claro em suas palavras que, mesmo construindo uma nova família, você não deixou de ser a dele.

RYAN – Obrigado por ter feito isso, Josh.

(música: San Francisco - Vanessa Carlton)

JOSH – (guardando a carta no envelope) Não é engraçado, Ryan?

RYAN – O que?

JOSH – Como tudo parece ter dado tão certo de repente? Quero dizer, olha onde estamos. Neste lugar maravilhoso, cercado de pessoas que gostamos e que estão felizes assim como a gente. Você consegue imaginar o tanto de coisas pelas quais passamos para chegar até aqui, hoje?

RYAN – (ri) Sim, foi um bocado de coisas... Parece que foi ontem que eu cheguei a San Francisco e conheci você. Lembra daquele dia? Você estava indo para o seu primeiro dia no último ano do segundo grau na San Francisco High School e eu atravessei a rua com uma bola de basquete em mãos.

JOSH – Então começamos a nos conhecer e nos tornamos grandes amigos. Algum tempo depois, eu me descobri apaixonado por você, terminei com a Chelsea – que tentou me atingir de várias formas nesse meio tempo, inclusive, arriscando um suposto suicídio – e desabafei todos os meus sentimentos em um bloquinho de anotações. Acabei derrubando sem querer no corredor da San Francisco High School e ele foi parar nas mãos de Matt...

RYAN – (ri) Matt... Você se dá conta de tudo o que aquele garoto aprontou contra a gente? E veja, hoje, ele se tornou uma pessoa muito melhor e está feliz ao lado de quem ama.

JOSH – Sim, e eu estou muito feliz ao lado de quem eu amo. Se não fosse pelo Matt, aquele bloquinho nunca teria caído em suas mãos e você não teria descoberto o que eu realmente sentia por você. Talvez tivesse, mas as circunstâncias poderiam ser diferentes. Sim, passamos por muitas coisas.

RYAN – E nisso tudo, crescemos e aprendemos a amadurecer.

JOSH – Acredito que esta seja a maior lição da vida: amadurecer. Não é fácil amadurecer. Não é fácil acordar todos os dias e descobrir que você está se tornando um adulto.

RYAN – São as fases da vida, Josh. E estamos conseguindo passar por elas com muita responsabilidade e muita maturidade.

JOSH – (lança um olhar desafiador para Ryan) São os estágios da vida. Você está pronto para o próximo?

E de repente, a imagem escurece num baque e corta rapidamente para:

CENA 15.

(Música continua.)

Tomada da cidade de San Francisco com imagens dos principais pontos turísticos locais.

Surge a seguinte legenda:

 

 

CENA 16.

(música: You Can - David Archuleta) 

*ATENÇÃO: Todos os personagens, daqui em diante, vão ter envelhecido cinco anos (o elenco jovem agora tem 24/25 anos). Entretanto, todo o elenco permanecerá em seus respectivos papéis.*

VOZ DE JOSH – (narração) Eu sei que é engraçado dizer isso, mas esses cinco anos passaram tão depressa. Muita coisa mudou desde então. Saímos da Universidade da Califórnia, mas nossas vidas apenas começaram. Para você ter uma ideia dessas mudanças, vamos aos fatos. Começando por Suzie, minha querida sogra, que se casou com o treinador Eric e se tornou a grande diretora da San Francisco High School.

A imagem corta rapidamente para:

Suzie está sentada em sua mesa. Ela olha para a plaquinha com o seu nome sobre a mesa e sorri, orgulhosa. De repente, o telefone começa a tocar. Ela respira fundo.

SUZIE – Meu primeiro atendimento...

E então, Suzie tira o telefone do gancho e o leva até a orelha.

SUZIE – Alô?

A tela se divide em duas partes. Em uma fica Suzie. Na outra, o treinador Eric.

ERIC – (sorrindo) Como vai a nova diretora da San Francisco High School?

SUZIE – (respira aliviada) Eric, que confortante ouvir a sua voz. Minhas mãos estão suadas. Eu estou muito nervosa, mas ao mesmo tempo me sentindo tão confiante.

ERIC – O arrepio na barriga é normal no primeiro dia. Não que eu já tenha sido diretor, mas... (ri) Você me entendeu. Você vai tirar isso de letra.

SUZIE – Obrigada. Eu prometo que vou fazer o meu melhor pela San Francisco High School.

ERIC – Viu, meu amor, como a vida sempre nos oferece uma oportunidade para começar de novo?

Close em Suzie, que olha ao redor de seu escritório e consente com a cabeça, muito feliz.

A imagem corta rapidamente para:

VOZ DE JOSH – (narração) Um ano depois ao casamento dos meus pais, minha mãe descobriu estar grávida... De dois filhos. Sim, nesse período eu ganhei dois irmãos. Eu estou feliz por duas razões. Feliz porque agora minha família está maior. E feliz porque sinto que minha mãe também está feliz mais do que nunca. E isso é tudo o que ela merece. Ela expandiu o Benton’s para outras cidades californianas, mas o inesperado é que não como restaurante, mas como uma grande rede de hotéis. Hoje, minha mãe é dona de hotelaria e é conhecida como a Melhor Empresária da Califórnia.

Marta está sentada em sua mesa assinando alguns papeis. De repente, a câmera se afasta e mostra o seu luxuoso escritório. Ao fundo, há uma grande janela de vidro com vista para o mar. De repente, ouvimos gritos de crianças vindo em direção a porta. Alex a abre e seus dois filhos, um menino e uma menina, entram em polvorosa.

ALEX – Desculpa, meu amor, eu juro que pedi para que eles não gritassem... Mas você sabe... (sorri) Gêmeos!

Marta se levanta e corre em direção aos filhos, abraçando-os fortemente.

MARTA – Não tem problema. (olha para as crianças) Joseph e Justine, posso saber o que vocês vieram fazer aqui?

ALEX – Crianças, digam a ela que vocês vieram tirá-la dessa empresa para tomar um sorvete.

MARTA – (se levantando) Alex, você sabe muito bem que eu estou atolada de trabalho.

ALEX – Isso não quer dizer que você não possa ter um tempo com o seu marido e com seus dois filhos. (sorri) Vamos, você tem um monte de funcionários. Eles podem cobrir você por alguns instantes.

MARTA – Olha lá, olha lá...

Marta, convencida pela visita do marido e dos filhos, decide aceitar o convite. Ela segura nas mãos das duas crianças – uma de cada lado – e beija apaixonadamente Alex. Então, a família sai feliz e sorridente do escritório.

(Música cessa.)

A imagem corta rapidamente para:

(música: Still Into You - Paramore)


VOZ DE JOSH
– (narração) Chelsea, por sua vez, fez tanto sucesso com o lançamento de seu livro que decidiu se dedicar definitivamente a carreira de autora. Hoje, seus livros estão na lista dos Best-sellers do New York Times e sua saga, New Stages, está entre as maiores bilheterias do cinema norte-americano. Além disso, Chelsea está a poucos passos de realizar seu sonho.

Chelsea anda pelo set de gravações da saga de filmes New Stages. De repente, ela percebe que a vendedora de café, uma jovem de aparentemente dezessete anos, está chorando discretamente. Chelsea se aproxima, preocupada.

CHELSEA – Danna, tudo bem com você?

DANNA – (olha para Chelsea, limpa as lágrimas) Sim, está tudo bem... Foi só... Foi só um cisco no meu olho.

CHELSEA – Danna, você vende cafés nos meus estúdios desde o primeiro filme que gravamos. Eu te conheço muito bem, mocinha.

Danna olha para Chelsea e vê nela o apoio que precisa no momento.

DANNA – Eu descobri que estou grávida e quando dei a notícia ao Justin, ele... (volta a chorar) Ele simplesmente desapareceu. Eu não posso, diretora Harris, continuar com isso sozinha. Eu tenho apenas dezessete anos.

CHELSEA – Danna, você pensa em abortar essa criança?

DANNA – (se esquiva com cara de espanto) Não, isso não. Eu me sentiria um monstro se fizesse isso. Mas eu, eu também não consigo me imaginar cuidando dessa criança.

CHELSEA – (olha para Danna com os olhos brilhantes) Você já pensou na hipótese de entregar a criança para uma família que esteja querendo um filho?

DANNA – Não sei, Chelsea, tudo isso é muito burocrático...

CHELSEA – (sorri) Não precisa ser... (pausa) O que você acha da ideia de eu ser a mãe desta criança?

Close em Danna, surpresa, mas ao mesmo tempo, satisfeita com a proposta de Chelsea.

A imagem corta rapidamente para:

VOZ DE JOSHQuem imaginava que um dia Keith e Matt entrariam num acordo e seriam realmente felizes juntos? Eles se casaram e estão vivendo em uma casa grande aqui em San Francisco. Agora, estão prestes a dar boas-vindas ao seu primeiro filho.

Matt anda de um lado para o outro na recepção do hospital de San Francisco. Chad tenta acalmá-lo.

CHAD – (se levanta da poltrona e segura Matt) Acalme-se, ok?

MATT – (olha para Chad) Eu não posso, cara. Eu não sei se estou preparado para ser pai.

CHAD – Matt, deixa eu te dizer uma coisa. Eu nunca coloquei fé em caras como você. Inclusive, nós tivemos os nossos desentendimentos quando eu cheguei na cidade. Mas você me surpreendeu. Assim como a todos. (ri) Sim, eles me disseram que você era um babaca no segundo grau. Mas, veja só, você se tornou um cara responsável e dedicado a Keith. Eu não tenho a menor dúvida de que você está mais do que preparado para construir uma grande família ao lado dela.

MATT – (comovido) Você acha?

CHAD – Eu tenho certeza. (ri) Você será pai, cara!

MATT – Eu serei pai!

Os dois riem e se abraçam fraternalmente.

A imagem corta rapidamente para:

Keith está deitada na cama de cirurgia apertando forte a mão de Chelsea. Ela sofre uma contração. Chelsea tenta prestar algum tipo de conforto a ela.

CHELSEA – Respira, amiga. Respira fundo, certo?

KEITH – Não dá, Chelsea, eu tô sentindo muita dor... (grita) Por favor, peça para os médicos tirar essa criança de dentro de mim.

CHELSEA – Calma, amiga, vai dar tudo certo. Em pouco tempo, você estará com o seu filho nos braços e verá que tudo isso valeu muito a pena.

KEITH – (ofegante) Chelsea... Chelsea... Eu preciso te dizer uma coisa.

CHELSEA – (sorri) Diga. Eu estou aqui com você.

KEITH – Eu quero... Eu quero que você seja a madrinha do meu filho.

CHELSEA – (deixa uma lágrima rolar sobre o seu rosto) Você está falando sério, Keith?

KEITH – Mais do que sério. Você sempre foi a melhor amiga do mundo. Nada mais justo do que o meu filho também ter a melhor madrinha do mundo. (começa a chorar) Você aceita?

CHELSEA – Sem pensar duas vezes.

E Chelsea e Keith se abraçam fortemente. Mas, de repente, uma nova contração vem e faz Keith gritar, assustando Chelsea.

CHELSEA – (volta a apertar forte a mão da amiga) Respira, ok? Vai dar tudo certo.

Close em Chelsea, emocionada, enquanto não sai de perto da melhor amiga com quem esteve durante a sua vida inteira.

(Música cessa.)

A imagem corta rapidamente para:

(música: So Small - Carrie Underwood)

VOZ DE JOSHRyan decidiu abandonar as quadras de basquete. Mas isso não quer dizer que tenha abandonado o basquete. Agora, ele se dedica a carreira de treinador e, todas as semanas, leva o esporte aos bairros mais pobres da Califórnia, onde repassa para as crianças tudo o que aprendeu nas quadras ao longo dos anos. Ele é muito competente e, bem, meu grande orgulho. Quanto a nós... Bom, nós... Acho que eu estava errado em relação ao amor verdadeiro. Ele realmente existe e uma hora aparece em nossas vidas. O meu apareceu há oito anos como o meu vizinho. E desde então, o destino sempre dá um jeito de nos cruzar...

A câmera explora um imóvel vazio, onde Josh – de frente a um imobiliário – assina um papel sobre uma prancheta.

JOSH – (entregando a prancheta para ele) Aqui está. Bom, acho que essa assinatura me torna o novo proprietário da casa.

IMOBILIÁRIO – Exatamente, senhor Parker. Eu espero que você seja muito feliz aqui.

JOSH – É o que nós todos esperamos na vida, certo?

O imobiliário consente. A imagem corta rapidamente para:

Josh sai de dentro do imóvel onde estava e olha para a casa vizinha, que também está à venda. De repente, percebe que um carro conhecido está em frente ao imóvel.

JOSH – (diz para si mesmo) Mas esse não é o carro do Ryan?

E, inesperadamente, Ryan sai de dentro do imóvel vizinho. Close em sua reação surpresa ao notar Josh.

RYAN – (se aproxima de Josh) O que você está fazendo aqui? Não era pra você estar com os seus pais?

JOSH – E não era pra você estar treinando os seus alunos?

RYAN – Bom... (ri) Eu menti. Veja... (aponta para a casa de onde saiu) Essa casa agora é nossa.

JOSH – O que? (aponta para a outra casa de onde saiu) Essa casa agora é nossa.

RYAN – (surpreso) O que? Quer dizer que compramos uma casa ao mesmo tempo?

JOSH – E ainda uma vizinha à outra?

Ryan começa a rir. Josh faz o mesmo e, então, se aproxima do namorado, o beijando apaixonadamente.

JOSH – (interrompe o beijo) Acho que o nosso destino é sermos vizinhos.

Josh e Ryan riem. A câmera se afasta, enquanto os dois garotos voltam a se beijar, em meio às duas casas recém-compradas por eles.

A imagem congela.

 


AUTOR
André Esteves

ELENCO

Graham Phillips como Josh Parker
Sterling Knight como Ryan Jordan
Victoria Justice como Chelsea Harris
Ariana Grande como Keith Hurly
Gregg Sulkin como Matt Brooks
Rose McGowan como Marta Benton
Natasha Henstridge como Suzie Gregson
 
ATORES CONVIDADOS
Tyler Posey como Chad Fletcher
Joshua Jackson como Alex Parker
Erika Christensen como Meghan Kimble
Skeet Ulrich como Eric Smith

PARTICIPAÇÕES ESPECIAIS
Angie Harmon como Christina Harris
Josh Charles como Michael Harris
Connie Britton como Juliette Garner

Pequenas aparições que não constam na listagem acima (Entregador, Professora, Produtor, Danna e Imobiliário) são interpretadas por atores contratados pela produtora.
 
TRILHA SONORA
Good Girl - Carrie Underwood
Yellow - Coldplay
You're The Reason - Victoria Justice
Two Is Better Than One - Boys Like Girls ft Taylor Swift
I Won't Give Up - Jason Mraz
San Francisco - Vanessa Carlton
You Can - David Archuleta
Still Into You - Paramore
So Small - Carrie Underwood (Tema de Abertura e Encerramento)

PRODUÇÃO
Bruno Olsen
Cristina Ravela


Esta é uma obra de ficção virtual sem fins lucrativos. Qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência.


REALIZAÇÃO

Copyright © 2018 - WebTV
www.redewtv.com
Todos os direitos reservados
Proibida a cópia ou a reprodução

.aaa.
.aaa.

Compartilhar:

 
Copyright © WebTV | Design by OddThemes