THE CIRCUS - 2x01



2x01
 
 
 

FLASHFORWARD 1. FLORESTA ESTADUAL DE ENDLESS TOWN. EXT. NOITE. 

Sonoplastia de suspense. Plano aéreo da grande floresta da cidade de Endless Town, com suas árvores enormes e grandes bosques. 

FLASHFORWARD 2. FLORESTA ESTADUAL DE ENDLESS TOWN. INT. NOITE.

P.V. de uma pessoa correndo por meio a gigantesca floresta. A luz da lua ilumina o local. Ouvimos a respiração ofegante da pessoa, já cansada. Acompanhamos seus pés descalços pisando sobre a vegetação e passando entre as árvores gigantes. A pessoa não consegue mais correr e para em frente a uma enorme figueira. Se recosta, respira fundo. A câmera gira e revela quem é: a bela e jovem Lynn Wellington. Ela se esconde atrás de alguns arbustos, com os olhos transbordando medo e angústia. Lynn vê uma luz se aproximando e volta a correr. A pessoa que persegue Lynn (não vemos o rosto), está vestida de preto e segura um facão em uma das mãos, coberta por uma luva vermelha. Lynn continua correndo, mas resvala e cai no chão. Lynn sente que torceu o pé e se arrasta atrás de uma grande figueira. Lynn chora muito.

LYNN – (CHORA) Alguém me ajuda... (BAIXINHO) Por que você tá fazendo isso...

A pessoa misteriosa surge na frente de Lynn e ilumina seu rosto com a lanterna. Lynn dá um grito. Vemos então que é o assassino fantasiado de palhaço, que puxa Lynn por um braço e a agride com o cabo da lanterna. Lynn é jogada no chão e tenta se levantar pra correr. Mas o assassino avança sobre ela e lhe dá uma facada pelas costas. Lynn cai morta no chão, instantaneamente. O palhaço se ajoelha e tira sua máscara para a câmera. A pessoa por detrás do disfarce é ninguém mais ninguém menos que... Maureen Prescott! Maureen olha com ódio para o corpo de Lynn e arranca a faca de suas costas. Close nos olhos da personagem vendo o sangue da vítima pingar pela lâmina do instrumento. A imagem escurece num baque. 

 
 
     
 

2x01 - EU SEI QUEM ME MATOU
 
     

CENA 1. SEATTLE. CENAS PANORÂMICAS. EXT. DIA. 

Legenda: Seattle, 4 meses antes. 

Sonoplastia: Apologize – One Republic. Stock shots mostrando os principais pontos da cidade de Seattle. 

CENA 2. APARTAMENTO DE MAUREEN. QUARTO. INT. DIA.

Câmera mostra de cima Maureen deitada em um dos lados de uma cama de casal, com o cobertor todo enrolado. O sol pela janela bate em seu rosto. Maureen se vira, ainda dormindo, e bate com a mão no travesseiro ao lado. Acorda em seguida e não vê ninguém ali. Ela olha no relógio e se levanta da cama. Maureen se espreguiça e sai do quarto.

CENA 3. APARTAMENTO DE MAUREEN. SALA. INT. DIA.

Maureen sai da porta do quarto e entra na pequena sala do apartamento. O local é bem simples e aconchegante, com paredes brancas, sofá marrom e cortinas bege. Maureen vê um papel em cima da mesa e pega. Close no que está escrito: “Para Maureen, Lucas e Christopher”. Maureen sorri.

MAUREEN – Catherine...

Maureen larga o papel em cima da mesa e entra em outra porta.

CENA 4. APARTAMENTO DE MAUREEN. QUARTO DE CHRISTOPHER. INT. DIA.

Maureen entra no quarto de seu filho, que é todo decorado com papel de carrinhos nas paredes e se aproxima do berço. Chris, de mais ou menos 11 meses, está acordado, olhando em sua volta. Quando Maureen surge no berço, ele abre um sorriso. Maureen pega Chris no colo e beija o garoto.

MAUREEN – Bom dia meu filho! Vamos pra escola, vamos? Hoje vai ser um belo dia pra você.

CENA 5. CRECHE EM SEATTLE. FRENTE. EXT. DIA.

Plano geral do local, que é grande, com grama extensa e figuras infantis coladas como papel de parede na fachada. Mãe entram e saem a todo o momento. Maureen desce de um táxi trazendo Christopher e uma mochila pequena. Ela se aproxima de uma moça, que seria a professora.

MAUREEN – (SORRI) Bom dia.

PROFESSORA – Bom dia! Como vai o meu Christopher?

Maureen entrega o bebê e a mochila à professora. Chris morde os dedos e Maureen dá um beijo nele.

MAUREEN – (SENTIMENTAL) Eu te amo meu filho.

A professora sorri e entra com Chris na creche. Maureen se vira e vê Lucas parado na beira da calçada, escorado em seu carro. Ela sorri e corre até ele. Eles se abraçam e se beijam.

MAUREEN – Lucas! Meu amor, o que você tá fazendo aqui?

LUCAS – Vim te levar pra sua aula.

MAUREEN – Não precisa Lucas, você vai se atrasar na Universidade, ainda mais agora que trocaram a reitoria.

LUCAS – Eu não me importo Maureen. Eu posso perder o emprego ou qualquer coisa. Tudo isso não vale nada quando eu estou com você.

MAUREEN – (SEM GRAÇA) Ai Lucas... Já disse como você é especial?

LUCAS – (SORRI) Algumas vezes.

MAUREEN – Mas é verdade, meu amor. Qualquer homem na sua condição teria me abandonado na mesma hora que eu cheguei a Seattle. Mas você não. Você provou seu amor por mim criando meu filho, dando um sobrenome pra ele, e me fez me apaixonar por você. Eu vou ser grata a você sempre.

LUCAS – Eu te amo Maureen. Te amei quando te vi descendo daquele avião e vou te amar pra sempre.

MAUREEN – Eu também te amo. Você me ajudou a superar todos os traumas e medos que eu passei em Endless Town.

LUCAS – Falando na nossa cidade natal, você viu o que chegou pelo correio e eu deixei em cima da mesa da sala?

MAUREEN – O convite da Catherine? Claro que eu vi. Parece que ela e Dewey vão finalmente se casar.

LUCAS – E eles nos convidaram para ir a festa... E voltar a Endless Town.

MAUREEN – Eu andei pensando nisso no caminho pra cá. Não posso faltar a esse casamento Lucas, que tal voltarmos?

LUCAS – A Endless Town? Tem certeza que você quer voltar praquele lugar?

MAUREEN – Vai ser por um final de semana Lucas. Apenas 2 dias. O medo já passou. E além do mais, o que pode acontecer de ruim?

LUCAS – Então está combinado? Vamos voltar a Endless Town?

MAUREEN – (SORRI) É isso aí.

Close em Maureen

CENA 6. ENDLESS TOWN. CENAS PANORÂMICAS. EXT. DIA. 

Legenda: Endless Town. 

Stock-shots mostrando os principais pontos da cidade de Endless Town. Os arranha-céus, as ruas movimentadas, o comércio da cidade, os carros passando pelas principais avenidas e etc. 

CENA 7. BIBLIOTECA MUNICIPAL DE ENDLESS TOWN. INT. DIA. 

Um grande cartaz preso em um dos pilares da biblioteca revela a capa de um livro chamado “Os Assassinos de Endless Town”. Abaixo no livro, uma foto de Catherine, e ao lado seu nome: “Sucesso de Catherine Riley”. A câmera se afasta e revela Catherine sentada em uma mesa de vidro, com vários exemplares do livro, na frente do cartaz. Na frente dela uma grande fila de fãs esperando a assinatura. Catherine assina um livro e entrega a um rapaz. 

CATHERINE – (SORRI) Obrigada pela presença e boa leitura. 

O rapaz também sorri e sai. A próxima da fila é CeCe, que entrega seu livro pra Catherine. 

CATHERINE – (SURPRESA) CeCe?

CECE – Como vai Catherine? Meus parabéns pelo novo livro. Eu sou uma grande fã do seu trabalho e quando soube que você estava numa sessão de autógrafos, apareci correndo.

CATHERINE – Querida, eu tenho que agradecer seu apoio para com a minha carreira. Você é o que eu posso chamar de fã, comprou todos os meus livros.

CECE – E sou apaixonada por todos!

CATHERINE – Bom, deixa eu assinar aqui... (PEGA A CANETA) Com carinho, para minha querida fã CeCe.

CECE – (APONTA) Reynolds.

CATHERINE – (NÃO ENTENDE) Oi?

CECE – CeCe Reynolds, se puder.

CATHERINE – (SEM GRAÇA) Ah sim, seu nome, desculpa. (ESCREVE) CeCe Reynolds. (ENTREGA) Tá pronto.

CECE – (REALIZADA) Valeu mesmo Catherine! Vou ler com todo o amor e carinho.

CeCe abraça o livro e sai. Catherine faz uma cara estranha. Dewey aparece ao lado de Catherine e eles se dão um selinho.

DEWEY – Tudo certo, meu amor?

CATHERINE – Na medida do possível. Onde está a Hannah? Ela tinha prometido pra mim que viria e ainda não apareceu.

DEWEY – Não sei Catherine, a Hannah está muito diferente depois de tudo que aconteceu. Não conheço mais a minha filha. Mas ela que me aguarde, vou dar um jeito nela.

CATHERINE – (SEGURA PELO BRAÇO) Amor, nem te contei! Maureen me ligou a poucos minutos. Ela, o namorado e o pequeno Christopher estão chegando pro nosso casamento.

DEWEY – Eles vão vir? Que ótima notícia Catherine!

CENA 8. MANSÃO DA FAMÍLIA ARMSTRONG. FRENTE. EXT. DIA.

Plano geral da mansão da família Armstrong, concentrada numa das esquinas de Endless Town. A casa é grande, é branca, com pilares na fachada e tem um jardim enorme, cercado por fortes grades e cercas elétricas

CENA 9. MANSÃO DA FAMÍLIA ARMSTRONG. ESCRITÓRIO. INT. DIA.

Câmera vai “entrando” pela porta do escritório e nos revela Viola, uma chique senhora de 50 anos sentada em uma poltrona, atrás de uma extensa mesa de vidro, lendo alguns papéis e acessando o computador. O telefone ao lado de Viola toca, e ela atende.

VIOLA – (TELEFONE) Viola Armstrong, pois não? (PAUSA) Sim, sou a mãe dela, algum problema com a minha filha? (ESTRANHA) A Madison fez isso? Meu Deus... minhas desculpas senhora, realmente estou surpresa. Não é do temperamento dela. Mas fique tranqüila que passarei aí hoje mesmo para falarmos do assunto. Obrigada!

Viola desliga o telefone e pensa uns segundos.

VIOLA – (GRITA) Allegra!

Rapidamente, Allegra, uma moça loira vestindo uma espécie de uniforme de secretária surge na porta e entra. Se dirige à Viola.

ALLEGRA – Me chamou Viola?

VIOLA – Viola? Allegra, desde quando eu lhe dei liberdade para me chamar de Viola? Para você é Dona Viola, entendeu bem? Dona!

ALLEGRA – Entendi. (CORRIGE) Dona Viola.

VIOLA – Eu te chamei porque quero que você vá até a escola da Madison. Parece que a menina andou criando problemas. Resolva!

ALLEGRA – Mas Dona Viola, eu acho que seria melhor que a senhora, que é mãe, fosse até lá resolver o problema da sua filha.

VIOLA – Eu não te pago para achar nada, Allegra. Te pago para ser acompanhante da minha filha, logo, faça o que estou mandando e se vá até o colégio. Além do mais estou acertando os últimos detalhes para a inauguração do meu colégio e não posso perder tempo com destemperos da menina Madison.

ALLEGRA – (BAIXA A CABEÇA) Pois não.

Allegra sai da sala. Viola volta a fazer o que estava fazendo.

CENA 10. ESCOLA DE MADISON. SALA DA DIRETORA. INT. DIA.

Allegra se senta na poltrona na frente da mesa da diretora e elas se cumprimentam.

ALLEGRA – Eu vim conversar sobre a Madison Armstrong, diretora. Houve algum problema com ela?

DIRETORA – Perfeitamente, mas eu achei que quem fosse comparecer a essa reunião seria a mãe da menina. Você é?

ALLEGRA – Allegra Drake. Trabalho para a família como acompanhante da Madison. Viola, a mãe dela, anda muito ocupada e não pode vir.

DIRETORA – Compreendo. Bom, vamos falar da Madison.

ALLEGRA – Sim.

DIRETORA – Eu venho percebendo que ela está com seu comportamento mudado faz umas três semanas. Sempre foi uma aluna aplicada, dedicada e responsável. Agora, chega na escola sem os deveres feitos e ainda responde grosseiramente a professora.

ALLEGRA – A senhora deve estar falando de outra pessoa. A Madison não é assim, ela é uma ótima aluna.

DIRETORA – Pois tem algo acontecendo que fez com que a menina mudasse sua conduta. Algo que prejudicou seu rendimento escolar. Não houve nenhum problema na família?

ALLEGRA – Que eu saiba não. Madison se dá bem com os pais e os pais tem um casamento exemplar. Sinceramente não sei o que possa ter causado a mudança dela.

DIRETORA – Então como acompanhante eu espero que a senhora converse com ela e tente descobrir o que está acontecendo. Porque eu não vou admitir que essa menina falte com respeito mais uma vez dentro da minha escola. Não vou!

Close em Allegra.

CENA 11. ESCOLA DE MADISON. CORREDOR. INT. DIA.

Allegra sai da sala da diretora e porta bate atrás de si. Ela vê Madison sentada num dos bancos, de cabeça baixa, com a mochila nas costas, e se aproxima da menina, que está vestindo o uniforme azul marinho da escola e uma fitinha no cabelo.

ALLEGRA – Já podemos ir Madison.

MADISON – Falou com a minha diretora?

ALLEGRA – (SE SENTA) Falei sim. Ela me contou que você anda respondendo pra uma professora de uma maneira grosseira.

MADISON – Não é verdade. Eu nunca respondi pra professora. Ela tá mentindo.

ALLEGRA – Não seja tola Madison, está escrito nos seus olhos que é verdade. Agora, o que está acontecendo pra você agir assim? Você anda desleixada com os estudos.

MADISON – Não anda acontecendo nada!

ALLEGRA – (REPROVA) Madison.

MADISON – (SE LEVANTA) Você não disse que já podíamos ir embora, Allegra? Pois vamos, cansei desse assunto.

ALLEGRA – Ok, já entendi, se não quer falar pra mim tudo bem, mas vai ter que falar pra sua mãe.

MADISON – (DESESPERADA) Não! Pelo amor de Deus, não fala isso pra mamãe.

ALLEGRA – Eu tenho que falar Madison, ela é sua mãe e eu sou paga pra isso.

MADISON – Eu tô ferrada!

ALLEGRA – (SEGURA NA MÃO DELA) Vamos pra casa.

Madison suspira e sai do colégio de braços dados com Allegra.

CENA 12. CASA DOS RILEY. FRENTE. EXT. NOITE.

Fachada da nova casa de Dewey. É um local simples, porém bastante agradável e de extenso jardim. Os fundos da casa ao para as mediações da Floresta Estadual. A casa é marrom com aberturas claras, e com arbustos em sua frente.

CENA 13. CASA DOS RILEY. COZINHA. INT. NOITE.

Catherine, usando luvas, coloca uma tigela com algum assado no centro da mesa. Ela olha pra refeição e sorri, orgulhosa. Dewey entra pela porta dos fundos com sua caixa de ferramentas e a beija.

DEWEY – A Hannah já veio?

CATHERINE – Já, disse que só ia tomar banho e ia descer pra jantar.

DEWEY – Ótimo, porque eu tenho que ter uma conversa séria com ela.

Hannah aparece na porta da cozinha de pijamas, com parte do cabelo castanho pintado com mexas vermelhas.

HANNAH – Boa noite, família.

DEWEY – Hannah. Nós precisamos conversar.

HANNAH – O que houve? (SE SENTA NA MESA)

DEWEY – Eu quero saber onde você esteve a tarde inteira. Você havia prometido à Catherine que iria no lançamento do livro e sequer compareceu.

HANNAH – Eu... (CONFUSA) Eu estava estudando.

CATHERINE – Estudando o que se não faz nada da vida? Poxa Hannah, eu fiquei triste, senti sua falta.

HANNAH – Sem drama não é Catherine? Todo mundo sabe que você não gosta de mim.

CATHERINE – É claro que eu gosto! Você é minha enteada! Não é só porque eu vou casar com o seu pai que eu deva deixar de gostar de você.

DEWEY – A questão não é essa, a questão é onde você andou esse tempo todo. Você anda sumida a semanas Hannah, a semanas! Fala o que tá havendo!

HANNAH – (SE LEVANTA) Não tá havendo nada! Eu não sou mais uma adolescente, será que vocês podem me deixar em paz? Poxa vida!

DEWEY – Nem a sua mãe você tem ido visitar naquele sanatório. Ela sente falta de você minha filha. Sente muita!

HANNAH – Depois do que a mamãe fez com a cidade inteira eu não quero mais olhar na cara dela. Pra mim ela que morra naquele lugar! Que morra!

E Hannah sai da cozinha correndo, irritada. Dewey se vira para Catherine, tenso. Os dois se olham.

CENA 14. APARTAMENTO DE MAUREEN. QUARTO. INT. NOITE.

Maureen com uma mala em cima da cama, organizando suas roupas dentro dela. Lucas entra no quarto.

LUCAS – Christopher já dormiu. Reclamou um pouco, mas acabou se entregando.

MAUREEN – Eu tô aqui arrumando minhas coisas pra viagem amanhã. Não sei se levo muita roupa, afinal é apenas um final de semana.

LUCAS – Maureen, põe a mão na consciência, tem certeza que a gente deve voltar pra Endless Town?

MAUREEN – Tenho. Eu preciso fazer isso meu amor, eu não posso faltar ao casamento da Catherine com o Dewey. Além do mais tá na hora de enfrentar aquela cidade novamente.

LUCAS – Eu tenho medo que a minha família não goste de você, afinal é a primeira vez que eles te vêem.

MAUREEN – Por quê? Você nunca me disse muito da sua família, porque esse receio de que eu os conheça?

LUCAS – Os Armstrong são difíceis de se lidar Maureen, eu fui o único que fugi aquele ninho de cobras a tempo de não ser engolido pela arrogância e pelo dinheiro.

Maureen para o que está fazendo e abraça Lucas, vendo que ele está nervoso.

MAUREEN – Eu já enfrentei muita coisa na minha vida que você nem imagina Lucas. E agora estou aqui, com você. Se você me ama deve entender que é necessário que eu volte pra enfrentar meu passado. Seja qual for a sua família, não deve ser um monstro de sete cabeças e eu vou encará-los de frente. Pode ser legal. Vai por mim.

Maureen sorri e dá um selinho em Lucas. Close em Lucas.

CENA 15. MANSÃO DOS ARMSTRONG. QUARTO DE CASAL. INT. NOITE.

Viola na frente de sua penteadeira, tirando os brincos das orelhas. Tripp sai do banheiro, vestindo um roupão de seda e beija a mulher.

TRIPP – Como foi seu dia Viola?

VIOLA – (IRRITADA) Péssimo meu bem, terrível. Não imaginava que seria tão complicado assim inaugurar um colégio. Meu mestrado parece não ter valido de nada!

TRIPP – Essas coisas demoram assim mesmo Viola, logo você inaugura sua escola e fica tudo bem.

VIOLA – Além do mais parece que Madison está passando por problemas nas aulas. Acredita que a menina deu pra responder a professora?

TRIPP – Madison? A minha filha? Impossível! Ela sempre foi uma dama!

VIOLA – Pois alguma coisa mudou a cabeça dela e fez com que ela agisse assim. Como pai, você deve tomar providências.

TRIPP – Eu? Eu trabalho naquela câmara de vereadores o dia inteiro! Você que está em casa poderia resolver isso.

VIOLA – Eu não vou me estressar por causa da Madison.

TRIPP – (LEMBRA) Ah Viola, eu nem te contei, me esqueci. O Lucas ligou.

VIOLA – (SORRI) O meu filho? O que ele disse? Falou de mim?

TRIPP – Disse que está voltando pra Endless Town amanhã trazendo a nova família. Vão passar o final de semana.

VIOLA – (SE LEVANTA) Que notícia mais maravilhosa! O meu filho amado vindo me visitar! Mal posso esperar pra vê-lo e conhecer minha nora...

TRIPP – Ficou feliz, foi?

VIOLA – (SORRI) Muito. (SE APROXIMA DELE) E sabe o que eu quero ver agora?

TRIPP – (A AGARRA) O que?

VIOLA – (SUSSURRA) A sua habilidade com o uso da broca!

Viola dá risada e ela e o marido se beijam, jogando-se na cama em seguida.

CENA 16. ENDLESS TOWN. CENAS PANORÂMICAS. EXT. DIA.

Sonoplastia: Seven Devils – Florence + the Machine.

O sol nasce em meio as montanhas de Endless Town. A Floresta Estadual é mostrada de cima, ao fundo que nos revela a cidade.

CENA 17. ENDLESS TOWN. RUAS DA CIDADE. EXT. DIA.

Um carro preto, bem popular, circula pelas ruas de Endless Town. As pessoas que por ali passam observam quem está dentro do veículo e comentam consigo mesma. Maureen põe a cabeça pra fora do carro e vai olhando para a cidade enquanto passa. O grupo de Ashley, Tim, CeCe, Jeremy e Mickey está sentado em volta de uma mesa na frente de uma lancheria.

CECE – (ANIMADA) Daí eu disse pra ele: “Ou você larga essa arma ou eu vou pular em cima de você”.

ASHLEY – Nossa CeCe, e tudo isso aconteceu numa só noite? (DESANIMADA) Emocionante, não?

TIM – (ZOANDO) Ô...

O carro preto onde está Maureen passa pela frente deles e chama a atenção de Mickey, que cutuca Jeremy.

MICKEY – Aquela não era Maureen Prescott?

CECE – (CURIOSA) Maureen Prescott?

E todos olham o carro sumindo no meio dos outros carros. Corta para o mendigo Salvatore, com as roupas rasgadas, barba mal feita e muito sujo, ajoelhado na frente de algumas crianças, estas assustadas.

SALVATORE – (EM TOM SÉRIO) Reza a lenda que a muitos anos atrás as almas de duas irmãs gêmeas andavam pelas ruas de Endless Town. Eram duas mulheres lindas que pediam carona para quem passasse pela rua. Uma certa vez um homem fora avisado que, se as visse pela cidade, não deveria parar o carro, pois coisas ruins acontecem para quem dá carona as duas gêmeas. Pois ele foi seduzido pela beleza das duas mulheres e parou para falar com elas numa das avenidas da nossa cidade. Deu-lhes carona. Duas horas depois? Seu carro estava capotando de forma inexplicável e seu corpo se desfez em mil pedaços. Portanto crianças, se encontrarem as gêmeas por aí, não falem com elas, não olhem pra elas. (ALTO) Apenas corram! Corram!

Salvatore começa a dar uma risada horripilante e as crianças saem correndo, gritando. Salvatore se atira no meio rio, maluco. O carro de Maureen passa na frente dele e Salvatore sente os pelos de seu corpo se arrepiarem.

CENA 18. CASA DOS RILEY. COZINHA. INT. DIA.

Catherine em frente a pia, de avental, batendo um bolo num pote. Dewey sentado na mesa, lendo um jornal. Catherine vê pela janela um carro estacionar na frente da casa.

CATHERINE – (TIRA O AVENTAL) Chegaram Dewey!

CENA 19. CASA DOS RILEY. FRENTE. EXT. DIA.

Catherine e Dewey saem da casa em direção a calçada. Maureen salta do carro com Christopher e corre até os dois, emocionada. Os três se abraçam.

MAUREEN – (COMEÇA A CHORAR) Minha família... Que saudades, meu Deus, que saudades.

CATHERINE – (TAMBÉM SE EMOCIONA) Que bom ter você de volta Maureen.

DEWEY – A gente já tava achando que você ia esquecer de nós pra sempre!

MAUREEN – (RI) Nunca Dewey! Vocês são as pessoas que eu mais amo na minha vida.

CATHERINE – (PARA CHRISTOPHER) E esse moço? Hein Chris? Cada dia maior, ele está lindo!

MAUREEN – (BEIJA O FILHO) Viu a titia filho? É a sua titia.

Catherine dá um beijinho na bochecha de Christopher, realizada com a criança. Lucas sai da porta do motorista e vai cumprimentar Dewey e Catherine.

MAUREEN – Gente, esse daqui é o Lucas, meu namorado.

DEWEY – (CUMPRIMENTA) Muito prazer, Dwight Riley, mas pode chamar de Dewey.

LUCAS – (RETRIBUI) Lucas Armstrong, o prazer é todo meu cara!

CATHERINE – Maureen, que namorado bonitão você tem! (PARA LUCAS) Eu sou a Catherine querido, é ótimo receber vocês em nossa casa.

LUCAS – Espero não estar incomodando.

DEWEY – Nunca que a família da minha enteada vai incomodar em alguma coisa. Mas vamos entrar, vamos, temos muito para conversar.

CENA 19. CASA DOS RILEY. SALA DE ESTAR. INT. DIA.

Maureen, Lucas e Dewey sentados em volta do sofá. Christopher no colo da mãe. Catherine vem da cozinha com uma bandeja de café e coloca na mesinha de centro.

CATHERINE – (SE SENTA) Então, como foi a viagem?

MAUREEN – Tranqüila, de Seattle aqui é um pulo, só paramos mesmo num posto para trocar o Chris.

LUCAS – Como essa cidade tá mudada. Eu tava prestando atenção enquanto a gente vinha. Nossa, tanta coisa que não existia quando eu fui embora.

DEWEY – É, hoje Endless Town é uma grande cidade.

MAUREEN – E vocês, Dewey e Catherine, ansiosos para o casamento?

CATHERINE – Eu estou mais entusiasmada que o seu padastro, me casar é um sonho que eu sempre desejei.

DEWEY – Até parece não é Catherine. Mal posso esperar pelo dia da festa. Vai ser um grande evento.

MAUREEN – Vai ser no jardim? Eu reparei na casa nova de vocês, é linda, com bastante espaço.

CATHERINE – É, demos sorte em conseguir comprar essa casa. É bem localizada na cidade.

DEWEY – Maureen, você sabia que a sua amiga virou escritora?

MAUREEN – Fiquei sabendo sim, escritora de livros de suspense. Quem diria não Catherine? Largou o jornalismo?

CATHERINE – Claro que não! Apenas estou mais focada na minha carreira de escritora, que vamos combinar, está dando mais dinheiro. Foi através da venda dos livros que compramos essa casa.

LUCAS – Mas então você é uma escritora bem vendida, porque pelo que eu posso avaliar essa casa vale uma fortuna!

DEWEY – Quase uma fortuna. (RI)

MAUREEN – E a Hannah? Onde está a minha irmã?

CATHERINE – É a pergunta que não quer calar.

DEWEY – Não está em casa. Não sei o que está havendo com a sua irmã. Ela mudou muito desde... desde o que aconteceu a um ano atrás. Vive na rua e quando volta não fala pra onde foi.

MAUREEN – (SE LEVANTA) Bom, enquanto ela não chega eu preciso resolver uma coisa.

CATHERINE – Mas já? Mal chegou e já vai sair?

MAUREEN – É importante Catherine, cuida do Chris pra mim, eu volto logo. (PARA LUCAS) Você me leva?

LUCAS – Claro, ainda tenho que passar na casa dos meus pais.

DEWEY – A gente espera vocês com um almoço então.

MAUREEN – (SORRI) Maravilha!

Maureen entrega Chris à Catherine e sai na companhia de Lucas.

CENA 20. MANSÃO DOS ARMSTRONG. GARAGEM. INT. DIA.

O portão da mansão se abre e o carro de Lucas entra no local, e estaciona o carro na frente da garagem da família. Lucas desce do carro, liga o alarme, e se dirige até a porta de entrada.

CENA 21. MANSÃO DOS ARMSTRONG. SALA PRINCIPAL. INT. DIA.

Allegra abre a porta e Lucas entra, sendo recebido pelo pai Tripp. Tripp e Lucas se abraçam.

TRIPP – Meu filho! Que saudades que eu estava de você!

LUCAS – Eu também estava papai. Tudo bem com vocês?

TRIPP – Tudo ótimo Lucas, tudo perfeito!

Madison desce a escadaria correndo e se abraça nas pernas de Lucas, que se agacha e abraça a irmã.

MADISON – Lucas!

LUCAS – (A BEIJA) Como vai irmãzinha?

MADISON – Graças a Deus você veio Lucas! Eu não agüentava mais esperar você chegar. Tem tanta coisa que eu quero te contar...

LUCAS – Você vai me contar Madison, vamos passar bastante tempo juntos.

Viola também desce a escadaria e vê Lucas se abraçando com Madison.

VIOLA – Bem vindo de volta Lucas.

Lucas se levanta e vai abraçar a mãe. Viola o aperta bastante e derrama lágrimas.

VIOLA – (OLHA PRA ELE) Ai meu filho amado... Como é bom receber esse abraço de você... Como eu tava sentindo falta disso...

LUCAS – Eu também estava. Estava sentindo a falta de todos vocês aqui.

Lucas se afasta de Viola e fica ao lado do pai. Viola se sente inferiorizada.

VIOLA – E onde está ela?

LUCAS – Ela?

VIOLA – Ela. A moça que se diz sua namorada. Onde está? Preciso conhecê-la.

LUCAS – Maureen está resolvendo problemas pessoais. Vocês vão conhecê-la amanhã, no casamento da Catherine.

TRIPP – Sua mãe estava numa preocupação em conhecer a garota que você nem imagina! E o menino? Como é o meu neto?

VIOLA – (SURPRESA) Neto?

TRIPP – Ué Viola, esqueceu? Maureen tem um filho que Lucas cria como se fosse dele.

LUCAS – É um menino muito especial pai, você tem que ver, sabe que até parece comigo?

MADISON – Eu vou poder brincar com ele?

LUCAS – Vai.

VIOLA – Então quer dizer que você cria um filho que não é seu? É isso?

LUCAS – Algum problema?

Tripp encara Viola, que dá um sorriso.

VIOLA – Nenhum.

Lucas também sorri. Closes alternados em Viola e Tripp.

CENA 22.  SANATÓRIO MUNICIPAL DE ENDLESS TOWN. FRENTE. EXT. DIA.

Plano geral do macabro hospício da cidade, um grande prédio com uma pintura feia cercado por muros altos e cercas elétricas.

CENA 23. SANATÓRIO MUNICIPAL DE ENDLESS TOWN. RECEPÇÃO. INT. DIA.

Maureen entra pela porta principal e se dirige até um balcão, onde está uma atendente.

MAUREEN – Com licença?

ATENDENTE – Bom dia, o que você deseja?

MAUREEN – Vim visitar um paciente.

ATENDENTE – Qual o nome?

MAUREEN – Monica. Monica Riley.

ATENDENTE – (OLHA NO COMPUTADOR) Quarto 666.

MAUREEN – Obrigada!

CENA 24. SANATÓRIO MUNICIPAL DE ENDLESS TOWN. QUARTO. INT. DIA.

A porta do quarto é aberta por um enfermeiro e Maureen entra, com receio. Monica está toda vestida de azul claro, sentada em uma mesa, mexendo em um cubo mágico. Maureen se aproxima da mãe. O enfermeiro fecha a porta.

MAUREEN – Mãe?

Monica não olha para Maureen e continua brincando com o cubo mágico.

MAUREEN – (SE SENTA NA FRENTE DELA) Mãe, sou eu. Maureen.

Monica olha para Maureen, mas não esboça nenhuma reação. Maureen começa a chorar.

MAUREEN – (CHORA) Fala comigo mamãe... Fala comigo...

MONICA – (SÉRIA) Perdão.

MAUREEN – Perdão? Eu já perdoei a senhora por tudo que me fez passar a um ano atrás. A senhora tá perdoada.

MONICA – Perdão...

E Monica volta a montar o cubo mágico, repetindo a palavra “perdão” uma sequência de vezes.

MAUREEN – (SE LEVANTA) Pelo que eu vejo a senhora não pretende falar comigo. Mas eu não vou desistir de você mãe. Porque eu te amo.

Ao ouvir isso, Monica para e levanta. Vai até Maureen e puxa a mão da filha. Maureen olha sem entender. Monica entrega a Maureen o cubo mágico com as cores todas organizadas em cada lado e se deita em sua cama. Close em Maureen, surpresa.

CENA 25. SANATÓRIO MUNICIPAL DE ENDLESS TOWN. RECEPÇÃO. INT. DIA.

Maureen volta para a recepção triste e guarda o cubo mágico entregue por Monica na bolsa. Quando ela vai ir embora, a recepcionista a chama.

RECEPCIONISTA – Ei, mocinha.

MAUREEN – (VOLTA) Sim?

RECEPCIONISTA – Como foi a conversa com a sua mãe?

MAUREEN – Infelizmente ela não trocou uma palavra comigo. Minha vinda foi em vão.

RECEPCIONISTA – Engraçado...

MAUREEN – (CURIOSA) Por quê?

RECEPCIONISTA – Por que pelo que eu andei vendo aqui, a sua mãe tem tido melhores significativas em seu quadro. Vem recebendo uma visita semanalmente que a faz conversar e dar risada.

MAUREEN – Visita? Minha mãe está sendo visitada por alguém? Pelo Dewey? Pela Catherine?

RECEPCIONISTA – A pessoa se identificou como... deixa eu ver... (OLHA NA TELA) Ah, Amanda. Foi esse o nome que a pessoa deu. Amanda Manson.

MAUREEN – Amanda?

Super close em Maureen, chocada.

CENA 26. ENDLESS TOWN. CENA PANORÂMICA. EXT. DIA.

Plano geral da cidade. Corta para o grande parque municipal.

CENA 27. PARQUE MUNICIPAL DE ENDLESS TOWN. INT. DIA.

Maureen caminhando com um ramalhete de flores, chega até o Memorial das Vítimas do Assassino Mascarado. Ela vê as fotos de todas as pessoas que morreram e toca a foto de Amanda, um tanto emocionada.

CECE – Maureen?

Maureen se vira, gritando, e derruba as flores no chão.

CECE – (RINDO) Calma! Sou eu! Não é nenhum fantasma!

MAUREEN – (SE ACALMA) CeCe! Querida! Me desculpe pelo grito, como vai?

CECE – (SORRI) Muito bem. Estava passando e te vi chegar lá da rua. E você? Tá diferente da última vez que a gente se viu...

MAUREEN – É, eu mudei muito depois do que passei sabe CeCe? Virei mais mulher.

CECE – Eu te admiro muito Maureen. Se fosse a minha mãe uma assassina macabra como foi a sua, eu já estaria morta... de vergonha!

MAUREEN – (SEM GRAÇA) Está indo em algum lugar?

CECE – Ah, esqueci de te falar. (SE EXIBE) Vou participar da gravação de um filme.

MAUREEN – Hum, que chique! Aqui em Endless Town?

CECE – Sim, não sabia? Achei que soubesse, afinal o filme é baseado na sua vida e no que aconteceu em Endless Town ano passado. Eu serei você.

MAUREEN – (SURPRESA) O que? Mas isso foi autorizado por alguém?

CECE – É claro! O filme foi adaptado do livro da Catherine, “Os Assassinos de Endless Town”. Ela vendeu os direitos da obra.

MAUREEN – (BRAVA) E onde está sendo rodado esse filme?

CECE – Aqui pertinho, hoje tem tomada na floresta, quer ir até lá conhecer o pessoal?

MAUREEN – Só se for agora!

CENA 27. FLORESTA ESTADUAL DE ENDLESS TOWN. CLAREIRA. INT. DIA.

Uma grande equipe de filmagens instalada na clareira da floresta. À frente das câmeras, Ohana maquia Ashley, enquanto, ao fundo, Tim conversa com Mickey. Equipe carrega materiais de lá pra cá. Cliff Holiday, um cara esquisito usando um colete escrito “diretor” aparece no local.

CLIFF – Ohana! Ohana meu amor, você pode me dizer onde se meteu a CeCe? A gente precisa gravar essa externa hoje!

OHANA – CeCe ligou dizendo que está chegando. (PARA ASHLEY) Ficou lindo querida. (SE APROXIMA DE CLIFF) Calma Cliff, vai dar tudo certo.

CLIFF – Como que um filme pode rodar sem a protagonista?

OHANA – (AVISTA) Ih, olha a CeCe ali... E, quem está junto dela?

CeCe, acompanhada de Maureen, chega até o set de gravação. Cliff encara CeCe.

CLIFF – Isso são horas mocinha? Vá no trailer se arrumar, rápido. Precisamos gravar isso logo.

CECE – Desculpa Cliff, mas meu atrasado vai lhe agradar. Essa daqui é Maureen Prescott.

MAUREEN – (ERGUE A MÃO) Prazer.

CLIFF – (REALIZADO) Maureen Prescott? (VIBRA) Maureen Prescott no meu set de gravação? Que prazer enorme!

MAUREEN – O prazer é todo meu. Estava curiosa para te conhecer. Quer dizer que você está rodando um filme sobre a minha vida?

CLIFF – CeCe já te contou? E contou também que ela é quem fez o seu papel?

MAUREEN – Contou sim. Eu só queria saber com que autorização você resolve contar a minha vida na tela dos cinemas sem me consultar?

CLIFF – Bom, o filme é adaptado do livro da sua querida Catherine, minha produtora comprou os direitos. Algum problema?

MAUREEN – Todos os problemas. O que aconteceu a um ano me machuca muito, e não me agrada em saber que estou sendo representada nos cinemas.

CLIFF – É uma simples inspiração querida, sem estresse. Até pensei em lhe convidar para fazer uma participação especial. Uma entrevista, quem sabe?

MAUREEN – Eu nunca participaria disso.

CLIFF – (SORRI) Bom, a escolha é sua. Eu vou rodar meu filme.

MAUREEN – E eu vou embora daqui. Pra mim já chega.

Quando Maureen se vira, dá de cara com alguém vestindo uma fantasia igual ao do palhaço assassino. Ela dá um berro e o palhaço, que é Jeremy, tira a máscara.

JEREMY – Desculpa, te assustei?

MAUREEN – (NERVOSA) Não, foi culpa minha.

JEREMY – Eu acho que te conheço. Você não é Maureen Prescott?

MAUREEN – Sim, sou eu. E você?

JEREMY – Jeremy. Jeremy Randall, prazer.

MAUREEN – Prazer. (PARA CECE) A gente se vê na festa da Catherine. Até mais.

CECE – Até mais, meu anjo.

Maureen encara Cliff e vai embora.

OHANA – É, parece que a mocinha aí não é nada fácil.

CLIFF – Escreve o que eu tô te dizendo Ohana: eu ainda vou ter Maureen Prescott no meu filme! “Apunhalada” vai bombar!

CECE – (SE METE) Vem cá, alguém viu a Lynn? Pelo que eu li no roteiro eu, ela e o pessoal iríamos gravar uma sequencia aqui. Cadê ela?

OHANA – A madame ligou mais cedo e disse que ia se atrasar. Coisas de filha do prefeito.

Ohana bate no ombro de CeCe e sai. Close em CeCe.

CENA 28. CASA DOS RILEY. SALA. INT. DIA.

Maureen caminha de um lado pro outro. Dewey e Catherine ali.

MAUREEN – Então você escreve um livro sobre a minha história e o vende para uma produtora de filmes? É isso Catherine?

CATHERINE – Me desculpa Maureen. Eu deveria ter falado pra você, mas foi uma ótima oportunidade de divulgar o meu livro.

MAUREEN – Expondo a minha vida?

CATHERINE – (SE LEVANTA) Olha, eu sei que é difícil pra você, mas tenta ver pelo meu lado. A minha intenção nunca foi caçoar do que você passou, afinal faz parte também da minha vida. Talvez eu devesse mesmo ter falado com você.

MAUREEN – Tudo bem Catherine. Eu te entendendo... Não quero brigar desse jeito com você, nós somos amigas. Mas mesmo assim eu me senti traída.

CATHERINE – Pense pelo lado positivo, vamos lá Maureen. Pode ser divertido.

MAUREEN – É, quem sabe possa ser.

DEWEY – Só que tem outra coisa te preocupando. Conheço esse olhar.

MAUREEN – Você tem razão Dewey, tem sim. Hoje eu fui visitar a mamãe e enfermeira me disse que ela vem recebendo visitas periódicas de Amanda Manson! Acreditam nisso? A Amanda! Como isso é possível?

DEWEY – Tem certeza dessa história Maureen? Talvez a enfermeira esteja maluca, ou viu errado.

MAUREEN – Viu nada Dewey, ela me disse a verdade. Alguém anda visitando a mamãe usando o nome da Amanda. Agora pra que? Pra não se mostrar, pra fazer escondido.

CATHERINE – Vem cá, será que não é a Hannah?

DEWEY – A minha filha?

CATHERINE – E tu lá tem outra? É claro que é a tua filha!

MAUREEN – A minha irmã tem personalidade, jamais faria isso. Se ela quisesse ver a mamãe iria lá e pronto, sem essas frescuras.

DEWEY – Nisso ela tá certa.

MAUREEN – A mamãe não trocou uma só palavra comigo, estava completamente louca, e agora me vem essa enfermeira dizer que ela vem tendo melhoras com a visita dessa pessoa? Tem coisa cheirando mal aí.

Nisso, Hannah entra em casa e vê Maureen. Hannah sorri e vai abraçar a irmã.

HANNAH – Maureen, que saudades!

MAUREEN – Como você está irmãzinha?

HANNAH – Irmãzinha não por que eu sou a mais velha. E estou bem, graças a Deus.

CATHERINE – Onde você estava Hannah?

HANNAH – Vem cá Catherine, deu pra me vigiar agora? Me deixa em paz e vai escrever teus livros de terror.

DEWEY – Responde direito pra sua madrasta Hannah.

MAUREEN – Hannah, você vem visitando a mamãe?

HANNAH – Eu? Nunca! Daquela assassina eu quero distância. Pra mim a mamãe morreu.

MAUREEN – Viram? Eu disse que não era ela.

HANNAH – O que foi?

MAUREEN – Nada querida. (SE SENTA) Agora senta aí e me conta das novidades.

Hannah olha desconfiada e se senta.

CENA 30. ENDLESS TOWN. CENAS PANORÂMICAS. EXT. NOITE.

Sonoplastia: Til the Casket Drops – ZZ Ward. O sol de põe em Endless Town. A lua cheia ilumina os montes da cidade.

CENA 31. MANSÃO DOS ARMSTRONG. SALA DE JANTAR. INT. NOITE.

Tripp, Viola e Madison em volta da mesa, jantando. Tripp está sentado na ponta, como chefe da família.

VIOLA – Eu acho que nós temos uma coisa pra conversar. Não temos Madison?

MADISON – (ERGUE OS OLHOS) Temos?

TRIPP – Viola, vai com calma...

VIOLA – (IGNORA) Fiquei sabendo dos seus péssimos modos na escola. O que está acontecendo minha filha? Hum?

MADISON – Nada! Eu apenas cansei de ser boazinha, só isso.

VIOLA – (DÁ RISADA) O que é isso Madison? Você tem apenas 13 anos querida, que diálogo foi esse? Patético!

MADISON – Por que a senhora nunca leva a sério o que eu sinto dentro do meu coração?

VIOLA – Por que você é uma idiota Madison. Esta é a verdade. Olhe bem pra você minha filha. Você está na idade de brincar de bonecas com as suas amigas, e não de pensar em dramas adultos. Alias, nem amigas você tem, o que comprova como você é desagradável.

MADISON – (NERVOSA) Eu tenho amigas sim. A CeCe, ela é minha amiga!

VIOLA – A CeCe apenas lhe dá aulas de geografia, só isso. Ela também é uma adulta e não se importa com o que você pensa.

MADISON – (COMEÇA A CHORAR) Não!

TRIPP – (PARA VIOLA) Chega!

VIOLA – (FALA MAIS ALTO) Portanto você trate de melhorar seu comportamento na escola senão eu vou me obrigar e lhe mandar para um internato na Suíça, daqueles bem cascudos, pra ver se você aprende a ser gente!

MADISON – (GRITA) Nunca! Isso nunca! Sua bruxa, eu te odeio!

Madison derruba seu prato de comida contra a mãe, a sujando, e o mesmo cai no chão, se quebrando. Madison sobe a escada correndo, chorando. Viola fecha os olhos, se controlando.

TRIPP – Bem feito! Quem mandou falar assim com a nossa filha? Ela é uma criança Viola! Deus que me perdoe, mas eu acho as vezes que você não gosta dela.

Viola não responde e se levanta da mesa, indo para a cozinha. Close em Tripp.

CENA 32. CASA DOS RILEY. QUARTO DE HÓSPEDES. INT. NOITE.

Sonoplastia: Fireflies – Leona Lewis. Maureen, de camisola, coloca Christopher em seu berço. Câmera foca a criança já dormindo. Lucas está deitado na cama, lendo um livro. Maureen também se deita na cama Lucas fecha o livro. Maureen se deita no peito dele.

LUCAS – Acho que você não imaginava que o seu primeiro dia de volta em Endless Town fosse ser tão complicado, não imaginou?

MAUREEN – Devo te confessar que não. Eu tô com medo Lucas, me abraça forte.

LUCAS – Medo do que?

MAUREEN – Não sei, desse filme, da minha visita à mamãe, de tudo. Me abraça, só me abraça!

Lucas abraça Maureen mais forte. A câmera dá um plano geral do quarto.

CENA 33. CASA DOS ARMSTRONG. QUARTO DE MADISON. INT. NOITE.

Sonoplastia fantasia. Madison entra correndo e bate a porta, com força. A menina se joga em sua cama e desaba em choro. Deitada na cama, ela vê a cortina se mexer com o vento entrando pela janela e se levanta. Quando a menina se levanta, vê uma figura feminina em sua frente, vestindo branco. Madison paralisa, encara a mulher, mas não tem medo.

MADISON – Quem é você? Como você entrou aqui?

O rosto da mulher se clareia e vemos que a mulher é Amanda Manson. Amanda se agacha para Madison e alisa seu rosto.

AMANDA – (BONDOSA) Eu sou a sua melhor amiga desse mundo.

MADISON – E como é o seu nome?

AMANDA – (SORRI) Amanda.

Madison abre um grande sorriso e abraça Amanda. E as duas ficam ali, abraçadas. Allegra abre a porta e vê a menina abraçando o que seria, para ela, o invisível. Allegra se espanta e fecha a porta, sem que Madison veja.

CENA 34. CASA DOS RILEY. JARDIM. EXT. DIA.

A festa de casamento de Catherine e Dewey está sendo organizada no jardim da nova casa da família. Homens contratados montam o altar da festa. Catherine anda de lá pra cá, com uma planilha, coordenando as pessoas que estão ajudando. Maureen sai pela porta da cozinha, boceja, e olha a movimentação. Vai até Catherine.

MAUREEN – A festa vai ficar muito bonita. Quer que eu ajude em alguma coisa?

CATHERINE – (OLHA NA PLANILHA) Hum... Você pode ajudar a CeCe a arrumar os arranjos na mesa.

MAUREEN – Perfeito.

Catherine avista alguém e sai. Corta para CeCe colocando um pano branco em cima de uma mesa que está pelo jardim. Maureen coloca um vaso de flores em cima da mesa e surpreende CeCe.

CECE – Maureen! Nem vi você chegar, tudo bem?

MAUREEN – Tudo ótimo. E você, sempre presente nos lugares que eu menos imagino! Nem sabia que você era amiga da Catherine.

CECE – Ah, eu sou amicíssima da Cath. Amiga e fã. Não custava vir dar uma ajudinha.

MAUREEN – Claro...

CECE – Ei, desculpa se eu te chateei contando do filme ontem. Achei que você devesse saber.

MAUREEN – Você fez bem em me contar CeCe. É o que amigas fazem umas com as outras.

Maureen desvia o olhar e vê, longe, Tim carregando umas caixas, auxiliado por Catherine.

MAUREEN – Vem cá, quem é aquele lá com a Catherine. Eu não conheço.

CECE – O loiro? É o Tim, namorado da Ashley. Um gatinho né? É um querido. Faz par comigo no filme. Ele vive o seu ex, Henry Sheldon.

ASHLEY – (APARECE) Obrigado pela parte que me toca, ele realmente é um gatinho CeCe.

CECE – (ENVERGONHADA) Ashley...

MAUREEN – Ashley? Que bom te conhecer. Eu sou Maureen Prescott.

ASHLEY – Eu te conheço, já te vi na escola. Muito prazer, Ashley Becker. Seja bem vinda de volta a Endless Town.

MAUREEN – Poxa, eu fico feliz em ouvir isso. Valeu mesmo Ashley.

CECE – Ashley Becker vivendo a psicótica Sarah Reed, ex-namorada de Henry Sheldon. Não é excitante Maureen?

Tim surge do lado da namorada, suado, e eles se beijam.

TIM – Qual o assunto da pauta? Espero que não estejam falando mal dos homens.

CECE – Estamos falando do filme.

ASHLEY – Amor, deixa eu te apresentar a Maureen, enteada da Catherine. Lembra dela?

TIM – Lembro sim, tudo bem Maureen?

MAUREEN – Tudo! Vocês formam um casal lindo.

ASHLEY – (SEM GRAÇA) Obrigada!

Catherine chega até a roda de amigos junto de Heather.

CATHERINE – Maureen! Deixa eu te apresentar a minha amiga, essa é Heather, ela é professora aqui em Endless Town.

HEATHER – Encantada em conhecer a inspiração para todos os maravilhosos livros da Catherine.

MAUREEN – Quem me dera! A Catherine é uma pessoa muito criativa, os méritos são todos pra ela.

HEATHER – Eu particularmente adoro todos os livros da Catherine, mas tenho uma queda por “Morte em Nova Iorque”. Meu preferido. Apesar do recém lançado, “Os Assassinos de Endless Town”, ser baseado em fatos reais.

CECE – Eu não curti esse Heather. Tem pouco sangue. Gosto de crimes com muito sangue.

CATHERINE – (SORRI) Isso me soa um tanto psicótico querida.

CECE – É porque eu já vi um assassinato.

MAUREEN – (SURPRESA) O que?

HEATHER – Não fale besteiras CeCe, está assustando a senhorita Prescott. (PARA MAUREEN) Ela é muito imaginativa!

CECE – Imaginativa? Eu vi sim, eu vi um assassinato!

MAUREEN – Que história é essa CeCe? Você tem certeza que viu um assassinato? É uma acusação muito grave.

ASHLEY – Ela está brincando Maureen. CeCe adora pregar peças em todo mundo. Ela acha que vive em um constante filme de terror. Duvido que isso seja verdade.

CECE – Vocês não acreditam em mim? Pouco me interessa. (ALTO) Mas eu sei que vi um assassinato! E eu vi!

TIM – (CURIOSO) Que espécie de assassinato?

Ashley cutuca Tim.

CECE – Um crime terrível. Bárbaro. Pelas mediações do bosque da cidade, a mais ou menos um mês.

CATHERINE – Se é verdade então que você viu um assassinato, porque não contou à polícia?

CECE – Porque na época eu achei que o que vi não era um assassinato. Estava escuro e... bom, só agora me dei conta que realmente era.

MAUREEN – E quem matou quem?

CECE – Não vou contar a vocês. Vocês não acreditam em mim. Se soubessem, ficariam horrorizados.

ASHLEY – (COCHICHA PARA TIM) Mais uma das invenções da CeCe para aparecer...

HEATHER – Bom gente, acho que já chega por hoje não é? Já fomos longe demais na “viagem” da CeCe.

CATHERINE – É isso aí Heather. Tim, volte a carregar as caixas. Ashley, vá passar meu vestido de noiva.

ASHLEY – Hã?

CATHERINE – (RI) Brincadeira!

Todos que estão por ali se dispersam. CeCe volta a arrumar as mesas calmamente. Maureen olha para CeCe, assustada.

CENA 35. CASA DOS RILEY. QUARTO DE HÓSPEDES. INT. DIA.

Maureen passa batom na frente do espelho. Ela arruma seu vestido e joga o cabelo para trás, belíssima. Lucas bate na porta e entra, de terno. Assovia ao ver a namorada.

LUCAS – Uau Maureen! Sabia que você ficaria linda, agora não imaginava que seria tanto.

MAUREEN – (SEM GRAÇA) Para de graça...

LUCAS – Acho melhor a Catherine se cuidar, porque você vai ofuscar até a noiva.

MAUREEN – (SEGURA A MÃO DELE) Não sei, mas creio que senti segundas intenções nessa sua frase.

Lucas sorri e eles se beijam.

CENA 36. CASA DOS RILEY. JARDIM. EXT. DIA.

Sonoplastia: Gods & Monsters – Lana Del Rey. Plano geral do jardim da casa dos Riley, onde a festa de casamento já está preparada. Os convidados vão chegando por um túnel de panos brancos e se sentam em cadeiras confortáveis, na frente do altar. No altar, Dewey espera ansiosamente a chegada de Catherine. Maureen se aproxima do padastro e ajeita sua gravata. Ela retorna ao altar e se dá os braços à Lucas. Ao lado deles, um casal avulso faz os padrinhos de Catherine. Viola, Tripp, Madison e Allegra chegam na festa e Lucas os avista de lá e acena. Viola também o vê e acena. Lucas cochicha algo com Maureen e eles descem ao altar. Viola vê Lucas se aproximar com Maureen e força um sorriso no rosto.

LUCAS – Papai, mamãe. Tem uma pessoa muito importante que eu queria apresentar pra vocês. Essa daqui é a Maureen, minha namorada.

MAUREEN – Como vão?

TRIPP – (APERTA A MÃO) Muito bem! Meu filho, que moça mais linda é essa? Mandou bem!

Maureen fica sem graça e ri. Viola a olha de cima a baixo.

VIOLA – Realmente, é linda.

MAUREEN – Senhora Armstrong, eu estava ansiosa para conhecê-la. De verdade. Seu filho é um homem exemplar.

VIOLA – Disso eu tenho certeza queridinha. Também estava ansiosa para conhecer a vagab/...digo, a mulher que agarrou o meu Lucas.

LUCAS – E essa é a Madison, Maureen, minha irmã favorita.

MAUREEN – Tudo bem Madison?

MADISON – (SORRI) Tudo ótimo. Eu fico feliz que meu irmão tenha conhecido alguém tão especial.

MAUREEN – Que fofa!

Maureen dá um beijo em Madison. Viola revira os olhos.

LUCAS – Ah, esqueci de apresentar a Allegra, ela cuida/...

VIOLA – (CORTA) A Allegra é uma mera empregada, não necessita de apresentações. (RESPIRA) Vou lá falar com a Heather. Já volto.

Viola dá um selinho em Tripp e sai. Maureen sorri para Allegra, que retribui. A câmera segue Ashley em travelling, que passa por eles e se aproxima de Mickey.

ASHLEY – Mick, cê viu a CeCe?

MICKEY – CeCe? Não, por quê?

ASHLEY – Por nada. Obrigada!

Ashley sai apressada. Close em Mickey. Marilyn, uma bela loira, usando um vestido sensual, com as costas e pernas de fora, chega na festa e olha em volta, animada. Marilyn sai beijando todas as pessoas que vê pela frente e faz questão de mostrar suas pernas. Mickey se aproxima de Tim e Jeremy, que estão babando por Marilyn.

JEREMY – Tim, cara, ela pode ser a sua sogra, mas é muito gostosa! Pelo amor de Deus...

TIM – É uma delícia... Sorte que a filha puxou a mãe.

JEREMY – E você Mick, o que achou da Marilyn?

MICKEY – (CONFUSO) Hã? Da Marilyn? Bom, muito boa!

Ashley caminha pela festa e vê Marilyn se sobressaindo com todo mundo. Ela corre até a mãe a puxa pelo braço.

ASHLEY – Mãe! O que significa isso?

MARILYN – (SE SOLTA) Ai garota, que isso? Tá maluca? Me machucou. Do que cê tá falando?

ASHLEY – (MOSTRA O VESTIDO DELA) Isso!

MARILYN – (DÁ UMA VOLTA) Meu modelito? Não gostou, filhota de my heart? Eu achei um deslumbre, tô arrasando, tá todo mundo olhando pra mim.

ASHLEY – Por isso mesmo, sua louca! Isso são modos pra uma mãe de família?

MARILYN – Isso são modos de uma mulher de 35 anos, na flor da idade, gostosa e que gosta de ser admirada. Para de ciúmes Ashley! E me dá licença!

Marilyn joga o cabelo na cara da filha e sai, rebolando. Close em Ashley, com vergonha. Marilyn passa na frente de Viola e Heather e abana. As duas retribuem, falsas.

VIOLA – Vagabunda! Será que a Marilyn não tem vergonha na cara? Vir com um vestido desses numa festa de família? Tenha paciência...

HEATHER – Nem me fale Viola. Mais vulgar que garota de programa.

VIOLA – Isso se não é.

Heather dá uma risadinha e Viola põe a mão na boca.

CENA 37. CASA DOS RILEY. SALA. INT. DIA.

Madison entra pela porta da sala e caminha pelo local, olhando tudo, curiosa. Madison vê uma prateleira com porta retratos. Ela se aproxima da prateleira e vai olhando as fotos que estão ali. Maureen também entra na sala e encontra Madison.

MAUREEN – Madison! Você está aí, tudo bem?

Madison se assusta e deixa alguns porta-retratos caírem. Maureen se abaixa para ajudá-la a recolher.

MADISON – Desculpa Maureen, eu só queria saber onde era o banheiro.

MAUREEN – O banheiro é lá em cima, vem que eu te mostro.

Madison coloca um porta-retrato no local que caiu e vê uma foto de Amanda abraçada com Maureen. Madison congela ao ver a imagem de Amanda.

MAUREEN – Algum problema?

MADISON – (APONTA) Quem é essa moça junto de você na foto?

MAUREEN – (PEGA O PORTA-RETRATO) Essa? É uma grande amiga minha, Amanda.

MADISON – E... Onde ela está? Não veio na festa?

MAUREEN – (SUSPIRA) Infelizmente não querida. Amanda deve estar observando todos nós lá de cima, do céu.

MADISON – (SURPRESA) Ela morreu?

MAUREEN – (CONFUSA) É, eu não queria dizer essa palavra pra você, mas sim. Ela morreu.

MADISON – (DESESPERADA) Não pode ser... Não pode ser...

Allegra entra na sala e vê Madison conversando com Maureen. Ela pega a menina pela mão e vê que ela está suando.

ALLEGRA – Madison! O que houve? O casamento vai começar, vamos lá pra fora.

Allegra sai acompanhada de Madison, ainda assustada.

CENA 38. CASA DOS RILEY. JARDIM. EXT. DIA.

Allegra e Madison saem da casa e Madison se solta da acompanhante.

ALLEGRA – Madison! Vamos nos sentar, por favor!

MADISON – (COMEÇA A CHORAR) Ela tá morta Allegra! Morta! Mas eu vi, eu juro que eu vi!

ALLEGRA – (SE ASSUSTA) Do que voce está falando menina?

MADISON – Eu vi, eu vi!

Allegra tenta agarrar Madison, que se afasta e sai correndo em direção a floresta.

ALLEGRA – (GRITA) Madison! (MAIS BAIXO) Ai meu Deus...

Allegra corre na direção onde foi Madison. Corta para todos os convidados já sentados nas cadeiras, esperando Catherine chegar. Dewey, Maureen e Lucas no altar. Viola olha para trás, tentando achar Madison e Allegra. Uma bela carruagem chega pelo túnel e todos se levantam.

VIOLA – (PARA TRIPP) Onde as duas desmioladas se meteram?

CENA 38. FLORESTA ESTADUAL DE ENDLESS TOWN. INT. DIA.

Sonoplastia de suspense. Madison correndo pela floresta, assustada. Ela olha para trás e corre cada vez mais rápido. Câmera corta para Allegra vindo logo atrás dela, segurando os sapatos de salto nas mãos.

ALLEGRA – (GRITA) Madison! Onde você se meteu menina? A sua mãe vai te matar! Madison!

Madison para, respira fundo, e ouve os gritos de Allegra. A menina toma fôlego e volta a correr.

CENA 39. CASA DOS RILEY. JARDIM. EXT. DIA.

Catherine desce da carruagem, linda, com um vestido branco de calda enorme. Dewey se emociona ao vê-la chegar. Lucas e Maureen se beijam. Catherine chega até o tapete vermelho e recebe o buquê por Ashley. Começa a tocar a marcha nupcial e Catherine caminha em direção ao altar, sob o olhar dos convidados. Ela está muito emocionada.

CENA 40. FLORESTA ESTADUAL DE ENDLESS TOWN. INT. DIA.

A marcha nupcial continua tocando nessa cena e vai se alternando em mostrar Madison correndo pela floresta e Catherine chegando ao altar. Madison corre cada vez mais rápido, mas para subitamente ao ver algo em sua frente. Ela arregala os olhos e entra em estado de choque. Allegra finalmente a alcança e puxa-a pelo braço.

ALLEGRA – Madison!

Allegra vê o que está na frente de Madison e também leva um susto. Madison dá um grito de horror.

CENA 41. CASA DOS RILEY. JARDIM. EXT. DIA.

Quando Catherine chega ao altar, o grito de Madison ecoa pelo local. Viola dá um salto.

VIOLA – É a nossa filha Tripp! (GRITA) Madison!

A marcha nupcial se encerra. Viola derruba os arranjos da festa e sai correndo até a entrada da floresta. Chocados, Tripp, Maureen e Lucas seguem Viola. Todos os convidados se olham, curiosos. Catherine troca olhares com Dewey, assustada.

CENA 42. FLORESTA ESTADUAL DE ENDLESS TOWN. INT. DIA.

Madison continua estática, junto de Allegra, que vira o rosto, com nojo. Viola, Tripp, Maureen e Lucas chegam até elas, esbaforidos, e vêem a cena. Maureen leva um choque e é apoiada por Lucas. Logo, parte dos convidados surge ali, curiosos. Catherine passa pelo meio das pessoas segurando a barra e do vestido e também dá um grito.

CATHERINE – (PASMA) Mas o que é isso!

MAUREEN – (COMEÇA A CHORAR) CeCe! É a CeCe!

A câmera dá um corte para, mais a frente, o corpo de CeCe assassinado em meio a macega, com os membros separados do tronco. A cena é assustadora e tem muito sangue. Em volta do corpo mutilado da garota, várias velas pretas e vermelhas, e o rosto de CeCe está com uma cruz de sangue em sua testa. Em cima do tronco, uma foto de Jimmy Prescott, pai de Maureen. Closes descontínuos dos convidados, chocados. Um celular toca e Maureen percebe que é o seu, retirando-o da bolsa. Ela vê que recebeu uma mensagem de um número desconhecido. Maureen abre a mensagem e a câmera foca na tela, onde está escrito: “Bem-vinda de volta Maureen. Do seu amigo Palhaço”. Close em Maureen. A imagem escurece.

 

SÉRIE DE:
Jota Pê 

ESTRELANDO:
CHRISTA B. ALLEN – Maureen Prescott
SARAH MIC
HELLE GELLAR – Catherine Riley
KEEGAN ALLEN – Henry Sheldon
ERIC WINTER – Lucas Armstrong
MICHELLE FORBES – Monica Prescott
RICHARD BURGI – Dewey Riley
ELIZABETH MCLAUGHLIN – Hannah Riley
LESLEY FERA – Viola Armstrong
DAVID JAMES ELLIOT – Tripp Armstrong
BAILEE MADISON – Madison Armstrong
ALEXIA FAST – Amanda Manson
BILLIE JOE ARMSTRONG – Cliff Holiday
JAMIE ANNE ALLMAN – Christina Martin

ELENCO RECORRENTE:
VANESSA RAY – Marilyn Becker
AIMEE TEEGARDEN – Ashley Becker
JACK DEPEW – Tim Allerton
SKYLER DAY – Lynn Wellington
BIANCA LAWSON – Tatum McCarthy
SHANE COFFEY – Jeremy Randall
ANDREA BOWEN – Allegra Drake
JOEL KINNAMAN – Adrian Rutherford
MEGHAN ORY – Ohana Rowland
NAYA RIVERA – Angelina de Los Reyes
RAMÓN FERNANDES – Mickey Hargensen
MACKINLEE WADDELL – Beverly Scott
MARISOL NICHOLS – Heather Murphy
ASHLEY JOHNSON – Kirby Carter
LIAM JAMES – Ian Carter

PARTICIPAÇÃO ESPECIAL NESTE EPISÓDIO:
VICTORIA JUSTICE – CeCe Reynolds

MÚSICAS DO EPISÓDIO:
TIL THE CASKET DROPS – ZZ Ward
FIREFLIES – Leona Lewis
GODS & MONSTERS – Lana Del Rey

PRODUÇÃO
Bruno Olsen
Diogo de Castro
Rafael Oliveira

 

Esta é uma obra de ficção virtual sem fins lucrativos. Qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência.


REALIZAÇÃO


Copyright © 2016 - WebTV
www.redewebtv.webs.com
Todos os direitos reservados
Proibida a cópia ou a reprodução

.aaa.
.aaa.

Compartilhar:

 
Copyright © WebTV | Design by OddThemes