Cine Virtual: Uma Moeda pelo seu Futuro - WebTV - Compartilhar leitura está em nosso DNA

O que Procura?

HOT 3!

Cine Virtual: Uma Moeda pelo seu Futuro

Conto escrito por Túlio Tosati
Compartilhe:








Sinopse: Um próspero gerente bancário, tem seu ceticismo abalado após um estranho encontro com uma cigana.



Uma Moeda pelo seu Futuro
de Túlio Tosati

                                          
Numa chuvosa manhã de sexta, Cláudio dirigia seu potente e atrativo carro, ziguezagueando pelas lamacentas poças d’água que se formara na estrada. Com os vidros escuros fechados, Cláudio assobiava as sonatas de Mozart que emanavam do som do automóvel.
Transbordando dos anseios de seu velho vício, Cláudio resolveu baixar pela metade o vidro de sua porta. Sem desviar o olhar do trânsito, levou a mão esquerda ao bolso de seu paletó e com destreza retirou um cigarro e seu isqueiro de prata. Entre uma baforada e outra, Cláudio observou os transeuntes com seus guarda-chuvas, lançando-lhes olhares de crítica e superioridade acompanhados de pensamentos audíveis.
— Se poupassem dinheiro, certamente teriam um carro e não estariam na chuva.
Ao se aproximar do Banco, no qual é o gerente, Cláudio estacionou o carro e apertou o passo em direção à proteção de uma marquise para abrigar-se da chuva. Enquanto acionava o alarme do carro, sentiu dois puxões na barra de sua calça social. Surpreso e assustado, Cláudio curvou-se em direção a quem lhe chamara a atenção e deparou-se com uma cigana sentada sobre um lenço vermelho. A mulher usava roupas coloridas e tinha cabelos grisalhos. Agarrou a mão de Cláudio, escancarando um sorriso que faltavam os molares.
— Uma moeda pelo seu futuro, bom senhor? — Disse ela, inopinadamente.
— Se eu desse as minhas moedas a vagabundos, certamente não teria um futuro para ser lido — Cláudio respondeu, chacoalhando sua mão. Ficara enojado com aquele inesperado contato moribundo.
— Confia muito no dinheiro que é apenas uma fração de papel. Sua sorte, contudo, pode mudar e o senhor acabar em total desgraça assim como eu.
Cláudio gargalhou e cuspiu no chão.
— É o que suas palavras valem para mim golpista! Não passa de uma farsante, cujas pragas só me atingem pelo cheiro de podre e água ardente que as acompanham.
Enfurecida, a cigana passou o dedo no muco expelido por Cláudio levou-o à boca.
— Quer pagar para ver, filho de Mamom? — Indagou ela com um olhar macabro.
Ignorando a tempestade, Cláudio deu as costas para a cigana. Estava enojado e assustado ao mesmo tempo, no entanto, seu terror se consumou quando a mulher se dirigira a ele uma última vez, chamando-lhe pelo nome completo.
── Cláudio Tavares de Aquino! Mexeu com forças incompreensíveis aos seus julgamentos acéticos.
— Como sabe o meu nome? Isto é alguma brincadeira?
A cigana ignorou a pergunta expeliu uma tenebrosa gargalhada. Apontou-lhe os finos e ossudos indicadores e gritou:
Infanati et Obliterati!
Naquele momento, mesmo descrente, Cláudio sentiu um calafrio que subira da planta dos pés até o restante do corpo. Seu transe macabro foi quebrado pela buzina de um carro que por ali passava. Cláudio sacudiu a cabeça negativamente e foi para o Banco, enquanto ao fundo, retumbavam as gargalhadas da velha cigana.
Já na agência, encontrou Hermes, o guarda. O homem dirigiu-lhe um sorriso e disse:
— Manhã chuvosa, não é senhor Cláudio? — Totalmente ignorado por Cláudio, Hermes apenas observou o homem chacoalhar o seu paletó ensopado e colocá-lo sobre o antebraço, enquanto adentrava no setor administrativo.
Assim que entrou em sua sala Cláudio acendeu mais um cigarro. Enquanto afrouxava o nó da gravata, ouvia em sua mente as palavras da cigana como se fossem ecos. Movido pela curiosidade, ligou seu computador e tentou escrever no buscador da internet o que ela havia dito.
Infanat et obliterati, eu acho que foi isso — disse Cláudio para si mesmo.
Mesmo com alguns erros de ortografia o termo logo foi corrigido e traduzido pelo buscador de pesquisa.
— “Desonrado e esquecido”.  Ah! Assim como os padres o fazem, alguns desses jargões em latim também devem fazer parte do show desses malditos charlatões — pensou Cláudio, acalmando-se e convencendo- se de não haver temores.
No fim do dia, Cláudio saiu da agência e se dirigiu ao seu veículo. O dia tinha sido tão turbulento que Cláudio só se lembrara do acontecido ao passar novamente pela marquise. Para sua felicidade, não havia nenhum sinal da infeliz que lhe importunara.
Ao chegar a sua casa saudou sua esposa com um beijo seco e rotineiro.
— Como foi o seu dia? — Perguntou ela, como de costume.
Cláudio trazia vivo em suas memórias todas as mazelas daquela segunda chuvosa, mas, sem dirigir os olhos a esposa, respondeu-a como sempre fazia:
— Normal — o egoísmo de Cláudio impedia-o de devolver a mesma pergunta à esposa.
— Servirei o jantar.  As crianças estão nos quartos — disse ela.
Sem demonstrar um resquício de atenção, Cláudio abriu a geladeira, pegou uma cerveja e dirigiu-se para a sala.
Durante o jantar a conversa era sempre a mesma. Os filhos pediam-lhe algo e por mais simples ou necessário que fosse, Cláudio sempre os negava, usando qualquer justificativa sem fundamento. Isso também acontecia à esposa, que, por causa dos ciúmes excessivos do marido, não trabalhava, sendo obrigada a levar uma vida regada pelas necessidades básicas e nada mais.
Na hora de dormir, Cláudio até pensou em comentar com a esposa sobre o que ocorrera mais cedo com a cigana, mas, como o casal já fazia tempos que não conversava nada além do necessário, deixou-a simplesmente deitar-se, apagar o abajur que estava sobre o criado-mudo e virar-se para o lado. Cláudio também fez o mesmo e enquanto aguardava a chegada do sono, remoía as palavras da velha cigana em sua mente.
Durante a madrugada Cláudio acordara várias vezes imergindo de pesadelos e tormentas noturnas que não conseguia nem descrever. A única coisa que reconhecia eram as gargalhadas da cigana que sempre lhe chegavam aos ouvidos segundos antes de voltar à realidade.
 Na manhã seguinte, ao chegar à agência bancária expirando ares de normalidade, Cláudio perguntou a Hermes se ele já havia visto alguns ciganos por ali.
— Nunca vi chefe, mas bem que gostaria. Acho interessante sua cultura. E também gostaria de ver as belas ciganas envoltas em seus véus e ouro, claro.
— A realidade é diferente Hermes — lembrou-o Cláudio, franzindo a testa. — Ciganos são marginais fétidos e beberrões. Não gostaria de ver essa minoria adentrando em minha agência.
Mesmo sem entender tanto preconceito, Hermes concordou com ele. Com doze anos de serviço, ele nunca havia visto nenhum cigano nos arredores do banco, e, se chegasse a acontecer, acreditava que jamais iria impedi-lo de entrar na agência sem um motivo necessário.
Mais tarde, Cláudio falava ao telefone com um cliente enquanto andava de um lado para o outro em sua sala. Por força do hábito levantou as lâminas da persiana e dirigiu seu olhar para o atendimento ao público do banco. Neste momento Cláudio paralisou. Via agora a velha cigana dentro da agência. Ela estava parada e olhava diretamente para ele através da pequena fresta que Cláudio criara com os dedos. Rapidamente Cláudio desligou o telefone e dirigiu-se até a porta da sala. Ao olhar novamente, a cigana já não estava mais lá. Cláudio foi ao encontro de Hermes aos gritos.
 — Você está me desafiando ou é um estúpido? Acabei de lhe dizer que não quero ciganos dentro do banco e você permite uma velha cigana entrar aqui?
— Mas senhor? Eu não vi nenhuma cigana! — gaguejou Hermes, gesticulando as mãos em direção às câmeras.
— Talvez eu esteja ficando louco! Ou o total estúpido seja eu! Atente-se ao seu trabalho Hermes. — E Cláudio se afastou. Enquanto retornava para sua sala, arremessava olhares zangados a todos que o fitava.
Ao chegar ao escritório, lavou o rosto e levou uma mão de água fresca à nuca. Enquanto encarava-se no espelho, alguém bateu à porta e em seguida entrou. Era Júlia, sua secretária.
— Trouxe-lhe café, senhor Cláudio.  Está tudo bem?
— Sim Júlia, está tudo bem, obrigado. Pode deixar aí.
— Ouvi a sua conversa com o Hermes e concordo com o senhor. O Hermes é um desatento. Eu também fiquei me perguntando o que aquela criatura estava fazendo ali, parada dentro da agência.
— Você também a viu, Júlia?
— Claro que vi. Como não perceber uma mulher vestida com aqueles maltrapilhos coloridos? Essa gente rogadora de pragas e maus dizeres.
— Você acredita nisso, Júlia? — Cláudio demonstrava interesse.
— Claro senhor Cláudio! Teve um homem lá do meu bairro que negou um prato de comida a um cigano. Ele foi praguejado e começou a engordar sem parar, coisa de dez quilos por semana. Os médicos tentaram descobrir do que se tratava, mas nenhum conseguiu identificar sua condição.
— E então Júlia?
— Então, senhor Cláudio, aconteceu que a família teve que encomendar um caixão de reforço especial; não teve jeito. O homem não se redimiu.
— Como assim se redimiu? — Perguntou Cláudio, enquanto misturava o seu café.
— Minha avó me disse que para desfazer praga de cigano, você tem de redimir-se do seu erro, apontado por ele. Deve procurar o cigano que o praguejou, dizer-se arrependido e ele lhe dirá o que fazer para desfazer o cruel destino.
Após essa conversa, Cláudio sentiu-se confortável para contar a Júlia o que havia se passado com a tal cigana.
Júlia Mostrando espanto disse:
— Senhor Cláudio, isso é coisa séria — exclamou Julia, espantada. — Procure essa cigana imediatamente e resolva o problema! — Júlia então foi interrompida por novas batidas na porta. Hermes entrou com certa agitação. Trazia nas mãos um tablet conectado ao circuito interno da agência.
— Onde está? — Falou ele, apontando para a tela do aparelho. — Mostre-me a tal cigana! Já assisti diversas vezes e não vi mulher alguma!
— Júlia também viu! — Contou-lhe Cláudio.
— Ela é uma puxa-saco! Quero que o senhor me mostre!  — Hermes soltou o aparelho sobre a mesa e saiu bruscamente.
Cláudio e Júlia assistiram várias vezes e chegaram à conclusão de que talvez a cigana estivesse em algum ponto cego das câmeras, porque não a viram em nenhum lugar nas gravações.
Ao final do dia Cláudio teve uma surpresa.
Encontrou o seu carro todo arranhado e entre os diversos desenhos, havia os dizeres: “Irei matar sua família” “Infanati et Obliterati.”
— Não acredito! — Cláudio pegou o tablet que Hermes tinha deixado com ele e acionou as câmeras de fora da agência, na qual capturavam seu carro. Não havia nada de anormal nos vídeos, porém, num momento das gravações, viu, com o rosto ficando pálido, a tal cigana de pé ao lado do carro. Ela olhava para a câmera e gargalhava.
Cláudio entrou em choque e decidiu ir para casa.
Chegando lá entrou correndo em busca da esposa, mas lembrou-se que as terças era o dia do clube do livro, uma das poucas atividades que ele a permitia fazer. Mediante as circunstâncias ele ligou para a vizinha onde aconteciam os encontros do clube do livro. Ela respondeu preocupada.
— Sua esposa não está aqui...
Imediatamente a ligação foi tomada por gargalhadas, seguidas da voz horrenda da cigana:
— Uma moeda pelo futuro da sua esposa e filhos — então desligou o telefone.
Cláudio foi tomado pelo desespero. Ligou para o celular de um dos filhos e do outro lado da linha uma voz estranha o atendeu:
— Senhor, sou um policial, com quem eu falo?
— Sou Cláudio — as palavras lhe falhavam. — O pai da criança a que esse celular pertence.
— Pois bem.  Encontramos o seu filho juntamente com a irmã e a mãe e, infelizmente as notícias não são das melhores. O senhor terá de ser forte.
Cláudio desligou o celular, sentindo um misto de tristeza e ódio, convicto de que tudo aquilo era culpa da tal cigana. Sobressaltou-se com o telefone que tocava novamente.
— Oi Cláudio! — era Julia. — Estamos naquele bar de costume aqui no centro e acabei de mostrar ao Hermes a cigana que vimos na agência. Ela está aqui perto, numa barraca embaixo de uma marquise em frente o bar.
Cláudio desligou o celular e cego de ódio pegou o seu isqueiro de prata e um galão de solvente que tinha na garagem e dirigiu-se até o local.
Chegando lá foi avistado por Júlia que acenou para ele. Ignorando-a, correu para a tenda que estava oculta num canto escuro da calçada. Ao se aproximar, ouviu a voz rouca da cigana sair da fissura entre que se formava no centro da barraca.
— Uma moeda pelo seu futuro? — Em seguida, veio a típica gargalhada que Cláudio sempre ouvia em seus tormentos.
Em prantos, Cláudio encharcou a barraca com o solvente, acendeu seu isqueiro e lançou-o sobre a lona. Uma enorme chama brilhou em seus olhos, enquanto ele gritava:
— Está aqui sua moeda, Maldita!
No dia seguinte ouvia-se a repórter do noticiário matinal:

— Foi preso na noite de hoje o gerente bancário Cláudio Tavares de Aquino. Sem motivo aparente, ele ateou fogo em uma barraca que abrigava uma família de moradores de rua. Ao ser questionado pela polícia ele contou uma história sobre uma cigana que o perseguia e causou a morte de sua família, história que foi desmentida por sua própria esposa que, no momento do crime estava na reunião semanal de um clube de leitura. Testemunhas disseram que ontem, antes do ocorrido, viram Cláudio vandalizando o seu próprio carro. O crime, considerado hediondo, é inafiançável e caso Cláudio apresente insanidade mental irá cumprir a sua pena numa instituição psiquiátrica especializada.




Conto escrito por
Túlio Tosati

Produção
Bruno Olsen
Cristina Ravela


Esta é uma obra de ficção virtual sem fins lucrativos. Qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência.


REALIZAÇÃO



Copyright 
© 2020 - WebTV
www.redewtv.com
Todos os direitos reservados
Proibida a cópia ou a reprodução





Sinopse: Há pessoas que por medo preferem ser leves... mas a leveza é insustentável para quem é vazio. Almas assim vivem perdidas em valores distorcidos, mas pensam haver conquistado o melhor dos mundos. Esta é a história de uma delas. E sobre o incomensurável valor do tempo para quem tem pressa de chegar a lugar algum... 


Compartilhe:

14 anos

Cine Virtual

Contos Literários

Episódios do Cine Virtual

Filmes

No Ar

Comentários:

0 comentários: