Estações da Vida - Capítulo 1x32 - WebTV - Compartilhar leitura está em nosso DNA

O que Procura?

HOT 3!

Estações da Vida - Capítulo 1x32

Novela de Gabo Olsen e Diogo de Castro
Compartilhe:
Troque a Fonte Aqui


NO CAPÍTULO ANTERIOR DE "ESTAÇÕES DA VIDA":

PATO: Eu to apaixonado pela Nanda.
 
AMANDA: Você não pode terminar comigo justo agora.
 
PATO: Como assim?
 
AMANDA: Eu to grávida.
 
PATO (surpreso): O que?

...

PAULINHA: Ai, amiga. Foi horrível. Nunca pensei que o Diego fosse capaz de fazer isso comigo.
 
NANDA: Nem consigo imaginar como você se sente. Mas o Diego deve tá muito encrencado pra ter feito o que fez. Ele não devia estar em seu estado normal.
 
Paulinha senta na cama.
 
PAULINHA: Isso me deixa tão culpada, Nanda. Mesmo depois de tudo que ele e o Pato aprontaram esse ano, me sinto culpada por ter me afastado.
 
NANDA: Você não tem culpa de nada, Paulinha. Tira isso da sua cabeça. Ninguém tem culpa numa hora dessas, sabe. Relaxa. Descansa um pouco. To aqui com você tá?!

...

JULIANA: Diego! Não dificulte as coisas.
 
Silêncio. Juliana faz sinal para Naná esperar e sai. Naná fica ali sem entender. Tempo e Juliana reaparece com um molho de chaves na mão.
 
JULIANA: Chave reserva. Não queria que fosse necessário, mas com o Diego não tem negociação.
 
Juliana coloca a chave na fechadura. Gira. Abre a porta e se choca.
 
JULIANA: Diego!!!
 
CAM mostra Diego desacordado, no chão.




CAPÍTULO 1x32



   



CENA 01. CASA JULIANA. QUARTO. INT. NOITE.

Continuação da última cena do capítulo anterior. Diego caído no chão.

NANÁ (chorando): Diego, meu filho, fala comigo.

Juliana pega o celular e disca um número.

JULIANA: Alô. (T) Preciso de uma ambulância, com urgência.

CORTA PARA

CENA 02. HOSPITAL. RECEPÇÃO. INT. NOITE.

Naná anda de um lado para o outro. Juliana sentada.

JULIANA: Amiga, você precisa se acalmar.

NANÁ: Eu to tão preocupada com o meu menino. Como ele foi se meter nessa?

Juliana se levanta, entrega um copo a Naná.

JULIANA: Pegue. Você vai se sentir melhor.

NANÁ: Obrigada.

JULIANA: Quanto ao Diego, acredito que o melhor seja a internação.

NANÁ (preocupada): Internação?

JULIANA: Você sabe. Em uma clínica de reabilitação.

Naná chora. Juliana a abraça.

JULIANA: Não chora. Eu vou te ajudar, faremos o que for melhor para o Diego.

NANÁ: Eu falhei com meu neto, Juliana. As coisas aconteceram debaixo do meu nariz e eu não pude fazer nada.

JULIANA: Não se culpe, querida. O importante agora é aceitarmos o fato de que o Diego precisa de tratamento, antes que seja tarde demais.

O médico se aproxima delas que se afastam.

NANÁ: E então doutor, como está o meu menino?

No médico.

CENA 03. MANSÃO LAMBERTINI. QUARTO KÁTIA E LEONARDO. INT. NOITE.

Leonardo e Kátia deitados na cama.

KÁTIA (séria): Como assim ameaçado?

LEONARDO: Você sabe. Se eu não me casar com a Amanda, ela vai contar tudo ao Patrício.

KÁTIA: Eu vou acabar com a raça daquela vagabunda.

LEONARDO: Preciso afastá-la do Patrício, da nossa família.

KÁTIA: Eu posso ajudar.

LEONARDO: Como?

Kátia abre a gaveta e joga na cama as fotos da Amanda.

LEONARDO (pegando uma foto): Mas o que é isso?

KÁTIA: A vadia é garota de programa.

LEONARDO: Como você conseguiu essas fotos?

KÁTIA: Isso não importa, Leonardo. Agora essa vadia vai sumir do mapa. Aposto que esse filho não é seu, nem do Patrício, e sabe o que é pior? Olha essa foto.

Kátia mostra uma foto de Amanda e Diego deitados na cama.

LEONARDO: Esse não é o.../

KÁTIA: Exatamente, o Diego, MELHOR amigo do Patrício, pelo visto, não foi só você que traiu a confiança dele.

Leonardo pega a foto e ameaça sair.

KÁTIA: Está indo aonde?

LEONARDO: Mostrar essa foto ao Patrício.

KÁTIA: Você enlouqueceu? Temos que esperar o momento certo.

Em Leonardo.

CENA 04. MANSÃO PAULINHA. SALA DE ESTAR. INT. NOITE.

Mirtes liga para Paulinha que não atende o celular.

RUBENS: Ela não atendeu?

MIRTES: Caixa postal.

RUBENS: Tá vendo? A Paula faz o que quer, não liga, some, aparece na hora que bem entender. Eu vou dar uma basta nisso.

MIRTES: O celular deve ter descarregado.

RUBENS: Isso não é desculpa. Em plena era digital, nenhum jovem fica sem bateria. Existe carregador portátil e eu sei que ela tem.

MIRTES: Rubens, se acalme. Daqui a pouco ela chega.

RUBENS: Esse é o problema, você sempre tranquila, acha normal esse tipo de atitude.

MIRTES: Rubens, não tô afim de discutir.

Mirtes ameaça se levantar. Rubens a segura pelo braço.

RUBENS: Estamos jantando. É seu dever me acompanhar.

MIRTES: Perdi a fome.

RUBENS: Você não vai levantar da porra dessa mesa.

Rubens bate na mesa com força. Mirtes se assusta.

RUBENS: Você entendeu?

Mirtes não responde.

RUBENS: Eu to falando contigo, quando eu perguntar você responde.

Lágrimas escorrem do rosto de Mirtes, que permanece em silêncio.

RUBENS: Vai me deixar falando sozinho?

Rubens acerta um tapa na mão dela.

MIRTES: Você é um monstro.

Nervoso, Rubens se levanta e puxa a esposa.

RUBENS: Olha como você fala comigo.

Ele a sacode.

RUBENS: Eu vou te ensinar a me respeitar.

Rubens acerta um tapa no rosto de Mirtes, que cai no chão.
Paulinha na porta presencia a cena.

Em Rubens nervoso.

CENA 05. HOSPITAL. SALA. INT. NOITE.

Naná e Juliana diante do médico.

MÉDICO: O paciente Diego teve uma overdose.

NANÁ (surpresa): Minha nossa senhora.

JULIANA: E como ele está, doutor?

MÉDICO: Por muito pouco ele não entrou em coma.

NANÁ: Doutor, eu to muito preocupada. O que será do meu Diego?

MÉDICO: Ele vai ficar internado por mais alguns dias pra ver se o estado de saúde se mantém instável. 

NANÁ: Ele precisa melhorar logo.

MÉDICO: Faz tempo que ele faz o uso de drogas?

NANÁ: Nos últimos dias ele estava estranho, mas eu achei que poderia ser efeito da bebida alcoólica.

MÉDICO: Vocês não sabiam que ele faz uso de cocaína?

Elas se entreolham. O médico desconfia.

MÉDICO: Aconselho que procurem ajuda, rápido. O Diego é muito novo, tem uma vida toda pela frente e não pode jogar isso fora por conta de um vício como esse. Falo isso pois não é o primeiro paciente que recebemos aqui no hospital apresentando essas características. Com licença.

O médico se afasta. Juliana e Naná se entreolham.

CENA 05. MANSÃO LAMBERTINI. SALA DE ESTAR. INT. NOITE.

Leonardo, Kátia, Lua e Pato jantando.

LEONARDO: Patrício, amanhã mesmo você poderá voltar ao colégio.

KÁTIA: Esperamos que desta vez você aproveite a oportunidade.

PATO: Que eu saiba, eu fui expulso para proteger um amigo.

KÁTIA: O Diego, não é mesmo?

PATO: Sim, e se precisar farei novamente.

KÁTIA (sorri): Tão bom quando podemos contar com os amigos.

Kátia olha para Leonardo.

PATO: Aproveitando o momento “família” preciso compartilhar uma notícia sobre a Amanda.

KÁTIA: Terminaram?

PATO: Ela tá grávida.

LUA: Sério?

Leonardo e Kátia se olham, cúmplices.

PATO: Sim, baixinha. Vou ser pai.

LUA: Pato, você sabe que não sou muito fã da Amanda, mas fico feliz por você.

KÁTIA: Será que esse filho é mesmo seu?

PATO: O que você está insinuando? A Amanda não é igual você que dá em cima de homem casado.

LUA (chora): Pato, não fala assim.

KÁTIA: Olha lá como você fala comigo, seu moleque.

LEONARDO: Não vamos começar com discussões agora, ok?! Patrício, havíamos combinado uma trégua, esqueceu?

PATO: Foi mal. Passei do ponto.

LEONARDO: E...?

Pato hesita.

PATO: Desculpa.

LEONARDO: Eu espero que você saiba que a partir de agora sua vida vai mudar completamente. Ter um filho implica assumir responsabilidades que você nem imagina.

LUA: Você já sabe que nome vai dar?

PATO: Ainda não pensei em nada.

LEONARDO: Pois é bom começar a pensar. A vida de um homem se transforma com a paternidade.

PATO: Perdi a fome.

Pato se retira da mesa.

LUA: Eu vou lá falar com ele.

KÁTIA: Chega a ser impressionante a ingenuidade do Patrício.

LEONARDO: Não começa, Kátia. Já estou com muita coisa na cabeça.

Eles continuam comendo.

CORTA PARA

CENA 06. MANSÃO LAMBERTINI. QUARTO PATO. INT. NOITE.

Pato está deitado na cama, Lua entra.

LUA: Pelo visto você não tá muito animado com essa história de ter um filho.

Ele se ajeita na cama, Lua senta ao seu lado.

PATO: É. Não foi assim que eu imaginei que seria. É claro que um dia eu gostaria ter um filho, mas não agora. Eu tenho 16 anos. Muita coisa pra viver ainda.

LUA: Veja pelo lado bom, eu terei um sobrinho.

Eles riem.

PATO: Obrigado por tentar me animar.

LUA: Acho que não deu muito certo.

PATO: É que logo agora que eu tava quase me acertando com a Nanda, acontece isso. A gente nunca vai poder ficar junto.

LUA: Também não é assim né, Pato. Não é porque a Amanda está esperando um filho seu que vocês tem que se casar.

PATO: Não quero que meu filho cresça sem a presença do pai. Eu acho que já fiz muita merda na vida, Lua. Chegou a hora de provar que eu amadureci.

LUA: Bom, eu to aqui do seu lado, para o que você precisar tá?

Eles se abraçam. O celular de Pato apita. Ele lê a mensagem.

PATO (preocupação): Caramba.

LUA: Aconteceu alguma coisa?

PATO: O Diego está no hospital. Preciso ir lá.

Pato sai apressado.

CORTA PARA

CENA 07. HOSPITAL. SALA DE ESPERA. INT. NOITE.

Pato entra. Nanda está sentada numa das inúmeras cadeiras encostadas à parede.

PATO: Oi, Nanda. Valeu por avisar.

NANDA: As notícias correm.

PATO: Não deve tá sendo fácil pra você tá aqui, depois de tudo o que rolou entre você e o Diego.

NANDA: Aham, o Diego precisa de ajuda. Cê acredita que ele assaltou a Paulinha?

PATO: Quando foi isso?

Eles conversam. Em outro ponto, Juliana entrega um copo de café a Naná.

JULIANA: Você ouviu o que o médico falou. Não podemos mais fingir que o Diego está bem.

NANÁ: Eu sei, Juliana. E eu me sinto tão culpada por tudo isso.

JULIANA: Você não tem culpa, minha amiga. Nós sabemos que a vida do Diego não foi fácil desde que os pais sumiram do mapa e se não fosse por você, o Diego não teria ninguém.

NANÁ: Sinto que poderia ter feito mais.

JULIANA: Então, a hora é essa. Preciso da sua permissão para levar o Diego a clínica de reabilitação. O que me diz?

Em Naná, indecisa.

CENA 08. MANSÃO PAULINHA. SALA DE ESTAR. INT. NOITE.

Mirtes no chão. Paulinha corre para perto da mãe.

PAULINHA: Seu cretino, o que você fez?! Você está bem?

MIRTES: Sim, Paulinha.

RUBENS: E você fica fora disso! Vai pro seu quarto!

PAULINHA: Eu vou é te denunciar pra polícia seu agressor de mulheres!

Paulinha faz que vai pegar o celular.

RUBENS: Do que você está falando, garota? Está tudo bem, não é Mirtes? Fala pra ela!

PAULINHA: Não está nada bem. Eu vi o que você fez. Como você teve coragem de bater na minha mãe?

MIRTES: Filha, está tudo bem. A gente só discutiu e as coisas saíram do controle. Tá tudo bem.

PAULINHA: Mas, mãe!

RUBENS: Você está surda? Não ouviu o que ela disse? Agora vai pro seu quarto. Eu não vou falar de novo.

Paulinha hesita, mas sai. Rubens se aproxima de Mirtes levantando-a com grosseria.

RUBENS: Tá vendo o que você me fez fazer?!

Ele a solta com força.

RUBENS: To te esperando no nosso quarto.

E sai. Mirtes, chorando, tenta se recompor.

CENA 09. HOSPITAL. QUARTO DIEGO. INT. NOITE.

Diego inconsciente, Pato e Nanda o observando. Pato deixa uma lágrima escorrer.

NANDA: Você tá chorando?!

Pato tenta disfarçar.

NANDA: Que fofo, Pato.

PATO: É difícil ver o Diego nessa situação.

NANDA: Vocês sempre foram muito apegados. Tipo Timão e Pumba.

PATO (ri): Tá mais pra Dom e Brian de Velozes e furiosos.

Eles riem.

NANDA: Realmente. Vocês aprontaram muito esse ano.

PATO: Eu já sabia que o Diego tava usando droga.

NANDA: Por que não falou pra ninguém?

PATO: As coisas mudaram muito entre a galera. Todo mundo se afastou. Mas eu deveria ter contato. Se agora ele tá nessa eu tenho uma parcela de culpa.

NANDA: O importante é que ele vai sair dessa.

Nanda abraça Pato e dá um selinho nele.

PATO: Eu preciso te contar uma coisa.

Naná entra.

NANÁ: Ah me desculpem, eu não sabia que estavam aí.

NANDA: Não, tudo bem, dona Naná. Já estávamos indo né, Pato?

PATO: Sim. Boa noite pra senhora.

NANÁ: Boa noite pra vocês.

Nanda e Pato se retiram. Naná fica observando Diego.

CENA 10. CASA CAIO. SALA. INT. NOITE.

Caio entra. Selma no sofá.

CAIO: Mãe?

SELMA: Oi filho.

CAIO: O que faz aqui na sala, com a luz apagada? Cadê o pai?

SELMA: Já foi dormir.

CAIO: E por que ainda tá acordada?

SELMA: Filho, senta aqui comigo.

Caio se aproxima, estranha.

CAIO: Você está me assustando.

SELMA: Fique tranquilo. (T) Tem algo que você queira me contar?

CAIO (sem graça): Te contar?

SELMA: É. Depois que você terminou com a Paulinha, percebi que você superou rápido. Está gostando de alguém?

CAIO (nervoso): Na...ão.

SELMA: Saiba que você pode sempre contar comigo, viu, meu filho?

CAIO: Obrigado, mãe, mas não to entendendo o motivo da conversa.

SELMA: Não se esqueça que além de mãe e filho, eu também sou sua amiga, e estou aqui para o que você precisar.

CAIO: Tudo bem, mãe.

Caio dá um beijo no rosto da mãe e sai. Selma o observa.

CORTA PARA

MUSIC ON: (DEPOIS DA MEIA-NOITE - CAPITAL INICIAL)

CENA 11. CASA CAIO. QUARTO. INT. NOITE.

Caio abre a janela e observa o movimento na rua. Crianças correndo. Jovens conversando.

CAIO (off): Que papo mais estranho da minha mãe. Parece até que ela sabe de alguma coisa. Será que... ? Não, não... Ela jamais mexeria nas minhas coisas. Deve ser sexto sentido. Dizem que as mães tem disso né. Sei lá... às vezes eu penso em me abrir com ela. Confio nela. Mas, ao mesmo tempo, contar pra ela significa contar pro meu pai. Então acho melhor não. Isso não deveria ser tão difícil. Eles são a minha família, me amam... Mas tenho medo que as coisas mudem quando isso acontecer. Será que um dia vou conseguir me libertar desse segredo?

Enquanto Caio fala é mostrado a sequência de cenas:

1. Paulinha deitada na cama chorando.

PAULINHA: Como ele foi capaz de bater na minha mãe? Eu não posso ficar parada. Isso não pode ficar assim!

2. Lua escrevendo no caderno, para por um instante.

LUA: O Pato nunca vai se dar bem com a minha mãe. Por mais que eu pense positivo, esse lance entre os dois nunca vai melhorar.

3. Kátia sentada na cama ao lado de Leonardo.

KÁTIA: Quer dizer que o Pato foi visitar o coleguinha? É um paspalho mesmo esse seu filho.

CAIO (off): Eu já me perguntei, me questionei, tentei lutar contra esse sentimento, eu não quero ser assim. Tudo seria tão mais fácil se eu fosse como a maioria.

4. Grego tomando banho.

GREGO: Caio, não consigo parar de pensar em você.

Grego esboça um sorriso.

5. Diego dormindo. Naná ao seu lado acariciando seus cabelos.

6. Juliana digitando no notebook.

JULIANA: Desculpa delicinha. Aconteceu um problemão e eu não pude ir ao encontro.

Juliana se surpreende com uma mensagem.

JULIANA (surpresa): Minha nossa, o que é isso.

CAIO (off): A sociedade é um lugar muito permissivo para pessoas tidas como “normal”, mas muito perigoso para pessoas como eu. Não sei se tenho forças para lutar contra a homofobia.

7. Rubens deitado, dormindo, sem camisa. Ao seu lado, Mirtes de camisola, chorando. Ela se levanta. Caminha em direção ao banheiro. CORTA PARA Mirtes embaixo do chuveiro, lavando o corpo como se sentisse nojo. Não para de chorar.

8. Nanda e Pato na frente do hospital.

NANDA: O que queria me contar lá em cima?

PATO: É que... Aconteceu algo que fugiu do meu controle, na real, eu nem sei como te contar isso. Logo agora que a gente tava começando a se acertar.

NANDA (preocupada): Você está me assustando.

PATO: A Amanda tá grávida.

Nanda encara Pato, triste. Uma lágrima escorre dos seus olhos. Nanda ameaça sair, mas Pato a segura pelo braço.

PATO: Nanda, fala comigo.

NANDA: Eu preciso ficar só.

Nanda vai embora.

8. Amanda rolando na cama.

AMANDA: Falta pouco pra sair dessa fossa. (risos) Eu não sei quem é o pai. Pode ser o Pato, Diego, Leonardo, ou até um cliente. (ela ri) Que vagabunda!

Amanda morde os lábios.

9. Transição de tempo. Sol e Lua intercalam, mostrando que vários dias se passaram.

LEGENDA: DIAS DEPOIS

MUSIC OFF.

CENA 12. CASA JULIANA. QUARTO. INT. NOITE.

Diego deitado. Paulinha sentada na cadeira.

DIEGO: Na boa, Paulinha, depois de tudo o que eu fiz, nem sei como tu consegue olhar na minha cara.

PAULINHA: Aquele dia, você estava fora de si. Não era você.

DIEGO: Geral deve me odiar, eu sempre vacilo.

PAULINHA: Você pisou bastante na bola, e na maioria das vezes estava consciente de seus atos, o que deixa em descrédito, mas nada impede que as coisas voltem ao normal, se tiver a fim.

DIEGO: Demorou. Esses dias no hospital me fizeram reconhecer as mancadas que tenho dado. Além disso a Juliana e minha vó estão me dando a maior força, vou começar um acompanhamento psicológico. Quero ser uma pessoa melhor, Paulinha.

PAULINHA: Passada com a sensatez.

Eles riem.

DIEGO: Vai rindo, vai. Mas e aí, quais são as novas? Como tão as coisas no colégio?

PAULINHA: Tudo na mesma, as provas logo chegam e o semestre vai acabar. Não vejo a hora das férias.

DIEGO: Eu já devo ter reprovado.

PAULINHA: Podemos te ajudar a recuperar o tempo perdido.

Diego fica em silêncio.

PAULINHA: Posso te fazer uma pergunta?

DIEGO: Manda.

PAULINHA: Sei que é uma pergunta muito delicada, mas me conta, como você entrou no mundo das drogas?

DIEGO: Você realmente quer saber?

Paulinha balança a cabeça confirmando.

DIEGO: Lembra daquela festa que a galera foi parar na delegacia?

PAULINHA: Claro que lembro.

DIEGO: Eu e o Pato voltamos pra casa dele. A Lua não tava legal, eu o Pato acabamos nos desentendendo.

FLASHBACK,

CAPÍTULO 1x13

DIEGO: Você bebeu muito?

LUA: Não, foi só uma garrafa. Mas também nunca tinha bebido né. Enquanto você dançava com a Lari eu peguei uma das garrafas na bandeja e tomei. Acho que você nem percebeu que tava faltando.

DIEGO: Tá vendo, Pato? Eu posso ser irresponsável, mas eu sei admitir minhas falhas.

PATO: Foi mal.

DIEGO: Da próxima vez, me escuta e acredita em mim.

Diego sai.

LUA: Acho que alguém ficou chateado.

FIM DO FLASHBACK,

DIEGO: Depois que eu fui embora da casa do Pato, eu encontrei dois caras no ponto de ônibus.

FLASHBACK,

JOVEM 1: Ei, doido, chega ai.

Diego encara o jovem 1.

JOVEM 2: Cola aqui mano.

DIEGO: O que vocês querem?

JOVEM 1 (mostrando a droga): Pega.

DIEGO: Melhor não.

JOVEM 2: Cê vai gostar, truta. Experimenta, se não curtir, é só me devolver.

Diego os encara.

JOVEM 1: Pega truta, faz assim.

O jovem 1 despeja um pouco de pó na mão e cheira.

FIM DO FLASHBACK,

DIEGO: Eu tentei recusar, mas não consegui, o álcool da noitada ainda tava no sangue. Eu deixei o momento rolar.

FLASHBACK,

O jovem 1 despeja pó na mão de Diego.

JOVEM 2: Agora você fecha um lado do nariz e suga com o outro, faz pressão, sem medo, truta.

Diego segue as orientações.

FIM DO FLASHBACK,

DIEGO: Eles me levaram pra outro lugar. Passei o dia curtindo. Depois pediram grana. Eu não tinha nada, foi aí que eu peguei umas paradas em casa, coloquei dentro da mochila, sem que minha avó visse e fui comprar as paradas.

FLASHBACK,

JOVEM 2: Muito bem, truta. Sempre que precisar pode entrar em contato.

DIEGO: Isso já é o suficiente.

Diego guarda o pacote dentro da mochila.

JOVEM 1: Tu vai curtir. Tu vai ficar relaxadão.

FIM DO FLASHBACK,

DIEGO: Depois de perambular pelas ruas, voltei pra casa.

FLASHBACK,

CAPÍTULO 1x13

Diego chega. Naná sentada vendo tv.

NANÁ: Aonde você estava, filho?

DIEGO: Por aí.

NANÁ: Saiu de tarde e só voltou agora. E essa mochila?

DIEGO: Sem interrogatórios, ok?

Diego sai.

NANÁ: Esse menino está aprontando.

FIM DO FLASHBACK,

DIEGO: E não demorou muito pra começar o vício.

CAPÍTULO 1x13

Diego despeja em cima da cama várias trouxas de droga.

DIEGO: Eu vou sair da pobreza, custe o que custar.

Em Diego observando as drogas, meio tenso.

FIM DO FLASHBACK,

DIEGO: Nas drogas eu esqueci todos os problemas. O fato dos meus pais sumirem, a pobreza. Pelo menos enquanto eu estava sob o efeito, a vida era boa, sabe. Quando me dei conta, já tava viciado. Acho que a gota d’água foi aquele dia que te roubei.

PAULINHA: Você vai superar essa fase. Pode contar comigo, viu?

DIEGO: Esse lance que te contei, fica só entre a gente, ok?

MUSIC ON: (AMORES IMPERFEITOS - ANAVITORIA)

PAULINHA: Sim, entre a gente.

DIEGO: Eu sou muito idiota viu.

PAULINHA: Por que diz isso?

DIEGO: Por todas as vezes em que te decepcionei. É incrível que mesmo assim, você tá aqui.

Paulinha acaricia a mão de Diego. Ele fecha os olhos. CAM aproxima da porta encostada. Do outro lado está Naná, que limpa as lágrimas. Ao seu lado está Juliana.

CENA 13. RIO DE JANEIRO. EXT. NOITE.

Pessoas circulam pela rua. O trânsito movimentado com carros, ônibus e motos. A lua sai de cena, surgindo um novo dia.

MUSIC OFF.

CENA 14. COLÉGIO FRAN VICENTINI. INT. DIA.

Nanda com fone no ouvido, distraída mexendo no celular. Paulinha se aproxima e dá um tapa de leve no ombro.

NANDA: Ei, Paulinha. Como vão as coisas?

PAULINHA: O clima lá em casa continua pesado. Meus pais falam que tá tudo bem, mas eu tô preocupada com a minha mãe. Aquele casamento não existe mais, mas ela prefere permanecer. Não consigo entender.

NANDA: Amiga, fica de olho tá? Se precisar de ajuda, me pede socorro.

PAULINHA: Aham, ficarei bem atenta.

NANDA: E o Diego?

PAULINHA: Eu sei que a gente cancelou ele. O Diego não merece nossa consideração, mas acima de tudo, ele entrou numa pior e se não ajudarmos, as consequências podem ser pior. Eu tive na casa dele.

NANDA: E...?

PAULINHA: Acho que ele nunca foi tão sincero comigo na vida. Foi tipo, surpreendente.

NANDA: Sério, miga?

PAULINHA: Sério. Acho que talvez o Diego esteja tomando jeito.

NANDA: Tomara. Tudo o que aconteceu esse ano, serviu como aprendizado pra gente. Inclusive acho que já deu o que tinha que dar, já pode acabar tá, 2020?!

PAULINHA: Nem me fale. Mas ainda tem uma coisas pra rolar né.

NANDA: O que, por exemplo?

PAULINHA: Hoje o Diego volta pro colégio.

NANDA: Não me diga que vai rolar um flashback.

PAULINHA: Eu não consegui esquecê-lo, tentei lutar, no entanto, não conseguimos mandar no coração. Você sabe que por mim rolaria, só que não depende só de mim.

Diego entra no colégio.

NANDA: Falando nele.

Paulinha acena. Diego se aproxima.

DIEGO: Nanda, Paulinha.

NANDA: Oi.

Paulinha sorri.

DIEGO: Nanda, tava precisando falar contigo. Fiquei sabendo que você foi lá no hospital. Obrigado.

NANDA: Não precisa agradecer.

DIEGO: Eu sei que eu só dei mancada, e nem mereço uma nova chance. Tudo que tem rolado ultimamente me fez perceber o quanto foi grave o que eu e o Pato fizemos contigo.

NANDA: Diego, você está mesmo arrependido?

DIEGO: Pode até parecer surreal, eu sei, mas eu to arrependido, Nanda. Foi mal.

NANDA: Eu fiquei muito chateada, mas eu consegui superar. Espero que você realmente tenha mudado. Vamos deixar essa história no passado, ok?

Nanda estende a mão.

DIEGO: Valeu, Nanda.

PAULINHA: Acho que as coisas estão começando a voltar a ser como antes.

Pato se aproxima.

PATO: Ae, brother. Muito bom ter você de volta.

Pato e Diego se abraçam.

PATO: Nanda, podemos conversar?

NANDA: Pode falar.

PATO: Seria em particular.

NANDA: Não tenho nada que esconder deles.

DIEGO: O que tá pegando?

NANDA (irônica): Como assim nem o seu melhor amigo sabia da novidade, gente? Fui privilegiada, então?! Que honra!

PAULINHA: Amada...?! Conta logo.

NANDA: O Pato vai ser papai, galera. A Amanda tá grávida. É isso.

Paulinha põe a mão na boca, chocada. Em Pato nervoso.

DIEGO: Deu ruim hein, moleque.

PATO: A gente pode falar a sós, Nanda?

PAULINHA: Claro. A gente se fala mais tarde, miga.

Paulinha puxa Diego e os dois se afastam rapidamente.

PATO: Aquele dia no hospital você não me deixou falar mais nada.

NANDA: Não tem muito o que falar, Pato.

MUSIC ON: (NAKED - JAMES ARTHUR)

PATO: Eu entendo como você tá se sentindo. Logo agora que a gente tava começando a se entender... Eu não queria que isso tivesse acontecido, ok? Eu sou muito novo pra uma responsabilidade como essa. Mas, aconteceu. E se teve algo que aprendi esse ano é que não posso passar a vida toda fugindo das minhas responsabilidades.

NANDA: Eu concordo plenamente. Seria muito covarde da sua parte deixar a Amanda sozinha com esse filho na barriga.

PATO: Isso quer dizer que/

NANDA: Quer dizer que eu não vou ficar entre vocês. O filho que vocês estão esperando não merece isso.

PATO: Mas eu quero ficar com você.

NANDA: Eu também quero ficar com você. Aliás, caso não tenha percebido, eu sempre quis ficar com você! Mas cada um faz sua própria história, Pato. Eu demorei pra perceber, mas agora entendo, eu não faço parte da sua.

Nanda sai correndo.

PATO: Nanda, espera...

Mais na frente, Nanda se esbarra com Ismael.

ISMAEL: Ei!

Ela se abraça nele.

NANDA: Me tira daqui.

ISMAEL (preocupado): Aconteceu alguma coisa?

NANDA: Só me tira daqui. Rápido!

ISMAEL: Vem comigo.

Eles vão em direção à saída do colégio. Pato observa os dois. Toca a sirene sinalizando o início do primeiro tempo.

MUSIC OFF.

CENA 15. COLÉGIO FRAN VICENTINI. SALA DOS PROFESSORES. INT. DIA.

Os professores organizam seus materiais. Arnaldo mexe no celular, entretido. Emílio cutuca o colega.

EMÍLIO: Ce não ouviu o sinal não? A aula já vai começar.

ARNALDO: Já tocou? Juro que não ouvi. Tava aqui distraído.

RAMIRO: Distraído é? O professor parece que viu passarinho verde.

ARNALDO: Mais do que isso, Ramiro. Encontrei minha alma gêmea no Tinder.

Os professores riem dele.

ARNALDO: Ué... Do que estão rindo? Contei alguma piada?

ALFREDO: Ce não acha que tá um pouco velho demais pra isso não, Arnaldo?

VANICE (alfineta): Algumas pessoas não tem senso do ridículo.

ARNALDO: Velha é essa mentalidade de vocês. Tenho certeza que essa é a mulher da minha vida.

LÚCIA: Fico feliz por você. Mas tenha cuidado, esses aplicativos de relacionamento podem ser muito perigosos.

EMÍLIO: É, de repente essa sua pretende aí pode ser uma mulher de tromba!

Os professores homens riem da piada.

MILENA: Nem vou comentar essa sua piada machista de vocês tá?!

LÚCIA: De extremo mau gosto, meninos.

EMÍLIO: Foi mal.

ARNALDO: Obrigado pela preocupação de todos vocês. Mas não é necessário. Sou bem grandinho e sei o que estou fazendo.

Juliana entra na sala.

JULIANA: Mas o que está acontecendo aqui? Ninguém trabalha mais nessa escola?! Vamos professores! O sinal tocou faz tempo. E você, Ramiro, faça seu trabalho, homem!

RAMIRO: Claro. Claro, diretora! Vamos professores, agilizem!

Eles vão saindo da sala até ficar apenas Ramiro.

RAMIRO: Como é mesmo o nome que ele falou? (coça a cabeça tentando lembrar) TINDER!!! Vou baixar e é agora!

Ramiro senta e fica mexendo no celular.

CENA 16. RIO DE JANEIRO. EXT. DIA.

Imagem panorâmica da orla de Copacabana. CAM se aproxima da pista onde vários carros trafegam.

CORTA PARA

CENA 17. CARRO ISMAEL. INT. DIA.

Ismael dirige. Nanda está no banco do carona.

ISMAEL: Você não disse nada desde que saímos da escola.

NANDA: Obrigada.

ISMAEL: Pelo que?

NANDA: Por me tirar de lá. Era do que eu precisava.

ISMAEL: Mas, tá tudo bem?

NANDA: Não.

ISMAEL: Quer falar?

NANDA: Não.

ISMAEL: Ok. Já sei o que podemos fazer.

Ele pára o carro.

NANDA: O que tá fazendo?

ISMAEL: Nada melhor do que um banho de mar pra esquecer dos problemas.

CORTA PARA

CENA 18. PRAIA. EXT. DIA.

Ismael e Nanda sozinhos no lugar.

NANDA: Mas eu nem trouxe roupa de banho.

ISMAEL: Como você pode ver. Essa é uma área mais deserta.

Ele tira a blusa do uniforme escolar, em seguida, a calça, fica apenas de cueca.

ISMAEL: Vai ficar aí olhando?

Ele corre para o mar. Nanda também tira a roupa ficando apenas de sutiã e calcinha e corre atrás dele.

MUSIC ON: (FIQUE NA MINHA VIDA - ROBERTA CAMPOS FEAT. VITOR KLEY)

Cortes descontínuos dois dois se banhando na praia, divertindo-se. As ondas quebrando, eles mergulhando. Jogam água um no outro. Uma onda quebra e eles se trombam, se abraçam. Ensaiam um beijo, outra onda quebram afastando-os. Eles riem.

MUSIC OFF.

CENA 19. COLÉGIO FRAN VICENTINI. QUADRA DE ESPORTES. INT. DIA.

Partida de futebol rolando. Emílio observa o desempenho dos alunos, atento. Pato e Diego estão em um time. Caio e Grego estão no outro. Na arquibancada, Paulinha mexe no celular.

PAULINHA: Que droga, Nanda! Onde você se meteu? Nem pra me chamar pra ir junto! Agora tenho que ficar aqui vendo esse jogo chatíssimo.

Ela bufa, impaciente.

CAM vai buscar Caio e Grego fazendo uma jogada. Grego toca para Caio que devolve para Grego. Diego vem na marcação e acaba fazendo falta em Grego. Emílio apita, levanta o cartão amarelo. Caio vai pra cima de Diego.

CAIO: Será que você não pode jogar limpo?

Diego ajuda Grego a levantar. Pato ali perto.

DIEGO: Foi mal, cara. Não tive a intenção.

GREGO: Tá tudo bem. To legal.

EMÍLIO: Pega leve nessa marcação, Diego. Mais uma dessas, é cartão vermelho.

DIEGO: Desculpa, fessor.

EMÍLIO (A todos): Ok. Não foi nada. Voltem pras suas posições.

Emílio sai da quadra. Apita. Grego bate a falta tocando para Caio que toca para um colega de time que faz o gol. Eles comemoram. Emílio apita e faz sinal de término de partida.

EMÍLIO: Valeu, valeu. A rapaziada pro chuveiro e as meninas pra quadra, agora!

Os meninos protestam.

EMÍLIO: Sem reclamações, galera. Pro chuveiro, agora!

Os meninos vão saindo da quadra enquanto as meninas descem das arquibancadas.

GREGO: Que estranha a atitude do Diego.

CAIO: Você já deveria ter acostumado com esse jeito agressivo dele.

GREGO: Não, Caio. Ele me ajudou. Até se desculpou, você viu.

CAIO: É. Isso foi estranho mesmo.

CENA 20. FLAT DE ALTO LUXO. INT. DIA.

A porta se abre e Ismael entra, faz gesto para Nanda entrar.

ISMAEL: Bem-vinda ao meu esconderijo.

Nanda caminha pelo espaço, impressionada.

NANDA: To chocada com isso aqui, menino. É seu?

ISMAEL: Na verdade é do meu pai. Bom, essa é uma das vantagens de ser filho de diplomata.

NANDA: Olha essa vista!!! Incrível!!!

ISMAEL: Que bom que gostou. Quer tomar uma ducha pra tirar o sal da praia? Tirar essa roupa molhada.

NANDA: Quero sim. Mas antes quero te agradecer.

ISMAEL: Não precisa, Nanda.

NANDA: Você tá sendo muito legal comigo. Tá transformando meu dia que tinha tudo pra ser uma merda em algo especial.

ISMAEL: Acredite. O meu dia ficou muito melhor agora.

NANDA: Obrigada.

ISMAEL: Sabe, Nanda... Depois de tudo que rolou esse ano, a última coisa que eu poderia imaginar era que estaríamos aqui juntos, agora. Isso pra mim significa muito. É meio que um sonho. Pra ser sincero, em vários momentos eu sonhei com isso. Nós dois. Aqui. Sozinhos. Eu sei que te dei todos os motivos para não confiar em mim, fui um babaca o tempo todo. Mas a partir de agora eu quero te dar todos os motivos pra ficar comigo.

MUSIC ON: (FIQUE NA MINHA VIDA - ROBERTA CAMPOS FEAT. VITOR KLEY)

NANDA: Ismael, eu...

ISMAEL: Desde o primeiro momento em que bati o olho em você, não sei explicar o que aconteceu. Eu só consigo pensar em você. É como se não tivesse espaço pra mais nada no meu pensamento.

NANDA: Que lindo isso, Ismael.

ISMAEL: E na real, eu quero muito te fazer feliz. Você deixa?

Nanda sorri, emocionada. Ele se aproxima lentamente dela, que se deixa envolver. Em SLOW MOTION eles se beijam com paixão, tiram a blusa um do outro, envolvidos. Caem no sofá-cama.

CORTA PARA

CENA 21. COSMÉTICOS LAMBERTINI. DIREÇÃO. INT. DIA.

MUSIC OFF.

Leonardo assina uns papéis enquanto Amanda espera, em pé.

LEONARDO: Pronto. Entrega ao Rubens que ele precisa analisar antes de dar continuidade a essa negociação.

Ele entrega os papéis a ela, que segura. Permanece parada.

LEONARDO: Precisa de algo?

AMANDA: Tava aqui pensando. Não sei se terei paciência pra esperar o tempo que você me pediu.

LEONARDO: Não me pressione. Eu vou fazer tudo o que você quer, mas agora não.

AMANDA: É que eu ando meio entediada sabe.

LEONARDO: Não brinca comigo, garota.

AMANDA: Não brinca comigo você! Se eu souber que você está me enrolando, Leonardo, não vai ser nada bom pro seu relacionamento com o Pato.

LEONARDO: Você não perde por esperar.

AMANDA: Assim espero.

Amanda se retira da sala. Leonardo abre uma gaveta. CAM se aproxima mostrando uma arma.

LEONARDO: Preciso resolver esse problema.

CORTA PARA

CENA 22. COSMÉTICOS LAMBERTINI. SALA RUBENS. INT. DIA.

Amanda entrega o documento.

AMANDA: O documento que o Leonardo mandou.

Ela joga na mesa dele e vai saindo. Ele se apressa em levantar.

RUBENS: Mas já vai assim, tão rápido?

AMANDA: Tenho muito o que fazer.

Ele segura o braço dela.

AMANDA: Me solta ou eu grito.

RUBENS: Por que tá me tratando assim? Eu sei o que você quer.

Rubens tenta beijá-la. Ela consegue se soltar.

AMANDA: Fica longe de mim.

RUBENS: Por que tá se fazendo de difícil, garota? Eu conheço o seu tipo, sei das suas intenções com o Leonardo. Eu vi vocês se beijando. Comigo não precisa fazer joguinho.

AMANDA: Exatamente. As minhas intenções são com o Leonardo, não com o empregado dele.

RUBENS: Nós somos sócios. Comigo você pode ter tudo.

Amanda ri.

AMANDA: Que seja. Você não me desperta nenhum interesse, se é que me entende.

RUBENS: Acho bom você não me rejeitar.

AMANDA (provoca): O que você vai fazer? Me pegar a força? Você não me conhece. Nada do que fizer vai me surpreender ou me fazer desistir dos meus planos. O máximo que vai conseguir é me fazer sentir mais nojo de você.

RUBENS: Você vai se arrepender por cada palavra que disse.

Amanda se retira da sala.

RUBENS: Cadela maldita! Vai ter o que merece.

CENA 23. COLÉGIO FRAN VICENTINI. VESTIÁRIO MASCULINO. INT. DIA.

Movimentação dos alunos no espaço, alguns no chuveiro, outros se trocando. Diego veste a camisa enquanto Pato veste a calça. Caio e Grego entram e são zoados por um colega alto, forte, loiro do olho claro.

COLEGA: Olha só quem chegou, o casal do ano!!!

Outros alunos zoam os dois. Diego se mete.

DIEGO: Qual é o seu problema, Raul? Se mete com a tua vida, rapá!

RAUL: E qual foi, Dieguinho. Tá estressadinho, moleque?!

CAIO: Deixa quieto, Diego. Não vale a pena.

PATO (a Raul): Vai dá um rolê lá fora, mano, vai. Tá precisando esfriar essa cabeça.

Os alunos se dispersam.

GREGO (a Diego): Obrigado.

CAIO: É. Por essa eu não esperava.

PATO (brinca): É que vocês não sabem, mas aqui na nossa frente está um novo homem.

CAIO: Que parada é essa?

DIEGO: Brincadeira do Pato. Quer dizer, ele tá exagerando. O que ele quis dizer é que to tentando melhorar.

CAIO: Isso sim parece uma brincadeira.

DIEGO: É sério, Caio. Inclusive acho que devo um pedido de desculpas a vocês. Eu fui um babaca. Mas eu quero que o lance entre a gente fique de boa, entendeu?

GREGO: Isso realmente me surpreende.

DIEGO: É, moleque, esses dias no hospital me fizeram refletir. A partir de agora é vida que segue. 

CAIO: Isso quer dizer que/

DIEGO: Que eu quero me desculpar e receber um voto de confiança. E aí, ces topam?!

Diego estende a mão. Caio e Grego se entreolham. Caio aperta a mão de Diego.

CAIO: Beleza.

GREGO: Por mim.

Diego e Grego apertam as mãos.

PATO: E a paz volta a reinar entre a galera. Adoraria ficar pra comemorar mas tenho que dá uma passada na biblioteca.

GREGO: Que?

CAIO: Tá tudo bem, Pato?

PATO: Ué, gente, me deixa. Eu hein.

Pato vai saindo.

DIEGO: Depois a gente se fala.

Diego vai atrás de Pato. Caio e Grego se entreolham.

GREGO: Que que deu neles?

CAIO: Sei lá. Parece que do nada outras pessoas se apossaram dos corpos deles.

Eles riem enquanto tiram a roupa. Ficam apenas de cueca.

GREGO: Espero que isso não seja passageiro né.

CAIO: É. Mas acho que não, pelo que a Nanda contou o tempo no hospital fez o Diego repensar a vida.

Caio pega toalha no armário e enrola na cintura.

GREGO: Que bom. Mas é bem estranho.

Grego também pega uma toalha e coloca envolta no pescoço.

CAIO: Estranho por estranho a gente também é vai.

GREGO: Palhaço.

Grego pega o desodorante e aponta para Caio.

CAIO: O que vai fazer com isso?

GREGO: Adivinha?

Grego aperta e Caio tenta se defender.

CAIO: Tá maluco?

GREGO: Aham. Por você.

Grego se aproxima de Caio na intenção de beijá-lo.

MUSIC ON: (FLASHLIGHT - JESSIE J)

CAIO: Pirou de vez, alguém pode nos ver.

GREGO: Não tem ninguém aqui, Caio. Relaxa. Ce fica irresistível com essa toalha enrolada na cintura. Quero ver o que tem por baixo.

Grego puxa Caio para o box e o beija. Os dois ficam dando uns amassos. Grego puxa a toalha de Caio e começa a masturbá-lo. O clima vai esquentando até que Emílio ENTRA.

EMÍLIO (chocado): Caio! Grego! Mas o que é que tá acontecendo aqui?

Close em neles, assustados com o flagra.





autores
GABO OLSEN
DIOGO DE CASTRO

colaboração
IGOR FEIJÃO

elenco
NICOLAS PRATTES como PATO
ALICE WEGMANN como NANDA
JOSÉ VICTOR PIRES como DIEGO
LETÍCIA NAVAS como PAULINHA
JOÃO VITHOR OLIVEIRA como CAIO
LARISSA MANOELA como LUA
ERIBERTO LEÃO como LEONARDO
TALITA CASTRO como KÁTIA
JUAN ALBA como HEITOR
CAROLINA FERRAZ como SELMA
ÂNGELA LEAL como NANÁ
JANDIR FERRARI como MARCELO
ÂNGELA DIP como ESTELA
DALTON VIGH como RUBENS
LUCIANA VENDRAMINI como MIRTES
FILIPE BRAGANÇA como GREGO
LUCAS COTRIM como DJ
RAISSA CHADDAD como LARISSA

HALL MENDES como BETO 
NICHOLAS TORRES como RICARDO
HESLAINE VIEIRA como ANDRÉIA
GABRIEL SANTANA como ISMAEL
CARLA FIORONI como JULIANA
MARCELLO AIROLDI como ARNALDO
VERA ZIMMERMANN como LÚCIA
SANDRA PÊRA como VANICE
WAGNER SANTISTEBAN como ALFREDO
MARISOL RIBEIRO como MILENA
JIDDÚ PINHEIRO como RAMIRO
FERNANDO PAVÃO como EMÍLIO
MARIANNA ARMELLINI como LULU

trilha sonora
NEVER LET ME GO - ALOK, BRUNO MARTINI, ZEEBA (abertura)

DEPOIS DA MEIA-NOITE - CAPITAL INICIAL
AMORES IMPERFEITOS - ANAVITORIA
NAKED - JAMES ARTHUR
FIQUE NA MINHA VIDA - ROBERTA CAMPOS FEAT. VITOR KLEY
FLASHLIGHT - JESSIE J

produção

BRUNO OLSEN
CRISTINA RAVELA


Esta é uma obra de ficção virtual sem fins lucrativos. Qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência.


REALIZAÇÃO



Copyright
© 2020 - WebTV
www.redewtv.com
Todos os direitos reservados
Proibida a cópia ou a reprodução



Compartilhe:

Capítulos de Estações da Vida

Drama

Estações da Vida

No Ar

Novela

Teen

Comentários:

0 comentários: