New Stages - 2x13



2x13
 
 
 

VOZ DE JOSH – Anteriormente em New Stages...

-------- 

PROFESSOR – (olhando para a caderneta) E a primeira dupla sorteada é formada pelos alunos Joshua Parker e... (olhando para a classe) Ryan Jordan. Estão presentes? Close em Josh, que engole seco ao ouvir que seu parceiro de dupla será Ryan. Austin olha para o namorado e percebe que ele está incomodado com a ideia.

-------- 

JOSH – Austin, você não está com ciúmes por eu ser o parceiro do Ryan, né?
 
AUSTIN – Claro que não, Josh, eu só quero ter a certeza de que você está bem quanto a isso. Porque pela a sua reação, parece que você não esqueceu o Ryan ainda...
 
JOSH – Eu esqueci, Austin. Eu só estou dizendo que não vai ser fácil dividir o mesmo espaço com uma pessoa que me machucou muito...

-------- 

SUZIE – Você tem uma filha e precisa se responsabilizar por ela. Eu tenho certeza que o Ryan vai compreender. Sem falar que meus pais me deixaram uma generosa herança, o suficiente para continuar mantendo eu e meu filho vivos. (sorri) E também estou tendo uma ideia aqui...
 
KURT – Posso saber que ideia?
 
SUZIE – Por enquanto, não... Mas o que eu posso adiantar é que eu não quero mais ficar parada. Não quero continuar gastando o dinheiro dos meus pais sabendo que posso manter a minha família com o meu próprio esforço. (sorri) Talvez uma nova vida esteja começando pra gente, Kurt...

-------- 

KURT – ...A Liz foi o melhor presente que você me deu nos últimos tempos. Quero dizer, eu estou passando por um período bastante complicado na minha vida e isso tem a ver com bebidas alcoólicas...
 
KIRSTEN – O que eu espero que você conte logo para a Liz...
 
KURT – Eu pretendo, eu só não quero que ela descubra tão cedo que o pai dela é, na verdade, um alcoólatra de marca maior q
ue está tentando se libertar do vício. Eu quero me familiarizar com ela antes e ter certeza de que posso confiar nela. (sorri) Mas como eu estava dizendo, a Liz foi o que de melhor aconteceu neste período tortuoso.

--------

CENA 01. CASA DE SUZIE. QUARTO DE SUZIE. INT. DIA.

A imagem abre no quarto de Suzie. A câmera explora o lugar até chegar à cama onde a mulher está deitada. Os primeiros raios de sol da manhã começam a invadir o quarto através da janela. Suzie desperta com a claridade. Ela se vira para o lado e percebe que Eric não está mais dormindo. De repente, a porta se abre.

ERIC – (entrando com uma bandeja de café da manhã nas mãos) Até que enfim a bela adormecida acordou...

SUZIE – (se sentando na cama) Posso saber o que é isso? Que eu saiba o meu aniversário ainda está longe. Você não tem motivos para me mimar. 

ERIC – Eu tenho todos os motivos do mundo para mimar você. E não importa qual dia seja. Todos são especiais quanto estou ao seu lado. (sorri e coloca a bandeja de café da manhã na cama) Preparei tudo pra você.

SUZIE – Obrigada, meu amor. É ótimo começar o dia recebendo tanto carinho, mas... (passa a mão na cama) Agora sente-se aqui, eu estou pensando em algo e preciso da sua opinião.

ERIC – (se senta na cama) Claro. Diga o que é.

SUZIE
– Agora que o Kurt descobriu que tem uma filha, ele me pediu para suspender a pensão do Ryan durante algum tempo. Então, eu estava pensando que talvez essa seja a hora de eu começar a pensar no futuro.

ERIC – Como assim no futuro?

SUZIE – Desde que eu me casei com o Kurt, eu nunca trabalhei. Ele sempre foi um homem machista e achava que era o único que tinha que por dinheiro dentro de casa. Casou-se comigo com a promessa de que nunca deixaria me faltar nada... Nesse meio tempo, meus pais acabaram falecendo e deixaram uma generosa herança pra mim. Nunca precisei me preocupar com dinheiro, porque tinha a herança dos meus pais e a pensão do Ryan... Mas agora que estou sem ela, ando pensando...

ERIC – “E se esse dinheiro acabar?”

SUZIE – Exatamente. Tudo bem que a quantia é alta e vai demorar um pouco para acabar, mas por que ficar fazendo uso dela se posso ter o meu próprio dinheiro? Eu sou uma mulher jovem ainda, posso correr atrás de um trabalho, posso me auto sustentar...

ERIC – Mas você sabe que não precisa disso, né? Eu estou aqui com você...

SUZIE – Eu sei, Eric, mas não quero ficar dependendo de mais ninguém... Eu quero me sentir viva, eu quero me sentir ativa. Talvez esse seja o momento certo para eu lutar por mim mesma.

ERIC – Bom, se você está decidida a fazer isso, eu acho que posso te ajudar...

SUZIE – (pegando um morango na bandeja de café da manhã) Sério? Como?

ERIC – Você me falou que se formou em história, mas logo se casou com o Kurt e não teve tempo para desempenhar a profissão. Lá na San Francisco High School, estão precisando de um professor temporário para a disciplina, pois o professor fixo deixou o cargo por motivos pessoais. Se você quiser, eu posso sugerir o seu nome...

SUZIE – Eric, mas eu nunca trabalhei como professora... Pra ser mais exata, eu nunca trabalhei na minha vida.

ERIC – Tem uma primeira vez para tudo. E essa é uma grande chance, Suzie. Se o diretor da escola gostar do seu trabalho, quem sabe você não acaba se tornando fixa na San Francisco High School? Eu acho que é uma ótima oportunidade...

SUZIE – Nossa, faz tanto tempo que eu estudei história... Será que ainda sou capaz de lidar com a matéria? Será que sou capaz de lidar com adolescentes?

ERIC – (ri) Se eu consigo, pode ter certeza que você vai tirar de letra.

SUZIE – Ótimo, acho que aceito a proposta...

ERIC – Fico feliz em poder ajudá-la.

SUZIE – Eu que fico feliz por você ter me confiado essa vaga.

ERIC – Vou conversar com o diretor, sugerir o seu nome e ainda hoje te dou uma resposta...

SUZIE – Agora, além de dar aula no mesmo colégio onde você trabalha, também vou poder vigiar quem são as professoras que dão em cima de você.

ERIC – (ri) Olha que são muitas...

SUZIE – (ri também) Mas que homem convencido...

ERIC – Agora tome o seu café da manhã. Eu não o preparei à toa.

SUZIE – (comendo o morango que segurava) Você quer me deixar gorda...

ERIC – Quero te deixar preparada para uma longa rotina como professora da San Francisco High School... Tenho que confessar a você: não é tarefa fácil.

A câmera se afasta, enquanto os dois continuam conversando e comendo os alimentos da bandeja de café da manhã.

 
 
     
 

 
     
 https://1.bp.blogspot.com/-MTy4rqD16r8/WWkiewJzITI/AAAAAAAAA-I/pzPTpJn1ut8VMkwxcAn7UW2HgZGrMUoVwCLcBGAs/s1600/New%2BStages%2BO%2BElenco%2B2x13.jpg
https://lh5.googleusercontent.com/-uBOX-xSrqx8/ULlDucIGguI/AAAAAAAAA-g/lLlX_0gjZ4c/s621/Convidados%25202x13.jpg

2x13 - ERROS E ACERTOS
 
     

CENA 02.

(música: Be Your Everything - Boys Like Girls)
 

Tomada da cidade de Los Angeles com imagens dos principais pontos turísticos do local. Surge a legenda:

CENA 03. LOS ANGELES. CASA DE KURT. SALA DE ESTAR. INT. DIA.

(Música cessa.)

Elizabeth está sentada no sofá folheando alguns papeis. Seu pai, Kurt, entra colocando um casaco.

KURT – O que você está fazendo?

ELIZABETH – Estou lendo algumas informações sobre as faculdades locais. Agora que vamos nos mudar para Los Angeles, mamãe acha que eu devo entrar para a faculdade.

KURT – Eu acho ótimo. Você não pode ficar muito tempo sem estudar. É uma moça inteligente, dedicada e merece construir uma carreira profissional bem sucedida. Aliás, já pensou em qual área deseja seguir?

ELIZABETH – Ainda estou em dúvida... Mas eu gosto muito de desenhar roupas... Talvez eu faça moda. O que você acha?

KURT – Se você gosta desta área, eu acho que você deve segui-la. Olha, tendo uma filha estudante de moda, vou ter que tomar bastante cuidado com o que visto. (pausa) Falando nisso, acha que esse terno está elegante para uma entrevista de emprego?

ELIZABETH – Ah, é verdade! Hoje é a sua primeira entrevista de emprego. Saiba que eu estarei aqui torcendo por você, papai. Se Deus quiser, você vai se sair muito bem nessa entrevista e conseguir o emprego.

KURT – Eu espero que sim, minha filha. Você tem planos para hoje?

ELIZABETH – Sim, eu e a mamãe vamos ver a casa que ela está pensando em comprar. Eu achei ótima a atitude dela em querer se mudar para Los Angeles apenas para não me afastar de você.

KURT – Sim, sua mãe é uma mulher muito nobre, Liz... Não é à toa que eu era apaixonado por ela nos meus tempos de colégio... E, acredite, ela merecia um namorado melhor naquela época.

ELIZABETH – Não fale assim, pai...

KURT – Agora preciso ir. Diga para a sua mãe escolher uma boa casa, não quero ver a minha filha morando em qualquer lugar. (sorri) E me deseje sorte!

ELIZABETH – Espere. Aonde você pensa que vai sem a gravata? (a câmera foca Kurt, que está vestindo o terno sem a gravata) Você não quer perder um emprego por se vestir incorretamente, né?

KURT – Parece que eu já estou gostando da ideia de ter uma filha interessada em moda... (sorri) Você pode ir buscá-la para mim? Está em cima da minha cama, no meu quarto.

ELIZABETH – (se levantando do sofá e colocando os papeis sobre ele) Claro, volto num instante.

Liz sai, apressada. A imagem corta rapidamente para:

CENA 04. LOS ANGELES. CASA DE KURT. QUARTO DE KURT. INT. DIA.

Liz entra no quarto e se dirige até a cama do pai. A garota percebe que há alguns papeis abaixo da gravata que o pai lhe pedira. Então, pega os papeis junto com a gravata e, curiosa, começa a fazer a leitura.

ELIZABETH – (surpresa com o que lê) Mas o que é isso?

Close no primeiro papel com o logotipo de uma clínica de reabilitação e remetido a Kurt. Liz levanta a cabeça e começa a se lembrar da conversa que teve com Ryan, em San Francisco, no dia de ação de graças. A imagem corta para o flashback:

INÍCIO DE EFEITO FLASHBACK:

RYAN – Olha, até um tempo atrás eu não queria olhar para cara do meu pai. Mas depois do que ele fez com você... Ter te aceitado na vida dele e te assumido como filha... Eu devo confessar que ele mostrou ser uma pessoa muito humana e que merece o meu reconhecimento... E também tem toda a história da reabilitação.

ELIZABETH – Que reabilitação?

RYAN – Ok... Acho que ele não te falou sobre isso ainda. Então eu prefiro deixar que ele mesmo te conte.

FIM DE EFEITO FLASHBACK.

Close na garota, ainda assustada. Ela segura os papeis com as mãos bastante trêmulas.

ELIZABETH – (para si mesma) Quer dizer que o meu pai é alcoólatra?

A imagem corta para:

CENA 05. LOS ANGELES. CASA DE KURT. SALA DE ESTAR. INT. DIA.

Liz entra na sala, possessa, ainda segurando os papeis da clínica de reabilitação.

ELIZABETH – (grita) Eu posso saber até quando você ia me esconder isso?

KURT – (surpreso) Do que você está falando, minha filha?

ELIZABETH – (mostra os papeis para Kurt) Desses papeis. E nem me venha dizer que cometeram um engano ao enviá-los, pois aqui diz o seu nome. Kurt Jordan!

KURT – Querida, abaixe o tom de voz... Nós precisamos conversar...

ELIZABETH – Ah, agora você diz que nós precisamos conversar? Quer dizer que se eu não tivesse flagrado esses papeis, você ia continuar escondendo essa história de mim?

KURT – Não, Liz, eu não quero esconder nada de você. Absolutamente nada. Eu só estava esperando a hora certa pra te dizer que eu estou me tratando de um vício. Eu queria me sentir preparado primeiro. E também queria te preparar.

ELIZABETH – Você não precisava me preparar para isso. Você é o meu pai e eu acabei de te conhecer. Eu acho que para termos uma relação sincera desde o início, você deveria ter começado me contando toda a verdade sobre você... Porque pelo o que parece (balança os papeis), eu não conheço quem você verdadeiramente é.

KURT – Liz, eu ia te contar... Tudo. Eu só não queria te assustar. Eu não queria que você saísse correndo pela primeira porta quando soubesse que eu sou um alcoólatra em tratamento. Eu queria, antes de qualquer coisa, construir um relacionamento de confiança entre nós dois.

ELIZABETH – (abaixando o tom de voz) Ótimo. Nós podemos construir um relacionamento de confiança entre pai e filha, mas eu preciso que você me abra o jogo sobre tudo... Sobre o vício, sobre o tratamento, sobre quem você realmente é.

KURT – Claro... Sente-se aqui no sofá.

ELIZABETH – (caminhando até o sofá e se sentando) Você não está atrasado para a entrevista de emprego?

KURT – Não, eu ainda tenho mais alguns minutinhos... (se sentando também) Bom, eu não queria que você descobrisse desta forma... Eu ia te contar, mas só quando eu percebesse que as coisas estivessem caminhando bem entre a gente.

ELIZABETH – E estão, papai. Eu jamais me afastaria de você por causa de um vício. Pelo contrário, eu quero estar ao seu lado durante todo o tratamento. Te ajudando, te apoiando e não deixando que você tenha nenhuma recaída.

KURT – Eu fico feliz em ouvir isso. (sorri) Pois bem... Durante a minha vida inteira, eu sempre dependi da bebida para tudo... Se eu conseguia um emprego satisfatório, eu comemorava com uma garrafa de uísque...

ELIZABETH – E assim foi sendo até você descobrir que era um dependente de bebidas alcoólicas.

KURT – Não, porque eu nunca admiti para mim mesmo que eu era um alcoólatra. Foram uma, duas, três, quatro garrafas até perceber que eu havia acabado com tudo. Com o meu emprego, com a minha família, com a minha vida. Foi a bebida que me separou da Suzie e do Ryan, Liz... E é por isso que eu não estava preparado para te contar sobre o tratamento, entende? Eu não queria me separar de você também.

ELIZABETH – Mas o importante é que agora você admitiu para si mesmo que é alcoólatra. O importante é que você procurou ajuda. Eu estou muito feliz por você ter tomado essa atitude. E só por você ter corrido atrás dela, já merece o meu total apoio.

KURT – Que bom, minha filha, porque tudo o que eu mais quero nessa vida é provar pra mim mesmo que eu ainda tenho uma segunda chance para ser feliz. E provar para você que eu posso ser um bom pai.

ELIZABETH – Você está sendo. (deixa uma lágrima rolar sobre o seu rosto) Muito obrigada por ter me contado tudo. E desculpa por ter gritado com você, eu só estava um pouco irritada...

KURT – (limpa o rosto de Liz) Tudo bem.

(música: L-L-Love - He Is We)

ELIZABETH – (colocando a gravata no pai) Agora é melhor você ir, antes que chegue atrasado para a sua primeira entrevista de emprego...

KURT – Bom, nós não queremos isso.

ELIZABETH – (ri) Não queremos.

KURT – (com os olhos marejados) Eu te amo, minha filha...

ELIZABETH – Eu também te amo, pai...

Os dois sorriem e se abraçam.

CENA 06.

(A música tocada na cena anterior continua a ser executada nesta.)

Tomada da cidade de San Francisco com imagens dos principais pontos turísticos locais. Surge a seguinte legenda:

CENA 07. UNIVERSIDADE DA CALIFÓRNIA. CAMPUS. ALOJAMENTO. CORREDOR DE DORMITÓRIOS. INT. DIA.

(Música cessa.)

Chelsea está andando distraída pelo corredor, quando é barrada por Chad.

CHAD – (sorri) Aonde pensa que vai?

CHELSEA – (irritada) Chad, o que você está fazendo andando pelo mesmo caminho que o meu? Será que você não entendeu o que eu te disse na última vez? Eu não quero mais te ver. (realça) Nunca mais!

CHAD – Chelsea, me escuta... Eu sei que você ainda está chateada por eu não ter te contando sobre o meu lance com a Hilary... Mas, poxa... Já faz bastante tempo que tudo aconteceu. Não é a hora certa para você me dar uma segunda chance?

CHELSEA – Não, Chad, não é a hora certa para... (de repente, Chelsea para de falar e pensa por mais alguns instantes) Pensando bem... (sorri maliciosamente) Talvez seja a hora certa sim. O que você acha da gente ir ao cinema hoje?

CHAD – Ótimo, era isso mesmo que eu estava querendo... Sair com você, assistir um filme ao seu lado, passar um bom tempo conversando, rindo, trocando ideias... (sorri) Que tal às oito? Posso passar aqui pra te pegar?

CHELSEA – Não, faça o seguinte... Vá direto para o shopping. A gente se encontra lá!

CHAD – Mas você não acha muito mais fácil eu vir te pegar?

CHELSEA – (começando a se irritar) Não, Chad... Eu tenho aulas o dia todo e nem sei se terei tempo para voltar para o alojamento. Então, saindo da minha última aula, eu corro para o shopping e a gente pega um filme juntos.

CHAD – (sorri) Ok, como quiser... Obrigado por esquecer as desavenças passadas e me dar uma segunda chance, Chelsea. Eu prometo que não vou te decepcionar!

CHELSEA – Assim espero! (sorri) Agora me dá licença, porque eu não quero chegar atrasada para a minha primeira aula do dia...

Chad sai do caminho de Chelsea, permitindo que ela continue a andar. O garoto sorri, satisfeito. Close em Chelsea.

CHELSEA – (diz para si mesma) Que pena que você nem faz ideia do que eu estou aprontando para você, meu caro Chad...

A garota ri enquanto continua andando para a sua sala de aula.

CENA 08. UNIVERSIDADE DA CALIFÓRNIA. CAMPUS. ALOJAMENTO. DORMITÓRIO DE JOSH E MATT. INT. DIA.

A câmera explora o local, revelando Josh e Ryan, que estão sentados no chão, apoiando as costas na cama do primeiro garoto. Josh digita algo no notebook.

JOSH – Bom... (termina de digitar) Aqui está a ideia do trabalho. (vira a tela para o garoto) Me diga o que acha... se preciso mudar alguma coisa, acrescentar... Enfim.

RYAN – (faz uma leitura rápida) Eu acho que está ótimo. Assim como tudo que você faz.

Close em Josh, que sorri, bastante sem graça.

RYAN – Eu estava sentindo falta de momentos como esse, Josh... Pra falar a verdade, eu estava sentindo muito a sua falta.

JOSH – Ryan, talvez seja melhor a gente não falar sobre isso. As coisas não terminaram muito legais entre a gente.

RYAN – Não, longe de mim querer voltar ao passado. Eu só estou dizendo que sinto saudades de passar mais tempo ao seu lado. Se você quiser, a gente pode pelo menos continuar sendo amigos...

JOSH – Claro, vamos ser amigos. Isso é o mínimo que devemos fazer se quisermos continuar seguindo com este trabalho.

RYAN – (sorri) Mas e então... Como anda o seu namoro com o Austin?

JOSH – Sério mesmo que você quer falar sobre mim e o Austin?

RYAN – Ué, somos amigos, não somos? E como o seu amigo, eu quero saber se está tudo bem entre vocês...

JOSH – Sim, está tudo bem entre mim e o Austin. Ele é um cara bacana, um bom namorado e me faz feliz. (encara o garoto) Mas e você, está saindo com alguém?

RYAN – (receoso em dizer) Bom, eu... (mente) Não, não estou saindo com ninguém. Pelo menos, não nesse momento. Quem sabe mais pra frente...

JOSH – (volta a olhar para o notebook) Eu acho que você deveria...

RYAN – É complicado encontrar uma pessoa que valha a pena.

JOSH – (ri) Você teve a coragem de me namorar, então não deve ser tão complicado assim...

RYAN – (em pensamento) Mas você era a pessoa que valia totalmente a pena. (diz em voz alta) É... Vou continuar procurando. (sorri)

JOSH – (olha para o garoto) Agora me conta essa história de uma irmã de 19 anos aparecer na sua vida...

RYAN – É uma história longa... Graças a ela, eu acabei me assumindo para a minha mãe.

JOSH – O que? Você se assumiu para a sua mãe? Eu achei que não precisasse...

RYAN – (ri) Você está bem engraçadinho...

JOSH – Bom, mas não foi só você que se assumiu aqui. Eu também resolvi abrir o jogo para a minha mãe. Quer dizer, depois que ela me flagrou com o Austin.

RYAN – Não vá me dizer que ela flagrou você e o Austin fazendo...

JOSH – (interrompe) Não, Ryan. (faz cara feia) Por favor, não pense nisso ou eu vou acabar ficando sem graça. Não é nada disso. Minha mãe viu a gente se beijando, daí você já sabe o resto...

RYAN – E ela aceitou tudo numa boa?

JOSH – A princípio, não... Mas parece que agora ela já está se adaptando a ideia. E a sua mãe?

RYAN – Sim, ela foi bastante compreensível comigo... A minha mãe nunca foi neurótica em relação a esses assuntos.

A câmera se afasta, enquanto Josh e Ryan se desligam totalmente do trabalho e conversam, riem e se divertem distraidamente, em perfeita química e sintonia.

CENA 09. UNIVERSIDADE DA CALIFÓRNIA. CAMPUS. CORREDOR DAS SALAS DE AULAS. INT. DIA.

O sinal toca anunciando o fim de mais uma aula na universidade. Os alunos saem apressadamente da classe. Entre eles, está Chelsea, que guarda os livros em sua mochila. Matt corre atrás da garota.

MATT – Chelsea, que bom que consegui te alcançar...

CHELSEA – Matt, o meu dia está lotado hoje, então não tenho tempo para conversar...

MATT – Só o dia ou a noite também? Porque eu estava pensando em te chamar para pegar um cinema.

CHELSEA – Que pena, não vai dar, eu... (de repente, Chelsea para de falar e pensa por alguns instantes) Pensando bem, acho que pode ser uma boa ideia.

MATT – Sim, sem falar que faz bastante tempo que a gente não conversa e passa um tempo juntos. (sorri) Posso te pegar às sete?

CHELSEA – (grita) Não! (abaixa o tom de voz) Quer dizer, não... Vá para o shopping às oito, ok?

MATT – Como assim? Eu não posso passar no seu dormitório para te pegar?

CHELSEA – Sabe o que é, Matt... Como eu estava dizendo, o meu dia hoje está cheio. Não vou ter tempo nem para respirar. Então, saindo da minha última aula, eu corro para o shopping e te encontro lá. Pode ser?

MATT – (cedendo) Ok. Então às oito nos encontramos no shopping.

CHELSEA – Isso! (sorri) Vai ser ótimo passar um tempo com você, Matt... (saindo)

MATT – (para si mesmo) Eu que o diga... (sorri) Não acredito que Chelsea Harris finalmente aceitou um convite meu. Parece que as coisas vão começar a fluir para você, Matt...

Close no garoto, orgulhoso. Em seguida, em Chelsea.

CHELSEA – (andando com um sorriso malicioso) Estou prestes a matar dois coelhos em uma cajadada só... Eu não poderia ser mais esperta!

Close na garota, também orgulhosa.

CENA 10.

(música: Payphone - Maroon 5 ft. Wiz Khalifa)

Tomada da cidade de San Francisco. Anoitece.

CENA 11. SHOPPING CENTER. ÁREA DOS CINEMAS. INT. NOITE.

(A música tocada na cena anterior continua a ser executada nesta.)

Chad chega ao local e se senta em um banco. Ele olha para os lados, certificando se Chelsea já está ali, mas sem resultado. O garoto então olha para o relógio de pulso e percebe que ela está atrasada. Pega o celular e disca o seu número, mas cai na caixa postal.

CHAD – Bom, enquanto ela não chega, eu vou indo comprar a pipoca...

O garoto se levanta do banco e segue em direção ao balcão de vendas da ala de cinema. Nesse meio tempo, a câmera revela Matt chegando ao lugar. Ele se senta no mesmo banco onde Chad havia sentado. Em seguida, olha para os lados a fim de certificar se Chelsea já chegou, mas sem sucesso. Então, o garoto olha para o relógio de pulso e também percebe que ela está atrasada. Assim como Chad, tira o celular do bolso e disca o seu número, mas também cai na caixa postal.

MATT – (se levantando do banco) É melhor que eu vá comprar a pipoca enquanto ela não chega...

De repente, Matt se vira para o balcão de vendas e percebe que Chad vem em sua direção com duas embalagens de pipoca nas mãos.

(Música cessa.)

CHAD – (surpreso) O que você está fazendo aqui?

MATT – Eu que pergunto... O que você está fazendo aqui?

CHAD E MATT – (falam juntos) Eu tenho um encontro com a Chelsea...

CHAD – (percebe que acabou de dizer o mesmo que Matt) O que? Não! Eu tenho um encontro com a Chelsea...

MATT – Acho que você está enganado, porque ela marcou de vir ao cinema comigo hoje pela manhã. Aqui, nesse mesmo shopping e nesse mesmo horário.

CHAD – Você que está enganado. Porque eu encontrei a Chelsea hoje no corredor dos dormitórios e a convidei para vir comigo ao cinema. Aqui, nesse mesmo shopping e nesse mesmo horário. Você deve estar confundindo...

MATT – (balança a cabeça negativamente) Essa não!

CHAD – O quê?

MATT – Você não percebe o que está acontecendo aqui? A Chelsea armou contra nós!

CHAD – Por que ela faria isso?

MATT – Por todos os motivos do mundo. Ela quer ficar livre de nós. E pra brincar com a nossa cara, armou um encontro igual com a gente, no mesmo dia, no mesmo horário e no mesmo local. Ou tudo parece uma mera coincidência para você?

CHAD – Droga... E eu achei que a Chelsea estava interessada em sair comigo. Pelo jeito ela ainda não esqueceu a história com a Hilary.

MATT – Eu que pensei que a Chelsea estava começando a ficar afim de mim. Mas parece que quanto mais eu corro atrás dela, mais ela quer fugir de mim. (irritado) Cara, o que eu fiz pra merecer isso?

CHAD – (entregando uma embalagem de pipoca para ele) Parece que fomos vítimas de uma armadilha de Chelsea Harris. Como podemos ser tão tolos a ponto de cair na lábia de uma garota?

MATT – (comendo a pipoca) Bem-vindo à Chelsealândia.

(A música volta a ser tocada, permanecendo na próxima cena panorâmica.)

Os garotos saem em direção à sala do cinema juntos, enquanto ainda discutem sobre a Chelsea.

CENA 12.

Tomada da cidade de San Francisco com imagens dos pontos turísticos locais até chegar à fachada da San Francisco High School. Amanhece.

CENA 13. SAN FRANCISCO HIGH SCHOOL. SALA DE AULA. INT. DIA.

(Música cessa.)

A câmera explora a sala de aula, onde alunos conversam em voz alta, riem, ficam de pé e rabiscam o quadro negro, ouvem música, etc. De repente, vemos Suzie chegando, apressada, com a respiração bastante ofegante e jogando a sua bolsa sobre a mesa. Os alunos param para observá-la.

SUZIE – Ok, este era para ser o meu suposto primeiro dia de aula na San Francisco High School, mas não consegui dormir a noite inteira, acabei caindo no sono faltando uma hora para vir dar aula, perdi a hora, não encontrei o estacionamento e acabei deixando vocês sozinhos por meia hora, mas... Eu estou aqui. Prazer, alunos, eu sou Suzie Gregson, a nova professora de história de vocês.

ALUNO 1 – O nosso antigo professor não vai voltar?

SUZIE – Bom, pelo o que eu soube, ele deixou o seu cargo à disposição. Então, pelo resto deste ano letivo, eu posso ser a professora fixa de vocês. Prometo que vou fazer um trabalho tão bom quanto o do seu antigo professor.

ALUNO 2 – (ri) Por acaso você não é a namorada do treinador Eric Smith?

Close em Suzie, que engole seco.

SUZIE – Bom, a minha vida pessoal não vem ao caso agora. (muda de assunto) O meu nome foi sugerido para a direção da escola, eles se interessaram por mim e aqui estou para lecionar a vocês. Espero que vocês gostem do meu trabalho e sejam pacientes comigo, porque, digamos, que eu não tenho muita experiência no ramo...

ALUNO 3 – Se você não é experiente no ramo, então por que aceitou o cargo?

SUZIE – (embaçarada) Esta... Esta é uma boa pergunta! Mas eu posso te garantir que eu vou dar o melhor de mim e tentar ser uma excelente professora.

ALUNO 2 – (ainda insistindo no que havia dito) Eu tenho quase certeza que você é a namorada do treinador Eric Smith... Eu vi vocês dois juntos outro dia aqui na escola.

SUZIE – (para si mesma) É... Parece que teremos um longo ano por aqui...

A câmera percorre até o final da sala, onde dois alunos conversam.

ALUNO 4 – Para quem aturava o mala do Sr. Wilson, vai ser ótimo ter uma mulher no comando das aulas de história... Né, Mitch?

MITCH – E que mulher, cara... Muito gostosa. Duvida quanto que até o final deste ano eu consigo dar uns amassos com ela e encerrar o meu segundo grau com chave de ouro?

ALUNO 4 – Cara, você só pode estar brincando... Essa mulher deve ter uns 40 anos.

MITCH – 40 anos? Com carinha e corpo de 20, olha lá... Sem falar que as mais velhas são as melhores. Elas são experientes e sabem direitinho como tratar um homem... (ri)

ALUNO 4 – Você tem dezoito anos, Mitch.

MITCH – É por isso que tenho que sair com as mais velhas... Eu ainda sou novo e preciso aprender muito sobre a vida com elas... (continua rindo)

ALUNO 4 – Você é maluco!

MITCH – Maluco por mulheres!

Close em Mitch, que continua analisando Suzie da cabeça aos pés.

CENA 14. CLIPE MUSICAL.

(música: No Parade - Jordin Sparks)

A música acompanha as seguintes imagens:

01.  Suzie está dando aula na San Francisco High School. Ela se sai muito bem no comando da disciplina de história e os alunos se demonstram bastante interessados em sua aula. Mitch, por sua vez, continua a encarando. A câmera corta para Suzie indo em direção a Eric. Os dois se abraçam, muito contentes. De fundo, vemos Mitch, que encara o abraço do casal.

02.  Kirsten está assinando o contrato da casa que comprou para morar com a filha. Ela entrega o papel para o negociador, que a cumprimenta, lhe desejando boa sorte. Liz e Kurt sorriem e os três se abraçam.

03.  Josh e Ryan apresentam seu trabalho em voz alta para a classe. Os dois se demonstram muito sintonizados durante a apresentação, despertando o ciúme de Austin, que os assiste bastante incomodado.

CENA 15. UNIVERSIDADE DA CALIFÓRNIA. CAMPUS. ALOJAMENTO. DORMITÓRIO DE JOSH E MATT. INT. NOITE.

(Música cessa.)

Josh e Austin estão sentados na cama comendo sushi. Josh nota que Austin está quieto e decide descobrir o que está acontecendo.

JOSH – Por acaso o sushi está ruim?

AUSTIN – (balançando a cabeça negativamente) Não, o sushi está muito bom...

JOSH – Eu fiz algo que te desagradou?

AUSTIN – Não, Josh, você não fez nada... Eu só estou com um pouco de dor de cabeça.

JOSH – Você não está bravo por causa do trabalho que eu fiz com o Ryan, né Austin? Porque se tiver, pense que já acabou... Eu e o Ryan não vamos mais nos ver.

AUSTIN – Eu sei que acabou, Josh... Mas é que... É que vocês pareciam tão entrosados durante a apresentação. Por um momento, eu pensei como seria se eu te perdesse para ele.

(música: Feeling Good - Muse)

JOSH – (deixando o sushi de lado) Não pense bobagem, Austin... E já sei o que vou fazer para te distrair e esquecer o Ryan...

AUSTIN – (sorri maliciosamente) O que?

Josh se aproxima de Austin e se senta no colo dele, de frente para o garoto. Josh começa a beijá-lo calorosamente e puxa a camisa dele para cima. Austin faz o mesmo. Os dois sem camisa se deitam na cama, enquanto se beijam não exclusivamente os lábios, mas todas as outras partes do corpo acessíveis. Austin, que está por baixo, tira a calça de Josh, deixando-o de cueca.

Corte descontínuo.

Agora, os garotos já estão completamente pelados e Austin penetra em Josh, que solta um gemido ofegante. Os dois começam a prática e, em pouco tempo, estão completamente suados.

Novamente, um corte descontínuo.

Austin já está próximo da ejaculação. Muito envolvido na relação sexual, Josh acaba se distraindo e saindo da realidade.

AUSTIN – (respirando ofegante) Está gostando, amor?

JOSH – Sim, Ryan, não para...

(Música cessa num baque.)

Close em Austin, que abre os olhos, rapidamente. Josh faz o mesmo, assustado.

AUSTIN – (ainda respirando ofegante) Você me chamou do quê?

Close em Josh, sem reação.

A imagem escurece.

 

AUTOR
André Esteves

ELENCO

Graham Phillips como Josh Parker
Sterling Knight como Ryan Jordan
Jean-Luc Bilodeau como Austin Davis
Victoria Justice como Chelsea Harris
Gregg Sulkin como Matt Brooks
Natasha Henstridge como Suzie Gregson

ATORES CONVIDADOS
Tyler Posey como Chad Fletcher
Nick Roux como Mitch Dasher
Skeet Ulrich como Treinador Eric Smith
Shailene Woodley como Elizabeth Lewis
Live Schreiber como Kurt Jordan

Pequenas aparições que não constam na listagem acima (Alunos 1, 2, 3 e 4) são interpretadas por atores contratados pela produtora.

TRILHA SONORA
So Small - Carrie Underwood
Be Your Everything - Boys Like Girls
L-L-Love - He Is We
Payphone - Maroon 5 ft. Wiz Khalifa
No Parade - Jordin Sparks
Feeling Good - Muse

PRODUÇÃO
Bruno Olsen
Diogo de Castro


Esta é uma obra de ficção virtual sem fins lucrativos. Qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência.


REALIZAÇÃO

Copyright © 2017 - WebTV
www.redewtv.com
Todos os direitos reservados
Proibida a cópia ou a reprodução

.aaa.
.aaa.

Compartilhar:

 
Copyright © WebTV | Design by OddThemes