Escolhas da Vida - Capítulo 29


https://4.bp.blogspot.com/-nv9SEGSt7C0/WOCMwRz-IHI/AAAAAAAAASM/NzlheSrowY876oC_dsd11CYzyElJVU8lQCLcB/s1600/escolhasdavida.jpg

CAPÍTULO 29
 
     
     
     
     
 
 
 

CENA 01. PRÉDIO ABANDONADO. INT. DIA.

 

Continuação do capítulo anterior. Alex enfrenta Osvaldo.

 

OSVALDO: - Assassino?! Você está me chamando de assassino?!


ALEX
: - Não é assim que se chama alguém que mata outra pessoa?


MARIANA
: - Que história é essa, gente?


REGINA
: - Está na cara que o Alex está fazendo isso para prejudicar seu pai, por vingança por vocês não estarem juntos... (encara Illana) E ainda com sua ajuda, Illana!


ILLANA
: - O que o Alex tem a dizer é muito grave. Se não fosse importante, eu não estaria aqui.


OSVALDO
: - Esse garoto é um oportunista, atrevido. Acha que eu vou deixar você ficar com a minha filha só por causa do meu dinheiro?


ALEX
: - Eu amo a Mariana e ficaria com ela independente do seu dinheiro ou não. Aliás, o seu dinheiro é o que eu menos quero, Osvaldo. Dinheiro sujo, vindo de fraudes e golpes milionários  que você já deu e vem dando por aí.


MARIANA
: - Fraudes? Golpes? Papai, que história é essa? Alguém pode me explicar, por favor?


SILMARA
: - Eu conheci o Osvaldo quando ele esteve presente num encontro secreto dos empresários de São João da Barra com alguns agentes da prefeitura. Eu trabalhava no governo e pude presenciar algumas reuniões... Osvaldo conseguia muitas vantagens para os empresários e para os funcionários do governo, em troca de propina, de participação nos lucros dos investimentos.


OSVALDO
: - Vadia!


SILMARA
: - Em um desses encontros, onde foi fechado um acordo milionário, eu fui dada como brinde para ele, em comemoração.


OSVALDO
: - Você não se chamava Cibele?


SILMARA
: - Eu jamais poderia usar meu nome verdadeiro para este tipo de situação... Outras meninas também já fizeram a mesma coisa. A gente tenta se preservar para caso aconteça algo. A gente preserva o nome, mas não consegue privar o corpo dos ataques de vocês. (a Regina) Seu marido não vale nada!

 

Regina parte para cima de Silmara, mas Mariana a detém.

 

MARIANA: - Não, mãe!


REGINA
: - Eu não posso deixar que essa vagabunda fale assim do seu pai.


SILMARA
: - Estou apenas falando a verdade.


ALEX
: - E tem mais...


MARIANA
: - Mais?


SILMARA
: - O Osvaldo foi para o motel comigo. Bebemos, transamos... E ele topou experimentar alguma coisa diferente.


MARIANA
: - Que coisa?


OSVALDO
: - Não dê ouvidos à ela, filha!


SILMARA
: - Cocaína.

 

Mariana se choca.

CORTA PARA

 

FLASHBACK,

 

CAPÍTULO 02. CENA 25. SÃO JOÃO DA BARRA. MOTEL. EXT. NOITE.

 

PLANO GERAL. O portão se abre e o carro de Osvaldo vai saindo, parando logo em seguida. CORTA PARA o INTERIOR do veículo. Osvaldo e Silmara/Cibele riem sem parar. PLANO DETALHE de garrafas de bebida alcóolicas e pequenos papelotes no chão do carro.

 

OSVALDO: - Você é mesmo safada hein! Me fez até provar dessas coisas... Que loucura!... Eu, depois de velho, cheirando pó (ri)


SILMARA
/ CIBELE: - Isso é ótimo pra dar uma animada... E você se soltou muito depois de uns tirinhos.


OSVALDO
: - Com você é impossível não se soltar, gostosa.

 

Osvaldo puxa Silmara / Cibele pelo pescoço, a beija fortemente.

 

OSVALDO: - Vou deixar num ponto de ônibus mais próximo. Preciso voltar pro Rio de Janeiro ainda hoje.

 

Osvaldo liga o carro e sai, acelerando o veículo pela rua.

 

FIM DO FLASHBACK,

 

Silmara continua.

 

SILMARA: - Ele estava muito louco, acelerando demais o carro pelas ruas... Ele me deixou na parada de ônibus e saiu, cantando pneu.


ALEX
: - E foi depois disso que ele pegou a estrada rumo ao Rio de Janeiro. Mas dirigindo de forma desgovernada, não viu que meu pai e eu estávamos caminhando na beira da estrada, depois de um dia intenso de serviço…

 

FLASHBACK,

 

CAPÍTULO 02. CENA 34. SÃO JOÃO DA BARRA. ESTRADA. EXT. NOITE.

 

Osvaldo dirige em alta velocidade, fazendo zig zag na pista. Alex percebe as luzes vindo de trás dele e de Dionísio.

 

ALEX: - Ih, papai... Vem vindo um carro em alta velocidade ali atrás.


DIONÍSIO
: - Eles vivem correndo nessas rodovias. Acham que são pilotos de Fórmula 1!


ALEX
: - Vem um pouco mais para o canto, papai.

 

Alex tenta proteger Dionísio. Osvaldo se aproxima com o carro, tentando manter o controle. Porém, ele não consegue segurar o volante e acaba avançando sobre pai e filho.

 

O carro acerta Alex e Dionísio, que cai alguns metros depois. Osvaldo consegue brecar o carro, um pouco mais adiante. Osvaldo desliga o carro, olha pelo espelho retrovisor, assustado, Alex e Dionísio caídos no chão.

 

FIM DO FLASHBACK,

 

ALEX (chora): - Eu gritei por socorro, mas o motorista imbecil não desceu para ajudar. E fez mais, acelerou o carro e seguiu viagem, nada de prestar socorro... Eu fiquei ali, sozinho na estrada, com meu pai, morrendo nos meus braços.

 

Mariana, Silmara e Illana olham consternadas para Alex. Osvaldo o observa impassível.

 

REGINA: - Você não vai dizer nada, Osvaldo?


OSVALDO
: - Matei. Tive culpa sim. Mas poxa, eu não podia me sujar ali...


ALEX
: - Se sujar?!


OSVALDO
: - E não me arrependo. Aliás, estou me arrependendo agora de não ter passado com o carro por cima de você também, seu cretino. Assim eu não teria esse inferno agora!

 

Osvaldo encara Alex, expressão de raiva.

 

CENA 02. DELEGACIA DE POLÍCIA. INT. DIA.

 

Solano, Isaura e Lauro visitam Bruno. Isaura abraça o filho fortemente.

 

ISAURA: - Me diga que isso é um pesadelo, Bruno e que logo eu vou acordar!


SOLANO
: - Calma, minha filha. Tudo vai se resolver.


LAURO
: - Como foi isso, Bruno? Que história é essa de drogas?


BRUNO
: - Eu não sei, pai. Os caras acharam pinos de cocaína no meu bolso. Mas eu não ando com isso, não sei como foram parar lá!


ISAURA
: - Eu falei que não queria você trabalhando na noite, lidando com essa gente. É tudo perigoso, Bruno! E depois sobra para quem? Pra você, o negro.


BRUNO
: - Mãe, não é assim.


ISAURA
: - É assim, sim! A desconfiança sempre vai partir primeiro pra você para depois ir para os outros... Olha só no que deu! Só você foi revistado, só você está preso. Isso é uma injustiça!


SOLANO
: - O seu chefe, o que ele fez?


BRUNO
: - O Diogo esteve do meu lado o tempo todo. Até ofereceu advogado para cuidar do caso. Ele acredita em mim, sabe que eu sou inocente. Mas como os seguranças fizeram o flagra e denunciaram para a polícia, eu não tive como escapar de ficar detido aqui.


ISAURA
: - Era o mínimo que ele deveria fazer, estar do seu lado.


LAURO
: - Bem, vamos nos preocupar agora em tirar você daqui da cadeia.


BRUNO
: - Eu preciso, pai. Não posso ficar aqui dentro. Tenho a Lisa, tem nosso filho. Ele precisa de mim.


LAURO
: - Vamos resolver isso.


ISAURA
: - Oh, meu filho! Olha o que fizeram com você!

 

Isaura abraça Bruno.

 

CENA 03. MOTEL. QUARTO. INT. DIA.

 

Verônica e Gabriel deitados, envoltos nos lençóis. Ela vai despertando, espreguiça-se, abre os olhos, percebe onde está e olha para o lado, fica boquiaberta ao ver quem está do seu lado.

 

VERÔNICA (surpresa): - Ai meu Deus! (salta da cama) Não pode ser!


GABRIEL (se acorda):
- O que foi? O que está acontecendo?


VERÔNICA
: - Gabriel, onde a gente está?!

 

Levanta-se enrolando no lençol. CAM enquadra nela.

 

GABRIEL: - Pela decoração cafona, estamos em um motel.


VERÔNICA
: - Eu não acredito nisso! Gabriel, nós transamos!


GABRIEL
: - Isso é ruim?


VERÔNICA
: - Mas é claro! Quero dizer, não sei... Ai garoto, você me deixa confusa. Eu preciso voltar para a casa!


GABRIEL
: - Relaxa, eu te levo.

 

CAM enquadra Gabriel, de costas e completamente nu, que caminha em direção ao banheiro. Verônica disfarça, mas fica observando o rapaz.

 

VERÔNICA (a si mesma): - O que foi que eu fiz, meu Deus? Esse garoto é um pedaço de mau caminho. Ou melhor, é o mau caminho inteiro!

 

Ela sorri, disfarçadamente.

 

CENA 04. APTO MATHEUS. INT. DIA.

 

Vini mostra o vídeo de Rick para Matheus e Roberta.

 

ROBERTA: - Então aquelas porcarias eram dele!


MATHEUS
: - Que horror!


VINI
: - Pena eu não ter conseguido mostrar isso para o Bruno antes.


ROBERTA
: - Mas tritão, agora você pode mostrar para o delegado! Talvez isso ajude a tirar o Bruno da cadeia.


MATHEUS
: - Quanto mais provas a gente tiver de que a droga não era dele, mais chances ele tem de ser solto.


ROBERTA
: - Vamos pra delegacia agora!


VINI
: - Demorou!

 

Os três saem apressados.

 

CENA 05. APTO LISA. QUARTO LISA. INT. DIA.

 

Carla conversa com Lisa. Helena está presente.

 

LISA (chorando): - Foi horrível ver o Bruno sendo levado pela polícia e eu não conseguir fazer nada por ele.


CARLA
: - Você não pode se arriscar, amiga. Tem o bebê... E outra, o Bruno foi flagrado pelos seguranças. Todo mundo viu.


LISA
: - Mas é injusto, Carla. Eu sei que o Bruno é um cara limpo. Ele jamais usaria drogas. Nunca usou.


CARLA
: - Você tem tanta certeza assim?


LISA
: - Claro que eu tenho!


HELENA
: - Eu sempre achei  o Bruno um rapaz seguro.


CARLA
: - Eu também nunca tive nada contra, também não tenho a favor, vocês sabem. Até mesmo porque ele trabalha, ou trabalhava, na danceteria... Mas sei lá.


LISA
: - Sei lá o quê, hein?


CARLA
: - Ele ser pego com cocaína numa festa gigante daquelas, assim, não foi por acaso. Ele pode não ser usuário, mas certamente, ele iria vender aquilo lá dentro.


HELENA
: - Faz sentido.


LISA
: - Não! Vocês estão completamente erradas! O Bruno seria incapaz! Carla, por favor, eu preciso ficar sozinha.


CARLA
: - Lisa, eu só queria/


LISA
(interrompe): - Por favor, amiga. Eu não quero brigar com você. Mamãe, a senhora também, me deixa sozinha.


HELENA
: - Lisa, minha filha, procure se acalmar.


LISA
: - Justamente por isso que eu preciso ficar sozinha. Por favor.

 

Carla e Helena se retiram.

 

LISA: - O Bruno é inocente. Ele é inocente.

 

CENA 06. PRÉDIO ABANDONADO. INT. DIA.

 

Regina e Mariana se mostram chocadas diante da revelação de Osvaldo.

 

MARIANA: - Pai... Então tudo isso é verdade!


REGINA
: - Claro... Ele começou a utilizar o meu carro para sair porque o dele vivia na oficina.


OSVALDO
: - Amassou um pouco a lataria. Também né, eu atropelei dois cavalos!


ALEX
: - Maldito!


SILMARA
: - Não entra na provocação dele, Alex!


OSVALDO
: - E você, ô vagabunda? O que ganha com isso? Aliás, o que vocês todos ganham com isso? O crime já aconteceu, ninguém tem mais provas disso.


SILMARA
: - Nós temos os documentos, esqueceu? As provas dos crimes e fraudes fiscais que você cometeu, Osvaldo.


ILLANA
: - E estão aqui comigo. Mas logo vão estar nas mãos da polícia.


REGINA
: - Illana! Você não pode fazer isso! Você é minha amiga!


ILLANA
: - Eu jamais poderia compactuar com tanta sujeira, Regina. Seu marido é um criminoso e precisa pagar pelo o que ele fez. Não só com o Alex, mas com muitas outras pessoas que perderam casas, emprego, tudo o que tinham, por causa das armações dele.


ALEX
: - É o fim da linha pra você, Osvaldo. Acabou. Sua máscara caiu.

 

Osvaldo começa a ri.

 

OSVALDO (debochado): - Vocês acham mesmo que podem me prender? Eu sou um homem poderoso, um dos mais poderosos desta cidade! Tenho negócios com gente tão poderosa, que não me deixam nem esquentar a assento da cadeira da delegacia. E você (aponta Alex), você não passa de um negrinho oportunista que está querendo grana a qualquer custo. Você não vai ganhar nada! E eu ainda vou acabar da tua raça infame.

 

Policiais saem de outras partes do prédio, surpreendendo Osvaldo.

 

OSVALDO: - O que está acontecendo aqui? É uma emboscada!

 

REGINA: - Eles armaram para o seu pai, Mariana!


MARIANA
: - Só assim mesmo para pegar ele. Que vergonha, meu Deus! Como eu fui tão burra e não vi que toda essa sujeira estava dentro da nossa casa?!

 

POLICIAL: - Senhor Osvaldo Magalhães, o senhor está preso.

 

Osvaldo saca uma arma do terno e mira em Alex ao mesmo tempo em que um dos policiais faz o mesmo, atirando nele. em SLOW MOTION, o peito de Osvaldo sangra, arregala os olhos.

 

REGINA (grita): - Não!

 

IMAGEM PANORÂMICA. O corpo de Osvaldo no chão, envolto de sangue. Regina se apressa para perto dele, ajoelha-se e chora. Em torno dos dois, alguns policiais, Alex, Mariana, Illana e Silmara observam tudo, apreensivos.

 

CENA 07. APTO PAULA E FERNANDA. SALA. INT. DIA.

 

Fernanda e Paula na sala, abraçadas, deitadas no sofá. Paula coloca a mão sobre a barriga de Fernanda, que a acaricia.

 

PAULA: - Como eu senti falta de fazer isso... Tocar você e o nosso filho.


FERNANDA
: - Eu também estava sentindo falta deste momento só nosso. Agora está sendo tudo tão especial.


PAULA
: - Que bom que está. Que bom que você está aqui comigo agora.

 

A campainha TOCA.

 

FERNANDA: - Esperando alguém?


PAULA
: - Não. Mas pode ser que seja a vizinha de baixo. Outro dia ela veio reclamar de um vazamento. A gente precisa resolver isso o quanto antes.


FERNANDA
: - Deixa que eu atendo então.

 

Fernanda sai do sofá, vai até à porta. ABRE, se depara com Olívia do lado de fora.

 

FERNANDA: - Olívia?


OLÍVIA (seca):
- A Paula está?

 

Paula surge por trás de Fernanda.

 

PAULA: - Olívia?


OLÍVIA
: - Eu acho que a gente precisa conversar, Paula.


FERNANDA
: - Bem, eu vou descer um pouco, deixo vocês a sós.


OLÍVIA
: - Não, fica, Fernanda. Você também faz parte disso tudo.

 

Closes alternados entre as três.

 

CENA 08. DELEGACIA. SALA DELEGADO. INT. DIA.

 

Vini mostra o vídeo para o delegado. Roberta, Matheus, Isaura, Solano e Lauro também presentes.

 

VINI: - Eu mesmo gravei esse vídeo, delegado.


ROBERTA
: - Tá na cara que foi armação deste babaca aí do vídeo! E como foi o Pedro quem acusou o Bruno, certamente deve estar envolvido também.


VINI
: - Meu amigo nunca se envolveu com drogas.


ISAURA
: - Meu filho não é um marginal!


SOLANO
: - Acalme-se, Isaura. Deixa o delegado analisar tudo.

 

O delegado termina de assistir o vídeo.

 

LAURO: - E então, delegado?


DELEGADO
: - As imagens são bastante claras. Está nítido no vídeo que o rapaz afirma que as drogas eram dele e que ele tramaria contra o Bruno.


ISAURA
: - Eu falei que meu filho é inocente!


DELEGADO (chama)
: - Tavares.

 

O oficial entra na sala.

 

TAVARES: - Sim, delegado.


DELEGADO
: - Pode soltar o Bruno e trazer pra cá. Vamos atrás desses dois rapazes aqui... Rick e Pedro.

 

Eles comemoram.

 

CENA 09. APTO GUSTAVO E TOMÁS. INT. DIA.

 

Tomás e Gustavo sentados frente à frente na sala. Silêncio no local. tempo nos dois se encarando.

 

TOMÁS: - O que você fez na festa foi ridículo.


GUSTAVO
: - E o que foi que eu fiz?


TOMÁS
: - Você me deixou de lado para ficar de papo com aquela bicha desengonçada!


GUSTAVO
: - O nome dele é Matheus e ele não é desengonçado.


TOMÁS
: - Você ainda defende aquele infeliz.


GUSTAVO
: - Sabe o que eu realmente estou achando, Tomás? Que o infeliz nessa história toda não é o Matheus.


TOMÁS
: - Ah, e quem seria? Eu?!


GUSTAVO
: - Também não. O infeliz nessa história toda sou eu mesmo. E sabe por quê? Porque eu passei esses últimos anos ao seu lado, vivendo feito um prisioneiro, sem saber o que é ter um gostinho de felicidade dentro do coração.


TOMÁS (surpreso)
: - Gustavo...


GUSTAVO
: - Eu não posso ver minha família, que você reclama. Não posso ir num almoço com os colegas do trabalho, que você reclama. Eu não posso ter amigos, que você reclama. Eu me sinto sufocado, Tomás!


TOMÁS
: - Eu só quero cuidar de você!


GUSTAVO
: - Eu não sou nenhum bebezinho que precisa ser cuidado vinte e quatro horas por dia!


TOMÁS
: - Não precisa ser grosso.


GUSTAVO
: - Você quer ser meu dono, Tomás! E isso eu não aceito mais!

 

Silêncio.

 

TOMÁS: - Eu acho que a gente precisa se acalmar, colocar a cabeça no lugar e começar tudo novamente, nossa vida, nosso jeito...


GUSTAVO
: - Nosso jeito? Não existe NOSSO jeito, Tomás. O que existe é o SEU jeito. Tudo tem que ser sempre à sua maneira.


TOMÁS
: - Por que isso agora? Sempre foi assim.


GUSTAVO
: - Esse é o problema! Sempre foi assim.


TOMÁS
: - Me desculpa. Vou tentar melhorar, ok? A gente pode fazer alguma coisa em relação a isso. Lembra que eu falei da viagem para a gente fazer? Então, eu pensei em/


GUSTAVO (interrompe)
: - Acabou, Tomás.


TOMÁS
: - O que você disse?


GUSTAVO
: - Acabou. Já chega. Eu quero me separar de você.

 

Tomás ri, nervoso.

 

TOMÁS: - Que tipo de brincadeira é essa, Gustavo?


GUSTAVO
: - Não é brincadeira. Eu estou falando sério. Eu vou embora dessa casa.


TOMÁS
: - Não! Você não pode ir embora! Nós já tivemos outras briguinhas antes e sempre conseguimos resolver tudo! Agora vai ser da mesma forma.


GUSTAVO
: - A única forma de resolver isso tudo é cada um para o seu lado.


TOMÁS
: - É isso mesmo que você quer?


GUSTAVO
: - Sim, é isso.


TOMÁS (convencido):
- Então saia da minha casa, agora.


GUSTAVO
: - Bem, eu vou pegar minhas coisas.


TOMÁS
: - Não demore, Gustavo. Se é isso realmente que você quer, pegue o essencial e saia logo.


GUSTAVO
: - Certo.

 

Gustavo se retira.

 

TOMÁS: - Bobo... Ainda vai voltar correndo para os meus braços. Ele não entende que o esteio da vida dele sou eu.

 

CENA 10.  CASA DIOGO. SALA DE ESTAR. INT. DIA.

 

Tereza se encaminha para a porta de entrada pronta para sair. Quando abre a porta, se depara com Carla do outro lado.

 

TEREZA: - Carla? O que você está fazendo aqui?


CARLA (entrando):
- Desculpa, Tereza, eu não estou com muito tempo para conversinha mole. O Diogo está?


TEREZA
: - Mas que modos são esses, garota?


CARLA
: - Tá ficando surda, Tereza? Eu te fiz uma pergunta.


TEREZA
: - E você está ficando sem juízo. Vamos, saia da minha casa.


CARLA
: - Eu só saio daqui quando eu conseguir falar com o Diogo.


TEREZA
: - Ele não quer falar com você. Principalmente depois das canalhices que você fez com ele. Como você pode ser tão baixa, Carla?


CARLA
: - Eu não te devo satisfações da minha vida, Tereza. E para ficar com o Diogo, eu sou capaz de qualquer coisa.


TEREZA
: - Eu não duvido que não seja capaz inclusive de matar.


CARLA
: - Você acha que essa ideia já não passou pela minha cabeça?

 

As duas ficam a se encarar.

 

TEREZA: - Você é louca.

 

Carla sorri, cínica. Diogo chega na sala. Carla disfarça, o olha meiga.

 

DIOGO: - O que está acontecendo aqui?


CARLA
: - Oi, Diogo. Eu só vim até aqui porque eu preciso muito falar com você.


TEREZA
: - Abre o olho, Diogo. Estou de saída. Não sou capaz de ficar mais nem um minuto aqui com esta pessoa.

 

Carla faz a ofendida, Tereza sai.

 

DIOGO: - Vocês discutiram?


CARLA
: - Não. Sua mãe deve estar com um pouco de estresse... Novo livro?


DIOGO
: - Deve ser. Ela anda bem compromissada. Mas então, o que você quer falar comigo, Carla?

 

Carla sorri para Diogo, que fica no aguardo dela.

 

CENA 11. APTO FERNANDA E PAULA. INT. DIA.

 

Paula, Olívia e Fernanda na sala.

 

PAULA: - Então, Olívia, o que você quer falar com a gente?


OLÍVIA
: - Eu quero dizer que me senti muito humilhada, Paula. De verdade. Esse episódio na festa foi de um mau gosto extremo.


FERNANDA
: - Desculpa, Olívia, mas a gente não teve culpa. Aconteceu.


OLÍVIA
: - Ah, aconteceu... Como num passe de mágica!... Me poupe, Fernanda. Você nunca deixou a Paula ser feliz longe de você. Sempre em volta, sufocando... E quando eu finalmente tenho a chance de poder aproveitar ao lado da mulher que eu amo, você chega e estraga tudo!


PAULA
: - Calma aí, Olívia. Não é bem assim. Eu tenho um carinho muito grande por você, pela nossa amizade por tudo o que vivemos juntas... Mas eu amo a Nanda.


OLÍVIA
: - Você ama uma falsa possibilidade de ser feliz. Não enxerga isso?


FERNANDA (convicta)
: - Eu sou plenamente capaz de fazer a Paula feliz.


OLÍVIA
: - Você não consegue nem cuidar de si, Fernanda. Qual a segurança que a Paula vai ter quando o Diogo estiver por perto?


FERNANDA
: - Se eu estou com a Paula, é com ela que eu vou ficar. O Diogo não tem nada a ver com isso.


OLÍVIA
: - Engraçado... Não foi com esse intuito que você me pediu incessantemente para te passar o nome dele na época da fertilização. Você já queria ter um caso com ele antes disso tudo!


FERNANDA
: - É mentira!


OLÍVIA
: - Mentira? Que coincidência enorme o Diogo ser o doador do material do filho de vocês, não?!


PAULA
: - Olívia, você melhor do que ninguém sabe que os doadores são anônimos. A gente não tem como saber quem é quem antes de qualquer coisa.


OLÍVIA
: - Em tese. Mas já passou pela sua cabeça que a Fernanda possa ter combinado tudo com o Diogo? Ela se apaixonou por ele. Ter um filho dele seria um símbolo máximo de amor!

 

Fernanda acerta um tapa em Olívia, que embora surpresa, não revida.

 

FERNANDA: - Essa sua loucura já foi longe demais. Eu não admito que você macule o amor e o respeito que eu tenho pela Paula. E principalmente, que você manche a história do nosso filho com uma mentira tão descabida como essa.


PAULA
: - Olívia, por favor, vai embora.


OLÍVIA
: - Eu não posso acreditar que você vai deixar isso tudo como está. Que você vai continuar querer sendo enganada por essa mulher.


PAULA (firme):
- Olívia, vai embora.

 

MUSIC ON: (Torrada e café - Tiê)

 

Olívia segura as lágrimas, encara Fernanda e Paula, faz que vai falar mas desiste. Sai apressada, bate a porta. Fernanda e Paula se aproximam, se abraçam.

 

FERNANDA: - Desculpa, eu não queria, mas não consegui me segurar.


PAULA
: - Relaxa, fica calma. Já passou. Estamos bem. Nós três estamos bem.

 

Paula abraça Nanda.

 

CENA 12. PRÉDIO APTO RICK. EXT. DIA.

 

MUSIC FADE.

 

Rick se aproxima caminhando pela calçada quando vê uma viatura da polícia parada em frente ao prédio. Ele pára de andar.

 

RICK: - Polícia? Aqui?

 

Ele observa, um tanto desconfiado. Apreensivo, olha pros lados e sai dali rapidamente.

 

CENA 13. PRÉDIO ABANDONADO. INT. DIA.

 

O IML cobre o corpo de Osvaldo com um pano branco. Os policiais isolam a área, alguns com os documentos da pasta de Illana em mãos. Um pouco afastada, está Mariana, entristecida. Alex se aproxima dela.

 

MARIANA: - Por que você não me disse nada?


ALEX
: - Eu não podia, mas não queria te magoar.


MARIANA
: - Você me usou como forma de atingir meu pai.


ALEX
: - Não! Mari, eu amo você, de verdade! Quando eu te conheci, eu não sabia que você era filha do Osvaldo. Foi um choque para mim.


MARIANA
: - E agora você quer que eu acredite em mais essa história, Alex? Já chega. Eu não aguento mais!

 

Mariana se afasta. Alex tenta ir atrás dela, mas Silmara o detém.

 

SILMARA: - Deixa, Alex. Ela precisa de um tempo. Está tudo muito confuso pra ela.

 

Num outro ponto, Illana e Regina.

 

REGINA: - O que vai ser de mim agora? Eu vou perder tudo.


ILLANA
: - Seu marido está morto ali no chão e você pensando em dinheiro?


REGINA
: - Eu preciso pensar no que vai ser da minha vida, Illana, da vida da minha filha. De forma errada ou não, o Osvaldo nunca nos deixou faltar nada. E agora, tudo acabou. Por culpa daquele negrinho.


ILLANA
: - Ei, modere suas palavras para falar do Alex. Muito você se aproveitou dele, que eu sei.


REGINA
: - Ele me traiu, traiu minha confiança. Canalha... Ah, mas a vida não há de ser tão cruel comigo. Eu não nasci para viver esse inferno. Não nasci mesmo.

 

Illana observa Regina, pensativa.

 

CENA 14. CASA DIOGO. SALA DE ESTAR. INT. DIA.

 

Diogo e Carla conversam no sofá.

 

DIOGO: - E então?


CARLA
: - Eu só quero saber uma coisa. Uma única coisa de você.


DIOGO
: - Pode perguntar.


CARLA
: - Você não tem boas lembranças do tempo em que ficamos juntos?


DIOGO
: - Que história é essa agora, Carla?


CARLA
: - Responde a minha pergunta. Eu quero saber de você. Não guardou nada de bom da nossa relação, de todos esses anos?


DIOGO
: - Carla, eu não estou com cabeça pra esse tipo de conversa.


CARLA
: - Impossível que você tenha ficado comigo este tempo todo, sem ter sentido nada, sem ter tido uma pontinha de amor, de gratidão, de afeto e até mesmo saudade... Impossível eu ter sido uma página em branco na sua vida.


DIOGO
: - Você não foi uma página em branco na minha vida. Tivemos bons momentos juntos, sim, como todos os casais. Mas acabou. Passou.


CARLA
: - E você não sente vontade de recomeçar?


DIOGO
: - O quê?


CARLA
: - Diogo, eu estou aqui de coração aberto diante de você, te propondo que a gente recomece a nossa história. Eu sei que você deve ter visto, afinal todo mundo na festa viu, a Fernanda e Paula, juntas.

 

Diogo desvia o olhar.

 

CARLA: - Elas tiveram a consciência de que uma não vive sem a outra. Elas tiveram a decisão de tentar novamente, de lutar por um amor esquisito que ainda está vivo dentro delas... Diogo (segura mão dele), o meu amor por você continua vivo, intenso aqui dentro de mim. Eu te amo, meu amor. E eu quero muito recomeçar, ser uma nova mulher ao seu lado... Eu preciso disso!


DIOGO (soltando-se):
- Mas eu não preciso, Carla.

 

Carla se surpreende, semblante entristecido.

 

DIOGO: - Desculpa, mas eu não quero recomeçar uma história com você. Esse amor que você sente por mim, eu não tenho aqui dentro para dar pra você. Não é recíproco.


CARLA
: - Mas você pode tentar reacender!


DIOGO
: - Carla, não dá. Eu não amo mais você. Entenda isso de uma vez por todas.

 

Silêncio. Carla desvia o olhar, triste. Diogo a observa.

 

DIOGO: - Eu acho que você pode/


CARLA
: - Eu sei, já estou saindo. Na verdade, eu nem deveria ter vindo.

 

Carla pega a bolsa na poltrona e sai. Diogo respira, aliviado.

 

CENA 15. RIO DE JANEIRO. EXT. DIA.

 

MUSIC ON: (Estrela cadente - Luciana Melo)

 

Takes da cidade em sua movimentação diária. Praia de Copacabana, lotada de banhistas, o tráfego no centro da cidade. Dia passando. Cai a noite. Externas das luzes da cidade, dos prédios, dos carros no trânsito.

 

MUSIC OFF.

 

CENA 16. CASA HUMBERTO E SELMA. SALA DE ESTAR. INT. NOITE.

 

Humberto sentado na poltrona, assistindo ao noticiário na TV.

 

APRESENTADOR: Osvaldo Magalhães foi morto pela polícia após reagir à voz de prisão. O empresário, um dos mais ricos do Rio de Janeiro, foi acusado de diversos crimes, como lavagem de dinheiro, recebimento e pagamento de propina e fraudes licitatórias. A polícia teve acesso a um dossiê, onde diversos documentos comprovam a participação de Osvaldo e outros empresários e funcionários públicos das esferas municipal, estadual e federal, em diversas operações de corrupção, que chegam ao montante de mais de 600 milhões de reais.

 

Humberto observa a TV um tanto preocupado. Selma se aproxima dele.

 

SELMA: - Eu sabia que cedo ou tarde alguma coisa iria estourar.


HUMBERTO
: - Não se preocupe, porque nós iremos dar um jeito de ficar livres disso tudo.


SELMA
: - Assim espero, Humberto. Eu não quero ficar com o nome metido nessa lama toda. Eu sabia que não deveria ter feito negócios com ele. Agora certamente vão encontrar o nome da nossa empresa nessas investigações. E aí estamos perdidos.

 

Gabriel entra em casa.

 

GABRIEL: - É verdade mesmo que o Osvaldo morreu?


HUMBERTO
: - Sim. Está passando em todos os noticiários.


GABRIEL
: - Não se fala em outra coisa no condomínio. Ele era envolvido em diversas fraudes. Por isso tinha tanta grana. Bom, vou pro meu quarto.

 

Gabriel se retira.

 

SELMA: - O que vamos fazer?


HUMBERTO
: - Eu ainda não sei, Selma.


SELMA
: - Pois então decida logo! Quando menos se esperar, a polícia está batendo à nossa porta!


HUMBERTO
: - Organize suas coisas então. Tenha seu passaporte em mãos. Vamos embora do país o quanto antes.


SELMA
: - Vou avisar o Gabriel.


HUMBERTO
: - Ainda não. Gabriel é a última coisa. Capaz de nos atrapalhar ainda. Vamos por partes. Ninguém vai colocar as mãos na gente.

 

Neles, apreensivos.

 

CENA 17. CASA SOLANO. SALA. INT. NOITE.

 

Isaura serve jantar para recepcionar Bruno e seus amigos. Matheus, Roberta, Vini e Lisa estão presentes, junto de Lauro e Solano.

 

VINI: - O cheirinho está ótimo, dona Isaura.


ISAURA
: - Confesso que eu caprichei! Tudo para comemorar a inocência do meu filho!


BRUNO
: - Obrigado, mãe. Amo você. Aliás, obrigado a todos vocês, amigos, pela força.


LISA
: - Agradeça especialmente ao Vini. Se não fosse ele, você estaria preso naquela delegacia ainda.


VINI
: - Imagina, eu só fiz o que é certo.


BRUNO
: - Você é meu irmão, Vini. Obrigado mesmo. Amo você também.


ROBERTA (abraça Vini):
- Eu também amo esse loirinho! Meu tritão! Meu herói! (beija Vini)


SOLANO:
- Pelo visto, o Vini tirou a sorte grande. Encontrou uma moça bonita e perdidamente apaixonada por ele.


VINI
: - Meu charme é realmente irresistível, seu Solano.

 

Todos riem.

 

MATHEUS: - O charme e a modéstia, que foi para o espaço né! (risos)


LAURO
: - Será que a polícia já conseguiu pegar os responsáveis por essa armação toda?


BRUNO
: - Eu espero que sim, pai. Eles não podem ficar ilesos a tudo isso. O que eles fizeram foi muito grave.


ISAURA
: - Se a polícia não der jeito, a justiça divina há de dar. Agora vamos comer gente, senão a comida esfria.

 

Todos se servem, animados com o jantar.

 

CENA 18. DELEGACIA. INT. NOITE.

 

Pedro presta depoimento ao delegado. O escrivão registra tudo.

 

PEDRO: - Eu tinha o pé atrás com o Bruno. Não pela índole dele. Mas porque nós tivemos uma desavença por causa de uma moça. Eu sempre fui apaixonado pela Lisa, mas ela preferiu ficar com ele. E isso eu nunca aceitei. Por coincidência, eu descobri que o Rick também não gostava do Bruno. Ele dizia que o Bruno atrapalhava ele de crescer na danceteria. Acabamos criando uma certa afinidade justamente por não gostar da mesma pessoa. Mas nunca pensei em fazer algo como o que foi proposto pelo Rick. Eu nem sabia que ele usava drogas. Eu, como modelo, não posso nem beber, quem dirá me drogar! Mas o Rick tinha uns pinos de cocaína. Acho até que já tinha usado alguns na noite da festa... Foi aí que o Rick propôs da gente dar o troco no Bruno, por tudo o que ele tinha feito com a gente.

 

O delegado segue acompanhando com atenção a declaração de Pedro.

 

CENA 19. CASA MILTON. QUARTO CARLA. INT. NOITE.

 

Carla pensativa, sentada na cama.

 

V.O. DIOGO: - Desculpa, mas eu não quero recomeçar uma história com você. Esse amor que você sente por mim, eu não tenho aqui dentro para dar pra você. Não é recíproco.


V.O. CARLA:
- Mas você pode tentar reacender!


V.O. DIOGO:
- Carla, não dá. Eu amo mais você. Entenda isso de uma vez por todas. Acabou!

 

CARLA: -  Jogando fora o meu amor, Diogo... O meu amor! Isso pode custar caro...

 

Rick invade o quarto, desesperado.

 

CARLA: - Rick?! O que você está fazendo aqui?!


RICK
: - Eu preciso de ajuda, Carla. Acho que a polícia está atrás de mim.


CARLA
: - A polícia?


RICK
: - É, a polícia! Eles estavam lá no prédio hoje de tarde. Achei estranho, porque nunca estiveram antes. Estou com medo.


CARLA
: - E você quer que eu faça o quê, drogadito?


RICK
: - Sei lá! Eu preciso de um esconderijo, alguma coisa. Acho que a polícia está atrás de quem tinha aquelas drogas. Eles não podem me pegar!


CARLA
: - Rick, a minha casa não é maloca pra ficar abrigando foragidos. Se vira.


RICK
: - Como assim, se vira?!


CARLA
: - Se vira, Rick! Eu não vou te ajudar em nada.


RICK
: - Você precisa, pelo menos, dizer para o Diogo que aquela droga não é minha, que eu nunca me envolvi com isso.


CARLA
: - Olha pra você, o que você virou... Um playboyzinho emergente que gasta toda grana em pó! Você é deprimente, Rick.


RICK
: - E você é uma vagabunda!

 

Carla acerta um tapa em Rick.

 

CARLA: - Você está dentro da minha casa, portanto, me respeita.


RICK
: - Sabe quando o Diogo vai voltar para você? Nunca. Porque você é baixa, insignificante, um pé no saco! O Diogo vivia reclamando das tuas cobranças infantis, da sua mania de querer controlar tudo… E ainda por cima ruim de cama! Tanto é que foi trocada por uma lésbica! (ri, debochado) O Diogo gosta mais daquela danceteria do que de você!

 

Carla avança em Rick, batendo nele descontroladamente. Ele a detém com os braços, ri do desespero dela. Ela cansa e para por conta própria, ele a joga na cama.

 

RICK: - Quem é a deprimente agora, hein, Carlinha?

 

Carla engole os dizeres de Rick.

 

CARLA: - Sai da minha casa agora. Senão eu chamo os seguranças.


RICK
: - Eu te ajudei quando você precisou. Agora você não pode me deixar na mão.


CARLA
: - Some daqui. Vai se ferrar sozinho. Ninguém mandou meter os pés pelas mãos.

 

CENA 20. PRÉDIO APTO MATHEUS. CORREDOR. INT. NOITE.

 

Matheus surge no corredor quando se surpreende ao ver Gustavo parado na porta, com duas malas.

 

MATHEUS: - Gustavo? O que você está fazendo aqui?


GUSTAVO
: - Eu posso ficar?

 

Na surpresa de Matheus.

 

CENA 21. CASA ELIANE. COZINHA. INT. NOITE.

 

Eliane coloca sacolas de compras na mesa, algumas estão no chão.

 

ELIANE: - Nossa, que peso... (chama) João!... Me ajuda aqui.

 

Ela vai colocando algumas sacolas sobre a mesa, retirando as compras.

 

ELIANE: - Será que ele tá dormindo?

 

Ela escuta umas risadas, baixinho, voz feminina. ela estranha, sai da cozinha.

 

CENA 22. CASA ELIANE. QUARTO ELIANE. INT. NOITE.

 

Eliane vai entrando no quarto devagar, sem ser notada, e flagra João, um tanto bêbado, com outra mulher na cama. Os dois aos abraços e beijos. Ele, apenas de cueca, enquanto a mulher, usa apenas calcinha, com seios à mostra para João.

 

ELIANE (grita): - O que significa isso?!

 

João e a outra mulher são surpreendidos com a atitude de Eliane.

 

CENA 23. APTO ALEX. SALA. INT. NOITE.

 

Alex sentado no sofá, olhar distante. Silmara surge trazendo duas xícaras de café. Ela entrega uma a ele.

 

SILMARA: - Você fez o certo, Alex.


ALEX
: - Mas eu sinto que perdi a Mariana de vez. Ela jogou na minha cara que eu a usei apenas para fazer minha vingança, o que não é verdade.


SILMARA
: - Ela se viu no meio de tanta coisa, Alex... O pai sendo desmascarado e morto, toda uma construção de vida que ela tinha foi por água abaixo.


ALEX
: - Eu queria pelo menos poder estar do lado dela e dizer que vai ficar tudo bem. Que eu a amo muito e só queria proteger ela de tudo isso.


SILMARA
: - Você vai ter tempo pra isso, meu amigo. Deixa as coisas acalmarem.

 

A campainha TOCA. Silmara vai atender. É Mariana.

 

ALEX: - Mari?

 

Mariana entra apressada e se joga nos braços de Alex, que a beija, apaixonado.

 

SILMARA (a si mesma): - Ih, to vendo que o tempo deles se acertarem chegou mais rápido do que eu pensei.

 

Silmara vai para o interior do apto, deixando Mariana e Alex a sós na sala.

 

ALEX: - Mari, você é tudo para mim! Eu jamais gostaria de te ver sofrer.


MARIANA
: - Alex, não fala nada não. Eu amo você. É isso que importa.

 

Os dois se beijam, apaixonadamente.

 

CENA 24. CASA ARTHUR E NORMA. SALA. INT. NOITE.

 

A campainha TOCA. Norma abre a porta e recepciona Fernanda e Paula.

 

NORMA: - Entrem, meninas! Que bom que chegaram! Acabei de colocar a carne no forno. Logo mais estará pronto.


FERNANDA
: - E o papai?


NORMA
: - Seu pai estava no quarto, logo já vai descer. Fiquem à vontade, eu já volto.

 

Norma se retira. Fernanda e Paula sentam-se no sofá.

 

PAULA: - Você tem certeza que foi uma boa ideia esse jantar aqui na casa dos seus pais, justo agora?


FERNANDA
: - Claro que foi. Meu pai me aceitou. Não tem momento melhor que esse.


PAULA
: - Ele aceitou você e não a mim.

 

Arthur entra na sala.

 

ARTHUR: - Nanda!

 

Ele abraça Fernanda, com carinho. Vira-se para Paula, um tanto relutante, estende a mão.

 

ARTHUR: - Como vai, Paula?


PAULA (retribui o cumprimento):
- Bem, seu Arthur.


NORMA (entrando):
- Fiz até uma sobremesa! Fiquei empolgada quando a Nanda ligou dizendo que vocês viriam jantar.


PAULA
: - Nem precisava se incomodar, dona Norma.


NORMA
: - Não foi incômodo nenhum. Até porque a Nanda falou que era para uma ocasião especial.


ARTHUR
: - Ocasião especial?


PAULA
: - Até eu estou curiosa. O que foi, Nanda?


FERNANDA
: - Pois bem... Eu quis fazer esse jantar hoje, e reunir as pessoas que eu mais amo nessa vida, porque eu quero que esse momento seja muito especial. Para todos nós aqui. Mais uma vez, eu estou fazendo a escolha da minha vida neste momento.

 

Fernanda vai até sua bolsa e pega uma pequena caixinha de joia. Paula se surpreende. Fernanda fica de frente para Paula, se ajoelha. Em seguida, abre a caixa, mostrando um lindo par de alianças. Arthur e Norma se surpreendem, aos mesmo tempo em que Paula se mostra incrédula.

 

FERNANDA: - Nós já somos uma família. Mas faltava algo para completar, de verdade. Paula, você aceita se casar comigo?

 

Close na reação de Paula diante do pedido de Fernanda.
 
     
     
https://1.bp.blogspot.com/-THGgcgJaA-8/WSe3hz1c09I/AAAAAAAAAy0/X7OeM66FNY4tkrkCUzQuQeFSgDL74pElACPcB/s1600/Escolhas%2Bda%2BVida%2BCr%25C3%25A9dito.jp
autor
Édy Dutra

colaboração
Diogo de Castro

elenco
Rafaela Mandelli como Fernanda
Andréia Horta como Paula
Henri Castelli como Diogo
Francisca Queiroz como Carla
Caetano O’Maihlan como Rick
Gabriela Durlo como Roberta
Sidney Sampaio como Matheus
Marcello Melo Jr como Bruno
Aisha Jambo como Lisa
Paulo Gorgulho como Arthur
Sônia Braga como Norma
Maria Ceiça como Isaura
Milton Gonçalves como Solano
Maurício Gonçalves como Lauro
Eliete Cigarini como Eliane
Léo Rosa como Gabriel
Bernardo Mesquita como Tito
Juliana Lohmamm como Bia
Roberto Bomtempo como João
Giuseppe Oristânio como Walter
Cinara Leal como Laisla
Felipe Folgosi como Danilo
Fernanda Nobre como Ivete
Eduardo Lago como Dr. Túlio
Aline Borges como Olívia
Cissa Guimarães como Verônica
Jonas Bloch como Milton
Gisele Fróes como Selma
Odilon Wagner como Humberto
Totia Meirelles como Tereza
Zecarlos Machado como Cristóvão
Zezé Motta como Helena
João Gabriel Vasconcellos como Pedro
Daniel Erthal como Vini
Maria Maya como Illana
José de Abreu como Osvaldo
Malu Galli como Regina
Luma Costa como Mariana
Jonathan Haagensen como Alex
Antônio Pitanga como Dionísio
Guilherme Winter como Gustavo
Pierre Baitelli como Tomás

trilha sonora
Amanhã ou depois – Nenhum de nós
Torrada e café - Tiê
Estrela cadente - Luciana Melo

produção

Bruno Olsen
Cristina Ravela


Esta é uma obra de ficção virtual sem fins lucrativos. Qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência.


REALIZAÇÃO


Copyright
© 2018 - WebTV
www.redewtv.com
Todos os direitos reservados
Proibida a cópia ou a reprodução
.aaa.
.aaa.

Compartilhar:

 
Copyright © WebTV | Design by OddThemes