Flor-de-Cera: Capítulo 02 - WebTV - Compartilhar leitura está em nosso DNA

O que Procura?

HOT 3!

Flor-de-Cera: Capítulo 02

Compartilhe:




CENAS DO CAPÍTULO ANTERIOR:

– Com quem pensa estar falando, sua... sua cretina? – o vereador deixa de lado a elegância e a pega pelo pescoço.

...
– Deixe-a, doutor! Pense nas consequências. O senhor é um homem público! O que não dirá a imprensa? – implora Joaquim, o motorista, que adentra a sala após ouvir de seu quartinho toda a gritaria. – Senhor, a imprensa...
...

As palavras do chofer são como bombas, George solta a mulher, que cai ao chão com o sangue preso à face. Afasta-se bem devagar, fixando-se nos olhos atordoados de Catharine. Um lampejo de realidade lhe corre à vista, é quando decide subir para o quarto, reservando à Caixa de Pandora toda a insanidade de há pouco.
Apoiada à parede, Catharine percebe não ter mais forças para lutar contra as intempéries do destino e desfalece.



FLOR-DE-CERA - CAPÍTULO 02






Levada por Joaquim à sala de estar, Catharine agora repousava. Apesar de pálida, estava linda naquele modelito francês. O negro, em seu corpo, não exalava a dor intrínseca de se perder um ente querido; contornava-lhe o corpo, resplandecendo enlouquecidamente a sua beleza. Uma beleza surreal, desnorteadora... Puro êxtase!
Ernestina cobriu-a com um manto fino e pediu a Joaquim que a protegesse das malvadezas de George enquanto ela fosse à plantação da mansão buscar algumas ervas para fazer-lhes um chá. Era o que ele mais desejava. E como desejou esse momento. Não o de vê-la mórbida, caída a um sofá após uma briga com o esposo; mas o momento de poder estar ainda mais perto dela. Dessa mulher que tanto o perturbava.
Sentado ao lado dela, ele arfou. Estava hipnotizado pelo desejo latente – uma praga sinestésica. Trêmulo, uniu uma de suas mãos à dela, quando percebeu o abismo que há entre eles. Suas mãos grossas, com calos enormes, frutos de uma vida sofrida no sertão; as dela, de uma delicadeza ímpar, cuja espessura assemelhava-se às pétalas de uma rosa.
Desde que chegou à mansão e a viu pela primeira vez, sentiu que Catharine seria aquela que o completaria como homem e o faria viver as maiores aventuras em busca da felicidade. Tinha certeza, amava-a mais do que o ar que respirava... Queria poder tê-la nos braços, amá-la de verdade, sem medo de que isso fosse um erro, algo discriminado pela sociedade – o ser tão cruel dos folhetins românticos. Por mais que fantasiasse, esse amor jamais seria possível! A diferença de classe entre ambos era incomensurável! Pelo menos era o que ele pensava.
Filho da ralé, sem ambições, Joaquim vagou pelo mundão afora na esperança de que Deus o visse uma única vez. Terceiro fruto de uma família desmiolada, ele fugiu da fome assim que a razão lhe dominou. Não poderia morrer como seus pares, naquele sertão que fazia fronteira com as vidas secas de Graciliano Ramos. Por isso veio tentar a vida em São Paulo. Era um retirante! Já ela, uma dama da sociedade, invejada por todos, cortejada pelos herdeiros das famílias cujos brasões estão estampados na antessala do Governador. Havia um Mar Vermelho entre eles e para atravessá-lo, só com a ajuda de um outro Moisés.
Se tudo isso pudesse ser mudado, se tivesse uma oportunidade de tocar seus lábios aos dela ou mesmo ouvir de sua boca um simples elogio... Deus meu, seria fatal! Seu coração não aguentaria! Como George poderia subestimar uma preciosidade como aquela? Como poderia desmerecer aquela cujos olhos lhe substituem o sol em tempos anuviados? Como?
*(música Sinfonia dos Sonhos - Marcus Viana) Com a corrente sanguínea explodindo, atreveu-se a violar as leis da moralidade ao tocá-la na face e beijá-la de leve. Mesmo com a voz quase embargada, ousou lhe confidenciar:
– Se Deus permitisse, queria tê-la somente para mim. Seria só minha! Só minha!!! Viveríamos felizes, longe dessa agonia que nos faz vítima da sociedade e de nós mesmos...
Continuou a se revelar, sob a ameaça constante do pranto, que assim como uma tempestade, anunciava-se, e seria difícil de evitar.
– Dona Catharine, não vivo mais! Minha alegria sucumbiu à dor desde aquele dia em que cheguei a essa casa. Foi uma paixão fulminante e, como tal, está me levando, me jogando para baixo, como fazem as âncoras dos navios – lágrimas desciam desordenadas por sua face.
Detrás da porta, Ernestina não teve coragem de interrompê-lo. Estava diante de um nobre matuto. Por  instantes, até mesmo ela se esquecera de George, aquele traste, como mesmo gostava de dizer, afinal, um fiozinho de esperança reacendia a fogueira da paixão naquela casa.
– Quanta é a solidão, quanto é o meu amor, meu carinho pela senhora... Meu Deus, o que estou dizendo? – levanta-se apressado, como se quisesse se livrar para sempre daquele mágico sentimento que o movia há tempos. – O que estou dizendo? Ela é minha patroa, a mulher a quem deveria servir... Só isso! Só! O que estou fazendo não está certo, ela é minha patroa, é casada – soluços de dor o conduzem ao limbo dos desalmados. – Livre-me dessa agonia, dessa maldição, meu Deus!
A empregada até quis findar aquele momento de desabafo, mas não conseguira, um homem como ele era raro de se ver. Joaquim não era igual aos outros, parecia enxergar a alma feminina, senti-la, amá-la como se ama alguém muito especial, talvez um filho, uma mãe, uma mulher... Seus olhos não eram os de um roceiro; por um instante, reluziam a força de um poeta trancafiado dentro de si mesmo. Isso era esplêndido! E lá permaneceu, à espreita, sendo a única testemunha daquela cena consentida pelo destino. (finalizar a música)*
– O que se passa aqui? – inquire o vereador, com a força de um vulcão, surpreendendo a empregada pelas costas. – O que esse caipira faz perto de minha mulher? Fale, Ernestina!
A face ruborizada e os olhos estatelados da mulher pareciam não se encorajar em defender o pobre Joaquim. Seria o fim dele?



autor
Carlos Mota

A novela "Flor-de-Cera" é remake de "Venusa Dumont - da memória à ressurreição" de Carlos Mota
 
elenco
Grazi Massafera como Catharine Dumont
Thiago Lacerda como George Dumont
Ricardo Pereira como Joaquim
Elisa Lucinda como Ernestina
Carlos Takeshi como Tanaka Santuku
Miwa Yanagizawa como Houba Santuku
Jesus Luz como Pietro Ferrara
Lucinha Lins como Franceline Legrand Dumont
Lima Duarte como Dilermando Dumont
Herson Capri como Doutor Rubens Arraia
Tonico Pereira como Moacir
Werner Schünemann como Paineiras Ken
Rosi Campos como Adelaide
Humberto Martins como Alberto Médici
Cauã Reymond como Ricardo
César Troncoso como Zé dos Cobres
Ilva Niño como Josefa
Selton Mello como Zelão
Matheus Nachtergaele como Meia-noite
Caio Blat como Delegado de Vila Bonita
Caio Castro como Leandro
Alexandre Borges como Doutor Jaime
Caroline Dallarosa como Carmem
Fernanda Nobre como Stela

participação especial
Stênio Garcia como Doutor Lúcio
Drica Moraes como Desirê
Marco Nanini como Chico Santinho

atores convidados
Ary Fontoura como Doutor Tobias
Alexandre Nero como Júlio Avanzo
Elizangêla como Maria

a criança
Valentina Silva como Alana

trilha sonora
Lágrimas da Mãe do Mundo - Sagrado Coração da Terra (abertura)
Sinfonia dos Sonhos - Marcus Viana


desenhos
Andrea Mota

produção
Bruno Olsen
Cristina Ravela

Esta é uma obra de ficção virtual sem fins lucrativos. Qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência.


REALIZAÇÃO




Copyright © 2020 - WebTV
www.redewtv.com
Todos os direitos reservados
Proibida a cópia ou a reprodução

Compartilhe:

12 anos

Capítulos de Flor-de-Cera

Drama

Flor-de-Cera

No Ar

Novelas

Romance

Comentários:

0 comentários: