Talismã - Capítulo 12



     
 

No capítulo anterior de Talismã:

MARILU: - Eu quero saber de você longe do Tarcísio. Está ouvindo?

LÍVIA: - Mas que história é essa? Quem é você pra falar assim comigo?

MARILU: - Eu sou a mulher dele. E eu sei muito bem que você tem dado em cima do meu marido.

...

PAULO: - O Tarcísio tem um testamento e parece que hoje, nessa reunião com o Alfredo, ele vai fazer algumas alterações no documento. E entre as principais alterações está a inclusão de uma nova pessoa para receber a herança.

MARILU: - Eu não acredito! Essa pessoa só pode ser/

PAULO: - Você, Marilu! É óbvio!

...

ALFREDO: - Só espero realmente que você esteja ciente de que está deixando parte do seu testamento para uma pessoa que, como você mesmo disse, conheceu a pouco tempo. Estamos falando de dinheiro, seu patrimônio, Tarcísio.

TARCÍSIO: - Eu sei disso. Mas eu tenho certeza de que isso será para o bem dela. E para o meu também.

ALFREDO: - E como se chama essa pessoa?

TARCÍSIO: - Lívia Ribeiro da Silva.

Em Tarcísio, decidido.

...

ONIRA: - Eu quero conhecer e logo essa tal de Adriana. A moça que tá virando a cabeça do meu filho.

MARCOS: - Vamos fazer assim. Eu vou falar com ela e assim que ela puder, eu vou trazer ela aqui em casa para jantar com a gente. Pode ser?

ONIRA: - Agora sim! Já melhorou. Mas quando é que ela vai poder? É muito ocupada é?

MARCOS: - Um pouco. Ela é médica, então/

ONIRA: - Médica?! Que coisa boa! Mulher bem sucedida. Deve ter uma condição de vida muito boa.

MARCOS: - Tem sim, mas não foi isso que me encantou nela não. Foi o caráter, a simpatia, a beleza, o carinho/

ONIRA: - Tá bom, tá bom, eu sei. Agora então é pensar num cardápio bem chique pra receber a minha nora. Médica!

Onira sai do quarto animada. Em Marcos impressionado com a reação dela.

...

TARCÍSIO: - Eu sei como você deve estar se sentindo, dividida entre dois amores.

LÍVIA: - Sabe? Já esteve nessa situação?

TARCÍSIO: - Não estive entre dois amores. Mas tive que escolher entre um grande amor e um futuro melhor para a minha vida. Infelizmente, eu escolhi a segunda opção. Mas hoje não me arrependo. Tenho coisas boas nessa caminhada. Na verdade eu só me arrependo de não ter me apaixonado mais.

LÍVIA: - Mas isso não depende da gente. O destino é que se encarrega de cuidar do nosso coração.

TARCÍSIO: - Então eu posso dizer agora que o destino me deu um grande presente, colocando você no meu caminho e dentro do meu coração.

Lentamente Lívia e Tarcísio se beijam, no momento em que Jonas abre a porta e flagra os dois.

 
     
     
     
     

CAPÍTULO 12
 
     
 
 
 

CENA 01. RESTAURANTE EUROPA-BRASIL. ESCRITÓRIO. INT. NOITE. 

Continuação do capítulo anterior. Lívia e Tarcísio, bem próximos um do outro.

TARCÍSIO: - Eu sei como você deve estar se sentindo, dividida entre dois amores.

LÍVIA: - Sabe? Já esteve nessa situação?

TARCÍSIO: - Não estive entre dois amores. Mas tive que escolher entre um grande amor e um futuro melhor para a minha vida. Infelizmente, eu escolhi a segunda opção. Mas hoje não me arrependo. Tenho coisas boas nessa caminhada. Na verdade (se aproxima de Lívia) eu só me arrependo de não ter me apaixonado mais.

LÍVIA: - Mas isso não depende da gente. O destino é que se encarrega de cuidar do nosso coração.

TARCÍSIO: - Então eu posso dizer agora que o destino me deu um grande presente, colocando você no meu caminho e dentro do meu coração.

Lívia e Tarcísio se beijam. Nesse instante, Jonas abre a porta e flagra os dois. Lívia e Tarcísio se surpreendem.

LÍVIA: - Jonas!

JONAS: - Então é dessa forma que você está me esperando? Aos beijos com outro?!

TARCÍSIO: - Esperando? Do que você está falando?

JONAS (a Tarcísio): - Cala a boca porque eu não falei com você. (a Lívia) Não esperava isso de você. Não esperava mesmo.

Jonas vai saindo. Lívia se mostra arrasada.

TARCÍSIO: - Você e ele...?

LÍVIA (confusa): - Não, Tarcísio. Não tem nada. Se bem que eu já não sei. (saindo) Eu vou atrás dele!

Tarcísio fica pensativo. 

CORTA PARA

CENA 02. EUROPA-BRASIL. EXT. NOITE.

Jonas vai saindo apressado. Lívia consegue alcança-lo.

LÍVIA: - Jonas, espera!

Jonas para, fica de costas para Lívia.

LÍVIA: - Eu posso explicar tudo.

JONAS: - Não precisa explicar nada, Lívia. Você não é obrigada a me dizer coisa alguma. Afinal, nem temos nada, não é? Não somos namorados, noivos, casados, nada! Você é livre.

LÍVIA: - Mas Jonas, eu me sinto culpada por tudo isso. Eu não planejei nada, não queria nada disso. Por favor, entenda.

JONAS: - Eu também não queria nada disso. Se você se sente culpada, eu me sinto um palhaço, boboca.

LÍVIA: - Não fala assim, Jonas (se aproxima) Vamos acertar isso.

JONAS: - Acertar o quê, Lívia?! Eu vi você e aquele cara, aos beijos. E você estava gostando! Eu não entendo, porque até alguns dias atrás, você disse para eu ir com calma, pra não misturar as coisas. Se você quisesse evitar de se envolver comigo porque já tinha outra pessoa em mente, poderia me dizer, sem problemas/

LÍVIA: - Não, não é isso! Eu não estava evitando você. Eu só/

Tarcísio chega. Encontra Lívia e Jonas na calçada. Jonas o encara.

JONAS: - Seu namorado veio ver porque você está demorando.

LÍVIA: - Para, Jonas! Não fala assim.

JONAS: - Eu vou indo pra casa. Não ia conseguir ver o filme sozinho no cinema.

Jonas se afasta, cabisbaixo. Lívia se entristece. Tarcísio se aproxima.

TARCÍSIO: - Eu não queria causar tanto transtorno pra você.

LÍVIA: - Tudo bem, não foi culpa sua.

TARCÍSIO: - Eu vou pro hotel. (entrega um cartão para Lívia) Qualquer coisa, pode me ligar.

LÍVIA: - Tudo bem.

Tarcísio vai embora. Lívia se mostra confusa diante da situação.

CENA 03. CASA CHARLOTE. QUARTO BRENO. INT. NOITE.

Breno está na escrivaninha analisando uns documentos. Parece um pouco inquieto, sem muita concentração. Ele pega o celular. CAM mostra o visor do aparelho, os nomes correndo, até que chega o nome de Carla. Breno liga.

CENA 04. MOTEL. INT. NOITE.

CAM mostra o celular de Carla numa mesa de canto, no silencioso. O aparelho vibra, mas Carla nem percebe. Ela está atendendo um cliente, que está deitado na cama, animado, com o strip tease que Carla realiza pra ele.

CARLA: - Você quer que eu tire isso? (baixando a alça do sutiã)

CLIENTE: - Tira! Tira tudo!

Carla, sensualmente, vai baixando a alça do sutiã, seduzindo o cliente, que sorri.

CENA 05. CASA FAUSTO. ESCRITÓRIO. INT. NOITE.

Escritório à meia-luz. Fausto olha um site de acompanhantes. Lorena entra no escritório. Fausto disfarça, fecha a janela do site.

LORENA: - Ainda nesse computador?

FAUSTO: - Tenho tanta coisa pra resolver.

LORENA (se aproxima de Fausto, o abraça por trás): - Vem deitar, Fausto. Amanhã você continua trabalhando.

FAUSTO: - Já vou, querida. Só vou terminar de analisar esses documentos aqui e já vou pra cama. Pode ir que não demoro.

LORENA (beija Fausto): - Tá bom.

Lorena se afasta, sai do escritório. Fausto abre a janela do site de acompanhantes novamente. Clica na foto de uma das mulheres. Anota o telefone de contato num pedaço de papel.

CENA 06. PENSÃO BEM QUERER. QUARTO JONAS. INT. NOITE.

Jonas deitado na cama, pensativo. Jonas chora ao lembrar do flagra em Lívia e Tarcísio.

CENA 07. HOTEL LUXO. QUARTO TARCÍSIO. INT. NOITE.

Tarcísio deitado na cama, mostra-se esperançoso após o beijo que deu em Lívia.

TARCÍSIO: - Lívia... Lívia... Sinto que o seu lugar é do lado do meu.

MUSIC ON: Retratos e canções – Paulinho Moska

Tarcísio sorri, satisfeito.

CENA 08. SÃO PAULO. EXT. NOITE

Takes alternados dos pontos turísticos da cidade, ao amanhecer. A movimentação das pessoas. Corta para.

CENA 09. REDAÇÃO FLASH PAULISTA. INT. DIA.

Beatriz trabalha em sua mesa, quando Isabela chega na redação, segue apressada para sua mesa. Beatriz vê a amiga, levanta-se rapidamente e a acompanha.

MUSIC OFF.

ISABELA: - Ele já chegou?

BEATRIZ: - Não.

ISABELA: - Ainda bem.

BEATRIZ: - Tá, agora me fala tudo!

ISABELA: - Tudo o quê?

BEATRIZ: - Não se faz de sonsa, Isabela!

ISABELA (senta-se na cadeira, suspira): - Ai amiga, deu tudo errado!

BEATRIZ: - Como assim, deu tudo errado?! Não me diga que não aconteceu encontro, nem nada e/

ISABELA: - Não, não é isso. Aconteceu sim, eu fui no apartamento dele, a gente conversou.

BEATRIZ: - E então, por que você disse que deu tudo errado? Ele foi grosseiro com você, é isso?

ISABELA: - Não. Ele foi carinhoso, charmoso, sedutor... Se declarou pra mim e a gente acabou se beijando.

BEATRIZ: - Mas então! Que deu errado o quê! Deu tudo certo, amiga!

ISABELA: - Não, mas não pode!

BEATRIZ: - Não pode por quê, Isabela?!

ISABELA: - Porque ele é meu chefe.

BEATRIZ: - Não significa nada.

ISABELA: - Mas ele é um safado. Beatriz, você sabe muito bem. O Conrado não é nenhum santo. Eu não quero me envolver com um cara desses. Mas ao mesmo tempo, ele consegue me prender de uma tal maneira, que eu fico sem jeito só de olhar pra ele!

BEATRIZ: - Então amiga, se você não quer nada, começa a achar um jeito rápido pra se livrar dele, porque pelo visto, você já está envolvida. E bem envolvida.

ISABELA: - Você também pra me ajudar hein!

Beatriz sorri, volta para sua mesa. Isabela fica pensativa.

CENA 10. REDAÇÃO FLASH PAULISTA. EXT. DIA.

Conrado vai chegando no prédio. Sarah, do outro lado da rua, o vê entrando no prédio.

SARAH: - Mas então é aqui que ele trabalha?! (surpresa) Minha nossa! O cara é carinhoso, bonitão e trabalha nesse prédio de bacana?! (ergue as mãos pro céu) Obrigado Deus! Obrigado por ter posto esse anjo na minha vida!

O telefone dela toca. Ela olha a chamada.

SARAH: - Ai Henri! Justo agora! (atende) Fala meu lindo! (T) Sim, já to indo pra boate. (T) tá, calma! (T) Se tá com tanta pressa assim, chama a Marilu pra me substituir então! Ela não é maravilhosa, a deusa? (T) Sei... Olha Henri, você tá acobertando tudo o que ela faz... Depois ela te dá um pé na bunda e você não vai ter pra onde correr. (T) Tá bom, tá bom! To indo! Tchau! (desliga)

Sarah fica a observar o prédio.

SARAH: - Me espera que eu volto Conrado, pra te fazer uma visita.

CENA 11. HOTEL LUXO. QUARTO TARCÍSIO. INT. DIA.

Tarcísio está terminando de se arrumar, ajustando a gravata. A campainha toca. Ele atende. É Marilu.

MARILU: - Já que você não me procura, eu vim até aqui.

TARCÍSIO (se afasta da porta, volta para arrumar a gravata): - Eu estou de saída.

MARILU (entrando): - Porque você faz isso comigo?

TARCÍSIO (vira-se para Marilu): - Isso o quê?

MARILU: - Age como se eu não existisse mais! Eu esperei uma ligação sua, uma mensagem, qualquer sinal de vida... E você nem aí pra mim! (se aproxima de Tarcísio, o abraça pelas costas) Impossível que você não tenha sentido saudade de mim.

TARCÍSIO (se esquiva): - Senti sim, mas agora eu não tenho tempo pra essas coisas.

MARILU: - Ah não tem? Não tem tempo pra mim. Mas aposto que pra ir lá naquela droga de restaurante você tem tempo.

TARCÍSIO: - Cuidado com as suas palavras, Marilu.

MARILU: - Tá preocupado que eu ofenda a sua nova amiguinha é?

TARCÍSIO: - Nem sei do que você está falando.

MARILU: - Sabe sim. Sabe muito bem sobre o que eu estou falando e de quem eu estou falando.

TARCÍSIO: - Tá bom, Marilu. Já chega. O que você quer afinal?

MARILU: - Eu quero você Tarcísio, do meu lado!

TARCÍSIO: - Mas você não vê que eu não estou mais a afim disso? Acabou, perdeu a graça! Se eu não te liguei mais foi porque eu não quis.

MARILU (surpresa): - Então você não quer mais nada comigo, é isso?

TARCÍSIO: - Isso mesmo. O que nós passamos foi muito bom, você foi uma companhia ótima, mas agora passou, acabou. Cada um segue a sua vida.

MARILU: - E você acha que vai ficar tudo por isso mesmo? Tarcísio, você tá me usando como se eu fosse uma folha de papel, que você amassa e joga fora! As coisas não funcionam assim não!

TARCÍSIO: - Funcionam sim e você já está mais do que acostumada com isso. Afinal, ganhar a vida fazendo programa é ser usada por outras pessoas. Não é?

Marilu fica calada. Encara Tarcísio com raiva. Aproxima-se dele e lhe dá um TAPA no rosto. Tarcísio não reage. A encara sério. Os dois ficam a se olhar.

MARILU: - Canalha.

TARCÍSIO: - Vai curar a sua dor de cotovelo em outro lugar.

MARILU: - Confessa, Tarcísio! Confessa que você adorou estar comigo, que me desejou, que foi às estrelas me amando na cama!

TARCÍSIO: - Amando? Eu não te amei, Marilu. Nós apenas transamos. Foi tudo tara, sexo. Nada além disso. Amor, eu estou sentindo agora.

Marilu fica possessa.

MARILU: - Como é que é?!

TARCÍSIO: - Agora sim, eu estou amando alguém de verdade.

MARILU: - Você vai se arrepender por ter me tratado assim.

TARCÍSIO: - É assim que funciona, Marilu. Pessoas saem, para outras entrarem e mudar a nossa vida.

MARILU: - E eu não signifiquei nada pra você... quanta ingratidão!

TARCÍSIO: - Já chega de discussão, não acha? Não vamos chegar à lugar algum brigando.

MARILU: - Você vai ser meu, Tarcísio. Você vai perceber que a mulher que você ama sou eu! (grita) Sou eu!

Marilu encara Tarcísio por um instante e vai embora. Ele fica pensativo.

CENA 12. CASA CHARLOTE. QUARTO CHARLOTE. INT. DIA.

Charlote está organizando algumas roupas suas e de Demétrio, quando encontra bilhetes de apostas do Jockey no bolso da calça do marido. Charlote fica pensativa, não gostando do que encontra.

CENA 13. CASA INÊS. SALA DE ESTAR. INT. DIA./NOVA YORK. APTO ELIZABETH. SALA. INT. DIA.

Inês e Elizabeth conversam por telefone. Cena alternada entre as duas. Inês em sua sala de estar, Elizabeth na sala do apartamento. Eduardo está ao seu lado no sofá, lendo um livro.

INÊS: - E então Beth, como tem sido esses dias aí em Nova York?

ELIZABETH: - Muito agradáveis, Inês. Melhores do que eu esperava (olha carinhosamente para Eduardo, que retribui com um sorriso).

INÊS: - Que ótimo minha amiga! Já estou morrendo de saudades de você!

ELIZABETH: - Eu também Inês. E como vão as coisas por aí?

INÊS: - Tudo correndo tranquilamente.

ELIZABETH: - E o Tarcísio? Tem visto, falado com ele?

INÊS: - Não, Beth. Quem tem mais contato com ele é o Alfredo, mas apenas pelos negócios.

ELIZABETH: - Claro. Ele também já deve estar com a outra vaga/

INÊS: - Beth, por favor! Não pense nisso. Você precisa pensar na sua felicidade a partir de agora, no seu bem estar.

ELIZABETH: - Tem razão amiga. Tem razão.

INÊS: - Mas e então, já sabe quando volta?

ELIZABETH: - Ainda não sei, Inês. Nova York está me fazendo tão bem... (faz carinho em Eduardo)

INÊS: - Já conheceu alguém interessante aí ou ainda nem pensou nisso?

ELIZABETH: - Se eu já conheci alguém?

Eduardo faz sinal para Elizabeth negar.

ELIZABETH: - Não, não conheci ninguém ainda não. Mas ainda tenho tempo.

INÊS: - Claro, amiga. Aproveite bastante!

ELIZABETH: - Pode deixar Inês. E aguarde, pois quando eu voltar, levarei vários presentes pra você!

INÊS: - Beth, não precisa!

ELIZABETH: - Precisa sim! Todo mundo gosta de presente! (risos)

INÊS: - Tá bom, estarei aguardando! (risos) Beijo amiga!

ELIZABETH: - Beijo!

Elizabeth desliga o telefone. Suspira nostálgica.

EDUARDO: - Como ela está?

ELIZABETH: - Está bem. Mas porque você não/

EDUARDO: - Melhor assim.

ELIZABETH: - Melhor por quê?

EDUARDO: - É uma história longa. Um dia te explico (dá um selinho em Elizabeth e sai)

Elizabeth fica pensativa.

CENA 14. CASA CHARLOTE. JARDIM. EXT. DIA.

Demétrio está lendo o jornal, conferindo os horários do turfe quando Charlote se aproxima. Ele troca de página rapidamente.

CHARLOTE: - Lendo as notícias do turfe, querido?

DEMÉTRIO: - Eu? Não! Estou vendo aqui os eventos culturais da cidade. Tá acontecendo uma exposição de fotografias interessante no MASP. Não está afim de ir?

CHARLOTE (seca): - Não.

DEMÉTRIO: - O que foi minha flor? Parece que aconteceu alguma coisa.

CHARLOTE: - E aconteceu sim, Demétrio.

Charlote joga os bilhetes sobre a mesa. Demétrio se surpreende.

CHARLOTE: - E então, Demétrio, como você me explica isso?

DEMÉTRIO: - Charlote, eu nem sei o que dizer. Não sabia que você estava apostando no turfe, querida!

CHARLOTE: - Está me achando com cara de boba, Demétrio?! Esse assunto é coisa séria! Você tinha me prometido que/

DEMÉTRIO: - Eu sei, eu sei. Tudo bem, confesso, eu fui no Jockey sim. Mas foi só uma vez.

CHARLOTE: - Mas não deveria ser nenhuma vez, Demétrio. Eu não quero passar por tudo aquilo novamente!

DEMÉTRIO: - Calma! Não precisa fazer essa tempestade toda. Eu já disse que foi só uma vez. Eu não coloquei mais meus pés no Jockey.

CHARLOTE: - Espero que você esteja realmente falando a verdade, Demétrio. Espero mesmo. Não quero me decepcionar com você. Não quero mesmo.

DEMÉTRIO: - Você não vai. Eu prometo.

Charlote pega os bilhetes, rasga. Se afasta. Demétrio fica pensativo.

CENA 15. AMARO. SALA TARCÍSIO. INT. DIA.

Tarcísio e Paulo conversam. Tarcísio um tanto inquieto.

TARCÍSIO: - E ela achou que eu iria implorar pra ficar com ela. Não fiz isso nem com a Beth, vou fazer com a Marilu!

PAULO: - Mas não se esqueça, que você deixou a Beth por causa da Marilu! E agora vai largá-la para ficar com outra.

TARCÍSIO: - Não deixei a Beth por causa da Marilu. A Marilu fez parte desse processo todo, mas não foi a responsável por isso.

PAULO: - Você não quer admitir que gosta dela.

TARCÍSIO: - Não posso admitir o que não é verdade. Eu não gosto da Marilu. Ela me ajudou quando eu precisei e pronto. Não vale a pena eu continuar com ela não tendo mais vontade. A única vontade que eu tenho agora é de estar próximo da Lívia.

PAULO: - Da recepcionista do restaurante.

TARCÍSIO: - Ela provocou em mim algo que ninguém nunca conseguiu. Não sei nem explicar. Parece mágica.

PAULO: - Você parece um bobo. Tenho certeza de que a Marilu daria uma mulher excelente pra você, com postura, elegância. Essa Lívia não tem porte pra te acompanhar.

Tarcísio estranha o comentário de Paulo.

TARCÍSIO: - Espera um pouco, Paulo. Você já teve mais contato com a Marilu?

PAULO (apreensivo): - Eu? Não... Por quê?

TARCÍSIO: - Porque está defendendo ela com tanta propriedade, falando tão bem... Parece até que você já a conhece, muito mais além do que um mero espectador dos shows dela na boate.

Paulo se mostra surpreso, um tanto apreensivo com o questionamento de Tarcísio.

PAULO: - Quanta bobagem, Tarcísio. Não tem nada disso não. Bem, eu vou pra minha sala. Qualquer coisa, pode me chamar.

Paulo se retira da sala. Tarcísio fica pensativo.

CENA 16. CLÍNICA DR. FAUSTO. AUDITÓRIO. INT. DIA.

Fausto faz uma reunião com os médicos e alguns funcionários. Adriana, Fabrício, Gisa e Almir estão presentes.

FAUSTO: - Bem pessoal, pra encerrar a nossa reunião, eu tenho um comunicado a fazer, algo rápido.

GISA (cochicha com Adriana): - Não quero fazer mais horas extras, pelo amor de Deus!

Adriana segura o riso. Fausto prossegue.

FAUSTO: - Amanhã mesmo eu estou partindo para um congresso de medicina, que será realizado na Argentina.

ADRIANA: - Congresso? Não tinha ouvido falar que realizariam um congresso agora.

FAUSTO: - Nem eu, Adriana. Ontem recebi um comunicado da Associação Latino-americana de Medicina. Querem que eu participe. Então, assim irei.

FABRÍCIO: - E quanto tempo de congresso, doutor?

FAUSTO: - Dois ou três dias. Enquanto eu estiver fora, Almir ficará responsável pela direção da clínica.

Almir se mostra surpreso.

ALMIR: - Eu?!

FAUSTO: - Você Almir. Desculpe avisá-lo assim, de surpresa, mas como já esteve nesse posto outras vezes e conduziu tudo de forma muito competente, acredito que posso contar com você mais uma vez.

ALMIR: - Claro, pode sim.

FAUSTO: - Então é isso pessoal. Reunião encerrada. Até a volta.

Os médicos e funcionários vão saindo. Gisa se aproxima de Almir.

GISA: - Já vai colocando na tua agenda aí: sábado eu não fico à noite, viu? Já tenho compromisso.

ALMIR: - Ih, eu nem assumi e você já vem querendo vantagem é?

GISA: - Não é vantagem! É necessidade! O estagiário novo, loiro lindo me convidou pra sair pela segunda vez. Se eu recusar de novo, perco o bofe.

Os dois vão saindo. Adriana e Fabrício conversam.

FABRÍCIO: - Eu também não tinha ouvido falar do congresso.

ADRIANA: - Bom, mas se ele vai, realmente deve ser importante. E você e a Vitória, como andam as coisas?

FABRÍCIO: - Tudo na mais santa paz! Hoje à noite tem um jantar na casa dela.

ADRIANA: - Que ótimo, amigo! Fico feliz por você.

Fabrício mostra-se empolgado.

CENA 17. PENSÃO BEM QUERER. QUARTO LÍVIA / CARLA. INT. DIA.

Lívia e Carla conversam. Pedro brinca com alguns brinquedos no chão.

CARLA: - Que boa essa sua folga hoje, hein amiga? Deu pra resolver bastante coisa.

LÍVIA: - Nem me fala, Carla. Ainda bem que consegui, finalmente, encontrar a creche para o Pedro. Já estava sendo um abuso deixar ele com a dona Alaíde e o Seu Oscar, por mais queridos que eles sejam.

CARLA: - E vai ser bom pro Pedrinho também, conviver com outras crianças. Aqui é um mundo muito adulto pra ele.

LÍVIA: - É. Ele precisa sonhar mais.

CARLA: - Igual a mãe.

LÍVIA: - Como? Não entendi.

CARLA: - Essa sua carinha risonha não me engana. Fala aí, o que tá passando nessa sua cabeça?

LÍVIA: - Ai amiga, ontem foi tanta correria, que eu nem tive tempo de falar com você.

CARLA: - Então fala agora! Já to curiosa pra saber!

LÍVIA: - Lembra daquele empresário, rico, que eu comentei com você que era cliente antigo no restaurante, e tal?

CARLA: - Claro que lembro sim. O que tem ele?

LÍVIA: - Então. Ele... Eu...

CARLA: - Ele, você...?

Carla percebe a inquietude de Lívia.

CARLA (surpresa): - Vocês dois estão juntos?!

LÍVIA: - Não! Não estamos! Ou já não sei se estamos!

CARLA: - Ai que loucura isso! Me explica direito!

LÍVIA: - Nem eu sei como explicar. Já tem algum tempo que a gente conversa, que rolou uma cumplicidade. E aí ontem, ele foi atrás de mim no restaurante, se declarou e/

CARLA: - E?

LÍVIA: - E a gente acabou se beijando.

CARLA (grita/eufórica): - Eu não acredito!

LÍVIA (contém Carla): - Fala baixo! Ninguém pode saber!

CARLA: - Desculpa, mas eu não consegui me conter.

LÍVIA: - Nem eu, amiga. Tentei resistir, mas foi mais forte que eu. Eu acho que depois de tanto tempo, estou amando.

CARLA: - Mas assim, de repente?!

LÍVIA: - Assim, de surpresa. Mas eu sinto que não é algo passageiro, sabe? Fogo de palha. É um amor que vai crescendo a cada dia. Eu ontem quase nem consegui dormir, pensando no beijo que ele me deu.

CARLA: - Eu já to sentindo falta disso. De um amor assim, sabe? Que me deixe sem dormir a noite.

LÍVIA: - Mas e o Breno?

CARLA: - Breno não é amor. É só um casinho, uma curtição. Nada além disso.

LÍVIA: - Tô sabendo... (risos)

CARLA: - Ah, para! Não desvia o assunto. Estamos falando de você. Mas e agora, o que você vai fazer? Vai ficar com ele?

LÍVIA: - Não sei.

CARLA: - Como não sabe?! Ele se declarou pra você, vocês dois se beijaram, você nem dormiu por causa desse beijo! E agora não sabe se vai ficar com ele?! Lívia, você tá ficando louca!

LÍVIA: - É que é mais complicado do que se imagina, Carla.

CARLA: - Complicado por que?!

LÍVIA: - Por causa do Jonas.

CARLA: - O que tem o Jonas?

LÍVIA: - Eu to dividida. Ontem mesmo, eu ia no cinema com ele. E quando chegou na hora, o Jonas acabou me flagrando aos beijos com o Tarcísio.

CARLA: - Ih, saquei tudo. Você tinha uma quedinha pelo Jonas, aí chegou o ricaço e te deixou balançada. Você caiu nesse balanço junto e agora não sabe o que fazer. Se fica com o dono do mundo ou com o jovem romântico.

LÍVIA: - Parece história de novela, mas é bem assim mesmo. (segura na mão de Carla) E agora amiga, o que eu faço?

CARLA: - Infelizmente eu não posso dizer pra você optar entre um e outro. Quem precisa decidir isso é você. E a melhor maneira possível é consultando o seu coração. Ele vai te dizer o que é melhor pra você.

LÍVIA: - Mas o coração às vezes nos prega peças. Não quero sofrer o que eu sofri com o Alexandre.

CARLA: - Mas de longe, o Jonas não se parece nada com o traste do Alexandre, Lívia. Agora, eu não conheço esse Tarcísio. Mas se você está realmente gostando, apaixonada, amando mesmo como você disse, acho que deve se jogar. Se joga, vê no que vai dar. Amar também é correr riscos.

As duas se olham cúmplices, se abraçam carinhosas.

CENA 18. SÃO PAULO. EXT. NOITE

Takes rápidos da cidade ao anoitecer. Corta para.

CENA 19. CASA TARCÍSIO. SALA DE JANTAR. INT. NOITE.

Na sala de estar, Agda, Vitória, Fabrício, Rafael e Beatriz conversam.

AGDA: - Devo confessar que estou muito feliz em ver essa casa cheia.

RAFAEL: - Casa cheia, vovó? Estamos apenas em cinco pessoas.

VITÓRIA: - Sem contar o Moisés e a Nice.

AGDA: - Ah, mas para mim que passo praticamente o tempo inteiro sozinha aqui dentro, o mínimo de pessoas que estejam comigo já me faz sentir a casa lotada de gente. É, meus caros jovens, a gente vai ficando velha e sendo deixada para trás.

VITÓRIA: - Ai, vovó! Não fale assim. Ninguém está deixando a senhora pra trás, nunca!

AGDA: - Como não?! A primeira foi sua mãe, que se foi para Nova York e nem pra me avisar antes. Rafael vive mais no apartamento dele do que aqui, isso quando não está com a Beatriz. Você é a única que fica mais, ou melhor, ficava, porque já tem dias que anda na casa do Fabrício. E seu pai, bom, seu pai presente ou não, não fazia diferença nenhuma.

RAFAEL: - Bom, mas agora nós estamos aqui para fazer companhia pra senhora. Vamos deixar esse papo de abandono, solidão pra lá!

FABRÍCIO: - Concordo, Rafa. Hoje a noite é de alegria, celebração.

BEATRIZ: - E estamos celebrando o que?

VITÓRIA: - A vida, né? Esses momentos bons que estamos passando. (olha carinhosa para Fabrício) Os reencontros... (beija Fabrício)

AGDA: - Na minha época de namoro, não tinha essa melação toda!

Todos riem. Nice entra na sala.

NICE: - O jantar já está pronto, dona Agda.

AGDA: - Ótimo Nice.

BEATRIZ: - E qual o cardápio, Nice?

NICE: - Filé de frango recheado ao molho de queijo. E de sobremesa, torta de pera com calda de chocolate.

RAFAEL: - Mas isso é um manjar dos deuses!

VITÓRIA: - A Nice faz isso é pra gente sair da dieta!

FABRÍCIO: - Mas você não precisa de dieta, meu amor. Tá perfeita assim.

AGDA: - Vamos jantar logo antes que esses dois coloquem a sobremesa na frente, fazendo um doce de mel.

Eles riem, enquanto vão se encaminhando para a sala de jantar.

CENA 20. SUPERMERCADO. INT. NOITE.

Onira está com o carrinho de compras. Ela pega o produto na prateleira e segue em direção ao caixa. Ela encontra um caixa que está terminando de atender um cliente. Os outros caixas têm fila, este não. Quando Onira se aproxima, percebe que o atendente é negro. Onira para de repente, e não hesita em trocar de caixa. Entra noutra fila. Uma mulher se aproxima dela.

MULHER: - Você tem tanta coisa pra passar. Esse caixa tá vazio.

ONIRA: - Eu não me importo de esperar na fila.

O cliente do caixa sai. O atendente olha para Onira, gentil.

ATENDENTE: - Pode vir, senhora.

Onira não responde. Finge que nem é com ela. Logo outras pessoas vão para o caixa.

CENA 21. REDAÇÃO FLASH PAULISTA. EXT. NOITE.

Conrado vai saindo do prédio. Do outro lado da rua, Sarah o vê e se aproxima. Conrado caminhando distraído, se surpreende quando Sarah o chama.

SARAH: - Fala Conrado!

CONRADO (surpreso): - Sarah!

SARAH: - Nêgo, eu to chocada! Tu trabalha aqui nesse prédio?!

CONRADO (preocupado que alguém o veja com Sarah): - Sim, trabalho.

SARAH: - Meus parabéns, hein! E faz o que aí?

CONRADO: - Eu sou o dono da revista que fica aqui no prédio... Mas, Sarah, porque você não vem numa outra hora? Ou melhor, conversamos num outro lugar, porque agora eu preciso ir e/

SARAH: - Mas eu sempre quis entrar aqui nesse prédio! Acho ele um luxo só... (se aproxima de Conrado, o acaricia) Você bem que podia fazer um tour comigo aí por dentro, não acha?

CONRADO (tentando resistir): - O que eu acho?

SARAH (sensual): - É, o que você acha?

CONRADO: - Eu... (escuta a voz de Isabela) Essa não!

SARAH: - O que foi?!

Conrado empurra Sarah, que cai atrás de um arbusto. Isabela sai do prédio, vê Conrado.

ISABELA: - Pensei que já tivesse ido embora.

CONRADO: - Eu estava indo, mas voltei porque pensei que tivesse esquecido um documento. Mas está aqui nas minhas coisas.

ISABELA: - Então está bem. Até amanhã.

CONRADO: - Até.

Isabela vai saindo, quando Conrado a chama.

CONRADO: - Isabela!

ISABELA (vira-se para ele): - Diga.

CONRADO (se aproxima de Isabela): - Aquilo que aconteceu ontem no meu apartamento, a gente precisa/

ISABELA: - Esquecer, não é Conrado?

CONRADO: - Esquecer por quê? Se você mesma disse que gostou do meu beijo?

ISABELA: - Vai ser melhor assim. Eu não estou preparada pra me envolver com alguém assim. Eu preciso de um tempo.

Nesse instante, Sarah se levanta de trás dos arbustos.

SARAH: - E eu preciso de uma calça nova! Conrado, você conseguiu me rasgar aqui ó!

Isabela fica surpresa ao ver Sarah. Conrado sem graça. Sarah se aproxima dos dois.

SARAH: - Não precisava me empurrar pra trás daquela moitinha desse jeito! Olha aí ó, estragou minha roupa.

ISABELA: - Ah, então é assim que você quer se acertar comigo, Conrado?

CONRADO: - Calma, Isabela, não é nada disso que você está pensando.

SARAH: - Ih, é a mulher do chilique de novo.

ISABELA: - Mulher do chilique?! Que história é essa?!

SARAH: - Eu lembro de você, fez um escândalo só porque me viu abraçada com o Conrado na frente do restaurante. Era só um abraço de amigo, tá?

CONRADO: - Viu só, Isabela?! Só amigos!

SARAH: - Mas agora, depois daquele empurrão atrás da moita, sei não se isso não vai mudar, né Conrado?

ISABELA (chocada): - Empurrão atrás da moita?! Pra mim chega, Conrado. Eu vou embora, to cansada. Não tenho saco pra ficar aqui aturando as tuas sem-vergonhices!

Isabela sai, brava. Conrado tenta se explicar, mas ela não lhe dá ouvidos.

CONRADO (a Sarah): - Viu o que você fez? De novo!

SARAH: - Viu o que você fez, né Conrado?! Poxa, essa calça eu paguei caro na Vinte e Cinco.

CONRADO: - Desculpa, a intenção não foi estragar a sua calça.

SARAH: - Mas estragou. Eu tava toda animada pra dar um tour contigo no prédio, mas agora não tem como né? Não posso andar rasgada por aí. (saindo) Qualquer coisa, me liga!

Sarah vai embora.

CONRADO: - Te ligar como?! Se nem teu telefone eu tenho! Ai meu Deus, com quem eu fico? Com a santinha ou com a devassa?! Pelo visto hoje, eu vou ficar é sozinho mesmo... De novo.

CENA 22. APTO MARILU. INT. NOITE.

Marilu e Paulo conversam à mesa. Marilu irritada, com uma taça de vinho na mão. Paulo bebe wiski.

MARILU: - Ele disse que tá amando aquela vagabunda!

PAULO: - Calma, Marilu! O Tarcísio vive momentos. Ele vai ver que você é melhor do que aquela lá e vai voltar.

MARILU: - Não me pede calma, Paulo, porque calma é a última coisa que eu quero ter agora. (levanta-se) Eu vou lá naquele restaurante quebrar a cara da ordinária!

PAULO (detém Marilu): - Para! Você tá louca?! Quer colocar tudo a perder?!

MARILU: - Eu não posso é perder o Tarcísio pra ela, Paulo! A minha chance de ficar rica, milionária, bem de vida!

PAULO: - Mas dando uma surra na coitada, você só vai piorar as coisas. Aí sim o Tarcísio vai passar longe das suas mãos. Tenta esfriar a cabeça. Pensa num plano pra afastar os dois. A Lívia tem jeito de ser bem bobinha, sabe? Idiota.

MARILU: - Idiota? Ela é muito é esperta, isso sim. Tratou logo de agarrar o ricaço pra deixar de ser funcionariazinha de restaurante. Mas deixa, ela vai se ver comigo.

Marilu fecha ainda mais sua expressão. Paulo se mostra apreensivo.

PAULO: - Está passando bem?

MARILU: - Nunca estive melhor, em toda minha vida.

PAULO: - Você se fechou.

MARILU: - Você não disse pra eu pensar num plano pra separar o Tarcísio e a Lívia? Então... Já estou com ele marcadinho aqui na minha cabeça.

PAULO: - E o que você pensou?

Marilu olha para Paulo, sorri, cínica. Larga a taça de vinho, pega o wiski, bebe um gole e depois atira o copo na parede. O copo se quebra, espalhando cacos por todo o local. Paulo se choca.

PAULO: - O que foi isso?!

MARILU: - Eu vou acabar com a vida da Lívia. A alegria dela vai ficar assim, igual a esse copo... Virada apenas em cacos. E ela nunca mais vai conseguir unir os pedacinhos.

Marilu ri, maléfica. Paulo a observa.

CENA 23. PENSÃO BEM QUERER. SALA. INT. NOITE.

Lívia está assistindo TV com Pedro, quando seu telefone toca. Ela vê a chamada de Tarcísio e atende o telefone, surpresa.

LÍVIA: - Alô? (T) Oi, Tarcísio!

Jonas entra e ao perceber o que acontece, espera, fica ouvindo a conversa de Lívia. Ela nem o percebe.

LÍVIA: - Claro, pode falar. (T) Hoje?! Mas eu nem sei como fazer isso! Não posso. (T) O Pedro ainda tá acordado, não sei se seria bom. (T) Tudo bem, farei um esforço. Mas não prometo nada, tá? (T) Beijo. (desliga o telefone)

Jonas se mostra chateado.

CENA 24. CASA FAUSTO. QUARTO. INT. NOITE.

Fausto arruma as malas para a viagem, enquanto conversa com Lorena.

LORENA: - Quantos dias fora, querido?

FAUSTO: - Dois ou três. Espero que passem rápido, porque vou morrer de saudades suas.

LORENA: - Ai, eu também!

Os dois se beijam.

FAUSTO: - Agora eu preciso terminar de arrumar a mala. Saio cedo amanhã.

LORENA: - Quem vai te acompanhando, lá da clínica?

FAUSTO: - Ninguém.

LORENA: - Ninguém? Mas você sempre vai acompanhado de algum médico da equipe.

FAUSTO: - Desta vez o convite veio em cima da hora. Não tive como alterar as escalas na clínica. O Almir já vai ficar no meu lugar para coordenar tudo por lá. Tá bom dessa forma. Assim eu vou e volto tranquilo.

LORENA: - Vou com você no aeroporto amanhã.

FAUSTO: - Vá mesmo. Convida a Mayra para ir junto. E vê se consegue colocar na cabeça da sua filha que ela precisa voltar com os estudos de uma vez por todas.

LORENA; - Pode deixar, vou falar com ela.

Fausto continua a arrumação das malas, com a ajuda de Lorena.

MUSIC ON: Bella Ciao – Alok, Bhaskar, Jetlag Music e André Sarate

CENA 25. FRANÇA. PARIS. EXT. NOITE.

Takes longos e alternados da cidade à noite. Mostra pontos turísticos, como a Torre Eiffel, o Arco do Triunfo, a Champs Élysées. Mostra a fachada de um hotel luxuoso parisiense. 

CORTA PARA

CENA 26. PARIS.  HOTEL. SUÍTE PRESIDENCIAL. INT. NOITE.

CAM vai percorrendo a suíte presidencial do hotel. Mostra-se uma decoração luxuosa, todo o requinte e elegância francesa. CAM chega à porta do banheiro, que está fechada. Ouve-se apenas gemidos. De repente, uma mão masculina se aproxima da maçaneta e abre a porta vagarosamente.

CAM revela um casal, aos beijos dentro de uma banheira com espuma. CAM foca no rosto da mulher. Revela-se Louise, abraçada com um rapaz aparentemente mais jovem.

Alguém entra no banheiro. CAM foca de trás, é um homem, meia idade, que observa a cena imóvel. Louise e o rapaz na banheira nem percebem a presença do homem, até que ele se manifesta.

MUSIC OFF.

PIERRE: - Eh bien, je soupçonne, Louise. [bem que eu desconfiava, Louise]

Louise se choca ao ver seu marido flagrando-a com o amante.

LOUISE: - Non! [não!]

PIERRE: - Je ne conduis pas le mot! [não me dirija a palavra!]

Louise sai da banheira, enrola-se na toalha, atrapalhadada.

LOUISE: - Calmez-vous, mon amour, je peux expliquer! [calma meu amor, eu posso explicar!]

PIERRE: - Pas besoin d'expliquer. J'ai vu votre trahison! [não precisa explicar, eu vi sua traição!]

O rapaz sai da banheira, enrola-se numa toalha e vai saindo rapidamente do banheiro.

LOUISE (a Jean): - Vous me laissant seul ici? [vai me deixar aqui sozinha?]

JEAN: - Je suis juste le messager. Je ne peux pas s'impliquer dans les affaires des clients. [Eu sou apenas o mensageiro. Não posso me envolver nos assuntos dos hóspedes]

Jean sai. Louise fica cara a cara com Pierre.

PIERRE: - Je pense que vous devriez aussi emballer vos biens et de partir. [Acho melhor você também arrumar suas coisas e ir embora]

LOUISE: - Mais Pierre, parlons-en! [Mas Pierre, vamos conversar!]

PIERRE: - Discuter, en présence de mon avocat. [conversaremos na presença do meu advogado]

Pierre se retira. Louise fica apreensiva.

CENA 27. HOTEL LUXO. QUARTO TARCÍSIO. INT. NOITE.

Há uma mesa de jantar posta. Duas taças de champanhe, que Tarcísio acaba de servir. Ele está um tanto ansioso. A campainha toca. Tarcísio abre a porta. É Lívia.

TARCÍSIO: - Eu sabia que você viria.

Os dois sorriem, ficam a se olhar carinhosamente.

Encerra com Talismã - Monique Kessous feat. Raimundo Fagner
 
     
     

autor
Édy Dutra

elenco
Christine Fernandes como Lívia
Taís Araújo como Marilu
Zé Carlos Machado como Tarcísio
Fábio Assunção como Rafael
Bruno Ferrari como Jonas
Marcos Caruso como Paulo
Renata Domingues como Carla
Júlio Rocha como Breno
Bianca Castanho como Beatriz
Júlia Feldens como Vitória
André Bankoff como Fabrício
Danton Mello como Marcos
Lavínia Vlasak como Isabela
Caco Ciocler como Conrado
Janaína Lince como Sarah
César Mello como Alfredo
Aída Leiner como Inês
Luíza Curvo como Tatiana
Jonathan Haagensen como Plínio
Marco Ricca como Fausto
Sílvia Pfeifer como Lorena
Thaís Vaz como Mayra
Gisele Policarpo como Gisa
Guilherme Leme como Almir
Mônica Martelli como Louise
Sérgio Menezes como Kléber
Cyria Coentro como Nice
Ernesto Piccolo como Moisés
Natália Guimarães como Rita

Atrizes convidadas
Sônia Braga como Elizabeth
Regina Duarte como Rosa
Valquíria Ribeiro como Adriana
Ângela Leal como Agda
Mila Moreira como Charlote
Denise Del Vecchio como Onira
Beatriz Segall como Wanda
Arlete Salles como Alaíde

Atores convidados
Gracindo Júnior como Demétrio
Rodrigo Santoro como Henri
Juan Alba como Alexandre
Nill Marcondes como Eduardo
Roberto Bonfim como Roberto
Floriano Peixoto como Jorge

Participações especiais
Dudu Azevedo como Romão
Elisa Lucinda como Cidália
Antonio Pitanga como Tenório
Vanessa Lóes como Clair
Alexandre Slaviero como Hugo
Lui Mendes como Pereira
Mônica Martelli como
Louise

Trilha Sonora
Pra rua me levar - Ana Carolina (abertura)
Retratos e canções – Paulinho Moska
Bella Ciao – Alok, Bhaskar, Jetlag Music e André Sarate
Talismã - Monique Kessous feat. Raimundo Fagner

Produção

Bruno Olsen
Cristina Ravela
Diogo de Castro


Esta é uma obra de ficção virtual sem fins lucrativos. Qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência.


REALIZAÇÃO


Copyright
© 2018 - WebTV
www.redewtv.com
Todos os direitos reservados
Proibida a cópia ou a reprodução
.aaa.
.aaa.

Compartilhar:

Postar um comentário

 
Copyright © WebTV | Design by OddThemes